sábado, 2 de fevereiro de 2019

ALAGOINHA - ORIGEM E O SIGNIFICADO DO NOME DA MINHA CIDADE


Em 1790, o Sr. Gonçalo Antunes Bezerra, conhecido boiadeiro, adquire de um irmão extensa fazenda, dedica-se à criação de gado e constrói a primeira casa na região, iniciando um povoado. Como de praxe entre as famílias abastadas da época, ao morrer o patriarca seus filhos  doaram parte da propriedade, justamente onde estava erigida a povoação, a Nossa Senhora da Conceição. A partir daí a vila floresceu autonomamente, de forma lenta e gradual, até ser elevada à categoria de cidade em 1948, desmembrando-se do município de Pesqueira. O topônimo Alagoinha originou-se, segundo José de Almeida Maciel, em Questões de Toponímia Municipal Pernambucana (1984), das pequenas lagoas e caldeirões nos  lajedos das vizinhanças da cidade, entre as quais a do Padre, a da Curicaca, a do Brejo, a do Periperi, a de Baixo e a de Cima. Por isso, a cidade chamou-se inicialmente Alagoinhas, passando depois para o singular. Fonte: Livro Pernambucânia - O que há nos nomes das nossas cidades do escritor Homero Fonseca.

NOTA DE FALECIMENTO: JOSIAS ALBUQUERQUE



Comunicado

Josias Albuquerque, que exercia, desde 1996, a presidência do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, faleceu, aos 82 anos, na manhã deste sábado (02/02/2019), às 10h50, no Real Hospital Português, em decorrência de doença hepática e falência múltipla dos órgãos. O corpo será velado no Salão de Eventos do Sesc Pernambuco (Rua Treze de Maio, 455, Santo Amaro), das 18h de hoje até as 13h de amanhã (03/02), tendo missa às 11h. Às 14h, acontecerá a cremação no Cemitério Morada da Paz (Avenida Rodolfo Aureliano, 2118, Vila Torres Galvão, Paulista). Ele era casado com Erotides Gomes de Albuquerque, tinha dois filhos e cinco netos.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

PETROLINA: CONCURSO GUARDA CIVIL

O município de Petrolina - PE divulgou o edital nº 001/2019 que rege o Concurso Guarda Civil de Petrolina – PE, promovido pela prefeitura local, já foi lançado e dispõe de um total geral de 80 vagas, sendo 40 para contratação imediata e outras 40 para formação de cadastro de reservas. Para investidura no cargo é necessário ter formação nível médio completa, idade a partir de 18 anos e preencher todos os outros requisitos propostos em edital. A remuneração bruta atual para a ocupação, incluindo gratificações, é de R$ 3.261,48 para jornadas de trabalho de 180 horas mensais.

Inscrições

Os que pretendem participar do concurso deverão se inscrever até as 23h59min de 17 de março de 2019 por intermédio do site da banca organizadora IDIB (www.idib.org.br). A taxa de inscrição custa R$ 125,00 e deverá ser paga até o dia 18 de março de 2019.

GONZAGA DE GARANHUNS SUSTENTA O REISADO PERNAMBUCANO

Gonzaga de Garanhuns recebe o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco das mãos de
Ricardo Leitão, presidente da CEPE Editora
Imagem/Jan Ribeiro


Por Camila Estephania

Fundador de oito grupos de Reisado, dos quais quatro permanecem ativos, Luiz Gonzaga de Lima é bastante requisitado nas principais épocas festivas de Pernambuco. Natural de Garanhuns, somente na edição de 2018 do Festival de Inverno da cidade, Gonzaga de Garanhuns – como ficou conhecido – se apresentou com cinco grupos de reisados, sendo dois deles de amigos. Aos 75 anos de idade, completos no último dia 8 de agosto, o artista exibe uma disposição invejável que lhe permite ter a generosidade de alavancar não só as suas iniciativas, mas também as de outros grupos. Tudo para ver o reisado reinar como merece.

