sábado, 29 de julho de 2017

Festival de Inverno de Garanhuns encerra com show de Fernanda Abreu no palco Mestre Dominguinhos

Cantora Fernanda Abreu.
Foto: Metrópoles
O Festival de Inverno de Garanhuns se despede neste sábado (29) com um dia repleto de muita música, teatro, dança, circo, cinema e literatura pela cidade toda. No palco principal, na praça Mestre Dominguinhos, a cantora carioca Fernanda Abreu apresenta o show do disco Amor Geral. Presente em diversas listas de melhores álbuns lançados em 2016, a carioca sangue bom chega a Garanhuns celebrando o amor através da música e da dança, como uma mensagem por tolerância e mais respeito. O show começa às 00h30. 

Antes, às 23h30, sobe ao palco o cantor carioca Zé Ricardo, que promete muito groove com o show Segue o Baile, no qual interpreta canções de sua autoria como Beijo do Olhar, Eu não te amo mais e Dançando com a vida, parceria com Sandra de Sá, que faz participação especial no show.

Com direção de Juliano Holanda, o show de lançamento do segundo disco solo de Jr. Black, Vende-se, começa às 21h. Os cantores Clayton Barros e Isadora Melo são convidados da noite. Às 22h, o palco do Mestre Dominguinhos recebe a Spok Frevo Orquestra. A big band de jazz-frevo volta a Garanhuns com participações especiais: o acordeonista Beto Hortis e os sanfoneiros Genaro, Júlio Cezar e Dudu do Acordeon, que participaram do álbum Frevo Sanfonado (2015).  Quem abre o palco principal, às 20h, é cantora Andrea Amorim, natural de Garanhuns. 

Palco Pop – Uma das maiores cantoras brasileiras, Marina Lima volta ao FIG para encerrar o Palco Pop acompanhada dos graves da banda paraense Strobo, às 20h20. Ás 19h, a paranaense Simone Mazzer apresenta seu álbum de estreia Férias em videotape, com o qual foi vencedora como revelação do Prêmio da Música Brasileira 2016. A dançarina, cantora e compositora, Flaira Ferro sobe ao palco às 18h com o show de  Cordões Umbilicais, seu primeiro projeto de música autoral. Abrindo o palco, às 17h, o garanhuense Hercinho Gouveia com show de reggae. 

Palco Instrumental – Expoente da sanfona gaúcha, a gaita, o grupo Renato Borghetti e quarteto (RS) encerra o palco na praça Ruber Van der Liden com repertório de world music e jazz fusion. Com sólida carreira internacional, Borguetti já tocou em festivais na Croácia, República Tcheca, Áustria e Alemanha. Quem abre a noite é o músico e compositor pernambucano Salomão Miranda, com show de cavaquinho. Na sequência, a banda de improvisação Poruu e Cláudio da Rabeca. 

Literatura – A praça da Palavra Hermilo Borba Filho recebe, a partir das 10h, o evento Outras Palavrinhas: Conversa com as escritoras infantis Susana Morais e Socorro Lacerda. Logo depois, acontece o  lançamento do Livro Vira-vira Violeta, de Socorro Lacerda, que fala sobre a resistência à opressão. O evento ainda conta com a apresentação do Reisado Infantil Floreando. 

Galeria Galpão – Além das exposições ao longo do dia, a Galeria Galpão recebe a partir das 20h a performance Distopia, Coletivo Espectro. Dividida em três atos, a performance procura abordar os problemas da metrópole através da criação conjunta audiovisual produzida em tempo real. De maneira integrada e simultânea, as artistas Fernanda Fernandes, Carolina Perini e Raquel Abdian fundem objetos, sons, ruídos e música em um processo sinestésico de performance ao vivo.

O Festival de Inverno de Garanhuns é realizado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura e da Fundarpe, e conta também com a parceria da Prefeitura de Garanhuns e apoio da CEPE Editora, Sesc e Sebrae, além do Virtuosi e do Conservatório Pernambucano de Música. Confira a programação completa e atualizada no site oficial: www.cultura.pe.gov.br/fig2017.

Confira abaixo a programação completa deste sábado:

MÚSICA

Palco Mestre Dominguinhos
20h – Andrea Amorim
21h – Jr. Black
22h - Spok Frevo Orquestra
23h – Zé Ricardo (RJ), com participação especial de Sandra de Sá
0h30 – Fernanda Abreu (RJ)

Palco Pop
17h – Hercinho Gouveia
18h – Flaira Ferro
19h – Simone Mazzer (PR)
20h20 – Marina Lima (RJ)

Som na Rural
Parque Euclides Dourado
10h às 17h – Jornada MCs | Edição FIG
22h20 – Mamelungos

Palco de Cultura Popular Ariano Suassuna
13h – Reisado Os 3 Reis do Oriente
13h – Pastoril Giselly Andrade
13h – Maracatu Feminino Coração Nazareno
14h – Boi Diamante de Arcoverde
15h – Severino dos Oito Baixos
16h – Dona Glorinha do Coco
17h – O Bonde
18h – Afoxé Omo Nilê Ogunjá
19h – Orquestra Filarmônica Euterpina de Timbaúba (Patrimônio Vivo)
Palco Instrumental
17h – Salomão Miranda
18h – Poruu
19h – Claudio Rabeca
20h – Renato Borghetti e quarteto (RS)
Palco Forró
23h – Ivan Maceió
0h – Azulinho 
1h – Banda Coruja e Seus Tangarás

Palco Mamulengos e Pontos de Cultura
Local: Parque Euclides Dourado
17h - Boi Tira Teima - Um Boi que Canta e Encanta (Ponto de Cultura Tira Teima)
Boião’s Blues Rock
Rua Orlando Wanderley, 100
Das 15h às 20h
- Banda In Rock
- Yellow Submarine
- Banda Filhos da Estupidez
- Martza Bel

ARTES CÊNICAS
CIRCO

16h – Do Vestido ao Nariz
Cia 2 em Cena (PE)

TEATRO PARA INFÂNCIA

10h – Vento Forte para Água e Sabão
Companhia Fiandeiros de Teatro (PE)
Com audiodescrição e libras
Local: Teatro Luiz Souto Dourado

TEATRO ADULTO

18h – Eldorado
Eduardo Okamoto (SP)
Com audiodescrição e libras
Local: Teatro Luiz Souto Dourado

2ª MOSTRA DE TEATRO ALTERNATIVO

22h – A Máquina
Teatro de Retalhos (PE)
Loca: Galeria Galpão

ARTES VISUAIS

Galeria Galpão
20h – Performance “Distopia”
Coletivo Espectro
Performance em três atos que procura abordar os problemas da metrópole através da
criação conjunta audiovisual produzida em tempo real – live cinema. De maneira
integrada e simultânea, as artistas Fernanda Fernandes, Carolina Perini e Raquel
Abdian fundem objetos, sons, ruídos e música em um processo sinestésico de
performance ao vivo.

