sábado, 30 de março de 2019

CONCURSO PREFEITURA DE SALVADOR - BA 2019


A Prefeitura de Salvador publicou três editais de seu concurso público que irá preencher 368 vagas para profissionais de níveis médio, técnico e superior. O concurso Prefeitura de Salvador - BA será realizado pela Fundação Getúlio Vargas.

Vagas

Edital nº 001/2019: Fiscal de Serviços Municipais, Agente de Trânsito e Transporte, Agente de Fiscalização Municipal, Agente de Salvamento Aquático e Guarda Civil Municipal

Edital nº 002/2019: Professor de Educação Infantil 1º ao 5º ano, Professor de Educação Artística (Artes Plásticas, Música, Dança, Teatro), Professor de Português, Professor de Matemática, Professor de Ciências Físicas e Biológica, Professor de História, Professor de Geografia, Professor de Educação Física e Professor de Inglês

Edital nº 003/2019: Técnico em Enfermagem do Trabalho, Técnico em Segurança do Trabalho, Arquiteto, Engenheiro Civil, Engenheiro Eletricista, Analista em Segurança do Trabalho, Médico Perito, Médico do Trabalho, Especialista em Políticas Públicas, Assistente Social, Psicólogo, Médico Clínico, Médico Ginecologista, Médico Pediatra, Médico Infectologista, Médico Psiquiatra, Médico do SAMU, Médico Ortopedista e Médico Generalista.

A remuneração para os cargos acima, já incluídas as gratificações, varia de R$ 1.801,89 a R$ 10.902,71, para jornada de 20 a 40 horas semanais.

Inscrições

As inscrições serão realizadas a partir das 14 horas do dia 08 de abril até às 16 horas do dia 07 de maio de 2019, apenas via internet, através do endereço eletrônico http://www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/pms2019.

O valor da taxa de inscrição é de R$ 80,00 para os cargos de níveis médio e técnico e de R$ 100,00 para os cargos de nível superior. Fonte: Concursos no Brasil

sexta-feira, 29 de março de 2019

IBRAM ABRE SELEÇÃO PARA CARGOS EM TRÊS MUSEUS

Foram publicados no Diário Oficial da União da terça-feira (26) três editais de Chamamento Público para seleção de candidatos para ocupar os cargos comissionados de diretor de três museus Ibram: o Museu Regional São João del-Rei (Edital nº 1/2019), o Museu de Arte Religiosa e Tradicional de Cabo Frio (Edital nº 2/2019) e o Museu da Abolição (Edital nº 3/2019), situados nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Pernambuco, respectivamente.

As seleções para os três cargos serão realizadas mediante critérios técnicos e objetivos de qualificação baseados na análise da documentação para homologação da inscrição, análise de currículo e plano de trabalho de caráter classificatório e entrevista oral.

Podem se candidatar aos cargos servidores públicos ou não, com formação acadêmica em nível superior; experiência comprovada em gestão envolvendo atividades de relacionamento com organizações de governo ou entidades da sociedade em geral; e conhecimento das políticas públicas do setor museológico e da área de atuação dos museus em foco.

As inscrições podem ser feitas até o dia 24 de maio de 2019, através do endereço eletrônico selecao@museus.gov.br, informando no assunto para qual Chamada Pública está concorrendo. Acesse os editais e outros documentos na seção Chamadas Públicas.

CAETÉS - PADRE MARCELO PROTÁZIO ASSUME PARÓQUIA DE SÃO CAETANO


Na noite da última quarta-feira (27), o Pe. Marcelo Protázio foi empossado Pároco da Paróquia de São Caetano, em Caetés.

Em sua homilia, Dom Paulo Jackson alertou a todos os fiéis e ao Pe. Marcelo que vivam a palavra de Deus diariamente, sendo mais próximo daqueles que mais necessitam, de modo especial através das Pastorais Sociais de cada Paróquia que compõe a Diocese de Garanhuns

O nosso Bispo Diocesano Dom Paulo Jackson, deu posse ao novo Pároco Pe. Marcelo Protázio; e no rito de posse, o Pe. Everaldo, Pároco da Paróquia de São Vicente de Paulo, em Saloá e coordenador do vicariato Oeste, fez a leitura da Provisão Canônica 

Se fizeram presentes diversos padres da Diocese de Garanhuns, diversas autoridades municipais, e centenas de fiéis da Paróquia de São Caetano, e também da Paróquia Jesus, Maria e José, de Bom Conselho; da cidade de Jupi (cidade natal de Pe. Marcelo Protázio), e demais Paróquias do Vicariato Oeste. Fonte: Blog Capoeiras.

