>>>>>>>>>>>> MEMÓRIA - RESGATANDO E PRESERVANDO NOSSA HISTÓRIA

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

PERNAMBUCO COMEÇA A EMITIR NOVO MODELO DE RG NESTA SEXTA, 25

O Estado de Pernambuco começa a emitir nesta sexta-feira (25) o novo modelo nacional da carteira de identidade. O documento terá mais itens de segurança e mais resistência contra extravios. Por causa da transição, os agendamentos de solicitação do RG no site do Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) estão suspensos até a próxima quinta-feira (24).

O novo documento poderá conter mais informações do cidadão, como CPF, Título de Eleitor, nome social, número do PIS/Pasep, Carteira de Trabalho, Certificado Militar e tipo sanguíneo. Há também a possibilidade de inclusão de um QR code para identificação e segurança digital.

A previsão do Governo do Estado é aumentar em 117% a capacidade de produção das carteiras, passando de 552 mil para 1,2 milhões de cidadãos beneficiados por ano. O sistema ABIS (sigla em inglês para Sistema Automático de Identificação Biométrica) está sendo implantado no IITB desde a sexta-feira (18).

Os novos parâmetros do documento de identidade atenderão ao Decreto Federal nº 9.278 de 2018, que padroniza as novas cédulas. Os Estados têm até março de 2020 para cumprir a determinação.

PRODUÇÃO DE PALMA NO AGRESTE DE PERNAMBUCO GANHA IMPULSO COM PROJETO DO SEBRAE


A palma é um dos ingredientes mais utilizados na alimentação do gado no Nordeste. Resistente à seca, ela tem sido a principal escolha dos produtores rurais como fonte de nutrientes para o rebanho nos últimos sete anos, período de grande estiagem na região. Mas o plantio, em muitas áreas, é prejudicado pela falta de conhecimento em práticas inovadoras pelos agricultores que não têm as técnicas adequadas para ter uma plantação abundante. Uma realizada que vem se transformando a partir de projetos que vêm sendo implantados em todo o estado.

No Agreste Meridional, o Sebrae, em parceria com a Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper), está desenvolvendo um projeto de melhoramento da produtividade do plantio de palma em cinco municípios da região. Ao todo, trinta produtores rurais de Águas Belas, Cachoeirinha, Caetés, Pedra e São Bento do Una participam deste processo, recebendo orientações de consultores especializados da empresa Super Soluções, contratada pelo Sebrae através do programa Sebraetec.

Com um investimento total de R$ 108 mil, cada produtor recebe sete mil raquetes das palmas Orelha de Elefante e Miúda, mais resistentes às pragas, principalmente à cochonilha do carmim. “A ideia é trabalhar os vários processos para que o plantio chamado superadensado tenha produtividade maior e um resultado melhor em um espaço menor de cultivo. Cada vez mais os produtores estão reduzindo suas áreas plantadas, mas sem perder a produtividade”, explica a analista do Sebrae Kédima Azevedo, que coordena o projeto no Agreste Meridional.

A nova realidade começa a ser percebida pelos produtores. Sílvia Silva dos Santos, produtora de queijo que tem uma propriedade rural em São Bento do Una, cria um rebanho bovino de cerca de vinte animais. Destes, catorze estão em fase da lactação e produzem 300 litros de leite por dia. Ela diz que plantava palma como na época dos avós; agora, com a nova técnica, vislumbra um futuro promissor: “esse novo tipo de manejo é muito mais eficaz por ser diferenciado. Graças ao Sebrae, que nos ajuda muito, tudo mudou para melhor”, ressalta. 

Iniciado em setembro de 2019, o projeto é constituído de quatro etapas, sendo que a primeira, a da visita às propriedades, já foi concluída. Nela, o consultor esteve em cada uma das propriedades, identificou os locais mais adequados para plantio, demarcou as áreas escolhidas, fez a coleta do solo para uma análise que vai servir de base para se saber a necessidade de nutrientes que ele precisa, orientou cada produtor sobre como deve ser a gradação, a direção dos sulcos e a sua profundidade.

A fase seguinte é a da distribuição das raquetes e o plantio. Aqui, entra o enraizador, uma substância utilizada na palma para que tenha uma melhor fixação, uma vez que o espaço de plantio é reduzido. A terceira etapa é a de adubação, com base na análise que foi feita do solo. Neste momento, o produtor recebe as recomendações corretas sobre o uso de adubos orgânicos e químicos, utilização de equipamentos de forma correta para que não haja nenhum tipo de contaminação e a quantidade de defensivos, se for necessário.

Por fim, é a etapa de acompanhamento do plantio. “Os consultores são muito disponíveis e estão sempre prontos a atender os produtores que tenham alguma dúvida durante o processo. O grande objetivo é promover a melhoria dos solos para um correto e produtivo plantio de palma e a diminuição dos custos que o produtor vai ter, o que repercute na qualidade final do alimento que vai ser dado ao rebanho”, ressalta Kédima Azevedo. Vale frisar que os produtores só têm despesas com a mão de obra, pois 70% dos recursos são do Sebrae e os 30% restantes da AD Diper.

Imagem/Sílvia Silva dos Santos/Arquivo Pessoal

CONCURSO PREFEITURA DE MATA GRANDE - AL COM 291 VAGAS


A Prefeitura de Mata Grande, no estado de Alagoas, divulgou o edital nº 01/2019 referente ao seu concurso público que irá preencher 291 vagas para profissionais de diferentes níveis de escolaridade. O concurso Mata Grande - AL será executado pelo Instituto de Administração e Tecnologia - ADM&TEC.