FOTOGRAFIA
Galeria Galpão 

20h - Projeto Soul Eu
Simony Rodrigues
Interação com o público no intuito de autoconhecimento, visando expor o interior de
cada pessoa através do olhar da fotógrafa Simony Rodrigues, que acredita que a
expressão é algo bem pessoal e tem muito a dizer. Quem tiver interesse em se ver
através do olhar de Simony, vai poder fazer isso em meio a uma conversa e levar para
casa um retrato com todas essas facetas corporais serão desenvolvidas durante a
prosa.

LITERATURA
Praça da Palavra Hermilo Borba Filho

9h – Contação de Histórias com Origamis, com Irene Tanabe (SP)
10h – Outras Palavrinhas: Conversa com as escritoras infantis Susana Morais e Socorro
Lacerda Lançamento do Livro “Vira-vira Violeta”, de Socorro Lacerda, e apresentação
do Reisado Infantil Floreando
12h – Atividade da GRE (Gerência Regional de Educação)
14h – Saraus em Pasárgada
15h – Contação de Histórias | O Baú da Camilinha (Cepe Editora)
16h – Contação de Histórias | Clássicos em Cordel, com Susana Morais e Diego Glbran
(PE)
17h – Palestra | A Arte de Contar Histórias: Uma proposta para despertar o gosto
pela leitura, com Vera Nóbrega (UBE)
18h – Roda de Histórias com Grupos de Contadores de histórias do SESC Garanhuns
19h – Obras e Trajetória de Luís Jardim, Nivaldo Tenório conversa com Jodeval Duarte
(SESC – PE).

PONTOS DE CULTURA
15h - Culminância das oficinas do VII Casarão dos Pontos de Cultura
Local: Parque Euclides Dourado

PROJETO OUTRAS PALAVRAS
10h às 12h – Outras Palavrinhas – Exibição do filme ‘Dia Estrelado’, de Nara
Normande + Contação de histórias com a escritora Susana Morais + Apresentação do
Grupo de Reisado infantil do CRAS Garanhuns
Local: Praça da Palavra Hermilo Borba Filho 

Assessoria de Comunicação
Secretaria de Cultura de Pernambuco
Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco - Fundarpe
(81) 3184.3118 / 3107

Metrópoles

sexta-feira, 28 de julho de 2017

FIG 2017: "Enchente", de Flávia Pinheiro, encerra temporada de Dança

Espetáculo e inspirado em obra de Hermilo Borba Filho.
Desde o último domingo (23), o teatro Luiz Souto Dourado foi palco dos espetáculos de Dança que compuseram a programação do Festival de Inverno de Garanhuns 2017. Balé clássico, danças populares e contemporâneas foram os principais estilos explorados pelas companhias e dançarinos que passaram por lá. Nos quatro dias de atividades, cerca de 1000 pessoas, entre  Idosos, jovens e crianças prestigiaram às apresentações, que foram encerradas na quinta-feira (27), com a performance “Enchente”, dirigida pela bailarina e performer Flávia Pinheiro.

Um dos homenageados do FIG 2017, Hermilo Borba Filho também serviu de inspiração para a criação do espetáculo “Enchente”. A partir de um conto de nome homônimo do dramaturgo pernambucano, Flávia concebeu uma montagem que mistura performance e a linguagem audiovisual para tornar mais palpável a obra do autor. Durante 45 minutos de espetáculo, as dançarinas Marcela Aragão, Marcela Felipe e Gardênia Coleto simulam o esforço para sobreviver a uma espécie de correnteza. Força, aliás, é o principal recurso utilizado pelas bailarinas.

A coreografia encenada no palco é balizada por uma série de imagens reproduzidas no fundo do palco por Rogério Samico, que leva o público a refletir sobre reconstruções, idas e vindas, recomeços, superação, cheadas e partidas. Além de arquivos da vida pessoal de Hermilo Borba, a projeção mostra imagens de imigrantes clandestinos europeus. Flávia provoca o público a refletir sobre a globalização e a indiferença diante de problemas cotidianamente vividos por pessoas do mundo todo. Coreografia, vídeo e som se unem à iluminação assinada por Natalie Rêvoredo para criar uma atmosfera de serenidade mesmo diante do caos.

Áudio e vídeo foram selecionados com a ajuda de Leandro Oliván, que abriu o seu arquivo pessoal, além de trechos de trabalhos de cineastas experimentais e de arquivos de vídeos da Fundação Joaquim Nabuco e Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco.  Cenas de inundações que ocorreram nas cidades do Recife e Palmares também foram projetadas criando uma identificação maior com a plateia, que pode refletir simbolicamente sobre o caos deixado por uma enchente.

Flávia Pinheiro lançou mão de tábuas de madeira para costurar a performance com um tom de resistência, força e determinação que normalmente servem de combustível para vítimas de enchentes recomeçaram suas vidas. O encerramento da apresentação se deu com muitos aplausos do público, que ficou de pé para saudar o trabalho dedicado e concentrado das dançarinas que estiveram em cena.

http://www.cultura.pe.gov.br/canal/fig2017/enchente-de-flavia-pinheiro-encerra-temporada-de-danca-no-fig-2017/

FIG 2017: Socorro Lacerda lança o livro “Vira-vira, Violeta” na Praça da Palavra

A autora lançará seu novo livro dentro da
 programação do projeto “Outras Palavrinhas”,
 às 10h.
O último dia do FIG 2017 reserva, na Praça da Palavra, um momento especial para o público infanto-juvenil, e também adulto. Na programação do projeto Outras Palavrinhas, às 10h, a escritora pernambucana Socorro Lacerda irá conversar neste sábado (29) sobre seu livro recém-lançado, Vira-vira, Violeta. O debate contará ainda com a presença da escritora Susana Morais e apresentação do Reisado Infantil Floreando.

O conto Vira-Vira, Violeta é ilustrado pelas aquarelas da designer Karla Gonçalves que, ao criar os cenários desta história engajada, motiva uma leitura que mescla encantamento e consciência política. Na trama, as Violetas vivem na Cidade dos Cravos, sem acesso aos direitos mais elementares. São proibidas de brincar, estudar, tocar, dançar. No decorrer da história, surgem as representações da opressão sobre as mulheres. A jornada dupla de trabalho é um componente. A personagem Violeta Borboleta, que passa a liderar o movimento “Violetasmbémpodem”, faz alusão à chilena Violeta Parra, uma das mais importantes artistas, compositoras da América Latina que, em outubro de 2017, completaria 100 anos. Outras personagens também fazem referências a mulheres que têm importância histórica nas lutas que encamparam, a exemplo de Violeta Dandara (em homenagem a luta e a força da mulher negra) e Chiquinha (a primeira maestrina brasileira).