AFOGADOS DA INGAZEIRA - USO DE PLANTAS MEDICINAIS VIRA POLÍTICA PÚBLICA

Em Afogados da Ingazeira - PE, plantas, ervas e os remédios delas oriundos, os chamados fitoterápicos, passarão a integrar a política pública municipal de saúde. Segundo o Secretário Municipal de Saúde, Artur Amorim, a Prefeitura irá implantar uma farmácia viva, no prédio onde funciona a farmácia básica do município, na Avenida Artur Padilha.

No local, também será instalado um laboratório para transformar plantas e ervas em medicamentos, a serem distribuídos gratuitamente com a população. 

Apenas dois municípios em Pernambuco promovem integralmente essa política: Brejo da Madre de Deus e Vitória de Santo Antão. Afogados será o terceiro. 

Além da farmácia viva e do laboratório fitoterápico, a Prefeitura está implantado uma sementeira, em terreno próximo ao abatedouro regional, para cultivar diversas espécies de plantas e ervas medicinais para serem utilizadas pela rede de saúde. Fonte: Amupe.

CAETÉS - ORIGEM E O SIGNIFICADO DO NOME DA MINHA CIDADE


Dessa cidade do Agreste Meridional pernambucano, sabe-se que surgiu de um povoado, em terras do município de Garanhuns. Seu fundador foi o Sr. Miguel Quirino dos Santos, que lhe deu o nome de São Caetano, santo de sua devoção. Em 1938, entretanto, pelo decreto-lei 92, de 31 de março de 1938 - editado sob orientação da Comissão de Administração do Estado, fortemente influenciada pelo jornalista, historiador e ardoroso publicista da língua tupi, Mário Melo - sua denominação foi alterada de São Caetano para Caetés, permanecendo com esse nome quando da elevação de distrito a cidade, em 1963. Segundo o próprio Mário Melo, Caetés é uma corruptela de caá-etê, significando "mato real ou verdadeiro, mata virgem", com o que concorda Silveira (1952), assim como Luiz A. P. Victória (Dicionário Reversivo de Topônimos e Gentílicos, 1954). Caetés é também o nome de um grupo indígena considerado extinto, que habitava a região litorânea nordestina, da foz do rio São Francisco à do Parnaíba. A cidade de Caetés, entretanto, localiza-se distante do litoral, de forma que é pouco provável que sua denominação tenha algo a ver com referida tribo. Fonte: Livro Pernambucânia do escritor Homero Fonseca - CEPE Editora.

SALOÁ - PREFEITURA ECONOMIZA R$ 1,4 MI APÓS ATUAÇÃO DO TCE


Uma análise em processo licitatório na Prefeitura de Saloá, realizada este mês pelo TCE, resultou em economia de R$ 1.397.439,00 aos cofres do município. O objetivo foi o de verificar os atos administrativos decorrentes do processo de Inexigibilidade nº 02/2019 (Chamada Pública nº 02/2019), publicado no Diário Oficial de 11 de março. O edital previa o credenciamento para contratação temporária de 177 profissionais para a realização de serviços de limpeza nas escolas do município, que deveriam ocorrer em dias úteis e de atividade escolar. A relatoria é do conselheiro João Carneiro Campos.

Ao examinar o edital, a equipe técnica da Inspetoria Regional de Garanhuns entendeu que a contratação dos prestadores de serviços, na forma como estava sendo realizada, era irregular, já que a função deveria ser desempenhada por servidores públicos municipais, como determina artigo 37 (incisos II e IX) da Constituição Federal, mediante a abertura de concurso público.

O Relatório de Auditoria aponta o resultado do julgamento do Processo TC nº 1850640-9 como o possível motivo que levou a Prefeitura de Saloá a escolher a inexigibilidade para o credenciamento, mediante chamada pública, quando deveria ter utilizado um processo normal de “Admissão de Pessoal, via contratação temporária”. A decisão considerou irregular as contratações temporárias realizadas pelo município no exercício de 2017, aplicando, inclusive, multa ao gestor.