Vagas

Cargos de nível fundamental: Auxiliar de Serviços Gerais, Operador de Máquinas e Vigia;

Cargos de níveis médio e técnico: Agente Comunitário de Saúde, Agente de Combate às Endemias, Agente Administrativo, Auxiliar de Educação Infantil, Motorista, Professor de Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, Técnico em Enfermagem, Almoxarife, Agente de Vigilância Sanitária e Guarda Civil Municipal;

Cargos de nível superior: Assistente Social, Biomédico, Contador, Controlador, Enfermeiro, Farmacêutico, Fisioterapeuta, Médico em Diversas Especialidades, Nutricionista, Cirurgião Dentista, Veterinário, Procurador Jurídico, Professor em diversas disciplinas e Psicólogo.

O vencimento para os cargos acima varia de R$ 998,00 a R$ 6.000,00.

Inscrições

As inscrições poderão ser realizadas até às 13 horas do dia 10 de dezembro de 2019, apenas via internet, através do endereço eletrônico www.admtec.org.br.

O valor da taxa de inscrição é de:

R$ 80,00 para os cargos de nível fundamental;
R$ 100,00 para os cargos de níveis médio e técnico;
R$ 120,00 para os cargos de nível superior.

CONCURSO PREFEITURA DE PALMEIRINA - PE


A Prefeitura de Palmeirina - PE lançou o novo edital 01/2019 de concurso público, com o intuito de preencher 64 vagas para profissionais de todos os níveis de ensino. Os vencimentos para os aprovados vão até R$ 6.000,00 em carga horária de 24 a 40 horas semanais.

O Instituto de Administração e Tecnologia ADM & TEC, é o responsável pela realização do concurso Palmeirina - PE.

As oportunidades são para os cargos de auxiliar de saúde bucal, auxiliar de serviços gerais, motorista, motorista escolar, operador de máquinas, pedreiro, agente administrativo, agente de endemias, técnico de enfermagem, assistente social, fisioterapeuta, médico clínico, fonoaudiólogo, farmacêutico, psicólogo, enfermeiro, odontólogo, professor nas áreas de matemática, geografia, biologia, português, língua inglesa, educação física, e professor do 1ª ao 5ª ano, veterinário e engenheiro civil.

As inscrições serão realizadas exclusivamente pela Internet, através da página eletrônica da prefeitura de Palmeirina (www.palmeirina.pe.gov.br) ou diretamente no site do ADM&TEC (www.admtec.org.br), até às 13h do dia 22 de novembro de 2019. As taxas variam de R$ 80,00 a R$ 120,00 de acordo com o cargo escolhido.

Fonte: https://www.concursosnobrasil.com.br/concursos/pe/concurso-prefeitura-de-palmeirina-pe.html

GIVALDO - “AGORA, SIM, SOU PRÉ-CANDIDATO”


O empresário e homem público Givaldo Calado de Freitas, que nunca se disse pré-candidato a prefeito de Garanhuns nas próximas eleições, reiterou na manhã desta segunda-feira, 21, a sua disposição de disputar as eleições para prefeito de Garanhuns no pleito de 2020.

Segundo Givaldo, “meu nome estava colocado à disposição de minha cidade, como sempre disse, não pelo que tivera ou esteja fazendo em defesa da geração de emprego e renda à sua gente. Mas pelo que poderei fazer na condição de seu gestor. Para isso - e muitos sabem e propagam na cidade - estive a me preparar ao longo de minha vida. Estudando a cidade. Ouvindo a sua gente. Folheando vida e as ações de seus grandes gestores - Celso Galvão, Francisco Figueira, Amílcar Valença... Hoje, somos ávidos por uma Garanhuns que faça mais e melhor, porque ela pode, sobretudo no ataque dessa chaga da falta de emprego e renda para seus filhos. Confesso que tenho feito um esforço muito grande na tentativa de minorar essa condição na nossa cidade. Mas, por mais que faça, muito mais temos que fazer. E o poder público tem que estar presente nessa tarefa. Temos que envolver muitos. Muitos das iniciativas pública e privada”.



Ainda segundo ele, “somente, agora, me coloco como pré- candidato, porque sinto que não tenho o direito de fugir desse embate quando vejo centenas e centenas de pais de família; centenas e centenas de jovens à margem de nosso mercado gerador de renda. Eles partem; deixam nossa cidade, que tanto investiu em suas formações, e vão à procura de outros centros. Por isso que renuncio a condição, simples e cômoda, de apenas colocar meu nome a disposição de minha cidade, para anunciar que sou pré-candidato. Saio, portanto, da condição de uma candidatura ‘improvável’, como queriam alguns poucos, e assumo a condição de pré-candidato de forma peremptória e inarredável. 


Portanto, ‘O improvável vira inevitável’, como bem têm definido inúmeros amigos, atentos aos melhores e mais eficazes destinos da ‘Cidade de Simôa’. E desse destino quero fazer parte junto com tantos e tantas que registram seu carinho pela ‘Cidade Encanto’ de Garanhuns.”, declarou Freitas.

Givaldo declarou ainda que, na segunda-feira passada, sentou à mesa com amigos e a direção do partido Avante, tendo pontuado que “recebi de seu presidente, Valdemar Oliveira, todo estímulo à nossa jornada, e já nesse último sábado, recebi a visita, em meu escritório, do deputado federal Sebastião Oliveira, que saiu de Garanhuns certo de minha pré-candidatura e filiação ao Avante, junto com tantos e tantas amigos e amigas, simpáticos à Frente Popular, que reúne, dentre outros, o PSB, o PDT, o PP, o PT e o PCdoB.”




Por fim, Givaldo diz que nessa fase de pré-campanha, e durante ela, vai “ouvir muito. Muito mais do que falar. Afinal, essa gente sofrida tem muito a dizer, e eu tenho um dom que Deus me deu: capacidade de ouvir e de sentir, com paciência e respeito, que a pessoa mais importante é aquela presente à mesa para me dizer de suas aflições. Assim, serei, no processo, candidato a aprender mais do que já sei ou penso que sei, da minha cidade.”