“O reisado para mim é tudo. É como se fosse um medicamento, porque, se não fosse isso, acho que eu já estaria morto. A gente se aposenta, fica lá no canto, cabisbaixo, sem ter um negócio pra desenvolver a mente, aí vai embora logo. Isso me dá ânimo, mas quando termino a apresentação, Deus sabe como as minhas pernas ficam”, brinca ele, que trabalhou por mais de 50 anos como vendedor de tecidos no comércio de Garanhuns e hoje, com mais tempo livre, se dedica mais intensamente ao brinquedo. “Às vezes me apresento também com reisados que não são meus ajudando eles. Geralmente eu sou o mestre, mas quando participo no dos outros sou ajudante”, completa, entregando a receita da vitalidade.

Por isso, a rotina de ensaios depois da aposentadoria passou a ser quase diária. Nas terças-feiras, o mestre ensaia com os Unidos com Alegria; nas quartas com o Garanhuns Cultural e o Reisado Mirim da Convivência; e nas sextas com o Cultura de Garanhuns. Com exceção dos grupos voltados para crianças e adolescentes, Gonzaga segue a tradição do Reisado e mantém os grupos sempre com integrantes mais velhos. “Tem gente que sai, tem gente que morre. No Cultura de Garanhuns já morreram cinco componentes com idade avançada, por exemplo. Tem outros que estão com problemas de saúde, aí não estão participando no momento”, revela ele, que sempre está aberto para receber novos integrantes.

“Quando alguém quer participar, eu chamo para fazer o ensaio e, se passar no teste, fica. De um modo geral, eles vêm atrás de mim. Só não quero pessoas doentes, porque tem gente que tem problemas de coração e não quero piorar isso. Só aceito quando o médico e a família dão permissão”, esclarece ele, sobre os critérios usados na escolha de novos brincantes, buscando sempre manter entre 10 a 25 membros em suas apresentações.

À frente do Reisado Mirim da Convivência, que atende crianças do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, e do Reisado EREM Virgem do Socorro, o mestre persiste em ter projetos que aproximem os menores do brinquedo como uma forma de perpetuar a tradição. “Se não investir nas crianças, o reisado acaba. Como é que pode continuar só com pessoas idosas? Tem que ter criança para levar adiante”, responde ele.

TRAJETÓRIA

Essa abertura para os mais jovens dentro do reisado é coerente com a sua própria trajetória com o brinquedo que começou quando ele tinha apenas 13 anos de idade. “Em dezembro de 1954, eu assisti meu primeiro reisado. Eu tinha 12 anos de idade e me chamaram a atenção aquelas cantigas bonitas, as pisadas, aquelas rodadas que o rei dava. Tudo isso me deixou encantado. Até então, eu não brincava nada. Esse foi o meu primeiro passo na cultura popular, minha entrada na vida artística foi com o reisado. No ano seguinte, formei um reisado de garotos e garotas da minha idade. Eu era o mestre, mas era o menor de todos”, relembra Gonzaga, que seguiu com o seu primeiro grupo até 1957.

Depois de um longo hiato, o brincante voltou a dançar reisado após os ensinamentos de Manoel Clarindo da Rocha, a quem chama até hoje de “primeiro mestre”, e com quem participava do Reisado do Mestre Cândido. A partir daí, em 1977, Gonzaga foi convidado a ser o personagem Mateus, no Reisado do Mestre João Gomes, mas a guinada em sua carreira foi quando gravou uma faixa de autoria própria para o LP “Benditos e Reisados”, de 1982, que foi o primeiro disco dedicado ao gênero. Através do trabalho, Gonzaga foi convidado no mesmo ano a se apresentar no programa “Som Brasil”, da Rede Globo, sob o comando de Rolando Boldrin, tornando Garanhuns uma referência nacional em reisado.

“Até hoje eu componho reisados inéditos, mas também canto os de outros mestres. Tem mestre aqui que só quer cantar o dele, mas eu canto o dos outros também”, explica ele, que adota apenas triângulo, pandeiro, viola e agogô para acompanhar a sua cantoria. “A tradição é essa. Tem gente que usa sanfona e zabumba, mas eu não quero. Esses que usam outros instrumentos, eu não acho certo, porque não acertam o tom da peça”, diz ele, que, apesar de não tocar nada, é criterioso na escolha dos músicos. Na viola, por exemplo, não abre mão de Senival Teixeira, com quem se apresenta há mais de 40 anos.