“Como feminista, meu cotidiano é preenchido pela militância em defesa dos direitos das mulheres. Também sou professora. Por essas razões, acredito que esse livro circulará por esses ambientes, antes de mais nada, para emocionar, mas também para despertar as pessoas para um mundo onde as diferenças sejam motivo de alegria e a igualdade seja um motivo de orgulho para a sociedade”, diz a autora.

Socorro Lacerda também discute o lugar da literatura infanto-juvenil e diz que seu livro, apesar da leveza e ludicidade com que trata um tema tão sério e urgente, pode e deve ser lido por pessoas de todas as gerações e gêneros. “A minha geração não teve acesso à literatura infantil da forma como ela se realiza, agora. Minha infância foi rica em brincadeiras de rua, em histórias contadas pela minha mãe, porém, eu percebi, já adulta, que os livros infantis não estavam disponíveis para mim como estão para os meninos e meninas de hoje. O acesso aos livros encerrava-se no livro didático”, diz Socorro.

Segundo ela, a nova configuração da literatura infantojuvenil é rica pela diversidade de temas que começam a ganhar força há pouco tempo. “Por isso, é comum e muito saudável que pessoas adultas consumam a literatura infantojuvenil, escolham títulos e se apropriem das histórias ilustradas em um verdadeiro tesouro, que é o conjunto da obra literária escrita para o público de crianças e adolescentes. Essas histórias despertam, acendem e alimentam a criança que se esconde no coração das pessoas. Por isso, quando escrevo, penso nas crianças, mas fico imaginando também, como os adultos reagiriam ao ler as histórias que invento”, reflete a escritora.

Este é o segundo livro de Socorro Lacerda, que já escreveu e lançou O Mistério do Sumiço do Velho Chico (Cortez Editora, a 2013).

Serviço
Lançamento do livro Vira-vira, Violeta (Socorro Lacerda)
Quando: sábado (29), às 10h
Onde: Praça da Palavra (R. Dr. José Mariano, 713-823 – Santo Antônio, Garanhuns)

http://www.cultura.pe.gov.br/canal/fig2017/socorro-lacerda-lanca-vira-vira-violeta-na-praca-da-palavra/

Pernambuco vai realizar a 4ª Conferência Estadual de Cultura

Plenária Final da Conferência será realizada até o mês de março de 2018.
Foto: Jorge Farias/Cultura-PE.
Em meio à rica programação do 27º Festival de Inverno de Garanhuns, o povo pernambucano e em especial o movimento cultural do estado, pode celebrar mais uma importante conquista. O governador Paulo Câmara assinou na tarde desta sexta-feira, 28 de julho, o decreto de Convocação da 4ª Conferência Estadual de Cultura, que terá como objetivo elaborar Proposta de Plano Estadual de Cultura para Pernambuco.

“Estamos hoje iniciando o processo que vai ser um norte importante pro que a gente quer fazer na nossa cultura, em todas as expressões artísticas. Como Governador de Pernambuco, tenho responsabilidade de não deixar de olhar para o futuro. É com a cultura que a gente vai ajudar nosso povo a se formar melhor, valorizando aquilo que é bonito e que precisa ser preservado pras futuras gerações”, comentou Paulo Câmara, durante o ato oficial na Praça da Palavra, que nessa edição do FIG homenageia Hermilo Borba Filho.

Destacando avanços recentes como a sanção da Lei 16.113/2017, que fortalece o Funcultura e cria novos mecanismos de fomento à cultura no estado, e ainda a criação de editais como o Funcultura da Música, o Prêmio de Cultura Popular e Dramaturgia Ariano Suassuna e o Prêmio de Preservação do Patrimônio Ayrton de Almeida Carvalho, o Secretário Estadual de Cultura Marcelino Granja destacou que o ato do Governador “é um esforço no sentido de cumprir mais uma meta do Programa de Governo, que é o Plano Estadual de Cultura, demanda histórica dos fazedores de cultura do Estado e que, mesmo no cenário difícil que o País atravessa, podem celebrar essas recentes conquistas aqui em Pernambuco”.

A Presidente da Fundarpe Márcia Souto também participou da solenidade. O regimento da Conferência, cujo processo é coordenado pela Secretária Executiva Estadual de Cultura, Silvana Meireles, será divulgado em breve, após pactuação com o Conselho Estadual de Políticas Culturais.

VISITA AOS POLOS DO FIG

Ao lado de Márcia Souto, Marcelino Granja e diversas autoridades como a deputada federal Luciana Santos, o governador visitou diversos polos do FIG 2017, como o Palco de Cultura Popular Ariano Suassuna, a lona de Circo e o Armazém das Artes e Negócios, no Parque Euclides Dourado.

“Quero parabenizar a todos da Secult-PE e da Fundarpe que têm tratado a nossa cultura com muita responsabilidade, priorizando de maneira adequada, valorizando a nossa gente e todas as representações artísticas do nosso estado. Um movimento muito importante, que também gera emprego e renda, mostra como Pernambuco é rico, como o povo sabe fazer e curtir cultura”, ressaltou.

http://www.cultura.pe.gov.br/canal/secultpe/pernambuco-vai-realizar-a-4a-conferencia-estadual-de-cultura/

FIG 2017: Poesia abre o penúltimo dia do Palco da Cultura Popular

Poeta e Declamador Sandoval Ferreira.
No penúltimo dia do 27º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), as apresentações de artistas garanhuenses marcaram a programação de diversos polos na cidade. No Palco de Cultura Popular Ariano Suassuna se apresentou o poeta e declamador de poesia de cordel, Sandoval Ferreira, além da Orquestra Metais no Frevo. Ainda nesta sexta-feira (28), no Palco Pop e Palco Instrumental, a partir das 17h, se apresentam o cantor Alexandre Revoredo e a Street Jazz Band.

O poeta Sandoval Ferreira é natural de Iati, mas garanhuense de coração, iniciou sua carreira em 2001, aos 18 anos de idade. Em 2009 lançou seu primeiro livro intitulado em “Meu sertão em 12 versos”, em novembro de 2011, lançou seu primeiro CD Prosa Rima e Cordel com um espetáculo realizado no Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti, com um público de aproximadamente 500 pessoas e em 2013 lançou seu segundo livro “Porteira velha se abrindo, faz meia lua no chão”. Recentemente lançou seu segundo CD, um trabalho inédito e inovador que tem como tema humor, cordel e repente.