Assessoria de Imprensa

OS HERÓIS DE GARANHUNS II

TIRO DE GUERRA 45 - Outubro de 1930 - No Parque Euclides Dourado - Garanhuns. Primeiro plano: Mário Lira, José Gaspar, Dr. Ivo Júnior, Tenente Amâncio Nunes. No segundo plano: Dr. Eurico P. Lira e Josafá Pereira

Garanhuns através dos seus filhos, esteve presente em todos os grandes acontecimentos que envolveram o Brasil na luta pela sua soberania, na defesa da terra e da liberdade. Durante a Guerra do Paraguai, diversos garanhuenses fizeram parte do "11 (onze) de Voluntários da Pátria", batalhão que partiu do Recife para combater  a tirania do ditador Solano Lopez.

Os seus nomes estão escritos no livro "O Onze de Voluntários da Pátria", do Visconde de Taunay livro raríssimo, dificilmente encontrado até mesmo em bibliotecas públicas.

Ano de 1953 - Tiro de Guerra 45 - Tipógrafo Antônio
Fernandes da  Silva e o professor Erasmo Bernardino
Vilela
A Revolução de 1930 contou com a participação direta dos então jovens garanhuenses. "O Tiro de Guerra 45", denominado de "Coluna Louca", com aproximadamente 100 (cem) homens, sob o comando do saudoso Mário Lira, invadiu Alagoas, tomou Maceió, tendo o governador abandonado o palácio, quando recebeu um telegrama com os seguinte termos: "Segue uma avalanche". Telegrama que o então capitão, comissionado Mário Lyra, numa manobra estratégica, mandou que o chefe da estação da antiga Great Western, hoje rede ferroviária, transmitisse ao governador. Aquela capital ficou inteiramente sob o controle dos rapazes da "Coluna Louca", que ainda se deslocaram pelos estados de Sergipe e Bahia, onde fizeram o encontro com as tropas que vinham do Sul, sob o comando de Juarez Távora, o então tenente, já chamado de "Vice-Rei" do Nordeste. Foi uma revolução onde ainda existiu o romantismo quixotesco e o lado humorístico.

Alguns soldados queriam trazer um bonde para Garanhuns; Hemetério foi à praia levando sabonete e toalha; e um deles, quando recepcionados em Glicério, hoje Paquevira, gritou bem alto "Viva a mulher glicerina".

Dois anos depois a revolução constitucionalista de São Paulo, só hoje compreendida, recebe naquele Estado os filhos de Garanhuns, que serviam no Exército e na Brigada Militar, Polícia Militar. Vem a Segunda Grande Guerra, na Europa, Garanhuenses atravessam os mares e vão lutar contra as hostes nazistas e fascistas, em defesa da democracia e da liberdade do Brasil e do mundo. Seus nomes devem ser lembrados pelas novas gerações: Ivan Pedrosa, Eliazar de Barros, Francisco  Paes de Melo, Luís Alexandrino de Araújo, Luís do Cinema, este último falecido vítima de doença contraída nos campos de batalha. Garanhuns está devendo a ele, uma placa com o seu nome em uma rua da cidade.

*Nelson Paes de Macedo
Jornalista e Historiador
25 de dezembro de 1976

JOÃO LOURENÇO DA SILVA

GARANHUNS - Com a criação do município de Caetés, João Lourenço foi nomeado pelo então governador Paulo Guerra, para ser o prefeito interino daquela terra, porém não aceitou o cargo somente porque ao seu ver, haveria divergências ainda maiores na política de Garanhuns na época. João Lourenço demonstrou espírito de grandeza.

A indicação para ser o prefeito foi de iniciativa de Aloísio Souto Pinto, deputado estadual. Nesse tempo o prefeito de Garanhuns era o Sr. Amílcar da Mota Valença. Tanto Caetés como Paranatama, tiveram suas independências graças a dois projetos do deputado Aloísio Souto Pinto.

*Jornalista Ulisses Pinto

JOSÉ VITORINO DA SILVA

Padaria e Mercearia Royal (Padaria Suíça)

MEMÓRIAS DE GARANHUNS - José Vitorino da Silva (Zé Vitorino), nasceu na cidade das flores. As sete colinas foi a paisagem mais deslumbrante que durante a sua vida permaneceu no brilho dos seus olhos. Foi um homem simples, modesto e nobre. Na sua humildade se caracterizavam as mais vivas expressões de sentimentos. Homem de poucas letras, contudo aprendeu muito pela experiência da vida. Logo cedo sentiu o desejo incontido de fazer algo por sua terra. Fundou algumas sociedades proletárias como a União dos Trabalhadores sindicalizados.

No tempo do amadorismo foi um desportista contaminado pela lealdade das cores do seu clube. Ao seu tempo, as competições esportivas eram muito contundentes. Ele sempre fora calmo, sereno, sem nunca provocar ninguém e nem aceitava provocação. Como praticante foi um desportista regular. Jogou muito tempo pelo América. Participou do Iris Esporte Clube. Era um apalazador, profissão com a qual honradamente mantinha a sua família. Sempre trabalhou na sapataria de Manoel Paulo de Miranda. Estabelecimento que foi  no  ramo sempre um modelo de padrão e honestidade. Zé Vitorino viveu e assimilou as regras profissionais de seus patrões. Era um operário honesto e sempre soube ocupar o seu posto. Nós tivemos a honra de encontrá-lo num Congresso dos Sindicatos, no Rio de Janeiro. A sua atuação foi de muita prudência.

Depois de aposentado, ainda trabalhava, casado e pai de vários filhos residia no bairro de São José, Rua Nova (Atual Rua Mons. Afonso Pequeno), faleceu em 14 de abril de 1991, sendo sepultado no Cemitério São Miguel, em Garanhuns.