Em 1995, participou do festival “Alô Pernambuco”, tendo conquistado o sexto lugar com a composição que mais tarde deu origem ao CD “Reisado Pernambucano”, sendo a primeira música do gênero gravada no formato. “Foram mil cópias. Não deu para quem quis”, relembra ele, sobre o prestígio que tem em Garanhuns, onde já recebeu o troféu local Anum de Ouro, em 2007, como reconhecimento pelo seu trabalho para o crescimento da cultura da cidade. No ano seguinte, passou a ser uma das atrações mais tradicionais do Polo de Cultura Popular do Festival de Inverno de Garanhuns. “O Mestre Salustiano comandava o palco e disse que me queria lá, aí nunca mais parei”, relembra.

“A gente se apresenta no FIG, no Natal, quando tem festa de igreja, festa de santo, aniversários de cidades”, comenta ele sobre o perfil dos eventos que já o levaram a viajar para cidades de todo o Estado ao longo dos seus mais de 60 anos de atividade com o reisado. “Meu maior desejo era ver o reisado no auge. Quando comecei, tinha reisado que ninguém valorizava, outros que ficavam mais pela zona rural.  Formei os grupos em Garanhuns e deu certo”, observa ele, que nasceu no Sítio Susuaruna, quando ainda era parte da zona rural de Garanhuns, mas hoje fica no território da cidade de São João.

LITERATURA DE CORDEL

A sua relação com o centro urbano da cidade também fez despertar, ainda na infância, uma outra paixão. Quando criança, Gonzaga costumava ir às feiras públicas de Garanhuns, onde gostava de ler os cordéis pendurados nas barracas e acabava comprando alguns para ele. Ainda nessa época, começou a escrever suas próprias histórias seguindo as métricas do gênero, mas foi somente em 1973 que publicou seu primeiro cordel, intitulado “Lampião em Serrinha”.

De lá para cá, já escreveu cerca de 350 títulos, sendo considerado um dos melhores cordelistas do Nordeste pelo holandês Joseph M. Luyten, que é pesquisador de literatura de cordel e um dos maiores divulgadores da cultura popular brasileira. Livros de Gonzaga, como “Garanhuns em Versos”, lançado em 2008 com incentivo do Funcultura, também apontam a importância da sua produção literária como fonte de pesquisa sobre a cidade.

A abrangência do seu trabalho alcança ainda territórios internacionais, tendo cordéis seus no museu Off Etnologic, na cidade de Osaka, no Japão, e no Museu Internacional da Santa Fé, que fica no Novo México, nos Estados Unidos. Junto ao poeta e cordelista Bispo, Gonzaga também promoveu a primeira Feira de Literatura de Cordel, em Garanhuns, no ano de 2011.

“Meu nome pouco importa, o que eu quero ver em destaque é a cultura para o povo, para nossa terra. Muita gente diz que eu divulguei Garanhuns mais do que todo mundo, porque eu amo a minha cidade. Para mim, não existe outra igual”, conclui ele, um homem que encontrou nas suas paixões um jeito de acrescentar ao lugar onde vive.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

ANGELIM: PREFEITURA ANUNCIA PROCESSO SELETIVO

Através da Secretaria de Educação, foi anunciado o comunicado sobre o novo processo seletivo da Prefeitura de Angelim - PE. O novo processo seletivo é para contratação temporária de profissionais que atuarão na Secretaria Municipal de Educação, diante da inexistência, no momento, de pessoal concursado para atender serviços públicos essenciais.

O período do credenciamento para entrega da Documentação será de 01 a 05 de fevereiro de 2019, das 07:30h às 13:30, no horário local.