Em sua apresentação, Sandoval contou com a participação dos músicos Fabrício Vasconcelos e Gido Silva. “Meu pai é natural de Garanhuns e comecei a declamar no distrito de Miracica, por isso nunca vou esquecer o local que comecei. Já vivo aqui há 12 anos, e é um tempo que tenho plantado a poesia em um solo muito fecundo, onde tenho espaço para fazer minhas apresentações, por isso eu tenho uma relação de amor muito íntima com Garanhuns”, afirmou.

Quem também subiu ao palco foi a Orquestra Metais do Frevo, regida pelo Maestro Lulinha, com um repertório que abrange desde as composições de Capiba até o frevo do Maestro Forró. Ainda houveram apresentações com o Coco de Selma, Maracatu Aurora Africana, Coco Canavial do Valmir e Mestre Biô, Damas e Valetes de Olinda, T.C.M. Cariri Olindense (Patrimônio Vivo) e Afoxé Oyá Tokolê Owô.

Tarde e noite - Já no Palco Instrumental e Pop recebem os garanhuenses da Strett Jazz Band e cantor Alexandre Revoredo, respectivamente. Revoredo está completando 10 anos de carreira, com um repertório autoral que está em fase de gravação e será lançado no segundo semestre deste ano. A apresentação de hoje, a partir das 17h, contará com participações de grandes amigos, como Gabi da Pele Preta, Thiago Martins e Paulo Victor. A Street Jazz Band abre os shows do Palco Instrumental, no Parque Ruber van der Linden, seguidos por Henrique Albino Trio, Renato Bandeira e o Som da Madeira e Noise Viola, encerrado a programação.

Secom/PMG

FIG 2017: Cultura Nordestina leva grande público à Praça Mestre Dominguinhos

Mourinha do Forró.
A noite de quinta-feira (27) foi de muita cultura nordestina e homenagens aos cantores da região. Atrações como Mourinha do Forró, projeto “Setenta com Sete”, Lucy Alves e Chico César pisaram no palco principal do 27º Festival de Inverno de Garanhuns, a Praça Mestre Dominguinhos, e fizeram um público entre 35 e 40 mil pessoas, segundo a Polícia Militar (PM), arrastarem o pé.

Quem abriu a série de shows foi Mourinha do forró, cantor que tem fortes inspirações em Trio Nordestino, Alcimar Monteiro, Jorge de Altinho e Santana, tendo feito colaborações com todos eles. Mourinha, que é nascido em Correntes (PE), mas se considera garanhuense de coração, cantou sucessos autorais, além de homenagear o cearense Belchior, com a música “Tudo Outra Vez”. “Estou muito lisonjeado por estar aqui no palco do 27º FIG. Fizemos um repertório que o povo gosta, com Gonzaga, Dominguinhos e minhas músicas autorais. É uma honra tocar nesse evento que, para mim, é o melhor do Brasil. Dá aquele friozinho, mas pra mim significa muito”, afirmou o cantor que tem 27 anos de carreira.

A segunda atração que subiu ao palco foi o projeto “Setenta com Sete”, que leva esse nome por fazer um tributo aos 70 anos de uma das músicas mais conhecidas de Luiz Gonzaga, com parceria de Humberto Teixeira, “Asa Branca”. Sete instrumentistas se uniram para fazer a homenagem ao Rei do Baião: os cearenses Waldonys e Adelson Viana, os pernambucanos Mahatma, Agostinho do Acordeon e Terezinha do Acordeon, o carioca Meninão e o paulista Chambinho do Acordeon, que cantou diversos clássicos do Rei do Baião e ainda homenageou o sanfoneiro que dá nome à praça, Dominguinhos. “É muito bom homenagear Luiz Gonzaga no terreiro dele, Pernambuco. Dominguinhos falava muito de Garanhuns e não tem nada que se compare a se apresentar para esse público em praça aberta”, comentou Chambinho.  

“Junto com esses grandes amigos e instrumentistas que eu tenho a honra de dividir o palco é sair daqui de alma lavada”, explicou Waldonys, que cantou a música “Dezessete e Setecentos”. A pernambucana Terezinha do Acordeon é a única mulher do projeto e afirmou que sente que é um dever de sempre homenagear Gonzaga. “Me senti muito especial entre tantos artistas especiais, me senti muito bem acompanhada com os grandes mestres da sanfona”, disse a cantora, que também se apresentou no Palco Forró, localizado do Parque Euclides Dourado.

A paraibana Lucy Alves agitou o público com um show forte e dançante. A multi-instrumentista mostrou toda a sua pluralidade musical com releituras de grandes clássicos da música nordestina, misturadas com influências do jazz, blues, rock e eletrônico. Ela apresentou músicas como “Baião Dourado” e “Lamento Sertanejo”.

Para fechar a noite em grande estilo, veio o cantor Chico César, que cantou as músicas de seu álbum mais recente “Estado de Poesia”, além de entoar junto ao público grandes sucessos da sua carreira como “Pensar em Você” e “Mama África”. “Vim em 1996 com o meu show e desde essa época, acompanhei o crescimento desse festival e vi a importância que ele assumiu, não apenas pro Nordeste ou Brasil, mas para a América Latina. Ter um festival com essa qualidade e que tem uma multidão, que mesmo debaixo de chuva e no frio, fica de coração aberto pra ouvir coisas novas e tudo. Fico muito feliz em poder voltar”, elogiou o cantor.

Por Daniela Batista e Cloves Teodorico
Secom/PMG

Governo de Pernambuco decreta emergência em 62 municípios devido à estiagem

Créditos da foto: Fatos e Fotos da Caatinga.
O Governo de Pernambuco decretou situação de emergência em 62 municípios do interior devido à estiagem. "Fica declarada a existência de situação anormal [...] por um período de 180 dias", assinalou o governador Paulo Câmara por meio do decreto publicado no Diário Oficial do estado nesta sexta-feira (28).

Ainda conforme consta no decreto, haverá "adoção imediata das medidas que se fizerem necessárias para, em regime de cooperação, enfrentar situações emergenciais". Caruaru e Bonito, que também estavam em emergência pelas chuvas em junho deste ano, integram a lista.

Os municípios que estão em situação de emergência são os seguintes: Águas Belas, Alagoinha, Altinho, Angelim, Belo Jardim, Bezerros, Bom Conselho, Bom Jardim, Bonito, Brejão, Brejo da Madre de Deus, Buíque, Cachoerinha, Calçado, Canhotinho, Capoeiras, Caruaru, Casinhas, Correntes, Cumaru, Cupira, Feira Nova, Frei Miguelinho, Gravatá, Iati, Ibirajuba, Itaíba, Jataúba, João Alfredo, Jucati, Jupi, Lagoa do Ouro, Lajedo, Limoeiro, Machados, Orobó, Panelas, Paranatama, Passira, Pedra, Pesqueira, Poção, Riacho das Almas, Sairé, Salgadinho, Saloá, Sanharó, Santa Cruz do Capibaribe, Santa Maria do Cambucá, São Bento do Una, São Caetano, São João, São Vicente Férrer, Surubim, Tacaimbó, Taquaritinga do Norte, Terezinha, Toritama, Tupanatinga, Vertente do Lério, Vertentes, Venturosa.

G1 Caruaru

http://g1.globo.com/pe/caruaru-regiao/noticia/governo-de-pe-decreta-emergencia-devido-a-estiagem-em-62-municipios-do-interior.ghtml

FIG 2017: Noite de sexta-feira tem samba com Mart’nália no palco Mestre Dominguinhos

Cantora Mart'nália.
Créditos da foto: Catraca Livre.
A noite do samba é uma tradição no Festival de Inverno de Garanhuns. E nesta sexta-feira (28) o palco Mestre Dominguinhos recebe uma das maiores sambistas brasileiras, a carioca Mar’nália. Ela volta a Garanhuns para apresentar o repertório de seu mais recente e elogiado trabalho, o disco + Misturado. Com mais de 30 anos de carreira, a artista vai levar ao palco principal composições de Djavan, Caetano Veloso e Geraldo Azevedo. O show está marcado para começar às 00h30. 

Antes de Mart’nália, a partir das 23h, a força da interpretação e a singularidade vocal da baiana Mariene de Castro vai tomar o maior palco do FIG. O show é o do álbum Colheita, terceiro de estúdio e o quinto da carreira da sambista que tem como madrinhas e referências as cantoras Beth Carvalho e Maria Bethânia. 

Do Recife, Gerlane Lops é um dos nomes mais expressivos do samba pernambucano e chega no FIG para apresentar as canções de seu mais recente show Tudo novo de novo. Ela sobe ao palco às 22h. O pernambucano Grupo Terra pesquisa e desenvolve, há 24 anos, o samba de raiz. Música popular de alta qualidade é o que o público pode esperar do show, que apresenta o repertório de O samba também é nosso, álbum bastante elogiado pela crítica local. Abrindo a noite de samba no palco Mestre Dominguinhos, a cantora garanhuense Kiara Ribeiro se apresenta a partir das 20h. 

Ascom Cultura/PE.

Saúde oferecerá novo tratamento contra hepatite C

Imagem do Diário de Araxá.
O Ministério da Saúde anunciou ontem (27) o novo tratamento para pessoas diagnosticadas com hepatite C. Independentemente do estágio de comprometimento no fígado, pacientes terão acesso gradativo a medicamentos que apresentam 90% de cura da doença. Atualmente, o país tem 135 mil pessoas diagnosticadas com a doença.

O novo protocolo está vinculado à mudança na modalidade de compra de medicamentos. A partir de agora, a pasta vai condicionar os pagamentos para indústria farmacêutica à comprovação da cura do paciente. O modelo novo deve reduzir os custos no tratamento de U$ 6,9 mil para U$ 3 mil, o que possibilitará a inclusão de até três vezes mais pessoas do que as atendidas atualmente no Sistema Único de Saúde (SUS).

O ministério anunciou ainda a incorporação de mais medicamentos, a combinação 3D (Ombitasvir, Paritaprevir, Ritonavir e Desabuvir). As novas inclusões oferecem maiores possibilidades para o tratamento. Esses fárcacos também possibilitam a cura superior a 90%, segundo a pasta.

A hepatite C é subdivida conforme o estágio da doença entre os níveis F0 a F4. Após essas etapas, a doença pode evoluir para cirrose, câncer de fígado e levar à necessidade de transplante do órgão. Para que evitar a evolução da doença, que inicialmente não apresenta sintomas, a pasta estima aplicar 12 milhões de testes em todo país.

“Queremos alcançar as 135 mil pessoas que estão contaminadas em qualquer nível de hepatite. Nesse ano, após os 12 milhões de testes de hepatite C, vamos procurar identificar mais pessoas que precisam do tratamento. Há muitas pessoas com hepatite que não sabem. A testagem é fundamental”, ressaltou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

A meta do ministério é zerar a fila de pacientes graves que aguardam o tratamento para a hepatite C. Atualmente, 2.800 pessoas esperam para ser tratadas. Até o momento, são medicados os pacientes em grau avançado da doença (F3 e F4). A pasta espera incluir os demais pacientes em até dois anos no tratamento.

Segundo Barros, a medida prevê o tratamento dos casos em estágio inicial da doença para que não haja a propagação do vírus, principalmente quando o paciente ainda não tem sintomas. “É uma política nova, de erradicação da hepatite C no país”, disse.

Hepatites B e C

Em 2016, o Brasil registrou 42.830 casos de hepatites virais. Nestes registros, 14.199 são casos de hepatite B, o que equivale a 6,9 casos por 100 mil habitantes. A transmissão da hepatite B se dá por sexo desprotegido e sangue contaminado. De acordo com Ministério da Saúde, a vacina disponível no SUS é a melhor estratégia de prevenção contra a doença.

No ano passado, os registros de hepatite C alcançaram 27.358 casos, o que representa 13,3 casos por 100 mil habitantes. A doença é transmitida pelo contágio com sangue contaminado, como transfusão de sangue, sexo desprotegido e compartilhamento de objetos de uso pessoal como agulhas de tatuagem, alicates, tesouras. Ainda não existe vacina para a hepatite C.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as hepatites virais (tipos B e C) causaram 1,4 milhão de mortes em 2015, em todo o mundo. A maioria ligada às doenças hepáticas crônicas, como cirrose e câncer no fígado. No ano passado, 2.541 pessoas morreram em decorrência de hepatites virais, das quais 79,8% relacionadas à hepatite C.

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-07/saude-oferecera-novo-tratamento-contra-hepatite-c

quinta-feira, 27 de julho de 2017

FIG 2017: "Projeto Setenta com Sete" hoje no Palco Mestre Dominguinhos

Cantor Waldonys.
Foto: G1.
O palco Mestre Dominguinhos recebe na noite desta quinta-feira um dos maiores compositores e intérpretes da MPB contemporânea, o paraibano Chico César. Ele sobe ao palco às 23h30 para apresentar os maiores sucessos de sua carreira, além do repertório de seu mais novo trabalho, o disco Estado de Poesia, gravado na Paraíba, com diversos músicos locais. 

Lucy Alves antecede o show do conterrâneo, subindo ao palco às 22h20. Na apresentação, ela mistura o tradicional e o contemporâneo com um repertório que vai de clássicos como Lamento sertanejo à recém-lançada Caçadora. No show, Lucy toca não só a sanfona que a consagrou, como violino, seu primeiro instrumento, guitarra baiana, bandolim e escaleta.