*José Francisco de Souza
Advogado, cronista e jornalista
27 de abril de 1991

SERRA TALHADA - PREFEITO SANCIONA LEI QUE PROÍBE SOLTURA DE FOGOS DE ARTIFÍCIO

Vereador Sinézio Rodrigues, autor da proposta
Do Blog do Nill Junior

Foi promulgada pelo Prefeito Luciano Duque a Lei 1.727/2019 de autoria do vereador Sinézio Rodrigues, que proíbe a soltura de fogos de estampido e de artifícios, assim como  de quaisquer artefatos  pirotécnicos de efeito sonoro ruidoso no Município de Serra Talhada.

A Lei é fruto do projeto de lei 022/2019 e, agora, será um importante mecanismo no fortalecimento da qualidade de vida e do bem-estar da população serra-talhadense. É importante ressaltar que a Lei entrará em vigor após 120 dias de sua publicação, dando, assim, um tempo para que o comércio de fogos habitue-se ao novo cenário.

“É com imensa satisfação que buscamos sempre contribuir para o progresso de nosso Município e para o bem-estar da população,” diz Sinézio Rodrigues.

SEBRAE PROMOVE CARAVANA DE GARANHUNS PARA HFN - HOTEL & FOOD NORDESTE 2019


O Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, recebe no período de 6 a 8 de novembro a HFN – Hotel & Food Nordeste 2019, uma das principais feiras de fornecedores dos setores de hotelaria e food service do país. E a Unidade Agreste Meridional do Sebrae está organizando uma caravana de empresários dos ramos de gastronomia, hotelaria e panificação da região para visitar o evento. Os interessados podem se inscrever no Sebrae que fica na Avenida Rui Barbosa, 671, 1º andar, no bairro Heliópolis, ou pelo telefone (87) 3221.3333. O investimento é de R$ 200, que dá direito ao transporte de Garanhuns até Olinda e à hospedagem.

A feira reúne fornecedores de ingredientes, suprimentos, alimentos e bebidas, equipamentos, softwares, mobiliário, cama, mesa e banho, translado, entretenimento, mão-de-obra qualificada com compradores de hotéis, motéis, pousadas, resorts, catering, restaurantes, lanchonetes, bares, padarias, pizzarias, cafeterias e outros agentes que oferecem refeições fora do lar. No evento, os empresários terão a oportunidade de ver as novidades do mercado e participar de palestras. “Eles poderão trocar conhecimentos e fazer uma conexão com os principais fornecedores destes segmentos”, explica Ana Paula Santos, analista do Sebrae.

A saída será na quarta-feira (06/11), às 9h, do Sebrae em Garanhuns. Das 15h às 21h, será realizada a primeira visita à feira. Na quinta-feira (07/11), a programação começa com uma visita técnica dos participantes a um hotel, em parceria com a Abrasel – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes. Das 15h às 21h, nova visita ao evento. O retorno a Garanhuns será na sexta (08/11), às 8h. Um detalhe importante: é de responsabilidade do empresário fazer o seu credenciamento e a sua inscrição nas oficinas e palestras disponíveis na HFN – Hotel & Food Nordeste, através do site do evento: https://hfne.com.br.   

Serviço: Caravana Sebrae para a HFN – Hotel & Food Nordeste 2019

Data: de 6 a 8 de novembro

Inscrições: na Unidade do Sebrae em Garanhuns ou pelo telefone (87) 3221.3333

Investimento: R$ 200, parcelados em até 04 vezes nos cartões de credito

Programação:

Quarta (06/11)

09h – saída do Sebrae em Garanhuns

15h – visita à HFN – Centro de Convenções de Pernambuco

21h – Retorno para o hotel

Quinta (07/11)

09h – visitas técnicas

15h – visita à HFN – Centro de Convenções de Pernambuco

21h – Retorno para o hotel

Sexta (08/11)

08h – Retorno para Garanhuns

LULA EM GARANHUNS (1994)

Luiz Inácio Lula da Silva e Paulo Camelo em 1994

O candidato à presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, conseguiu parar a cidade de Garanhuns, quando visitou a Suíça Pernambucana em 1994. Tudo aconteceu na manhã daquele 19 de agosto, sua chegada estava prevista para acontecer às 10 horas, mas devido ao atraso em consequência de compromissos anteriores, a comitiva que acompanhava o líder petista só desembarcou no aeroporto da cidade por  volta do meio dia.


Lula foi recepcionado no aeroporto de Garanhuns por boa parte dos prefeitos do Agreste Meridional que apoiavam a sua candidatura, inclusive Bartolomeu Quitute, comprometido com Leonel Brizola mas que fez questão de está presente à chegada do "filho ilustre da cidade das flores". Estavam presentes também representações de Angelim, Capoeiras, Caetés, Canhotinho, Lajedo, Paranatama, Brejão, Iati, Águas Belas e Bom Conselho.

Além das lideranças políticas haviam muitos jovens, trabalhadores, estudantes e inclusive crianças. Os pequenos, vestindo camisetas de Lula ou acenando bandeiras, foram um espetáculo à parte. 

No trajeto do aeroporto até as ruas centrais da cidade, Lula foi acompanhado por um grande número de veículos, e aplaudido por milhares de pessoas que saíram às ruas para saudar sua passagem, atraindo uma multidão que depois se concentrou na frente do Centro Cultural.