O edital n° 001/2019 de chamamento estará disponível em breve por meio do site - angelim.pe.gov.br ou na Secretaria de Educação na Rua Alexandre Pereira Filho, n° 51- Centro, Angelim/PE. Fonte: Concursos no Brasil

CALÇADO: PREFEITURA REALIZA PROCESSO SELETIVO

A Prefeitura de Calçado - PE por meio da Secretaria de Administração e Planejamento, lançou o edital retificado de n° 001/2019, com o intuito de preencher 175 vagas para profissionais de ensino alfabetizado, fundamental e superior.

Os salários para os selecionados são de R$ 998,00 mensais ou R$ 4,99 a hora trabalhista. Serão destinados 5% do total das vagas para pessoas com deficiência (PCD).

O seletivo oferta vagas para Motorista Escolar Educacional, Merendeira, Monitor de Ônibus, Professor - Educação Infantil e Educação Fundamental I, Professor - Educação Fundamental II, Operador de Máquina Retroescavadeira, Operador de Patrol, Gari, Motorista II e Tratorista.

Serão realizada entre os dias 31 de janeiro a 14 de fevereiro de 2019, das 07:00h até às 13:00 horas, na sede da Prefeitura Municipal de Calçado, localizada na Rua João Alexandre da Silva, 84, Centro, Calçado-PE, as inscrições do seletivo.

O processo seletivo constará de Avaliação de Currículos, previsto para o dia 15 de fevereiro de 2019. A data final para assinatura dos contratos pelos candidatos convocados será no dia 27 de fevereiro de 2019. Fonte: Concursos no Brasil

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

CORTÊS: MPPE RECOMENDA QUE PREFEITO ENVIE PROJETO DE LEI CRIANDO A GUARDA MUNICIPAL

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou ao prefeito de Cortês, Reginaldo Moraes, que envie à Câmara de Vereadores projeto de lei criando a Guarda Municipal do município e providencie a realização de concurso público para o preenchimento das vagas que serão criadas. Segundo o texto da recomendação, a Guarda Municipal está atuando hoje sem a existência de lei que regulamente o seu trabalho.

“O cargo de guarda municipal não se caracteriza como temporário ou excepcional, exigindo, portanto, a realização de concurso público para provimento efetivo”, afirmou a promotora de Justiça Thinneke Hernalsteens.

O MPPE ainda orientou que, no prazo de 30 dias após a aprovação da lei pelo Legislativo, a Prefeitura conclua o procedimento de seleção da instituição que realizará o concurso público para o preenchimento dos cargos que vierem a ser criados. Logo depois da escolha da instituição, a prefeitura tem até 20 dias úteis para publicar o edital de abertura do concurso.

Conforme a recomendação, o MPPE orienta que as provas sejam realizadas em até 30 dias úteis após o término do prazo das inscrições. Por fim, a Promotoria de Justiça de Cortês recomendou que todos os candidatos aprovados sejam nomeados em até dez dias úteis após a homologação do resultado final, em substituição a eventuais servidores contratados. Fonte: MPPE

UBE E RCR FREI CANECA FIRMAM ACORDO CULTURAL


Na 5ª feira, dia 24 de janeiro de 2019, por ocasião da reunião semanal do RCR Frei Caneca, no Círculo Militar do Recife, no bairro do Espinheiro, no Recife, os presidentes José Renato Siqueira, da União Brasileira de Escritores (UBE), e Adelaide Rego, da entidade anfitriã, anunciaram a celebração de acordo para a realização de concurso literário no âmbito do projeto literário 'O amor na literatura', que envolve a participação de colégios da rede pública de ensino.

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

VAVÁ, IRMÃO DO EX-PRESIDENTE LULA, MORRE AOS 79 ANOS

Vavá
Imagem/Blog do Esmael Moraes
Genival Inácio da Silva, de 79 anos, conhecido como Vavá, irmão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, morreu nesta terça-feira (29) em São Paulo. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse no Twitter, que trata-se de "mais uma tristeza para Lula"."Morre seu irmão mais velho, Vavá, vítima de um câncer. Lula tinha em Vavá uma figura paterna. Nossos sentimentos à família. Abraço afetuoso e de força a Lula. Esperamos que ele possa ver Vavá pela última vez", disse.