Show inédito, o Projeto Setenta com Sete celebra os 70 anos de gravação da música Asa Branca, reunindo sanfoneiros de diferentes gerações a partir das 21h, sob a direção musical de Beto Hortis. Participam do show Waldonys (CE), Chambinho (SP), Meninão (RJ), Adelson Viana (CE), Agostinho do Acordeon (PE), Mahatma (PE) e Terezinha do Acordeon (PE). De Garanhuns, Mourinha do Forró abre o palco Mestre Dominguinhos às 20h.

Ascom/PE

CPRH estimula parcerias ambientais com os municípios


Tema foi tratado ontem quarta (26), em Caruaru, durante curso promovido pelo órgão ambiental. No último dia do curso Educação para Gestão Ambiental, uma iniciativa da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), a palavra-chave foi “parceria”. Aproveitando os debates, realizados nesta quarta (26), na Faculdade de Filosofia de Caruaru (Fafica), agentes ambientais de municípios participantes e profissionais do órgão estadual discutiram a estratégia de um planejamento comum de projetos e ações em defesa do verde.

Dentro deste contexto, algumas parcerias serão trabalhadas nos municípios, especialmente na área de Educação Ambiental, buscando maior conscientização de todos sobre a importância de preservação da fauna e flora de cada região.  Também serão articuladas ações em comum voltadas para  a fiscalização florestal – uma maior aproximação e troca de informações são passos importantes nesse sentido.

Realizado em parceria com a Prefeitura de Caruaru, o curso teve a participação de gestores ambientais das 20 cidades do raio de atuação da Unidade Integrada de Gestão Ambiental (Uiga) de Caruaru. A CPRH já planeja novas edições, ainda sem data definida, para contemplar também os municípios compreendidos nas Uigas de Petrolina, Ribeirão, Araripina, Garanhuns e Carpina.

As atividades foram realizadas durante dois dias (manhã e tarde), com participação significativa dos municípios. Além de Educação Ambiental e Fiscalização Florestal, foram tratados os temas Gestão do Uso do Solo, Defesa da Fauna, Gestão de Unidades de Conservação e Controle de Fontes Poluidoras, entre outros.

http://www.cprh.pe.gov.br/home/42943%3B53271%3B10%3B3422%3B19971.asp

FIG 2017: Plataforma estreia com debate sobre festivais de música

Melina Hickson, Antonio Gutierrez, Jarmeson Lima
e Paulo André integraram a mesa de debate.
Foto: Fer Verícimo.

Nem só de shows é feita a programação musical do 27º Festival de Inverno de Garanhuns. A tarde de ontem foi marcada pela estreia da Plataforma FIG como uma nova ação do evento para fomentar o mercado da música, promovendo palestras, debates, encontros e apresentando novos mecanismos que possam auxiliar o cenário. A mesa “A importância de festivais pernambucanos na cena independente da música nacional” foi a responsável pela abertura da nova iniciativa, que aconteceu no auditório do hotel Garanhuns Palace.

O bate-papo contou com a participação de produtores dos principais festivais de música do estado, sendo eles Antônio “Gutie” Gutierrez, do festival Rec-Beat, Jarmeson Lima,  do festival Coquetel Molotov, e Paulo André, do Abril Pro Rock, que tiveram a conversa mediada pela produtora Melina Hickson, do Porto Musical. “Esses encontros são sem dúvidas uma forma de amplificar as ações de um festival. Quando a gente tem um espaço de conversa como esse nos festivais, fica mais simples para as pessoas trocarem ideias e surge mais possibilidades do network acontecer”, comentou Melina, ao iniciar a mesa, que discutiu a atuação dos festivais como palco principal para formação de público e circulação de artistas.

Por Camila Estephania

http://www.cultura.pe.gov.br/canal/fig2017/plataforma-fig-estreia-com-debate-sobre-festivais-de-musica/

FIG 2017: Cantora Fafá de Belém esquentou o público na sexta noite

Cantora Fafá de Belém.
A sexta noite do Palco Principal no 27º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG) foi inteiramente dedicada aos ritmos do estado do Pará. Mesmo no frio de 16ºC, o público fez questão de ir à Praça Mestre Dominguinhos nesta quarta-feira (26) para conferir as apresentações de Belinha Lisboa, Arthur Espíndola, Lia Sophia e Fafá de Belém.  

O primeiro show foi o da garanhuense Belinha Lisboa. A cantora apresentou músicas autorais e fez homenagens a Dominguinhos e ao recifense Chico Science, vocalista da banda Nação Zumbi. Pela segunda vez no FIG, ela declarou estar honrada em abrir apresentação para grandes nomes da música paraense. “É indescritível ser a primeira a cantar em uma noite com tantos cantores importantes que eu me inspiro muito. É uma responsabilidade imensa”, afirmou.

O paraense Arthur Espíndola foi o segundo artista esquentar o público com canções de samba. É a primeira vez que o cantor se apresenta em Pernambuco. O show contou ainda com a participação especial da cantora Cristina Amaral. Ele foi sucedido por Lia Sophia, cantora, compositora e instrumentista do Pará. Pela segunda vez no FIG, a cantora trouxe uma mistura de merengue, salsa, cumbia, lambada e carimbó para o palco e ainda recebeu o Rei do Carimbó, Pinduca, artista que compôs clássicos do ritmo paraense. Juntos, eles cantaram “Dança do Carimbó” e “Carimbó do Macaco”.

Fafá de Belém veio para fechar a noite e esquentou os corações do público que se fez presente na Praça Cultural Mestre Dominguinhos, mesmo embaixo da chuva. Com mais de 40 anos de carreira, ela trouxe um repertório misto clássicos como “Abandona” e um de seus mais recentes lançamentos, “Meu Coração é Brega”, além de hits do brega paraense. O cantor Arthur Espíndola também fez uma breve participação. Fafá encerrou o show entoando o hino do Brasil e emocionando a todos. 

Daniela Batista e Cloves Teodorico
Secom/PMG.

Carteira de motorista virtual valerá a partir de 2018

Créditos da foto: rbj.com.br.
A partir de fevereiro, entrará em vigor a versão eletrônica da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A carteira virtual terá o mesmo valor do documento impresso. A diferença é que a versão eletrônica poderá ser acessada por meio de um aplicativo em smartphones. A proposta, do Ministério das Cidades, foi aprovada ontem (25) em reunião do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

“Teremos condições de atender a todos os condutores. Não tenho como informar ainda o valor investido, porque estamos na fase de desenvolvimento. Primeiro, foi a regulamentação, agora vamos passar para o desenvolvimento“, informou o diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Elmer Coelho Vicenzi.

Com a novidade, os agentes de trânsito também utilizarão o aplicativo na conferência dos dados. Os motoristas apresentação a carteira na versão eletrônica por meio da leitura do QRCode, um código de barras bidimensional que contém as informações e pode ser escaneado.

Vicenzi assegura que as falsificações e os acessos desautorizados serão coibidos. Ele informa que o algoritmo da certificação funciona somente no sistema Lince, do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

A carteira impressa continuará valendo e sendo emitida normalmente. 

Como ter a carteira de motorista eletrônica

Para solicitar a carteira de habilitação eletrônica, o motorista deverá se cadastrar no Portal de Serviços do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Será enviado um link para o e-mail informado no cadastro, pedindo que o usuário faça login pelo celular do qual acessará o aplicativo. No primeiro acesso, o interessado deverá criar um Número de Identificação Pessoal (PIN), para armazenar os dados com segurança. É necessário que o motorista memorize essa senha, que será pedida em todos os futuros acessos.

Depois dessa etapa, a autenticidade do documento é validada pelos departamentos de trânsito (Detrans) de cada estado, por meio de uma assinatura com certificado digital. Com isso, a CNH é exportada para o celular. Caso o usuário precise bloquear o aparelho, para impedir a exposição de seus dados, ele deve fazer a solicitação também pelo portal.

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-07/carteira-de-motorista-eletronica-valera-partir-de-2018

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Brasil conta com quase 55 mil autoridades com 'Foro Privilegiado'

Estudo da Consultoria Legislativa do Senado revela que quase 55 mil autoridades no Brasil possuem foro especial por prerrogativa de função, o chamado foro privilegiado. A maior parcela concentra-se na esfera federal: 38,5 mil. O restante, R$ 16,5 mil autoridades, são da esfera estadual.

O estudo concluiu que “há uma grande assimetria de tratamento” e “algumas perplexidades” em situações identificadas principalmente na s Constituições Estaduais. Enquanto o Distrito Federal, por exemplo, atribui foro especial a apenas 22 autoridades, na Bahia, no Rio de Janeiro e Piauí esse número chega, respectivamente, a 4.880, 3.194 e 2.773.

“Apenas três Estados (Bahia, Rio de Janeiro e Piauí) já promovem uma distorção enorme na distribuição numérica, já que possuem, juntos (10.847), quase o dobro da quantidade de agentes com prerrogativa de foro do que todas as demais 24 unidades da Federação somadas (5.712). Isso deriva, em grande medida, da atribuição de foro especial aos vereadores, opção constante das três constituições estaduais citadas”, diz o documento.

Mesmo na esfera federal, os consultores consideram o valor “exorbitante”, principalmente por causa da “atribuição generalizada de foro especial a categorias inteiras”, como é o caso dos magistrados e membros do Ministério Público. “Vale a pena registrar que o Judiciário e o MP representam 79,2% das autoridades com foro previsto na Constituição Federal”, destaca outro trecho do estudo.

Os consultores ponderam, entretanto, que o fato de mais autoridades terem foro não significa que haja mais processos contra elas. Apesar de evitarem fazer juízo de valor sobre o tema, os consultores dizem que, levando em conta números absolutos apresentados, “dificilmente será encontrado ordenamento jurídico tão pródigo na distribuição dessa prerrogativa a autoridades”.

Um dos autores do estudo, o consultor João Trindade Cavalcante Filho afirmou que a principal diferença entre a situação do Brasil e de outros países é a quantidade. “No Brasil a gente tem uma quantidade imensa de autoridades que têm foro por prerrogativa de função (...) Vários outros países têm esse mecanismo, mas geralmente isso é para algumas autoridades, inclusive bem poucas. No Brasil, a gente teve ao longo dos tempos uma progressiva ampliação da quantidade de autoridades que têm esse foro”, analisou o consultor.

http://www.contasabertas.com.br/site/orcamento/quase-55-mil-autoridades-do-brasil-tem-foro-privilegiado

FIG 2017: Cepe lança livros vencedores do prêmio nacional de literatura

Criado em 2015 pelo Governo do Estado e a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), dentro das comemorações dos 100 anos da Imprensa Oficial de Pernambuco, o Prêmio Cepe Nacional de Literatura lança às 18 desta sexta-feira (28.07), no Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), os livros vencedores de sua segunda edição.

Na categoria Poesia, o primeiro lugar foi Arquiteturas de vento frio, do pernambucano de Vitória de Santo Antão Walther Moreira Santos; no Romance, Outro lugar, do paulista Luís Sérgio Krausz; no Conto, Dancing jeans – Baixo Augusta e outros contos, de Mílton Morales Filho, também natural de São Paulo; no Infantojuvenil, Os filhos do deserto combatem na solidão, do gaúcho Lourenço Cazarré.

O concurso destina aos vencedores um total de R$ 80 mil, sendo R$ 20 mil para os primeiros lugares de cada uma das quatro categorias. A premiação inclui também a publicação dos livros pela Cepe Editora. A segunda edição do concurso registrou 711 inscrições, incluindo 10 brasileiros residentes em Portugal, Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos, Japão e Uruguai.

O julgamento foi realizado em duas etapas, com uma comissão de pré-seleção e outra de premiação, ambas formadas por pessoas de renome na área de Literatura. A primeira foi composta pelo professor de Letras da UFPE, Ricardo Postal; o escritor, professor e tradutor Wellington de Melo; o escritor, poeta, contista e tradutor Everardo Norões; e o jornalista e escritor Homero Fonseca. A segunda foi formada pela escritora Carola Saavedra, a jornalista e escritora Márcia Denser e o escritor Antônio Carlos Viana

http://www.pe.gov.br/b/14934

FIG 2017: Garanhuense Nando Azevêdo anima Palco do Forró

Primeira atração da sexta noite do 27º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), o músico Nando Azevêdo subiu ao Palco do Forró, que fica localizado no Parque Euclides Dourado. Ao som do forró pé-de-serra, Nando não deixou ninguém ficar parado e espantou o frio relembrando músicas de sucesso que continuam na boca e no coração do povo até hoje. O repertório do artista busca fidelizar as origens do forró, valorizando a cultura, o cotidiano e o berço do povo nordestino.

O cantor falou sobre a emoção em participar de mais uma edição do evento.  "Bate a ansiedade quando anuncia o nome Nando Azevedo. Quando você sabe que vai subir no palco do Festival de Inverno a responsabilidade é grande. Cada ano é uma nova oportunidade de estar com aquele público do Palco do Forró, que é um público diferenciado, um público especial. Todos os anos a gente faz novos fãs e amigos e o público só aumenta", disse.

