quarta-feira, 21 de março de 2018

LIVRO FOTOGRÁFICO REVELA UNIVERSOS AFETIVOS DE REPRIMIDOS PELA DITADURA

Como um desdobramento do projeto “Marcas da Memória – História Oral da Anistia no Brasil”, que entrevistou cerca de 100 pessoas vítimas de perseguição política, prisão e tortura durante a ditadura civil-militar instaurada no Brasil após o golpe de 1964, o fotógrafo Diego Di Niglio lançou nesta terça-feira (20/3), o fotolivro P14311, no Arquivo Público do Estado de Pernambuco.

O italiano radicado no Recife investigou com imagens as histórias e universos afetivos de pessoas atingidas pela repressão. Pesquisou e utilizou também os materiais dos prontuários do DOPS de Recife na construção de séries fotográficas. O ensaio conta com uma média de 100 imagens, compondo uma narrativa visual baseada nas memórias de cerca de 30 pessoas. A pesquisa foi realizada ao longo de 4 anos, entre 2014 e 2017, em Pernambuco, entre Recife, Olinda e o antigo Engenho Galileia (Vitória de Santo Antão), sede da primeira Liga Camponesa do Nordeste e onde foi gravado o célebre documentário “Cabra marcado para morrer”, de Eduardo Coutinho. 

O projeto conta com incentivo do Governo de Pernambuco, por meio do Funcultura e com os apoios da Universidade Federal de Pernambuco – Departamento de História e Programa de Pós-graduação em História, Comissão Estadual da Memória e Verdade Dom Helder Câmara (CEMVDHC), Arquivo Público Estadual de Pernambuco José Emerenciano (APEJE), Fundação Joaquim Nabuco – Coordenação Geral de Estudos da História Brasileira (Cehibra), Instituto Miguel Arraes, Comitê de Memória Verdade e Justiça de Pernambuco (CMVJ-PE) e Associação Pernambucana de Anistiados Políticos (APAP).