Depois do comício, Lula participou de um almoço com os prefeitos e candidatos da região, debatendo questões e projetos de interesse de Pernambuco.

domingo, 20 de outubro de 2019

AS NOVAS TECNOLOGIAS, O UBER E O PT

Taxímetro antigo
Imagem/euacheiprimeiro.com
Por Clovis de Barros Filho*

Tenho um amigo aqui em São Paulo. Ele é proprietário e ex-motorista de táxi de uma linha no aeroporto de Guarulhos. Uma mina de ouro há dois anos atrás. Me contou ele certa vez, que chegou a receber proposta de mais de um milhão de reais pela venda da licença. Todos os motoristas pertencem a uma cooperativa que controla e organiza os proprietários das licenças. Pois bem. Conversando com ele logo que o Uber,  esse aplicativo que controla a prestação de serviço de transporte começou a funcionar ainda precariamente,   ele me garantia que a força da cooperativa, do sindicato dos taxistas e mais o apoio de vereadores e prefeitos, jamais permitiriam que o Uber se tornasse concorrente deles e chegasse há se tornar um concorrente que colocasse em risco o lucrativo e milionário negócio dos taxistas. Eu que já tinha lido muito a respeito, discordei dele mostrando as vantagens, a praticidade e sobretudo a redução no preço das corridas que essa empresa trazia, suportada por uma tecnologia moderníssima e que já era sucesso em países da Europa. 

Ele continuo firme nas suas convicções e falou que aquilo não ia prosperar. Passados alguns meses o re-encontrei. E ai? Perguntei. Como está a situação do Uber na praça. Ah! Disse ele. Os caras querem comprar briga mesmo. Mais o prefeito  os vereadores, e o sindicato estão nos apoiando e vai dar tudo certo. E no seu caso falei. Vai vender a linha? Ele me disse: Cara me ofereceram seiscentos mil reais e não aceitei. Pô falei: O preço caiu muito. Aproveita. É muito dinheiro. e você já esta aposentado. Que nada disse ele, deixa quieto. Dois anos se passaram. Ele continua com a linha arrendada. Recentemente tentou vende-la por um preço cinquenta por cento menor que a proposta anterior e não conseguiu vender. O desfecho final é que o Uber invadiu a praia deles e nem sindicato, nem cooperativa muito menos o prefeito conseguiram impedir o avanço do Uber e sua nova tecnologia hoje espalhada pelo país inteiro, fazendo enorme sucesso. Os antigos táxis? Cada vez mais uma raridade.

E o que tem haver o que escrevi acima sobre o Uber com o Partido dos Trabalhadores o maior partido político do Brasil? Muita coisa. É só olhar o que aconteceu na eleição passada. Enquanto o candidato do PT no caso o Haddad favorito no início das pequisas perdia seu tempo em comícios nas avenidas, viagens desgastantes, caravanas com seu líder maior o Lula até arriscando a vida país afora, o candidato que não era sequer levado a sério e encontrava-se lá na rabeira das pesquisas, repentinamente começou a subir de posição e acabou ganhando as eleições. Qual o milagre? Mais uma vez a tecnologia. Suportado pelo whatsapp, twitter e redes sociais como o Facebook conseguiu virar o jogo rapidamente. Sabemos que usando de métodos ilícitos como as fake news conseguiu o seu intento. Mais o certo foi que a velocidade e a abrangência de público que acessavam as suas mensagens foram milhões de vezes maiores. O resultado todos sabemos. O PT dormiu de touca. Preferiu andar de carroça entre comícios, passeatas e programas falidos do horário político. E acreditem. O PT ainda não acordou. Os cardeais do PT continuam chamando o táxi por telefone.

*Clovis de Barros filho nasceu na Serra da Prata (Iatecá). Estudou no Colégio Diocesano de Garanhuns do Admissão ao Científico onde concluiu em 1968. Reside em São Paulo desde 1970. É Licenciado e Bacharel em Química Industrial pela Universidade de Guarulhos e Químico Industrial Superior pelas faculdades Osvaldo Cruz/SP.   

ANTÔNIO PANTALEÃO DA SILVA

Garanhuns, PE - Avenida Santo Antônio na década de 50

MEMÓRIAS DE GARANHUNS - Antônio Pantaleão era construtor e edificava prédios. Conhecia profundamente a filosofia oriental era filiado ao Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento. Professor de ciências ocultas, no que fora muito criticado pelos profanos. Exoterista e como tal estava identificado com os expoentes dessa matéria. Tanto a tradição oriental, como na ocidental expressa no sistema Rosacruz. Lia muito  a Doutora Annie Besant, eminente presidente da Sociedade Teosófica. Discutia e polemizava sobre a capacidade do domínio mental dos iniciados no "Templo do Himalaia". Como jornalista, escrevia fundamentado em princípios, daí a sua coluna "Doutrina Contra Doutrina" muito comentada pelos intelectuais da época. Quando os medíocres pretendiam opinar sobre os seus pontos de vista, esboçava um riso...

Por muito tempo ensinou no Centro Proletário. Educou muitas gerações de sacrificados pela incompreensão dos adeptos da mais valia. Sofreu, como era óbvio algumas restrições. Ocupava no Centro de Cultura Intelectual "Severiano Peixoto -  a cadeira patrocinada por Luís Correia Brasil. O seu trabalho de posse foi uma verdadeira peça literária.

Representou muito bem a nossa terra em conclaves políticos. Não era filiado a qualquer partido dessa natureza. Como orador deixava muito a desejar. A palavra não lhe era muito fácil. Era o tipo de discurso que só poderia ser bem ouvido, depois de alguns minutos. 

Tinha um pouco de Patrocínio, o Abolicionista, poeta primoroso. Certa vez em uma das memoráveis reuniões do Centro Severiano Peixoto (21 de abril) escalado para falar escreveu e dedicou um Soneto ao proto-mártir da República. Era da escola parnaso, contudo, lia e apreciava os modernistas especialmente  o poeta Álvaro Moreira.

Dos mestres da espiritualidade: Flamarion, Elifas, Levi, Gabriel Delane e Akasakof eram seus orientadores. Portanto foi uma figura humana que honrou o pensamento e a inteligência dos que abriram os olhos para a vida na nossa terra.

GUMERCINDO DE ABREU

Garanhuns, PE - Avenida Dantas Barreto e Praça Dom Moura, no final da década de 40. (Atual Mano Imóveis, prédio alto com muitas janelas)

MEMÓRIAS DE GARANHUNS - Declamando os seus poemas, as brancas auras refrescavam à fonte de sua voz. Portador de cultura humanística muito sólida, considerava intocável a pessoa humana, que segundo ele,  é a obra mais comovente da criação. Também filosofava, era um verdadeiro amante da sabedoria. Quando fazia versos inspirados na beleza da vida, considerava-se um visionário, viveu espalhando os seus conhecimentos gostava do magistério, porém a sua maior vocação era a poesia. Jornalista, orador, conferencista e advogado dos mais brilhantes. Falava e escrevia corretamente em francês, sabia um pouco de latim e gostava das catilinárias de Cícero.

Gumercindo de Abreu, nasceu em 11 de agosto de 1895 em Garanhuns e formou-se no dia 4 de maio de 1935 no Recife. Seus pais o então professor João Frederico de Abreu Rêgo e D. Filomena de Abreu Rêgo.

Recebeu as primeiras letras na escola particular mantida por seu pai mostrando-se logo ser uma criança de inteligência precoce e muito estudiosa. Na classe era de um comportamento exemplar não suportando brincadeiras de mau gosto, nem repreensões.

Autodidata completo, estudou por conta própria e alcançou muito alto. A sua visão era de um homem genial que superou o meio e a época. Já nessa altura militava no fórum de Garanhuns, sendo advogado notável, possuidor de estilo próprio, capaz de persuadir com palavras cheias de fé e convicção, de clareza na sua maneira poética de falar, os mais austeros corpos de jurados. Fez defesas admiráveis, entre as quais a do seu amigo o Dr. Rigueira Costa.

Seus conhecimentos em Medicina Legal, matéria esta que muito o auxiliou na carreira, por isso mesmo foi atacado e rudemente caluniado perseguido sem tréguas por seus inimigos gratuitos. Mas nele persistiu o desejo de evoluir de galgar um posto mais  elevado no cenário intelectual de sua terra, sujeitou-se muitas vezes a levar um companheiro seu - bacharel dos mais cultos, completamente embriagado para casa, recebendo em troco lições de direito. 

*José Francisco de Souza
Advogado, cronista, historiador e jornalista
04 de junho de 1977

BONS TEMPOS NA POLÍTICA

O Diário de Pernambuco, edição do dia 12/11/1947 publicou o seguinte telegrama do jornalista Ulisses Pinto, quando o mesmo pertencia ao Diretório de UDN Garanhuns. O Governador na época era o Dr. Otávio Correia: "Por intermédio do Diário, aceite deputado Augusto Novais meus cumprimentos por motivo do discurso do dia 10 último, sobre o manifesto baixo e moral do governo agonizante que dentro de pouco tempo, ruirá como um fruto podre. Saudações Ulisses Peixoto Pinto, do Diretório de UDN". Grandes tempos aqueles. A propósito, nessa época, a luta política entre UDN e PSD era pra valer mesmo. Pelo tom do telegrama, por sinal muito franco, os leitores poderão aquilatar como era a luta política em Pernambuco.

*Coluna Politicando do Jornalista Ulisses Pinto, jornal O Monitor, em 04 de junho de 1977.

sábado, 19 de outubro de 2019

CHEGANÇA, FANDANGO, MARUJADA E NAU CATARINETA EM GARANHUNS

Garanhuns, PE - Rua Santo Antônio na década de 20. (Atual Avenida Santo Antônio esquina com a Rua Dom José)

Jayme Luna (1987)*

Garanhuns sempre possuiu alguns costumes das Alagoas. Mais próxima de Maceió do que do Recife, a nossa terra através de intercâmbio intenso com a capital alagoana, principalmente nos tempos da ligação ferroviária, adotou certos folguedos de cunho regionalista que marcaram época, alguns dos quais para os mais velhos, não há negar, motivo de gratas recordações.

A chegança, Fandango, Marujada ou Nau Catarineta que significam a mesma coisa, só para citar como exemplo, figuraram nas festas natalinas garanhuenses como uma verdadeira atração. Foi aqui introduzida essa manifestação folclórica por Martiniano Esteves dos Santos, um oficial de alfaiate natural de Maceió que residiu nesta cidade e trabalhou na alfaiataria do Sr. Cezar de Medeiros Cavalcanti, ali na Av. Santo Antônio, junto à Igreja Presbiteriana, em casa não mais existente, cujo terreno foi adquirido para a ampliação do templo evangélico.

A "Chegança de Martiniano" como era conhecida, constava de um grande barco de madeira, construído com todas as características, sobre 4 rodas e desfilava pelas ruas ladeirosas de Garanhuns.

A sua última apresentação, aconteceu no Natal de 1914. Tinha também, o nome de "Nau Catarineta" e representava as lutas travadas em tempos imemoráveis entre mouros e cristão.

A sua "guarnição" que era composta de pessoas conhecidas da sociedade local, tinha entre outros os irmãos Manoel Maia Lucas, "guarda marinha", João Lucas, "tenente gageiro" e Júlio Lucas, "capitão de mar e guerra".

Havia a parte coral com cânticos dolentes e enternecedores, Manoel Maia Lucas em razão do seu posto desempenhava na parte coral especial destaque com a sua voz estridente natural à transição menino-rapaz e recebia dos espectadores que se postavam em torno do "barco"os mais calorosos aplausos.

