>>>>>>>>>>>> MEMÓRIA - RESGATANDO E PRESERVANDO NOSSA HISTÓRIA

terça-feira, 15 de outubro de 2019

MERCADO PÚBLICO MUNICIPAL 18 DE AGOSTO


Vista aérea de Garanhuns na década de 50
Imagem/IBGE
*Por Cláudio Gonçalves 

GARANHUNS - Amílcar da Mota Valença foi eleito prefeito de Garanhuns no ano de 1963, sendo o vice-prefeito o Dr. Everardo Ribeiro Gueiros. Nesse primeiro mandato a frente do poder executivo de Garanhuns, duas grandes obras ficaram marcadas em sua gestão: A construção do Colégio Municipal e o Mercado Público Municipal.

Assumindo o cargo em 15 de novembro de 1963, Amílcar da Mota Valença já delineou a construção do Mercado Público Municipal, no dia 13 de dezembro daquele ano contraiu junto a Caixa Econômica Federal um empréstimo de 15 milhões de cruzeiros novos, (1 milhão, 656 mil reais, em valores atualizados), que seria pago em quatro anos. Enquanto aguardava a liberação do crédito. Em 20 de fevereiro de 1964 através do Ato Nº 4.546 solicita a Câmara de Vereadores de Garanhuns à abertura de crédito para compra de materiais de construção e ferro para a edificação do mercado público. O local para a construção do mercado foi escolhido pelo prefeito, aproveitando o prédio que servia de mercado, mas que já não atendia as necessidades dos garanhuenses. Com a demora na liberação da concessão do empréstimo pela Caixa Econômica, alguns comerciantes da cidade fizeram donativos, entre eles o comerciante Vavá Moraes.

Vanildo Branco, Ivo Amaral, Amílcar da Mota Valença, José Guilherme e Antônio Miranda
Imagem/Ulisses Viana de Barros

A construção do Mercado Público teve alguns entraves, entre eles, a desapropriação de algumas casas. A partir de dezembro de 1964, são iniciadas as desapropriações e demolições. Em 03 de março de 1965 a construção é iniciada, sendo levantadas as primeiras paredes, no mês de maio, o mercado já estava com algumas divisões prontas para receber as primeiras camadas de cimento, mas, novamente a obra não avançou devidos alguns habitantes do quarteirão não entrarem em acordo com a Prefeitura para a demolição das residências restantes. Mesmo com os contratempos a obra continuou em ritmo acelerado e na metade do ano de 1966, a primeira parte já se encontrava bastante adiantada, denotando que seria uma obra de grande vulto.

O ano de 1967 marcava os quatros anos do Governo Municipal de Amílcar da Mota Valença, e as duas obras, marco do seu governo, estavam prestes a ser consolidadas. O Colégio Municipal e o Mercado Público Municipal que estava em fase de conclusão de sua segunda parte.

No dia 15 de novembro de 1967, segundo nota do Diário de Pernambuco, Garanhuns amanheceu em vibração, era a data de mais um aniversário da administração municipal, e o dia foi marcado por inaugurações, primeiro o Colégio Municipal Padre Agobar Valença, criado nos primeiros 15 dias de seu governo e depois o Mercado Público Municipal. Na inauguração do Mercado, foi grande a participação do povo, autoridades civis e militares. Entre essas autoridades, foi registrada a presença dos vereadores Levino Epaminondas, Ivo Amaral, José Inácio, José Guilherme - Presidente da Câmara, Severiano Morais - Presidente da Associação Comercial, médicos Alves Pinto e Couto Filho, advogados Manoel Lustosa e Osvaldo Medeiros, professor Erasmo Vilela - Diretor de Educação e Cultura, Paulo Tavares Correia, Márcio Roberto - Gerente da Celpe, estudante Otávio Augusto, Dr. Gabriel Prazeres - Juiz da 1ª Vara, Dr. Hugo Guimarães - Promotor, Dr. Marcos Vinicius Vilaça - Representante do ex-governador Paulo Guerra, além de outras autoridades. Monsenhor José de Anchieta Callou, efetuou a benção do novo Mercado Público.

Naquele dia 15 de novembro de 1967, essa obra de grande vulto para a cidade foi entregue ao público, e recebeu em sua inauguração, o nome de Mercado Público Municipal 18 de Agosto, ou simplesmente Mercado 18 de Agosto, data da vitória eleitoral de Amílcar da Mota Valença (18 de agosto de 1963). E, que dotado de vários boxes com as mais diversas atrações, abasteceria o nosso povo minorando o problema das feiras.

*José Cláudio Gonçalves de Lima é escritor e historiador.  Licenciatura e graduação em História pela UPE. Professor da Rede Estadual e Municipal de Ensino. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário