terça-feira, 18 de setembro de 2018

MEMÓRIA POLÍTICA DE GARANHUNS (1972)

Década de 1970 - Governador Eraldo Gueiros Leite,
prefeito Amílcar da Mota Valença, vice-prefeito Ivo
Amaral e o vereador Valdemir Pessoa
Amílcar da Mota Valença venceu a eleição de 1972 contra o jornalista Humberto de Morais, que fez uma campanha inteligente, em cima de um slogan que  assustou a elite dominante do poder, na época. "Vai dar zebra", era o grito de guerra dos oposicionistas, que tentaram compensar a falta de recursos com a criatividade.

Mas o candidato da Arena era forte, tinha serviços prestados ao município e, no final, o irmão do Padre Adelmar obteve uma vitória tranquila, tomando posse no dia primeiro de janeiro de 1973 para governar Garanhuns mais quatro anos. Neste pleito, o vice da chapa vencedora foi Ivo Tinô do Amaral, natural de Lajedo, mas já com raízes na Suíça Pernambucana, tendo sido vereador do município de 1963 a 1968.

No início da década de 70, o presidente do Brasil era o general Costa e Silva e o regime militar, forte ainda, tratava de dificultar as coisas para os civis. O governo central determinou que fosse reduzido o número de vereadores em todos os municípios, proibindo, também, que o cargo de vereador e de vice-prefeito fosse exercido com remuneração.

Assim, a nova Câmara que assumiu os destinos de Garanhuns era composta de apenas sete parlamentares e todos tinham de trabalhar sem direito a salário. Foram eleitos, em 1972, os seguintes representantes da comunidade: Antônio Adeildo Ferreira, representando o distrito de São Pedro, Dinaldo Isaac de Macedo, José Estevão dos Santos, o Zito.

Completavam a bancada Osvaldo Ferreira da Silva, Pedro Rodrigues de Souza, Severino Pereira Guimarães e o fotógrafo Valdemir Pessoa de Carvalho.

O segundo governo de Amílcar da Mota Valença foi marcado por inúmeras obras de calçamento, a criação da Faculdade de Administração de Garanhuns - FAGA, hoje uma importante instituição de Ensino Superior do interior pernambucano, além da já conhecida austeridade administrativa, que permitia o pagamento rigorosamente em dia  do funcionalismo público. Outra obra importante de Amílcar, nesse segundo mandato, que não pode deixar de ser citada, é a construção da barragem de Inhumas, conseguida junto ao governador do Estado da época, Eraldo Gueiros Leite. (Jornal Correio Sete Colinas - 07/2002 - Garanhuns/PE). Resgatando  e Preservando nossa História.
Postar um comentário