sábado, 8 de fevereiro de 2020

CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA DE GRAVATÁ - PE COM 515 VAGAS


Foi publicado o edital do novo concurso público da Prefeitura de Gravatá. São ofertadas no certame, 515 vagas para diversos cargos de nível fundamental, médio, médio-técnico e superior

Aqueles interessados em garantir sua inscrição devem acessar o site da banca organizadora, a ADM&TEC, entre os dias 02 de março e 31 de maio, além de pagar uma taxa que varia conforme a escolaridade do cargo, sendo:

Nível fundamental: R$ 50,00; Nível médio e técnico: R$ 70,00 e Nível superior: R$ 80,00

Inscrições: 02/03 a 31/05/2020
Pagamento da taxa: até 05/06/2020
Data da prova: 19 e 26/07/2020

Click no link abaixo e saiba mais: 

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

CONCURSO PÚBLICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DE SALGUEIRO - PE

A Autarquia Educacional de Salgueiro (AEDS), no estado de Pernambuco, anunciou novas oportunidades para professores, bibliotecários e agentes administrativos.  De acordo com o edital de nº 001/2020, estão sendo oferecidas 36 vagas imediatas de nível médio e superior. A remuneração pode chegar ao valor de R$ 3.109,00, além do adicional “aulas atividade” para professores. Todos os candidatos classificados estarão sujeitos a jornadas de trabalho entre 20 e 30 horas semanais.

Organizado pelo IDIB, o concurso da Autarquia Educacional de Salgueiro - PE também abrange 96 reservas de vagas. Seu prazo de validade será de dois anos a partir da homologação do resultado. No entanto, é possível que seja prorrogado uma única vez e em igual período.

Importante destacar que o edital de abertura sofreu retificação com base no aditivo de nº 001/2020. O que mudou? 

“Doador de medula óssea” se tornou um dos critérios de desempate; Detalhes nos procedimentos para concorrer às vagas de pessoas com deficiência (PcD); Turno de realização das provas, já que os candidatos aos cargos de nível médio deverão fazer pela manhã e os de nível superior no período vespertino.

Inscrições

As inscrições estarão abertas até o dia 15 de março de 2020 (data prevista), sendo realizadas somente pelo site da organizadora. Confira as taxas de pagamento que foram calculadas com base no nível de escolaridade exigido para os cargos:

Taxa de inscrição: Nível  Médio R$ 100,00 e Superior R$ 130,00

OS MELHORES PREFEITOS DE GARANHUNS



Por Roberto Almeida*

Recentemente o prefeito Izaías Régis se autoproclamou o “melhor prefeito da história de Garanhuns”.

Acredito que essa avaliação devia ser feita pela população e pela imprensa, após o término do mandato do atual gestor.

Acho cedo, ainda, para fazer um julgamento de quem administrou melhor Garanhuns ao longo da história.

Pessoalmente, não posso avaliar gestões do passado da cidade, como as de Francisco Figueira, Euclides Dourado e Celso Galvão.

Sei pouca coisa deles, pois foram prefeitos quando o jornalista que vos escreve nem era nascido e não há muita informação disponível sobre o que fizeram.

Também é preciso levar em conta que os três citados governaram um município diferente deste de hoje. A cidade era pequena e o município era maior, pois tinha mais distritos.  Até a década de 60 Caetés, Brejão, São João e Paranatama pertenciam à Terra de Simoa Gomes.

Mesmo Amílcar Valença, prefeito pela primeira vez nos anos 60 do século passado, administrou uma outra realidade. Sei que ele foi dos bons, era um “matuto” à frente do seu tempo, mesmo assim a época dele está distante e não posso enumerar tanta coisa que ele fez, embora saiba que foi o criador da Faculdade de Administração e o homem que construiu o Mercado 18 de Agosto.

Nos últimos 40 ou 50 anos, Garanhuns teve bons prefeitos, como Ivo Amaral (dois mandatos) e Silvino Duarte (também dois mandatos). Outros não se saíram tão bem assim, apesar de eleitos com grande apoio popular.

É o caso de José Inácio (já falecido), Bartolomeu Quidute e Luiz Carlos de Oliveira. Cada um deles teve suas qualidades.

O primeiro instalou o moderno sistema de ônibus e construiu a "Praça da Fonte Luminosa". O segundo levou o governo à periferia como nenhum outro antes e conseguiu o Caic do Indiano, uma grande obra em seu tempo. Luiz da Farmácia, que se queimou muito por conta de uma ponte no valor de R$ 18 mil, investiu mais em saneamento do que seus antecessores e o atual prefeito, fez o acesso da Cohab III, construiu a Escola Miguel Arraes de Alencar (em Parque Fênix) e fez uma reforma e ampliação na escola da Cohab III que foi mesmo que construir uma outra.

Mas no geral saíram desgastados, por amadorismo ou falhas dos seus assessores.

Assim, Ivo Amaral e Silvino Duarte se sobressaíram nessas últimas cinco décadas, por realizarem uma grande obra administrativa, pelo profissionalismo e por não cometerem erros bobos como os outros três.

O atual prefeito, não resta dúvida, está entre os grandes "tocadores de obras" do município.

Na campanha política de 2012, ele alardeava no programa de rádio e nas ruas que queria ser o "melhor prefeito da história de Garanhuns". Pelo que se vê, acha que já chegou lá.

Os dados, no entanto, embora incompletos, sinalizam que Ivo e Silvino podem ainda não ter sido superados.

Izaías, em sete anos de governo, se destaca sobretudo pelo grande volume de  obras de pavimentação. Somente na primeira gestão asfaltou ou calçou em torno de 400 ruas. Nesse segundo mandato também já fez muita coisa, beneficiando bairros inteiros como a Cohab II, o Indiano, o Magano, o João da Mata e a Brasília.

Prefeito atual também deu uma dimensão maior à festa natalina, que começou a ser resgatada com Silvino na prefeitura e Luiz Carlos de Oliveira na presidência da CDL.

