terça-feira, 16 de outubro de 2018

PERFIL DE UM CIDADÃO: GENIVALDO RODRIGUES DE MELO

Genivaldo Rodrigues de Melo
Um servidor guardião da História
Por Cláudio Gonçalves*

Garanhuns/PE - Quem não esperava com expectativas todas as semanas pela nova edição do Jornal O Monitor, um periódico que marcou a história do jornalismo em Garanhuns, e que o leitor se deleitava com as matérias culturais, políticas, econômicas, utilidade pública, prestação de serviços, ações governamentais e publicações oficiais. O Jornal contava com renomados jornalistas e escritores, como Humberto de Morais, Ulisses Pinto, Roberto Almeida, Ivonita Guerra, Luzinete Laporte, Rossini Moura, Gilvandir de Luna, José Francisco de Souza, Lúcio Mauro, Antônio Edson, Hildeberto Martins, José Rodrigues da Silva, Gerson Lima, entre outros, que faziam um jornalismo dinâmico, sério, compromissado com a veracidade dos fatos, deixando um acervo de crônicas e textos históricos que se tornaram um registro da História de Garanhuns.

Despontando entre os principais jornais de Pernambuco, o Jornal O Monitor tinha enorme aceitação em toda a região e atravessou fronteiras, sendo lido em vários Estados brasileiros e países da América do Sul, como o Paraguai, Uruguai e Bolívia, e na Europa, em Portugal.

Mais aquelas páginas tão chamativas, com seus textos e imagens que chegavam as bancas tão bem apresentadas ao leitor, exigiam um trabalho de esforço, dedicação, extrema atenção e habilidade artesanal do Servidor Genivaldo Rodrigues de Melo, que com o seu magistral trabalho numa época em que a tecnologia não era tão avançada, deixava o Jornal no patamar dos grandes periódicos de Pernambuco. 

Nascido em Garanhuns em 28 de setembro de 1962, o filho do saudoso Jornalista, escritor e professor José Rodrigues da Silva e Neuza Bezerra de Melo, estudou o primário na Escola Letácio Brito, depois fez o antigo admissão no Colégio Diocesano de Garanhuns, onde concluiu a 8ª série, ainda iniciou o Ensino Médio no Colégio do João da Mata, nesse período já trabalhava por influência e incentivo do seu pai no Jornal O Monitor, passando a ser efetivo no dia 02 de janeiro de 1979. Como o trabalho exigia um jornada diurna e noturna, teve que deixar os estudos. No Jornal O Monitor começou a sua carreira na função de Chapista, sendo o responsável pela confecção de formulários, talões, convites, revistas, livros e literaturas de cordéis. Seu dinamismo com as máquinas, tanto na operação quanto na manutenção lhe rendeu vários convites para trabalhar em gráficas de São Paulo, mas recusou aos convites, sendo promovido a função de impressor pela a direção do Jornal O Monitor, e com o mesmo afinco e dedicação passou a fazer todos os impressos comerciais e da Prefeitura de Garanhuns. Se destacando a cada dia em sua função, e trabalhando às vezes em vários setores da produção, não demorou a ascender à função de paginador, esse trabalho não é o que podemos chamar apenas de profissão, esse ofício é o que denominamos de arte, pois exigia de Genivaldo Rodrigues, paciência, habilidade e criatividade, pois a montagem de letra por letra na confecção dos textos e padronização de cada matéria exigiam todas essas faculdades para finalização de uma página, e foram incontáveis as vezes que foi além do seu horário de expediente para que no dia seguinte no horário costumeiro, o Jornal O Monitor estivesse em circulação. 

Podemos usar a frase de Machado de Assis em seu livro de Crônicas, Obras Completas, para ilustrar o importante trabalho realizado pelo Servidor Genivaldo Rodrigues de Melo: “Só o Chapista sabe acomodar as frases em fina moldura” (Machado de Assis). Essa arte foi realizada por Genivaldo Rodrigues, que emoldurou as telas para que os nossos jornalistas e escritores garanhuenses pintassem suas crônicas, poesias e prosas.

Em cada Jornal O Monitor que foi publicado no final da década de 70, e nas décadas de 80 e 90 está o trabalho de Genivaldo Rodrigues, que em setembro deste ano completou 40 anos de serviços prestados ao município de Garanhuns, serviços esses prestados com dignidade e amor ao seu único e até hoje local de trabalho a Gráfica Municipal. 

Esse servidor de ilibada conduta e simplicidade, pequeno na estatura, mas gigante na responsabilidade com a função que exerce, segue a sua trajetória no funcionalismo público municipal, sem mácula, cumprindo seus deveres com a mesma disposição para o trabalho a cada dia. 

Casado com Cristiane Morais de Melo, esse pai e avô dedicado e amoroso, tem quatro filhos: Geisa Maria de Melo, Geison Jeferson de Melo, Geise Jessica de Melo e a caçula da família Thainá Morais de Melo. Seus netos são: Jonathan, Júlia e Giovana. E agora se prepara para receber o novo membro da família, o seu primeiro bisneto. Assim vive Genivaldo Rodrigues, cercado pelo carinho da família e de suas estimadas irmãs Daniele, Socorro, Márcia Rodrigues sua sobrinha Allyni.

O Jornal O Monitor com sua autenticidade, hoje é um referencial para a pesquisa histórica, e muitos que um dia folhearem as suas páginas, e encontrarem matérias sobre a explosão das barracas em Garanhuns, as festas natalinas, a inauguração da CEAGA, entre outras, saberão que nessas páginas estão à vida e a arte desse dedicado servidor Municipal, Genivaldo Rodrigues de Melo, que herdou do seu pai José Rodrigues da Silva o entusiasmo pelo jornalismo e ao deixar o serviço público municipal nos deixará esse prodigioso legado histórico, fruto do seu trabalho e amor pela sua profissão. E que todos nós colegas de trabalho e amigos o admiramos pela sua generosidade, carinho e prontidão.

*Cláudio Gonçalves de Lima é professor, escritor, historiador e ex-presidente do Instituto Histórico, Geográfico e Cultural de Garanhuns.
Postar um comentário