Além dos indícios de burla ao concurso público, a auditoria encontrou divergências nos quantitativos dos serviços a serem contratados equestionou a justificativa dos preços propostos e os critérios que a Prefeitura pretendia adotar para a seleção dos candidatos e a execução contratual.

A administração municipal também extrapolava desde o final de 2017 os limites de gastos com despesa de pessoal, ao comprometer 69,61% da receita corrente líquida do município com essa finalidade. A prática estendeu-se durante os três quadrimestres de 2018, quando a gestão empenhou, respectivamente, 71,10%, 69,32% e 68,55% da RCL.

Após o recebimento de ofício do Tribunal questionando os atos praticados, o prefeito Manoel Ricardo de Andrade Lima Alves revogou a licitação gerando uma economia de R$ 1.397.439,00 aos cofres municipais. Fonte: Gerência de Jornalismo do TCE

FPM - TERCEIRO DECÊNDIO DE MARÇO SEGUE TENDÊNCIA POSITIVA DO ANO

O repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) referente ao terceiro decêndio do mês será creditado na próxima sexta-feira, 29 de março. As prefeituras brasileiras devem receber R$ 2.437.455.662,85, já descontada a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Em valores brutos, incluindo o Fundeb, o montante chega a R$ 3.046.819.578,56.

A base de cálculo do decêndio é dos dias 11 a 20 do mês corrente e geralmente representa em torno do 30% do valor esperado para março inteiro. Segundo os dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), comparado com mesmo período do ano anterior, houve crescimento de 9,23% em termos nominais, ou seja, sem considerar os efeitos da inflação. Deflacionado, o aumento fica em 5,23%. Já o acumulado do mês registrou crescimento de 13,36% sem considerar a inflação. Corrigindo os valores, março fecha com aumento de 9,21%, comparado ao mesmo período de 2018.

No estudo deste decêndio elaborado pela equipe técnica da Confederação – em que podem ser consultados os valores por coeficiente e por Estado –, percebe-se comportamento positivo no terceiro mês do ano, com relação ao acumulado de 2019. O total repassado no período de janeiro até o atual decêndio de março aumentou 11,18% em termos nominais (sem considerar os efeitos da inflação) em relação ao mesmo período de 2018. Considerando a inflação, o FPM cresceu 7,10%.

Da Agência CNM de Notícias

CPRH - O encontro de uma "cobra coral e um timbu" fora dos gramados


Numa semana triste para a torcida do Santa Cruz – o time foi desclassificado do Pernambucano  – e de expectativas para a do Náutico, que no sábado (30) decide sua sorte na Copa Nordeste no jogo com o Vitória da Bahia, uma cobra coral e um timbu, mascotes dos dois clubes, respectivamente, se encontraram na Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH).  São os dois novos animais silvestres entregues, quase que no mesmo momento, aos cuidados do órgão ambiental.

A cobra coral apareceu perto à sede do Refúgio de Vida Silvestre Matas do Sistema Gurjaú (RVS Gurjaú), Unidade de Conservação estadual que abrange áreas dos municípios do Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Moreno, Região Metropolitana. A sede fica no Cabo, próximo à área habitada e bem movimentada, com a presença de estudantes e pesquisadores. Por isso foi entregue à CPRH para que seja solta na mata.

Já o timbu foi encontrado pelo bancário Hugo Rafael Alves, morador da Rua Visconde de Ouro Preto, em Casa Forte, no momento em que tentava ingressar na residência, após passar pelo jardim. Hugo decidiu leva-lo à Agência para que seja solto em áreas mais afastadas, mas disse que preferia não cruzar com cobra nenhuma. Os dois animais já foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da CPRH, onde serão preparados para o retorno à natureza. Fonte: Blog PE

quinta-feira, 28 de março de 2019

JOSUÉ SEVERINO, O MESTRE E A BANDA SANTA CECÍLIA

Da esquerda para a direita: Zé de Né, Luiz Coquinho, Joca Hemetério, Neco (tuba), Marcelino, Olavinho, Maestro Josué Severino e Balbino Mendes. O baterista e Zé Inhogo

Por Orlando Calado*

SÃO BENTO DO UNA - Uma das figuras mais admiradas de minha infância foi, sem dúvida, Josué Severino, um homem honrado e trabalhador sob todos os aspectos, que dirigiu com talento e dedicação ímpar, por longos vinte e cinco anos, a então centenária Banda Musical Santa Cecília. A Banda é uma das instituições musicais civis mais antigas do Brasil, fundada em 22 de novembro de 1854, por idealistas como Antônio Gonçalves Tristão, Firmino Gonçalves de Siqueira e Aprígio de Siqueira. 