Com a marca "Magia do Natal" a cidade passou a receber uma decoração cada vez mais caprichada, nos finais de ano, a prefeitura passou a contratar algumas atrações musicais populares, fez marketing e a festa ganhou fama em toda região, na capital e até em outros estados.

Atual gestor criou ainda o Festival Viva Dominguinhos, que aproveita o nome do maior artista da terra para todo mês de abril atrair um grande público que vem assistir shows de artistas regionais de peso, como Flávio José, Elba Ramalho e Alcymar Monteiro.

Os dois eventos, merecidamente, passaram a fazer parte da programação turística do município e do estado.

Izaías colocou suas digitais na Magia do Natal e Festival Viva Dominguinhos, deixando pra lá eventos menos populares, como os festivais do jazz, que foi para Gravatá, e o da Jovem Guarda, simplesmente esquecido.

Bom em calçamento, asfalto e duas festas do ano, o prefeito de Garanhuns até agora deixa a desejar em termos de assistência social, saúde e educação, setores fundamentais na elevação da qualidade de vida.

Alguém poderia citar uma grande iniciativa em uma dessas três áreas? Não tem, é só o feijão e arroz mesmo e até nisso deixa a desejar.

E olha que na educação e saúde o gestor tem duas excelentes secretárias: Eliane Simões e Nilva Mendes. Mulheres competentes, determinadas, que têm compromisso com o povo.

Mesmo assim, os resultados são pífios e a gente vê iniciativas interessantes nesses setores em municípios menores da região e por aqui é só o básico mesmo.

Lajedo, município de 39.240 mil habitantes, segundo o IBGE, tem um hospital municipal que funciona quase como um Dom Moura na cidade vizinha, enquanto por aqui só temos mesmo os postos de saúde.

Uma UPA que começou a ser construída na gestão de Izaías Régis está tomada pelo mato, os portões enferrujados e quando se precisa de assistência médica além do básico,  em Garanhuns,  tem se correr mesmo para o velho "Dom Morra".

A assistência médica no tempo de Ivo e Silvino funcionava melhor, não havia essa grita de hoje. Verdade também que a demanda era menor.

Ivo Amaral foi o prefeito que primeiro fez asfalto numa cidade do interior (à frente de Caruaru), construiu o relógio de flores (ainda hoje o principal cartão postal da cidade) e teve visão para acolher a ideia do jornalista Marcílio Reinaux e com o apoio do governador Joaquim Francisco criou o Festival de Inverno, que em 2020 completa 30 anos.

E Silvino, o que diabo fez? Alguém poderia perguntar.

Quando prefeito, o médico Silvino Duarte informatizou a prefeitura, criou o Centro Administrativo, construiu o portal na entrada leste da cidade e fez a reforma e ampliação da então Praça Guadalajara, que não passava de uma edificação modesta e virou "Praça de Eventos".

Quando Dr. Silvino era prefeito, ele teve como secretária de Educação a professora Girlane Lira, competentíssima. Nunca as coisas funcionaram tão bem no setor como na época dela. Infelizmente, nos deixou muito cedo, vitimada por um infarto.

A gestão de Silvino também foi marcada por abertura de novas avenidas, o acesso da Cohab II e muitas obras de Calçamento ou asfalto em bairros como Indiano,  Magano e Heliópolis.

Assim, as marcas deixadas por Amaral e Duarte são muito fortes. Pavimentaram muitas ruas também e se destacaram mais na saúde, na educação, na assistência social e no turismo.

Veja caro leitor que Ivo, quando Garanhuns ainda tinha ares de província, trouxe para cá fábricas como a Hora Norte, Sul Balas e Refinações e Milho Brasil, esta última ainda hoje em pleno funcionamento.

Hoje, já é grande coisa ter as Casas Bahia, o Todo Dia e o Assaí, que geram poucos empregos, quando comparados a uma indústria.

Não dá aqui para esgotar o assunto. São apenas alguns dados para que o garanhuense analise friamente e tire suas próprias conclusões. De todo modo, repito, o julgamento deve ficar mais pra frente. Quando terminar o atual governo. Pessoalmente, porém, me inclino a pensar, com base no que foi dito, que as gestões de Ivo e Silvino não foram mesmo superadas e Izaías não tem mais tempo para conseguir isso.

*Roberto Almeida é blogueiro, jornalista e escritor

GOVERNO DE PERNAMBUCO EQUIPA CINEMA EM AFOGADOS DA INGAZEIRA

O Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Cultura, adquiriu os equipamentos de projeção de cinema digital Full HD, associado à reprodução sonora digital, que irá permitir a volta da programação permanente do Cine São José, em Afogados da Ingazeira, no Sertão pernambucano. A instalação ocorrerá tão logo seja concluída a adequação da sala para receber as novas máquinas. A aquisição reforça a importância de fomentar o cinema na região, por meio de um de seus equipamentos culturais mais importantes.

O Cine São José é um patrimônio do município. Foi inaugurado em 1942, fechado em 1994 e reinaugurado no final de 2003. Pertence a Diocese de Afogados da Ingazeira, que possui um comodato com a Associação São José e conta com a parceria da prefeitura. A existência dessa sala de cinema, uma das mais antigas no interior de Pernambuco, reflete a importância da cena audiovisual na região, com vários profissionais envolvidos na produção de obras e realização de mostras e festivais independentes, como a Mostra do Pajeú, já na sua 4ª edição. Em 2018 e 2019, a Secult e a Fundarpe promoveram lá uma mostra do Festival Varilux de Cinema Francês.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

CONCURSO PREFEITURA DE PALMARES - PE

A Prefeitura Municipal de Palmares abre inscrições para concurso público a partir do próximo dia 12/02. São disponibilizadas 147 vagas para preenchimento com profissionais de níveis superior, médio e fundamental para as secretarias municipais de administração, finanças, saúde e educação. O certame será executado pelo Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (Iaupe).

As inscrições devem ser efetuadas, exclusivamente, no endereço eletrônico www.upenet.com.br, até o dia 08/03. Os interessados devem realizar o pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 70,00 para os cargos de nível fundamental, R$ 82,00 para os de nível médio/técnico e R$ 115,00 para os cargos de nível superior, preferencialmente no Banco do Brasil, até o dia 10/03.