O G1 procurou o advogado criminal de Lula, Cristiano Zanin, para perguntar se o ex-presidente vai pedir autorização para ele vir a São Paulo para o enterro, saída prevista na Lei de Execução Penal.

Segundo a lei, a permissão de saída deve ser concedida pelo diretor do estabelecimento onde se encontra o preso. Como Lula é preso provisório, poderá ser necessário autorização judicial, já que ele está detido na sede da PF em Curitiba. Fonte: G1 São Paulo

FPM: ÚLTIMO DECÊNDIO DE JANEIRO SERÁ R$ 4,3 BILHÕES

Os cofres municipais receberão, nesta quarta-feira, 30 de janeiro, o último Fundo de Participação dos Municípios (FPM) do mês, que segundo análise da Confederação Nacional de Municípios (CNM) será 29,54% maior que o montante repassado no mesmo decêndio do ano passado, sem considerar os efeitos da inflação. Será partilhado entre todos os Municípios e o Distrito Federal R$ 3,4 bilhões, considerando a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O decêndio representa 30%, em média, do valor total transferido em janeiro – a soma dos três repasses. 

Confira o estudo completo e o valor do último FPM de janeiro que será creditado para seu Município. 

Por Luiz Philipe Leite
Agência CNM de Notícias

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

O PAPA FIGO

O Papa Figo
Imagem/http://www.orecifeassombrado.com
Por Clovis de Barros Filho*

São Paulo - Quem na sua infância não conviveu com os medos oriundos do folclore e das crenças populares? Certamente nós todos. Quando criança tremia de medo ao ouvir as histórias que minha mãe e minhas tias contavam sobre fatos estranhos que aconteciam  quando poucos se atreviam a desafiar o calor insuportável do meio dia, deixando ruas e estradas desertas. Foi assim que convivi muito tempo na Vila onde morei e nos seus arredores, com a tal da história do Papa Figo. Essa figura bizarra me acompanhou um bocada de tempo me causando verdadeiro pavor quando tinha que andar sozinho pelos caminhos que levavam ao sítio. Segundo a crença popular onde morava, o Papa Figo era um sujeito portador de uma doença incurável a qual fazia suas orelhas crescerem de uma forma anormal e ainda por cima deformadas. Segundo ainda a lenda, só haveria uma maneira dessa doença ser controlada. O Papa Figo deveria comer o fígado inteiro de uma criança. Imaginem isso contado como verdade absoluta à criançada da época? Meu filho! Você soube do menino que encontraram morto sem o fígado em tal lugar? Isso gerava verdadeiro pânico. Ninguém queria sair de casa mesmo durante o dia que era quando ele preferia atacar. Buscar água na serra ou mesmo ir ao sítio dos meus avós passou a ser uma tarefa quase impossível. Com duas latas de água na carroça ou mesmo com algumas mangas ou com uma fieira de caju nas mãos fazia o percurso até a minha casa num tempo recorde, mais sempre achando que na próxima curva iria me defrontar com o terrível Papa Figo e suas grandes orelhas deformadas.

*Clovis de Barros filho nasceu na Serra da Prata (Iatecá). Estudou no Colégio Diocesano de Garanhuns do Admissão ao Científico onde concluiu em 1968. Reside em São Paulo desde 1970. É Licenciado e Bacharel em Química Industrial pela Universidade de Guarulhos e Químico Industrial Superior pelas faculdades Osvaldo Cruz/SP.

UBE E CÂMARA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO CULTURAL RENOVAM PARCERIA

Renato Siqueira e Alexandre Santos

Na 5ª feira, dia 24 de janeiro de 2019, em visita de cortesia ao escritor José Renato Siqueira, presidente da UBE, na sede nacional da entidade, a Casa Rosada da Rua Santana, no bairro de Casa Forte, no Recife, o escritor Alexandre Santos reafirmou o interesse da Câmara Brasileira de Desenvolvimento Cultural de renovar a antiga parceria, especialmente em torno de projetos culturais de âmbito nacional e internacional como a FLIPO e o Encontro Internacional de Literatura Contemporânea.