A banda sempre foi o prazer e orgulho da gente são-bentense, que vibrava com os dobrados e canções militares que despertaram em todos nós não apenas o gosto pela música, mas o orgulho de ser brasileiro. Nos dias de festa e de regozijo, a banda, por volta das seis horas da manhã, acordava a cidade com sua alvorada festiva, tocando, pelas ruas, os saudosos dobrados “Dois corações” e “Lira de Ouro” entre outros sucessos.

Josué Severino, nascido em Canhotinho, mas desde rapazinho radicado em São Bento do Una, tinha justo motivo para se orgulhar dos músicos que formou e dos antigos companheiros que tiveram a oportunidade de aperfeiçoar, com ele, seus conhecimentos de teoria musical. O maestro era um apaixonado pela música, um perfeccionista capaz de ensaiar horas a fio e exigir a mesma coisa dos seus músicos. Era disciplinado e disciplinador. Tirava de seus pupilos o máximo que eles podiam dar numa época de pouca ou precária instrução escolar, fato que dificultava sobremodo o aprendizado. 

Todas as noites, o mestre comparecia à sede musical para ministrar com toda a paciência a difícil arte de ler pautas musicais. Formou dezenas e mais dezenas de músicos, muito dos quais chegaram a brilhar nas bandas militares das forças armadas, polícias militares e corpos de bombeiros. Alguns alçaram posições destacadas nas bandas militares, alcançando as patentes de capitão e tenente e as graduações de subtenente e sargento. Dorgival, por exemplo, chegou ao posto de capitão, regente de banda. Josué Severino não formou apenas músicos militares, mas também músicos civis que brilharam em orquestras e conjuntos espalhados pelo Recife, Olinda e Caruaru. 

Eram primorosas as apresentações da Banda no coreto da antiga Praça Marechal Deodoro. Os músicos se apresentavam com seus uniformes impecavelmente brancos e engomados e de cabelos e barba bem cuidados. O zelo do mestre pela sua unidade musical era pleno em todos os sentidos e ele passava para seus discípulos a confiança necessária para apresentações de raro brilho. Em outras oportunidades, a sociedade são-bentense tinha o raro prazer de dançar ao som do saxofone de Josué, um músico que executava os belos sambas da década de 1950 com tanta virtuosidade que parecia um carioca com seu jeito de tocar, para enlevo de todos, dançarinos e expectadores nas noites áureas do União Sport Club.

Nos carnavais, a banda Santa Cecília se transformava em duas ou três orquestras para animar o carnaval de São Bento e de outras cidades como Lajedo, Cachoeirinha, Capoeiras e Belo Jardim. Era uma oportunidade de ouro para os músicos mostrarem sua refinada técnica nestas tocatas que lhes proporcionavam um dinheirinho extraordinário, uma vez que a Banda e a cidade não tinham como exigir dos seus componentes dedicação integral. Tanto os músicos de ontem como os de hoje, nas bandas do interior, são amadores que se dedicam a arte por puro prazer. Seria interessante se a cidade pudesse profissionalizar os músicos, mas como isso não é possível eles se dedicam às suas atividades profissionais de dia e à noite vão ensaiar.

Em São Bento a realidade não poderia ser diferente da de outras cidades do interior de Pernambuco. Ninguém na cidade vivia da música. O próprio mestre Josué Severino era pedreiro e nas horas vagas ia pescar traíras, jundiás e curimatãs no açude Velho ou no poço da Negra para complementar a alimentação de sua numerosa prole. 

Em termos de banda musical, São Bento vem mantendo essa tradição sesquicentenária de formar excelentes músicos, que hoje necessitam ter instrução em nível de ensino médio para o caso de ingresso nas bandas militares das forças armadas. Então, se a meninada que faz parte da Santa Cecília tem pretensões de ingressar, como músico, nas forças armadas, deve procurar estudar, porque já se passou o tempo em que para ser músico militar bastava tão somente saber tocar com desenvoltura o seu instrumento.