TCE - 1ª CÂMARA JULGA IRREGULAR PROCESSOS DE GESTÃO FISCAL E APLICA MULTAS

A Primeira Câmara do TCE julgou, na última terça-feira (04), processos de gestão fiscal das Câmaras Municipais de Ipojuca e Petrolina e da Prefeitura de Mirandiba, todos com relatoria do conselheiro Valdecir Pascoal.

Os processos de Ipojuca (n° 1924327-3) e Petrolina (n° 1924336-4), tratam da análise relativa à transparência pública no exercício financeiro de 2018. Em ambos os casos, o conselheiro apontou, nos votos levados a julgamento, que os poderes Legislativos não disponibilizaram nos respectivos Portais da Transparência os instrumentos legais de planejamento e controle, como as prestações de contas anuais, Relatórios de Gestão Fiscal (RGFs) e suas versões simplificadas.

Ainda nos votos, o relator destaca que as Câmaras tiveram o nível de transparência classificado como “insuficiente” pelo diagnóstico sobre a transparência governamental elaborado por este Tribunal. Por estes motivos, além do julgamento pela irregularidade, o conselheiro Valdecir Pascoal aplicou uma multa no valor de R$ 10.000,00, aos então presidentes das Câmaras de Ipojuca e Petrolina, Ricardo José de Souza e Osório Ferreira Siqueira, respectivamente. Por fim foram feitas várias determinações aos responsáveis pelas Câmaras com o objetivo de aperfeiçoar os seus Portais da Transparência.

MIRANDIBA – Já o processo da prefeitura de Mirandiba (n° 1970004-0) , tendo como interessada a prefeita Rose Cléa Máximo de Carvalho Sá, analisou os limites de gastos com pessoal entre o 1º e 3º quadrimestres do exercício financeiro de 2017. De acordo com o voto, foram contabilizados, respectivamente, gastos com pessoal de 75,66%, 69,45% e 76,33% da Receita Corrente Líquida (RCL). O limite é de 54%. Sendo assim, além de julgar irregular a gestão fiscal do município, o conselheiro aplicou uma multa no valor R$ 54.000,00 a prefeita.

Todos os votos foram aprovados por unanimidade. Os interessados ainda podem recorrer das decisões. Representou o Ministério Público de Contas na Primeira Câmara, a procuradora Maria Nilda.  

Gerência de Jornalismo do TCE

MPPE PARTICIPA DA SOLENIDADE DE POSSE DO CORREGEDOR-GERAL DO TJPE

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), representado pelo procurador-geral de Justiça de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros, e pelo corregedor-geral do MPPE, Alexandre Bezerra, participou na terça-feira (3), da solenidade no Fórum Thomaz de Aquino, da posse do novo corregedor-geral do Tribunal de Justiça de Pernambuco, o desembargador Luiz Carlos Figueiredo.

Na ocasião, o desembargador Fernando Cerqueira, ex-corregedor e, agora, desembargador-presidente do TJPE, participou do evento, destacando a escolha do novo corregedor. “A Corregedoria, ao meu ver, não é apenas um órgão disciplinar, é um órgão orientador, que trabalha com desenvolvimento humano também. Desejo sucesso ao desembargador Luiz Carlos, que vai dar continuidade ao trabalho em que tantos de nós colocamos um tijolo a cada dois anos. Estamos todos irmanados, para prestar uma excelente jurisdição aos cidadãos do Estado de Pernambuco”, declarou o presidente, egresso do mesmo concurso da Magistratura do corregedor Luiz Carlos, há quase 40 anos.

O procurador-geral de Justiça destacou a importância da parceria entre as duas instituições. “Desde que ingressei no Ministério Público aprendi a importância de mantermos um bom relacionamento com nossos colegas do Poder Judiciário. Os anos se passaram e já na Gestão, vi, com muita clareza, que essa irmandade deve ser extensiva em todas as áreas e ramos do direito e o TJPE vem nos dando uma boa lição do bom entrelaçamento institucional, compartilhando com os irmãos soluções e boas práticas. Todos que fazemos o Ministério Público de Pernambuco temos certeza que Luiz Carlos Figueiredo dará continuidade ao trabalho de excelência que vem sendo desenvolvido”, disse o procurador-geral de Justiça, Francisco Dirceu Barros.

“Os últimos anos foram marcados por uma acentuada colaboração institucional entre o Ministério Público de Pernambuco e a Corregedoria do TJPE. Várias parcerias foram geradas a partir de um ambiente respeitoso e de colaborativo diálogo institucional, sempre de forma muito franca. Desejo ao novo corregedor muito mais sabedoria, serenidade e força, para que tenha sucesso em sua nova gestão”, disse o corregedor-geral do MPPE, o promotor de Justiça Alexandre Bezerra.

Além do presidente Fernando Cerqueira e do corregedor Luiz Carlos Figueiredo, a Mesa de Honra foi composta pelo primeiro e pelo segundo vice-presidentes do TJPE, respectivamente, desembargadores Eduardo Paurá e Cândido Saraiva; e pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), desembargador Frederico Neves. Antes da leitura e da assinatura do Termo de Transmissão do Cargo, a solenidade contou com a apresentação do Quarteto de Cordas da Orquestra Criança Cidadã.

PERNAMBUCO TEM A MAIOR REDE DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS DO NORDESTE

Do Portal da Amupe

Pernambuco já conta hoje com 103 feiras orgânicas cadastradas em todo o estado, segundo levantamento realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), o que representa a maior rede de espaços orgânicos do Norte e Nordeste e a segunda maior do País.

Desde a criação do Programa Circuito Pernambuco Orgânico, em 2019, o número de feiras orgânicas ou agroecológicas no estado cresceu 24%, saindo de um total de 83 feiras, no início do cadastramento, para 103 feiras no final do ano passado.

De acordo com o secretário Dilson Peixoto, ao contrário do Governo Federal que vem liberando de forma acelerada novas fórmulas de agrotóxicos, o Governo de Pernambuco vem atuando para ampliar a rede de feiras orgânicas em todo o estado e trabalhando para formalizar mais agricultores e agricultoras como produtores orgânicas.

Hoje, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o número de produtores orgânicos cadastrados em Pernambuco também cresceu, saltando de 849 para 1.044 ao longo de 2019.

“Isso reflete o crescimento também da quantidade de OCSs (Organizações de Controle Social) em Pernambuco. Hoje temos 52 OCSs em Pernambuco, seis a mais que no início dos trabalhos do Circuito Pernambuco Orgânico”, detalha o gerente de Processos Agroecológicos da SDA, Maílson Pedro Rodrigues, acrescentando que é a vinculação a uma OCS que permite aos agricultores e agricultoras serem reconhecidos como produtores orgânicos.

Imagem / Edilson Júnior/SDA

VIAGEM FOTOGRÁFICA AO PASSADO DE GARANHUNS - DÉCADA DE 1940


Avenida Santo Antônio - Prefeitura Municipal e Hotel Central
Acervo / Memorial Ulisses V. de Barros Neto

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

TCE RESPONDE CONSULTA REFERENTE A SOBRAS DE RECURSOS FINANCEIROS

RECIFE - O Pleno do TCE respondeu, nesta quarta-feira (05), uma consulta formulada pelo presidente da Câmara de Taquaritinga do Norte, Jurandi Ferreira Tavares, sobre a devolução de sobras de recursos financeiros por parte do Legislativo Municipal. O relator foi o conselheiro Marcos Loreto.

Na consulta (n° 19225414-3), o vereador questionou se havendo sobras de recursos, depois de atendidas todas as despesas, a Câmara poderá efetuar a devolução ao Poder Executivo dentro do exercício financeiro?. E, caso seja permitido, provocará efeito no cálculo de despesas com folha de pagamento, além disso, o orçamento da Câmara poderá ser alterado durante a sua execução no ano seguinte?.

Em sua resposta, com base em parecer do Ministério Público de Contas, o relator explicou que, caso não exista Lei Municipal sobre o tema, a existência de saldos financeiros, provenientes da não utilização dos repasses do executivo para o Legislativo, não leva  obrigatoriedade da devolução ou compensação por parte da Câmara.

No entanto, apesar da não obrigatoriedade, o conselheiro destacou que o gestor não fica impedido de realizar a devolução voluntariamente, com base em critérios de oportunidade, conveniência e eficiência, buscando o melhor atendimento do interesse público, por meio da otimização da administração financeira dos recursos municipais.

Ainda em seu voto, Loreto respondeu que havendo restituição do saldo positivo ao Tesouro Municipal, ele não deverá ser considerado para fins de cumprimento do artigo 29 da Constituição Federal que limita a despesa de pessoal da Câmara de Vereadores a 70% da receita. “As sobras duodecimais, mesmo quando devolvidas ao Executivo, devem ser computadas no cálculo do percentual de despesa de pessoal do Legislativo”, afirma o relator.

Por fim, o conselheiro explicou que a devolução não demanda a realização de alteração da programação orçamentária anual. Porém, ele ressalta que reiteradas sobras de recursos indicam a necessidade de melhor um planejamento e maior precisão na elaboração da proposta orçamentária da Câmara de Vereadores.

O voto foi aprovado por unanimidade. Representou o Ministério Público de Contas na sessão a sua procuradora geral, Germana Laureano.

GIVALDO - “DEFESA DA CULTURA E DO TURISMO; DO ENSINO E DO COMÉRCIO COMO SAÍDAS ECONÔMICAS PARA GARANHUNS.” PARTE II


Que, por fim, nomeia Givaldo: “Assim, a defendemos, e sem embargo de tantas e tantas outras valorosas ideias, o seguinte: Festejos do “TRÍDUO DE MOMO” com frevo e samba em trios elétricos nos bairros e nos distritos, e Jazz e Blues na Esplanada para dezenas de milhares que gostam desses gêneros musicais, da cidade e de fora dela - turistas. 

Público seletivo e consumidor. Gerador, portanto, de emprego e renda; Festejos do “VIVA DOMINGUINHOS”, maior. Em dois finais de semana - sextas-feiras e sábados, sem prejuízo dos dias da semana - domingos às quintas-feiras, com artistas da cidade e da região; Festejos de “SANTO ANTÔNIO, SÃO JOÃO E SÃO PEDRO”. 

Que carecem renascer. E grandes! Modelos Caruaru e Campina Grande, centrando suas maiores atrações em quatro finais de semanas, e, durante os dias da semana - domingos às quintas-feiras, com os nossos artistas; Festejos do “FIG” em trinta dias, centrando suas atrações maiores, do Palco Dominguinhos, em quatro finais de semana - sextas-feiras e sábados. 

E, durante os dias da semana - domingos às quintas-feiras, com artistas da cidade. Nos demais Palcos - Cultura Popular, Instrumental, Som da Rural, Pop, Forró, Artes Cênicas, Música Erudita e, claro, Mestre Dominguinhos, além das peças, das oficinas, do cinema e das demais atrações, ao longo do Festival; Festejos do “PRIMAVERA VERÃO”, a ser criado, em saudação a essas estações do ano, oferecendo aos turistas, que gostam de nossa cidade, dias e noites mais aprazíveis que em suas cidades  de  origem; Festejos  da  “MAGIA DO NATAL” em oito finais de semanas, como já      vem
ocorrendo, oferecendo civilidade e religiosidade; encanto e poesia, para milhares e milhares que vêm à nossa cidade, saindo, daqui, felizes e sonhando com as próximas Magias, tudo por conta da sua beleza, e de nossa  vocação  receptiva, fruto do nível cultural dos que fazem a ‘Cidade Poesia’; Promoção do “FUTEBOL NOS GRAMADOS”, além-fronteiras. Sim! No campeonato estadual.

Temos vários motivos para essa defesa. Dentre eles: Primeiro - a cidade estar certa que não pode ficar mais de fora desse campeonato. Segundo - a cidade estar consciente que é chegada a hora de preservar seu estádio. Terceiro - cresce, visivelmente, a qualidade do esporte amador em nossa cidade. 