Um desses fãs e amigos é o artesão Mairton Siqueira, que falou da alegria em participar desse momento. “Eu vim essa noite só para curtir o show de Nando. O forró dele é arretado, é no meio das canelas, como ele mesmo diz. Não tem quem não goste“, comentou. 

Nando Azevêdo é natural de Garanhuns, é cantor e compositor e desde criança já demonstrou interesse pela música. Nando é um músico experiente com uma longa estrada no forró, já tendo tocado ao lado de nomes como Maciel Melo, Irá Caldeira, Nádia Maia, Josildo Sá, Petrúcio Amorim, Santanna, Dominguinhos Vavá Machado e Marculino, Jorge Silva, Cezinha e Flor de Mandacaru.

Além do show de Nando Azevêdo, a banda Segnos e Assisão se apresentaram no Palco do Forró, nesta terça-feira (25).

Thayna Chaves 
Secom/PMG. 

BOM CONSELHO - IGREJA MATRIZ DA SAGRADA FAMÍLIA NA DÉCADA DE 50

Imagem/A Gazeta Digital

FIG 2017: Poesia ganha mais espaço com os Saraus em Pasárgada

Poeta Raiz Nunes participa  pela primeira vez do evento.
Foto: Jan Ribeiro/Secult-PE.
Neste 27º Festival de Inverno de Garanhuns, a Praça da Palavra Hermilo Borba Filho recebe pela primeira vez o projeto Saraus em Pasárgada, recital de poesia com poetas da região, que declamam, cantam, tocam e interpretam poemas autorais, além de difundir a obra do poeta Manuel Bandeira. Os Saraus em Pasárgada acontecem nos dias 25, 27, 28 e 29 de julho, sempre a partir das 14h.

Os Saraus são um desdobramento do projeto Café em Pasárgada, que chega à 4ª edição neste festival. “O Café em Pasárgada é um recital realizado através da parceria do Espaço Pasárgada (Recife) com a coordenadoria de Literatura da Secult-PE. Fazemos o evento há quatro anos na Livraria Casa Café e já temos um público fiel que frequenta o evento. Este ano, ampliamos nossa programação, com os Saraus em Pasárgada, onde os mesmos poetas que convidamos para declamar no Café, recitam na Praça da Palavra e, dessa forma, difundimos ainda mais a poesia para o público do FIG”, explica Marília Mendes, coordenadora do Espaço Pasárgada.

Os poetas Raiz Nunes, Débora Ramos, Celina Berto e César Monteiro, todos da região do agreste pernambucano, são os convidados deste ano. “Fico muito satisfeito de fazer parte desse projeto, que além de valorizar os artistas locais, é um incentivo e reconhecimento para quem está fazendo poesia. Vivenciamos um momento que une as pessoas, trocamos experiências e ampliamos nosso repertório”, afirma César.

Além de Manuel Bandeira, poesias de Maiakovski, João Paraibano, Rainer Maria Rilke, Augusto dos Anjos, Zé de Cazuza, Belchior, Patativa do Assaré, Drummond e muitos outros foram declamadas nas duas atividades, que contaram com a presença dos escritores Clóvis Cavalcanti e Nivaldo Tenório, que é de Garanhuns e foi um dos vencedores do Prêmio Pernambuco de Literatura, com o livro “Dias de Febre na Cabeça”.

O casal Clóvis Cavaltanti  e Vera Cavalcanti é fiel ao Café em Pasárgada, comparecendo desde a primeira edição. “Para mim, esse é um dos eventos mais interessantes do festival e se estende por um espaço mais amplo, que é a literatura e a poesia, expressões encontradas em toda a parte. Meu amigo e pesquisador de arte, Giuseppe Baccaro, já falecido, dizia que o Nordeste brasileiro é a região do mundo onde mais existem poetas. Então, é importante prestigiarmos essa arte que brota da nossa terra”, declara Clóvis. Já para Vera, que é garanhunhense, “o diferencial do FIG são esses eventos pequenos, que são muito aconchegantes. Morei na zona rural daqui e esse recital me faz lembrar das poesias e repentes que ouvia quando criança. Conhecer os novos poetas está sendo maravilhoso, tenho esperança de que essa poesia esteja viva nas novas gerações”.

Serviço:
Saraus em Pasárgada

Horário: das 14h às 15h
Local: Praça da Palavra Hermilo Borba Filho

Café em Pasárgada

Horário: das 16h às 19h
Local: Livraria Casa Café. Av. Rui Barbosa, 574. Heliópolis, Garanhuns-PE.

Xavana Celesnah

http://www.cultura.pe.gov.br/canal/fig2017/poesia-ganha-mais-espaco-no-fig-com-os-saraus-em-pasarga

Caixa inicia pagamento do abono salarial PIS-PASEP nesta quinta-feira

Imagem da Blasting News.
O Abono Salarial PIS-PASEP 2017/2018, começa a ser pago nesta quinta-feira (27) pela Caixa Econômica Federal. Os pagamentos serão efetuados conforme o mês de nascimento do trabalhador, começando com os trabalhadores nascidos em julho. Os beneficiários deste mês, titulares de conta individual na CAIXA com saldo acima de R$1,00 e movimentação, terão crédito automático no dia 25 de julho.

Os valores do benefício variam de R$ 79 a R$ 937, de acordo com o tempo de trabalho durante o ano de 2016. Os recursos ficarão disponíveis ao trabalhador até 29 de junho de 2018.

Quem tem direito ao Abono Salarial?

Tem direito ao Abono o trabalhador inscrito no Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP), há pelo menos cinco anos, que trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2016, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos e que teve seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), ano-base 2016.

Publicidade

Os trabalhadores poderão consultar a partir do dia 24 de julho o direito e o valor do benefício no Aplicativo Caixa Trabalhador, na página www.caixa.gov.br/PIS, escolhendo as abas “Você”, “Serviços Sociais”, “PIS”, “Consulta o Pagamento” ou pelo Atendimento CAIXA ao Cidadão: 0800 726 0207.

Como sacar o Abono Salarial

O trabalhador que possui Cartão Cidadão e senha cadastrada pode se dirigir a uma casa lotérica, a um ponto de atendimento CAIXA Aqui ou aos terminais de autoatendimento da CAIXA. Caso não tenha o Cartão Cidadão, o valor pode ser retirado em qualquer agência da CAIXA, apresentando o documento de identificação.

O trabalhador com vinculo a empresa pública possui inscrição PASEP. O pagamento desse programa é feito pelo Banco do Brasil. Mais informações sobre o PASEP podem ser obtidas pelo telefone do BB: 0800 729 0001.

http://www.tribunapr.com.br/noticias/economia/caixa-inicia-pagamento-do-abono-salarial-nesta-quinta-feira/