Em 1957, Josué Severino recebeu proposta para se mudar para a Usina Serra Grande, em São José da Laje. O mestre foi, com toda a família, morar em Alagoas onde passou a reger a orquestra mantida pela Usina. Muitos músicos são-bentenses acompanharam o regente, como Orlando, que tocava sax-tenor, Carlos Maciel e seu irmão, ambos trombonistas. Também faziam parte da orquestra Babá e Tuca, filhos de Marcelino. Marcelino, para quem não sabe, ficou famoso com seu instrumento de trabalho, o porta-voz, um amplificador de voz rudimentar. Ele tanto cantava com a ajuda desse instrumento como fazia propaganda da Casa Oswaldo Maciel, apregoando as vantagens de se comprar tecidos na então tradicional loja comercial são-bentense. Babá, filho de Marcelino, era dono de uma primorosa voz, forte e vibrante como era moda na época. Além de cantor, Babá tocava o chamado violão-tenor. Já seu irmão, Tuca, era baterista dos melhores. É pena que muitos músicos passassem certas privações, a ponto de existir em São Bento um ditado que dizia: “Estou a Zé de Né”, ou seja, com uma fome dos diabos.

Na Usina Serra Grande, Josué formou a orquestra de “papouco”, como costumava dizer, referindo-se ao fato de ter tido a sorte de reunir músicos de qualidade, sem que para tal tivesse que investir na formação deles. Nos carnavais de São José da Laje, a orquestra dava verdadeiro “show” de execução e de apurada técnica para a animação dos foliões. 

Anos depois, em 1969, em virtude de uma arrasadora cheia do rio Mundaú que atingiu e danificou a Usina, o maestro Josué pede demissão do emprego e segue para Brasília, onde residia seu filho Newton, também um músico de excelente qualidade técnica. No entanto, sua passagem pela capital foi breve de vez que não havia emprego fácil para um homem de quase sessenta anos, cuja habilidade era a música bem ensaiada para o encanto das plateias. Não retorna para Alagoas, mas para a São Bento de sua mocidade onde se estabelece com pequena granja. Saudoso dos memoráveis tempos à frente da banda são-bentense, volta a reger a Santa Cecília com o mesmo brilho e entusiasmo de sempre.

Josué conseguiu dar continuidade à Banda e conservá-la como uma força-viva da cultura da cidade. Os músicos, via de regra, eram recrutados nos estratos mais carentes não só dos sítios como da própria urbe. Numa cidade como a nossa, carente de escolas profissionalizantes, o papel desempenhado pela Santa Cecília deve merecer a permanente atenção das autoridades municipais, as quais precisam articular-se com o Ministério da Cultura para a renovação paulatina do seu instrumental.

Acredita-se que mais de cem músicos foram formados ao longo dos vinte e cinco anos em que Josué esteve à frente da Santa Cecília. Muitos tiveram a oportunidade de migrar em busca de melhores condições de vida como profissional. Entre os músicos de destaque, formados pelo mestre Josué, para orgulho da gente são-bentense, que sempre incentivou seus músicos, destacamos o clarinetista Zé de Calu, cujo som tocava fundo na alma dos ouvintes. Era uma figura humana dócil e bondosa, servindo de padrão para os mais jovens. Afrânio, trombonista, que executava, com invejável sonoridade, clássicos como “I´m getting sentimental over you”, de Tommy Dorsey.

Outros músicos e figuras que honraram a nossa tradição musical foram Joaquim Lins, saxofonista; Malaquias, clarinetista que tocava de ouvido; Lula, tocador de pratos, e Carrinho de Zé de Né, pistonista, todos formados na rigorosa técnica do mestre Josué. Também foram pupilos do mestre os seguintes musicistas de notável valor: José Vicente, Newton Alves, Dorgival, Ornilo, Mindinho e tantos outros que a nossa memória, infelizmente, não foi capaz de reter.

Como já dissemos antes, muitos músicos eram oriundos da zona rural e tinham instrução insuficiente para compreender a pauta musical, as claves, notas, colcheias, semicolcheias. Mas Josué não desanimava e com paciência ensinava a esses jovens os segredos da leitura das pautas musicais. Há um caso emblemático de Osman que graças ao que aprendeu, com grande dificuldade, pôde ingressar na Marinha e, hoje, reformado, desfruta de uma vida digna.