Devemos pensar, também, na capacitação da nossa juventude para viabilizar seu ingresso no mercado de trabalho. Em Garanhuns são milhares que precisam dessa nossa iniciativa. E, enquanto ela não chega, estão por aí sem emprego, portanto, sem renda que possam atender, pelo menos, suas necessidades. Temos feito um pouco para combater essa chaga, através de nossos cursos de cabeleireiros. Contudo, reconhecemos que só com a união da iniciativa privada, induzida pelo poder público, poderemos mudar essa triste realidade. Vamos sonhar juntos! Tudo começa com sonhos. E, como dizia Proust, ‘é melhor sonhar a vida, ainda que vivê-la seja ainda sonhá-la.’ Vamos sonhar juntos!”


SIVALDO ALBINO REGISTRA OS 141 ANOS DE GARANHUNS NA ALEPE

Por Blog do Roberto Almeida

Pronunciamento do deputado garanhuense Sivaldo Albino ontem, na Assembleia Legislativa de Pernambuco:

Há exatamente um ano, no dia 04 de fevereiro de 2019, no plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco, tive a honra de assumir o mandato de Deputado Estadual. Honra acompanhada de compromisso e responsabilidade em representar nossa gente do Agreste, em especial de Garanhuns, minha terra natal. E aquela alegria foi ainda maior, pois em 04 de fevereiro Garanhuns comemora o dia histórico da elevação de Vila a Município, que aconteceu em 1879. 

Era ainda criança, quando em 1979 foi realizada a grande festa do centenário organizada pelo então prefeito Ivo Tinô do Amaral, que orgulha hoje estar ao meu lado nas últimas seis campanhas políticas. Garanhuns é a Cidade das Flores, a Suíça Pernambucana, a Terra dos Festivais, de gente hospitaleira e trabalhadora. Aproveito este momento para parabenizar Garanhuns e meus conterrâneos.

Neste ano de muito trabalho, vivi muitas histórias na ALEPE, junto com todos os demais deputados e deputadas desse legislativo. Posso afirmar que conquistei espaços que avaliamos serem muito importantes, como a experiência da vice-liderança do governo Paulo Câmara, e logo depois a liderança do nosso partido, o PSB. A convivência ensina, e esta experiência é fundamental na vida pública, principalmente o cotidiano entre o parlamento e as esferas de governo.

Na tribuna pude levar as demandas de Garanhuns e do Agreste ao legislativo, e fiz do diálogo a ferramenta para avançar. Contei com o apoio do governador Paulo Câmara, sua equipe e do presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, e esta parceria vai avançar ainda mais, beneficiando a população do estado e em especial, através deste mandato, aqueles que acreditam em meu trabalho. A resposta é dada com dedicação ao exercício do mandato e anúncios de investimentos que já beneficiam a nossa população.

Agradeço a Deus, à minha família, amigos, aos colegas de ALEPE, representados por nosso presidente Eriberto Medeiros, ao governador Paulo Câmara e em especial, amigos e amigas de Garanhuns. Quero dizer que muito mais vamos fazer, juntos, com a benção de Deus e a participação de todos e todas.

GOVERNO DE PERNAMBUCO DIVULGA CALENDÁRIO DE PAGAMENTO DO 13º SALÁRIO DO BOLSA FAMÍLIA

Calendário do 13º estadual do Bolsa Família 2020 - Foto: Divulgação/Governo do Estado
Por Portal FolhaPE

Beneficiários do Bolsa Família em Pernambuco começarão a receber nesta quarta-feira (12) o 13º salário estadual do programa federal. Pessoas nascidas em janeiro, fevereiro, março e abril serão os primeiros contemplados com a parcela extra. Em março, será a vez de quem nasceu em maio, junho, julho e agosto. Já em abril receberão os nascidos em setembro, outubro, novembro e dezembro. 

As famílias pernambucanas beneficiárias do programa federal receberão anualmente uma parcela extra de até R$ 150 paga pelo Governo de Pernambuco. No Estado, de acordo com os últimos dados divulgados pelo Ministério da Cidadania, 1.125.559 de famílias recebem o benefício, o que corresponde a 34,5% da população pernambucana. A portaria com o calendário foi divulgada pelo Governo do Estado no Diário Oficial do Estado nesta terça-feira (4).

Segundo o Governo do Estado, só terá direito à décima-terceira parcela quem recebeu o Bolsa Família durante pelo menos metade dos meses do período de apuração, intercalado ou em meses seguidos. “Em 2019, o período de apuração foi de 29 de março de 2019 a 31 de janeiro de 2020. Então, pode ganhar o décimo terceiro quem recebeu pelo menos cinco dessas dez parcelas, seguidas ou não”, explica o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ), Sileno Guedes.

Para dúvidas e esclarecimentos sobre o 13º estadual do Bolsa Família, a população poderá utilizar o serviço da Ouvidoria Social, que atende por meio do telefone 0800.081.4421, de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h às 17h.

Consulta

Os beneficiários do programa podem acessar a plataforma disponibilizada pela SDSCJ para saber quanto irão receber do benefício estadual. Para acessar, é preciso fornecer o Número de Identificação Social (NIS), que pode ser conferido nos cartões do Bolsa Família, e a data do nascimento do titular. [Clique aqui para acessar o site]. No espaço, segundo o governo, será possível saber quanto o beneficiário acumulou em notas fiscais entre março de 2019 e 31 de janeiro de 2020, data de apuração das notas fiscais para quem recebe abaixo de R$ 150, valor máximo do benefício.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

GIVALDO - “DEFESA DA CULTURA E DO TURISMO; DO ENSINO E DO COMÉRCIO COMO SAÍDAS ECONÔMICAS PARA GARANHUNS.”


Givaldo Calado de Freitas, empresário, acadêmico e homem público defende a CULTURA e o TURISMO; a EDUCAÇÃO e o COMÉRCIO como as grandes vocações da cidade, sem embargo da agroindústria, que deve ser, também, defendida.

Segundo Givaldo, “elas não se esgotam nesses quatro ou cinco nichos. Pelo contrário, eles inspiram e impulsionam outros que se somam a estes. Nesse sentido, somos uma cidade plural. No entanto, elas são as maiores vocações da cidade, capazes, portanto, de reduzirem, se bem orientadas, essa chaga da escassez de emprego e renda à nossa gente.”

Ele afirma que “desde a década de 1950 sabemos desses vieses econômicos de Garanhuns. E quem assim dissera fora o então governador Agamenon Magalhães, levando Celso Galvão, então prefeito da cidade, a assim entender. Quem sabe se, por isso, Celso não tenha partido para dotar nossa cidade de grandes obras nessa direção como a PRAÇA DOM MOURA, o PAÇO DA CIDADE, o CRISTO CRUCIFICADO, o CASSINO DE PERNAMBUCO, dentre tantas. E mais aquela que seria a precursora da nossa Universidade, a CASA DO ESTUDANTE DE GARANHUNS.”

Givaldo Calado de Freitas, todos conhecem, e sabem de seu carinho por Garanhuns, através de suas iniciativas privadas na cidade, que vêm de longe.

O Matriz Center, por certo, é uma delas, e, por muitos anos, e ainda hoje, point, e orgulho de Garanhuns, em seu marco zero - na Avenida Santo Antônio, por ele entregue à sua gente em 17 de outubro de 1986.

“Bem que poderia ser chamado de Hino. Hino de Amor a Garanhuns. Mas vamos chamá-lo de Matriz. Matriz, em homenagem à nossa Matriz de Santo Antônio”, disse Givaldo no dia de sua entrega à cidade.

O Garanhuns Palace Hotel, outro orgulho da cidade, é iniciativa privada desse visionário, construído na Avenida Rui Barbosa, entregue à cidade em 06.07.1990.

O Restaurante Columinho Gourmet Experience. Que chega à Garanhuns como mais outra grande iniciativa privada desse visionário.


Inúmeras Unidades Habitacionais familiares e multifamiliares, como o Residencial Manoel Lacerda, Residencial Columinho, Alameda Geraldo de Freitas Calado e outras, que apontam para iniciativas privadas de coragem e crença em Garanhuns. Como ele sempre coloca: “As iniciativas privadas que realizei na minha cidade foram para minha cidade. Amanhã, irei para outro plano, mas minhas iniciativas ficarão em Garanhuns para sempre. Portanto, fiz para minha cidade. Ela merece!”

Ainda segundo Givaldo, “naquele tempo, Agamenon saudava Garanhuns como ‘Cidade Universitária e Turística’. Veja você. Ainda nos anos 1950. E é bom que se diga que Garanhuns só dispunha de três Colégios - XV de Novembro, Santa Sofia e Diocesano. Nenhuma Faculdade. Que dirá Universidade. Ademais, naquela época, nosso comércio ainda era incipiente, e nosso turismo, inexistente.”

O empresário diz que sua luta em defesa desses vieses à economia da cidade “não é obra de veleidade minha, visto que tenho defendido essa posição há muitos anos, todos sabem, sendo, portanto, essa minha posição, resultado de vontade imperiosa de, um dia, assistir ao florescer econômico e social da minha cidade, em que tanto acredito. E esse florescer, já aí com a melhoria da educação, à vista de todos, sendo Garanhuns, hoje, considerada ‘Cidade Universitária’, resultado da luta persistente de sua gente, através de décadas.”

“Quando falo em impacto econômico do turismo na cidade, que atinge nada menos que 52 segmentos da economia, faço-o de posse de registros do IBGE e, claro, estudando a matéria. Se esses impactos parecem incríveis para alguns, quero dizer que são reais. Basta-nos um simples olhar ao mundo. E, neste mundo, claro que nele estamos, sobretudo através das cidades que sabem ‘vender’ suas belezas e seus encantos. Inclusive, a nossa. Basta-nos procurar os trabalhadores, os barraqueiros, os taxistas, os donos bares, de hotéis, de restaurantes... Enfim, e a eles perguntarmos do impacto do turismo em seus negócios. E, diga-se, esse impacto gera mais empregos e renda, e, também, beneficia, fortemente, os cofres públicos municipais, estaduais e federal. Portanto, todos ganham.

Sou, por isso, defensor das vocações econômicas da nossa cidade. E digo mais: nada, hoje, mais importante para Garanhuns e sua gente que a geração de emprego e renda. E o caminho que aponto é o incentivo e o incremento da cultura e do turismo; do ensino e do comércio. Estes últimos, já em progresso. O primeiro, com mais colégios e universidades. E, o segundo, com a abertura de novas empresas comerciais na cidade. E tantas, ainda, chegando”, assegura.

“Vamos, portanto, avançar em nossas conquistas para sermos a cidade de nossos sonhos. Próspera e feliz, e podermos dizer, como Machado de Assis, que ‘o sonho coincidiu com a realidade, e as mesmas bocas uniram-se na imaginação e fora dela.’ E, a gente, daqui, tendo mais orgulho da ‘Cidade Poesia’, da ‘Cidade Mágica’, da ‘Cidade Encanto’ de Garanhuns”, diz Givaldo.

Que continua, dizendo: “mas, para tal, precisamos oxigenar e rechear mais a nossa Agenda Econômica, tecendo nosso ‘Plano de Turismo Criativo’, capaz de pôr fim ao sazonal de nossas
demandas, fazendo crescer o nosso Turismo de Negócio, e voltar o nosso Turismo de Congresso... Enfim, capaz de atrair mais turistas, e fazer retornar aqueles que vinham à nossa cidade, décadas passadas, por uma série de razões. Por nossa geografia estratégica, e conexão terrestre, a 224 km do Recife; a 343 km de João Pessoa; a 160 km de Maceió; a 304 km de Aracaju. Mesmo sem a duplicação das BR’s - São Caetano x Garanhuns - BR 423; Arapiraca x Garanhuns - BR 424, e ausência de voos à nossa cidade.”

“Não enxergo outras saídas que possam alavancar nossa economia, senão através desses exercícios. Que abracem nossas vocações. E, aqui, temos duas vedetes imbatíveis: a nossa água e o nosso clima. Que, acredito, os melhores do Brasil. E, aqui, temos excelentes pousadas, hotéis, flats e restaurantes. E, aqui, temos 23 pontos turísticos, que precisam ser melhor expostos. E, aqui, temos tudo que uma cidade turística precisa para erguer sua economia, e dar impulso à melhoria da qualidade de vida da nossa gente. Falta-nos, contudo, um olhar. Um olhar mais curioso, decidido e profissional, capaz de enfrentar e combater esse gargalo. O cruel gargalo da ocupação sazonal.

E digo mais: não adianta água, clima, hotéis... E só. Temos que ter atrações que seduzam o turista. Atrações que mexam com os seus cinco sentidos. Que, enfim, lhe empolguem.


Mas, para que isso ocorra, temos que ir atrás de parcerias públicas e privadas. E que o nosso Conselho Municipal de Turismo esteja regular e antenado, a fim de que conheça os incentivos à disposição dos municípios turísticos, propiciados pela PRODETUR. E que, entrementes, se procure melhorar as estruturas dos pontos turísticos existentes na cidade. Caso do Cristo Crucificado; da Via Sacra; do Santuário Mãe Rainha, dentre outros. Sem perder de vista a implantação de equipamentos que encantam o turista, a exemplo de teleféricos, e outros, como acontece em cidades como Bonito, Gravatá e Triunfo, com total êxito. Também um Lago Artificial seria outro atrativo à disposição daqueles que vêm a nossa cidade, e da nossa gente, equipado com pedalinhos para um prazeroso passeio. E que, ainda, no escopo do turismo criativo, esteja presente o ‘CALENDÁRIO TURÍSTICO DA CIDADE DE GARANHUNS’.”

GARANHUNS, "A ENEVOADA PÉROLA FUGIDIA" 141 ANOS DE HISTÓRIA

Relógio de Flores "Cartão Postal" de Garanhuns


Por Marcílio Reinaux*

Garanhuns comemora nesta terça-feira (04) de fevereiro, cento e quarenta e um anos da emancipação política de Vila (1879), transformada em Município, por projeto do Deputado do Governo Provincial: Silvino Guilherme de Barros, o Barão de Nazaré. O documento histórico, que vale como "Certidão de Nascimento de Garanhuns",  é o Decreto Provincial 1.309, de 4/2/1879.

Poucos meses antes no final do ano anterior O Barão de Nazaré havia estado em Garanhuns, à época, um pequeno vilarejo serrano, encravado e circundado de Colinas Verdejantes. "Lá tem fontes de água boa, de excelente qualidade". Teria dito o médico do Barão de Nazaré, que estava com problemas de saúde, acometido de complicações renais. Mais que uma informação, mas entendendo como recomendação médica, o Barão de Nazaré veio para a Vila de Garanhuns e ficou um tempo, com certeza bebendo muita água, caída das cascatas e riachos que brotavam das fontes cristalinas. Ao que se sabe, ficou curado e sentiu-se agradecido tanto pela boa acolhida e sobretudo pelos benefícios à sua saúde em decorrência do clima saudável.

Tanto assim que, ao regressar às suas atividades políticas no Recife, formulou aquele citado Decreto de Emancipação, que aprovado elevou a "vila das águas cristalinas", à posição de Cidade, dos "Guarás e dos Anuns" (Garanhuns), a nossa sempre querida "terra de Simôa Gomes" ou como a chamamos em um poema: "A Enevoada Pérola Fugidia".  Um século e mais 41 anos, lá se vão desde aquela passagem do Barão de Nazaré, foi sumamente oportuna e de grande importância histórica e política para Garanhuns. O começo, oficializado de tudo.

Nascido em 10 de fevereiro de 1834 na cidade do Cabo, Pernambuco, Silvino Guilherme de Barros, que tomou o sobrenome da mãe: dona Mariana teresa de Barros e não o do pai e Advogado João Batista de Araújo, foi  importante comerciante de "Secos & Molhados" na cidade do Recife. Foi também militar, chegando à patente de Coronel da Guarda Nacional (quando reformado). Mas seu perfil biográfico registra destaques importantes como político eleito Deputado Provincial, exercendo profícua atuação durante três mandatos seguidos, pelo Partido Liberal. Figura respeitada em todos os locais, possuía vários títulos, destacando-se o de Comendador da Imperial Ordem da Rosa.

Nós os historiadores lembramos que dentre tantas definições, "A História é êmula do tempo e repositório de fatos", é uma daquelas afirmações, que bem se aplica à essa visão dos pretéritos de Garanhuns, desde aquele nascedouro batismal de cidade com o gesto do Barão de Nazaré. Mas é também uma emulação dos fatos, quando em fevereiro de 1892, ou seja 27 anos depois. Do Decreto Província, Garanhuns veio a  ter o seu primeiro prefeito autônomo, O Major Antônio da Silva Souto. A partir de então a história do  Município serrano vem sendo escrito e pontilhado com um elenco de fatos políticos e sociais - alguns destacados outros desapercebidos - mas que juntos  formaram e têm formado, um repositório rico em todos os aspectos das suas tradições principalmente aquelas hospitaleiras. Dir-se-ia, que Garanhuns exercita  há muito, a "Arte de Bem Receber". A sua história conta. 

Há de se recordar que nos preâmbulos da sua antecedência histórica, algo em torno de dois séculos antes, paralelamente às guerrilhas dos escravos "Quilombolas", tropas já haviam se instalado por estas colinas verdejantes, nas demarcações da Sesmaria dos Burgos de Nossa Senhora do Desterro. A sede da Capitania fora na Fazenda do Garcia e posteriormente adquirida pelo Tenente-Coronel Manoel Ferreira de Azevedo, este marido de Simôa Gomes de Azevedo, neta de Domingos Jorge Velho. Simôa, a "matriarca" de Garanhuns cujo nome é reverenciado na transitoriedade histórica desta nossa querida terra.