Assim a "Chegança de Martiniano Esteves Santos", alegrava a cidade durante as festas natalinas. Mas o seu introdutor espírito irrequieto e impulsivo com trânsito da política da terra, viu-se envolvido na famigerada Hecatombe de Garanhuns.

Pobre, sem proteção nem amparo de qualquer espécie, não terminou bem os seus dias. Morreu no cárcere.

BYRON URQUIZA DE SANTANA

MEMÓRIAS DE GARANHUNS - Byron Urquiza de Santana, Firmo de Santana, como era conhecido e assinava todos seus trabalhos intelectuais. Nasceu em Garanhuns em 1907. Entre a inspiração das musas aprendeu a conviver com os nossos poetas maiores: Luís Brasil, Gumercindo de Abreu e Arthur Maia, o poeta de maio. Legítimo autodidata, logo cedo revelou-se amigo das letras. Seus sonetos foram publicados no  "Jornal das Moças" caderno literário que se editava no Rio de Janeiro. Lia muito os poetas e clássicos portugueses e nacionais. O tratado de versificação de Olavo Bilac e Guimarães Rosa era sua bíblia poética, era muito solícito e atencioso.

Falava pouco, aprimorava a faculdade de escutar, nunca fora polêmico. Não gostava de opinar senão entre amigos. O silêncio era o seu maior protesto. Passou algum tempo no Recife. Convidado pelo saudoso José Custódio das Neves, veio integrar à direção da Cooperativa Rural, depois estabeleceu-se com pequena casa comercial em Brejão e lá viveu muito tempo. A brisa política soprou suavemente os seus cabelos e colocou-se na prefeitura local, onde se manteve e foi um exemplar funcionário. Aposentado por tempo de serviço ocupou a gerência do "Cinema Jardim", onde permaneceu até os seus últimos dias de atividade de organizador de programa.

Firmo de Santana foi uma integração do parnaso, rimador meticuloso. Não poeta porque queria, era uma vocação bem acentuada. Não compunha sonetos quando queria e sim quando a poesia determinava. Foi um colaborador do jornal O Monitor.

ZÉ CARROÇA - TIPO POPULAR DE GARANHUNS

Garanhuns, PE - Cine Glória (antigo Cine Grossi)
Imagem/Jairo Braga
Alberto da Silva Rêgo* 

O casal Euclides-Isabel tinha vários filhos, entre os tais, José Ferreira, apelidado de "Zé Carroça", cujo "hobby" consistia em colecionar tudo o que se referia a arte cinematográfica, tais como: programas de cinema que eram distribuídos, toda tarde, pela cidade, anunciando o filme do dia e, usualmente, trazendo o resumo do enredo; poster de artistas - Mary Pickford, Douglas Fairbanks, Tom Mix, Buck Jones  e outros; cotação dos filmes, cartazes, etc.

Zé tinha outra mania: gostava de cognominar todo mundo. Certo dia surge com mais uma novidade, disse:

- Buck Jones e Tom Mix estão na cidade. Hoje, à noite, irão ao Cine Grossi e os apresentarei aos amigos.

Eis a surpresa - Duas irmãs, habitués dos filmes de  far-west eram as novas protagonistas. Zé às batizou de Buck Jones e Tom Mix, os astros de bang-bang. E, quase deu um "bolo" quando elas tomaram conhecimento. Eram bem fortes e "Zé" escapou de uma descompostura em regra.

Um dia, Zé aparaceu sem os óculos. Tinha levado uma queda. E a "carroça" (óculos de vidros de grau, muito grosso, que ele usava para a sua miopia) tinha ido para o "beleleu".

A rapaziada, na gozação, perguntava:

- Foram "elas", Zé? Cuidado, Tom e Buck são da  pesada...

E, lá vem xingação.

MANOEL JOAQUIM DA CÂMARA

Garanhuns, PE - Instituto Martins Junior em 1930

MEMÓRIAS DE GARANHUNS - Foi um dos fundadores do CENTRO PROLETÁRIO - Sociedade beneficente, que por muito tempo projetou-se como pioneira de ideias e princípios. Era um centro de gravitação de lutas políticas. A assistência  social era  o ponto alto das atividades do Centro. Proposta se revezavam no sentido de aumentar o número de associados, de outro modo não se poderia alcançar a finalidade: a difusão do ensino, ou melhor, a alfabetização de crianças, de jovens e adultos; tudo feito gratuitamente. Era uma espécie de MOBRAL sem apoio de quem de direito. Os poderes constituídos não tomavam conhecimento destes relevantes serviços prestados à comunidade. A iniciativa particular sempre confundia o comodismo dos que ocupavam os altos cargos. Já naquele tempo discutia-se amplamente a impossibilidade de viver-se fora das organizações sociais, elas representavam o meio de comunicação do indivíduo com a sociedade e da sociedade com o indivíduo.

MANOEL JOAQUIM DA CÂMARA - foi toda a sua vida: professor primário. Mantinha por sua conta uma escola mista - "INSTITUTO MARTINS JUNIOR". O seu método consistia em rígida disciplina e a palmatória dominava pelo medo. O professor substituía o pátrio poder. Dizia que o ensino destinava-se ao preparo prático do futuro homem do comércio. Ser balconista era o sonho e as fagueiras esperanças dos pobres de condição e de espírito. Não era muito de estudar as complicadas regras de gramática. Conhecia pessoalmente o famoso professor e filólogo: Júlio Pires. O seu propósito era preparar os filhos de gente pobre: os ricos que procurassem estudar português com o professor Arthur Maia. Nas sabatinas os alunos teriam de memorizar as perguntas e respostas. Que deveriam ser imediatas, prontas e certas. O aluno teria de somar em voz alta: "Somar sem falar na letra". Nessa difícil operação de memória, o malabarismo mental e a palmatória eram os limites. Mantinha uma ordem impecável, ninguém jamais tentou discrepar de sua orientação. Essa norma de conduta não ficava restrita ao ambiente escolar. Ainda hoje muitas daquelas coisas estão presentes. 