A Banda sempre teve os seus ciclos. Formava os músicos que depois saiam para ganhar a vida em outras paragens, tendo a música como profissão ou apenas como complemento de renda. Então, era muito comum vermos a banda desfilando com pouco mais de dez músicos, a maioria dos quais novos na bela arte da harmonia. Tempos depois a banda estava novamente com seus quadros completos e desfilando para o povo com mais de trinta componentes, sob a batuta segura de Josué, que era capaz de tirar de seus músicos o melhor que eles podiam oferecer até que a peça musical alcançasse o padrão de qualidade exigido pelo regente.

Destacamos o fato de a Banda, em outras ocasiões, ter sido instrumento de disputa política. Se por acaso a prefeitura subvenciona a instituição, isso não quer dizer que ela só possa servir ao grupo que está no poder, mesmo porque tal coisa não tem sentido de vez que a subvenção é publica, ou seja, é de todos os contribuintes. A contrapartida da subvenção deve ser estabelecida em número de apresentações oficiais. Fora disso a Banda tocará para quem quiser mediante remuneração. Em outras palavras, a banda é uma instituição cultural do povo do município, devendo em troca da subvenção pública, apresentar-se em solenidades previamente acordadas com a prefeitura e para as demais deve ser liberada para receber o cachê por suas apresentações extraoficiais.

Dos onze filhos que Josué Severino teve com sua esposa, dona Edite Lima Valença, dez nasceram em São Bento, são eles: Eneide, Newton, Nilce, Nivaldo, Nanci, Nívio (falecido), Antônio de Pádua, Nildomar, Maria das Graças, Nidoval e Josué Severino Filho, sendo que este último nasceu em São José da Laje. Apenas Newton seguiu a vocação paterna, como saxofonista de primeira linha da Banda da Aeronáutica. Hoje reformado, Newton, que é contemporâneo e amigo de infância do autor destas linhas, reside em Maceió. Já Nivaldo, ex-bancário em Brasília é clarinetista amador, apaixonado pela boa música popular, especialmente o chorinho. A ele, o autor deste artigo deve preciosas informações.

Josué Severino da Silva nasceu em 8 de abril de 1910 e faleceu aos 92 anos, em Brasília, em 6 de junho de 2002. Aprendeu teoria musical e tocar saxofone com Balbino Mendes, que era barbeiro de profissão. Seu talento musical era tanto que logo suplantou o seu professor, assumindo a convite da diretora Emília Siqueira a regência da Banda Musical Santa Cecília.

Neste modesto trabalho, é justo homenagearmos outros músicos de destaque, além dos citados linhas acima: “seu” Neco, na tuba; Olavinho e Zé de Né, no piston; Joca, no trombone; José de Neco, no bombardino; Assis, no saxofone; Luiz Coquinho, no banjo; José Telmo, na trompa; Osman, no bombardino; Jurandir Queiroz, no trombone e tantos outros que honraram a tradição musical da cidade.

O desaparecimento dos Siqueira, mantenedores da instituição, abalou a estrutura e os destinos da Banda. A diretora Emília Siqueira, apesar das dificuldades, mantinha a tradição dos seus antepassados e tinha a ajuda inestimável do seu irmão, general João Augusto de Siqueira que, graças a seu prestígio, supria a Banda de instrumentos musicais do Exército.

Josué, vez por outra, se queixava de nunca ter sido reconhecido pelo que fez pela cultura musical da cidade. E a vida para ele não foi o mar de rosas dos dias de festa quando a Banda e a orquestra eram reverenciadas, pela população, como ponto alto seja no coreto, no acompanhamento da procissão ou animando os bailes do principal clube de São Bento. Se, por acaso, ainda não existe logradouro com o nome deste insigne são-bentense, é hora de repararmos esta injustiça, homenageando esta figura com a “Rua Maestro Josué Severino”, para perpetuar sua memória.

Por fim, queremos homenagear todos os músicos e dirigentes da instituição, do presente e do passado, fazendo votos para que a Banda Musical Santa Cecília, hoje sob a batuta de Adilson Campos, possa dar prosseguimento ao árduo trabalho de forjar músicos da qualidade. Em homenagem a todos os músicos são-bentenses de todos os tempos, reproduzimos, acima uma antiga foto de uma formação musical da cidade.