GARANHUNS MINHA CIDADE

Pôr do Sol  no Cristo do Magano em Garanhuns
Imagem/Jefferson Tetto/dronestagr


Por João Marques*

É especial para quem aniversaria o dia do aniversário. Mais feliz, se se toma sentido espiritual em tudo. A existência diuturna, os sentimentos, os planos, as lembranças. É a comemoração abrangente. Esta cidade aniversaria. 140 anos no próximo 4 de fevereiro. Em 1879, foi a cidade oficializada, com o nome: Garanhuns. E neste dia, a alma da cidade é outra vez oficializada. Garanhuns. É  a alma. Garanhuns sente, não apenas através das pedras, dos tijolos, das árvores e do ar. E se este sentimento, só os poetas percebem. Garanhuns sente pela alma das pessoas. É a festa de aniversário.

Vou caminhando pela cidade. Caminho Garanhuns. Um dia, admito, foi fincado o primeiro esteio, o primeiro tijolo. O primeiro abrigo, pela cidade futura. E a  conquista depois pela categoria de cidade. Por ser Garanhuns o clima, os montes, a água, as pessoas, as flores e o pioneirismo. Vou e subo ladeiras. Encontro os escravos amotinados no Quilombo e com resistência forte no Magano. Há lutas por toda parte, até a morte de Zumbi nos Palmares. O negro se embrenha, é forte, resiste e continua vivo. Minha saudação de perto ao povo do Castaínho. Descendo as ladeiras, as fontes. As fontes de outrora. Agora, entupidas e entregues ao descaso. O útero da cidade. Garanhuns aí chora minguados filetes de água. Enxugo os olhos e prossigo. As colinas. É bom lembrar: Ipiranga, Antas, Magano, Quilombo, Monte Sinai, Triunfo e Columinho. Serenas altitudes de mais de mil metros. E lembrando o lema da cidade: AD ALTIORE TENDERE. A cidade do sol no planalto. Dominada historicamente pela elite, mas com o nome popular de Arraial. Arraial dos meus passos jovens e alegres e do futebol em espaços e abertos entre os eucaliptos do Parque Euclides Dourado. 

Saúdo o cedro, que foi caibro do andaime da construção da Prefeitura em 1943. E hoje gigante é maior que a própria Prefeitura. É o simbolo da pujança e do crescimento de Garanhuns para o alto. A "cidade" contudo se debate nos meandros. Há esperança nas asas dos pássaros da Bandeira e na exaltação do Hino, símbolos autênticos da alma de Garanhuns.

4 de fevereiro é a data mais importante do calendário histórico da cidade, que foi vila, povoado, tijolo, pedra ou chão. Que se sinta orgulho desta terra, como eu sinto. É a minha garanhucidade manifesta.

*João Marques dos Santos é escritor, poeta, diretor/redator do Jornal O Século, autor do Hino de Garanhuns e ex-presidente da Academia de Letras de Garanhuns - ALG

domingo, 27 de janeiro de 2019

PRESIDENTE DA UBE ANUNCIA COORDENADORES


Foi realizada na Casa Rosada, em Recife,  sede da União Brasileira de Escritores - UBE, na última  quarta-feira (23), uma reunião onde foram tratados assuntos administrativos e estruturais da nova gestão para o biênio 2019/2020.

O novo presidente da UBE, Renato Siqueira revela que a nova diretoria irá em  buscar de mais apoio e investimentos em politicas públicas para o incetivo à preservação do livro e da leitura e que  serão criados novos programas literários.

COORDENADORES  UBE  2019

Jornada Cultural - Fátima Almeida

Quarta às Quatro - Colly    Holanda  
                    
O amor na literatura - Berna bruto / Adelaide Santos  

Cordel na UBE - Madalena Castro /Giselda Pereira

Núcleo de Estudos do Cangaço - Rosa Bezerra

Letras Jurídicas - Dr Paulo Sales

Literatura e Escrita - Luciene  Aguiar