Não escondia, em presença de sua filha, algo de uma frustração de ordem conjugal. A filha não vivia em sua residência e nem sobre o seu domínio. "Instituto Martins Junior" funcionava em uma das casas da rua do Recife (Dr. José Mariano). Com seu  didatismo reconhecimento leigo tornou-se famoso. Todo aluno do velho Câmara sabia alguma coisa. Foi o melhor professor primário de sua época. A conduta desse mestre -  Professor Manoel Joaquim Câmara conduziu por muito tempo o ensino primário em Garanhuns.

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

DOZE ANOS - TIPO POPULAR DE GARANHUNS

Vendedora de Tapioca na Feira Livre de Garanhuns - 24/10/1942
Imagem/Benício Whatley Dias/Fundação Joaquim Nabuco - Fundaj

Seus atos demonstravam a linhagem de remota fidalguia. Portadora de requintada formação moral. A fidalguia de seus gestos marcava a sua personalidade. Datava de muitos anos a sua presença em Garanhuns. Movimentava-se ligeiramente de modo ritmado como se fosse uma bailarina ciosa de sua arte. Estatura média, porte correto e respeitável. Trouxera na cor da epiderme, a noite africana. Nos olhos baços a tristeza mortal da crueldade dos navios negreiros. Seu nome de batismo não era conhecido, certo é que todos da nossa geração a chamavam de: "DOZE ANOS". Vestida de branco, carapinha com laços de fita, parecia lustrosa boneca de ébano. Vendia bolo, biscoitos e tapioca. Considerava-se muito hábil em arte culinária e sabia de memória as fórmulas dos variados quitutes da saborosa cozinha africana. No calendário da humanidade, os dias mais respeitáveis, eram simplesmente - dois - Primeiro de janeiro - Dia de Ano -  e Dia de Reis. Neste dia especialmente se apresentava com o seu melhor vestido. Postava-se com muito apuro e bom gosto - e disso se envaidecia um pouco.

"Dia de Ano" acordava-se logo às primeiras horas da manhã. Cedo começava a se aprontar para as festividades religiosas do dia. Antes do desfile da tradicional procissão, percorria as principais ruas da nossa encantadora terra, cumprimentando  e desejando feliz ano novo, as jovens filhas dos grandes comerciantes de Garanhuns. Dia de Reis possuía para ela um carinho especial. Era magnifico e cheio de esplendor. Dia em que os Magos foram guiados pela estrela cintilante de Belém. Cheia de esperança, o seu coração vivia da fé. Guardava os ensinamentos da religião católica. Trajando blusa rendada e saia de puro linho branco, bem engomada, como se usava na época - artisticamente bordada - por suas mãos hábeis - exibia seu gosto no bem trajar - demonstrando que não era simples debutante da sociedade negra. A guisa de coroa imperial, ornava a sua fronte de singelo diadema, símbolo de sua augusta personalidade. Presa à mão direita, um maracá brilhava ao sol - com seus enfeites multicores. Com a faceirice que lhe era peculiar de passo ligeiro e cadenciado - cumprimentava as pessoas - tocando  o seu maracá, elegante e fidalgamente, respondia às perguntas que lhe eram dirigidas pelas beldades da terra das flores: - "DOZE ANOS" - como você está bonita hoje!!! Onde você aprendeu a se vestir tão bem assim!!!

- "Sinhá moça eu fui criada em bom estado!!! Sei me vestir com apuro como sinhá está sem auxílio de ninguém". Entro para o meu quarto e me visto sem ninguém pregar um alfinete. Com certa dificuldade é certo - pois já estou sentindo a vista curta! É a sombra dos anos - Sinhá!!! "Já estou com 78 anos e acrescentava peremptoriamente: "SINHÁ EU SOU RAINHA DE CONGO": Meus pais antes de virem para cá viviam cercados de adornos dos  príncipes e reis da minha raça!!!

Depois desse diálogo, algumas palavras sobre os Navios Negreiros, concluía com ares de pitonisa: - Olhe Sinhá ninguém pode nem deve se julgar feliz neste mundo, mesmo estando em bom estado". Não há padre de boa vida que possa adivinhar onde vai cair vivo - porque morto se cai em qualquer parte". A vida é sofrimento e surpresa e nada mais"!!! Não adianta lamentar, nem chorar lágrimas de sangue, tudo que passa pertence à eternidade". "O que  tem de ser Sinhá - tem muita força!!! Agitando no ar o maracá enfeitado: "Olhe Sinhazinha tome um conselho da negra velha e uma lágrima brilhava na sua face escura, dessa pobre negra que tanto sofreu!!!... "Não pense nunca no passado: Não fuja de você mesma Sinhá!!! De que serve Sinhazinha a gente voar nas asas do pensamento e depois voltar para o mesmo lugar... E agitando o maracá enfeitado de tiras de fitas encarnadas, azul, branca, verde e amarela, despediu-se das pessoas com quem conversava dizendo: - Até logo Sinhá - Lembre-se - EU SOU RAINHA DE CONGO!!!

Quando "DOZE ANOS" sentira os passos sombrios da morte levantou-se da cama, vestiu-se de branco como costumava fazê-lo nos dias de Ano e de Reis. Assim fora encontrada morta. Sem ninguém - pois, sempre vivera sozinha. Vestida de branco, de maracá à mão direita, fronte ornada pelo diadema imperial. Morrera a "rainha de congo". Boneca de ébano. "DOZE ANOS". 

*José Francisco de Souza
Advogado, jornalista, historiador e cronista
31 de julho de 1982