*Orlando Calado é bacharel em direito e bacharel em ciências contábeis

PARANATAMA: PREFEITURA REALIZA PROCESSO SELETIVO DE NÍVEL SUPERIOR NA ÁREA DA SAÚDE

Estão abertas as inscrições para o processo seletivo da Prefeitura Municipal de Paranatama, no Estado do Pernambuco, com o intuito de selecionar candidatos de nível superior, para ocupação de 12 vagas, em caráter temporário. As oportunidades do edital nº 01/2019 são para Médico Generalista Final de Semana, Médico Generalista semana e Médico Generalista. A remuneração ofertada vai de R$ 1.608,66 a R$ 7.833,33, para desempenhar atividades em carga horária de 40 horas semanais ou plantão de 24h.

Como se inscrever

Os interessados devem realizar suas inscrições até o dia 12 de abril de 2019, preferencialmente de forma presencial no endereço da Secretaria de saúde, Praça João Correia de Assis, 28 – Centro, Correios ou por e-mail: seudeparanatamassm.inscricoes@gmail.com.

Seleção

O processo seletivo será realizado em uma única etapa constituída de prova de títulos, em caráter classificatório.

Validade

A validade do processo seletivo será de um ano, contado a partir da data de publicação da homologação do resultado final no Diário Oficial da Estado, podendo ser prorrogado por igual período. Fonte: Concursos no Brasil

SESC GARANHUNS RECEBE 1ª ETAPA DO CIRCUITO PERNAMBUCANO DE NATAÇÃO MASTER


Nadadores da categoria Master se reúnem em Garanhuns para a abertura do 22º Circuito Pernambucano de Natação. A competição, promovida pela Associação dos Nadadores Master de Pernambuco (ANMPE), será realizada no Sesc, neste sábado (30/3), a partir das 9h. A entrada para o público prestigiar as provas é gratuita.

Este é o terceiro ano consecutivo que o Sesc Garanhuns recebe a competição. A disputa por medalhas será em três modalidades: livre (crawl), costas e medley. Os atletas são de várias cidades do estado, com destaque para a equipe do Sesc Regional, que inclui atletas das unidades de Garanhuns, Caruaru e Piedade, campeã em 2015 e 2016 e vice-campeã em 2017 e 2018.

quarta-feira, 27 de março de 2019

CAPOEIRAS: BARRAGEM DE GURJÃO ATINGIU 50% DA SUA CAPACIDADE COM CHUVAS DO FINAL DE SEMANA

Capoeiras - Barragem de Gurjão

Embora ainda não tenha iniciado oficialmente a quadra chuvosa para o Agreste de Pernambuco, prevista a partir do mês de abril, as chuvas do último final de semana já contribuíram para melhorar os níveis de alguns reservatórios da região. No Agreste Meridional,  a barragem de Gurjão, em Capoeiras, com capacidade de armazenar 3,9 milhões de metros cúbicos, subiu de 32% para 50% o seu nível. No entanto, no momento, não haverá alteração no abastecimento de água da cidade de Capoeiras que já está sendo abastecida todos os dias; então a Barragem Gurjão só será utilizada quando for necessário. A informação consta do informativo da  Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), enviado a imprensa na terça-feira, 26/03/2019.

Segundo dados da APAC, entre a sexta-feira e domingo, 22 a 24/03/2019, choveu 78,3 milímetros no município de Capoeiras.

Outros mananciais no Agreste Meridional

JUPI - Na Barragem de Santa Rita, no município de Jupi, a Compesa já mobilizou uma equipe para fazer um diagnóstico da Estação Elevatória para verificar os serviços de manutenção eletromecânicos e hidráulicos necessários para retomar a captação de água no manancial. A Barragem de Santa Rita estava seca e agora acumula 80% de sua capacidade total, que é de 400 mil metros cúbicos. A Compesa informará uma previsão de retorno da distribuição de água pela rede para a população de Jupi assim que finalizar a avaliação do sistema, que ficou inoperante pelo período de um ano.

ÁGUAS BELAS - Barragem de Lamarão, em Águas Belas saiu da situação de colapso e passou a registrar 20% do seu volume total, que é de 150 mil metros cúbicos. No entanto, no momento, não haverá alteração no abastecimento de água da cidade. Como Lamarão é um reservatório pequeno, precisamos aguardar aumentar um pouco mais o volume de água para retomar o abastecimento da cidade pela rede. Hoje, Águas Belas é atendida por meio de carro-pipa. Fonte: Blog Capoeiras

segunda-feira, 25 de março de 2019

MPPE DIVULGA RANKING DE CIDADES PACIFICADAS


Ibirajuba, no Agreste pernambucano, é a cidade com o mais alto índice de pacificação, segundo dados do Ranking de Pacificação do projeto Cidade Pacífica, do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), divulgado nesta semana. A cidade é seguida por Cabrobó e Lagoa Grande, em segundo e terceiro lugar, respectivamente. Cabrobó oscilava entre o terceiro e o quarto lugar, tendo adotado diversas medidas para coibir a violência, alcançou a segunda posição.  O principal objetivo do ranking é informar o quanto cada município avançou após a adoção de medidas concretas, por parte dos gestores públicos, para reduzir os índices de criminalidade e aumentar a sensação de seguranças nos moradores.

Na quarta e na quinta posição estão as cidades de Orocó e Petrolina. A primeira saiu da terceira posição, na primeira divulgação do ranking para a posição em que está hoje. Em sexto colocado está a cidade de Caruaru; em sétimo, Cachoeirinha; na oitava posição, Santa Maria da Boa Vista; em nona posição, Floresta; na décima, Altinho. Em 11ª está Bezerro; em 12º está o município de Escada; em 13º está Igarassu; em 14º a cidade de Gravatá, no Agreste; em 15º está Cupira.

O município pode aderir ao Cidade Pacífica por meio de convênio firmado com o MPPE, por intermédio da promotoria local, devendo implementar no mínimo sete desses eixos, de acordo com a sua realidade. “São medidas simples que aumentam a sensação se segurança da população, como, por exemplo, melhorar a iluminação das ruas. 

MÉTODO - O Índice de Pacificação é representado numa escala de 0 a 5, onde 0 indica um município menos pacificado. Quanto mais próximo de 5, maior o nível de pacificação do município. O indicador é calculado a partir de uma média ponderada entre o CVLI (Crimes violentos letais e intencionais) e o CVP (Crimes violentos contra o patrimônio), a qual foram atribuídos os pesos de 80% e 20%, respectivamente. O índice possibilita gerar o ranking dos municípios com maior nível de pacificação. Também é possível comparar o desempenho dos municípios entre períodos diferentes e avaliar o quanto mudou de um período para o outro. Esse percentual de variação do índice de pacificação possibilita destacar o esforço de cada município em mudar o cenário da criminalidade. Fonte: MPPE

domingo, 24 de março de 2019

CACHOEIRINHA - ORIGEM E O SIGNIFICADO DO NOME DA MINHA CIDADE

Cachoeirinha, PE

Conta a tradição, segundo registros do IBGE, que tudo começou depois da dissolução da República dos Palmares. Finda a guerra  dos Palmares que durou 51 anos (1644-1695), após a morte em combate do líder Zumbi, a Fazenda Cachoeirinha, localizada em área de influência do conflito, teria se consolidado, sendo adquirida, em abril de 1751, por dona Maria da Conceição Bezerra.  Esta fazenda também  pertenceu ao sargento mor Antônio Fagundes e, posteriormente, foi adquirida por Antônio Vieira de Melo. Há registros de que, em 1862, o povoado pertencia a Freguesia de São Bento.

O Distrito foi criado, sob a denominação de Cachoeirinha, pela lei municipal nº 15, de 21/11/1892, subordinado ao município de São Bento. Elevado a categoria de município, também sob  a denominação de Cachoeirinha, pela lei estadual nº 73.309, de 17/12/1958, sendo desmembrado de São Bento do Una. O Município foi instalado em 01/13/1962. 


Fonte: Livro Pernambucânia do escritor Homero Fonseca

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E ESPORTES DIVULGA RESULTADOS DO SAEPE 2018

O SAEPE produz informações sobre o grau de domínio dos estudantes nas habilidades e competências consideradas essenciais, além de ser uma ferramenta de monitoramento para a gestão escolar. 

A avaliação do SAEPE é feita com estudantes da rede pública estadual e municipal, dos 2ºs, 5ºs e 9ºs anos do Ensino Fundamental e 3ºs anos do Ensino Médio, nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática. Em 2018, cerca de 376 mil estudantes de mais de 8,6 mil escolas participaram da avaliação. 


Clique aqui para conferir os resultados do SAEPE 2018 

BREJÃO - CENÁRIOS DO AGRESTE DE PERNAMBUCO


























Sítio Gameleira, Brejão - PE
Imagem/Igor Dantas