Neste período de  um século e mais quatro décadas, Garanhuns registra momentos especiais no elenco dos fatos, com a marca e  a poeira do tempo, relacionados ao seu progresso, crescimento e o advento de grandes melhorias, tanto da terra e para a terra, como dos administradores do povo, aqueles chamados hoje  de Gestores da Administração Pública Municipal. É bem de ver, assim conta a história: uns de gestões anêmicas e ou quase passageiras, sem deixar nelas, traços marcantes da sua transitoriedade. Outros, mais afortunados e  bafejados pela sorte, ou até mesmo que se mostraram mais diligentes e mais capazes, deixaram marcas do talento político, da capacidade gerencial e da competência de administrar a "Coisa Pública". 

Olhando um pouco períodos mais recentes, aqueles desta nossa existência, lembramos alguns nomes de Prefeitos que fizeram história e deixaram marcas. Da nossa memória, guardamos nomes de alguns: Celso Galvão, (amigo de meu pai Antônio Reinaux). O registro também de Euclides Dourado, de Luiz Souto Dourado, de Francisco Figueira e de épocas mais recentes o estimado Amílcar da Mota Valença, este por dois mandatos (separados por dez anos). Um registro especial ao estimado amigo de sempre e Prefeito de todos nós: Ivo Tinô do Amaral, igualmente Chefe do Executivo de Garanhuns por duas gestões (separadas por quatro anos). Sem exagero estes gerando a Administração Pública Municipal, com aqueles atributos aos quais nos  referimos, merecem aquela página na Galeria de Honra dos Homens Públicos de Garanhuns. Aqueles das lições de competência e habilidade política. Deles temos uma herança muito rica, na construção de dias vindouros, com alicerces findados.

À todos, à nossa sempre amada, nunca esquecida, parabéns Garanhuns neste dia.

*Marcílio Lins Reinaux é jornalista, professor, escritor, pesquisador, historiador, pintor e desenhista.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O I CENA INTERIOR - FESTIVAL DE TEATRO DE ARCOVERDE

Estão abertas, até o dia 20 de fevereiro, as inscrições para o I Cena Interior – Festival de Teatro de Grupo de Arcoverde. Com incentivo do Governo de Pernambuco, por meio do Funcultura, o objetivo do evento é retomar a tradição dos festivais que, a partir da década de 80, movimentaram a cidade e estimularam o surgimento de novos grupos e produções.

Interessados devem se inscrever pelo site www.festivalcenainterior.com.br, onde encontrarão mais informações sobre o festival, além do edital e da ficha de inscrição. Podem se inscrever grupos de todo o país, interessados em construir uma rede e também participar de um diálogo sobre identidade, vivência, e espaços plurais e permanentes de criação, pesquisa e resistência.

Realizado pelo Teatro de Retalhos, o I Cena Interior pretende abrir uma janela para o diálogo sobre identidade, vivências de grupo, sobre espaços plurais e permanentes de criação, pesquisa e resistência.

CONVITE - CDL GARANHUNS, ACIG, CRC/PE E SINDILOJAS


DE CIDADE PARA VILA...

Vista aérea de Garanhuns, Pernambuco


Por Manoel Neto Teixeira*

Assistimos, nesse 9 de março de 2014, a comemorações e procedimentos relacionados a datas históricas de Garanhuns. A Lei  Provincial Nº 1.309, de 4/2/1879, estabelece: "Fica elevada à categoria de cidade a Vila de Garanhuns, conservando-se a mesma denominação". O fato não pode ser alterado nem restringido, nem mesmo por entes públicos, nas esferas municipal, estadual e federal. E o que aconteceu? Mudaram as comemorações para 10 de março, volvendo-se aos tempos de Garanhuns vila. A data histórica é marco insubstituível para a pesquisa acadêmica, obras literárias e avaliações sociológicas. Pereira da Costa, no seu clássico Anais Pernambucanos, faz registros sobre municípios do interior, inclusive Garanhuns, confirmado a sua transformação de vila para cidade. Outra obra igualmente referencial, sob o título Pernambucânia, do escritor e jornalista Homero Fonseca, confirma  também os registros alusivos a Garanhuns. Há ainda a coleção sobre a história dos nossos municípios conduzida pela Fundação de Desenvolvimento Municipal do Interior de Pernambuco (Fiam).

"A DATA HISTÓRICA É INSUBSTITUÍVEL PARA OBRAS LITERÁRIAS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES SOCIOLÓGICAS"

É dado saber que o processo evolutivo não tem volta, principalmente em se tratando de datas históricas. Como diria o professor, historiador e editorialista Aníbal Fernandes, "o fato é sagrado; apenas o comentário é livro". Queiram ou não alguns, o fato, e fato normativo e histórico, imutável,  é que Garanhuns galgou o status de cidade em 4 de fevereiro de 1879. Percorrer o caminho inverso, ou seja, festejar-se simplesmente a condição de vila, ao invés de cidade, é retrocesso a troco de nada e que só confunde a cabeças das novas gerações, milhares de alunos das redes pública e privada de ensino.

A formação dos primeiros núcleos comunitários, com suas características rurais, desde o Brasil Colônia, passando pelo Império até chegarmos à condição de República, foi e continua sendo conhecido como vilas. Eram formadas por casebres, geralmente de taipa (ver Sobrados e Mocambos, de Gilberto Freyre), pequenas ruas, serviços mínimos como fornecimento de água potável, energia elétrica (esta, só para as vilas surgidas nas últimas décadas, pois nos velhos tempos, luz só de vela e candeeiro. Esse estágio, primitivo, é que evoluiu como ainda evolui até galgar o cobiçado e definitivo status de cidade. O caminho inverso, não se tem notícia, exceto agora, lamentavelmente, abarcando nossa Garanhuns.

Trata-se de uma evolução natural e artificial, ao mesmo tempo, como é próprio de condição humana. E não ocorre da noite para o dia, é um processo, evolutivo, ao que sabemos, sem  volta; nenhuma cidade quer retroagir à antiga e superada condição de vila. Com todo respeito e reverência a essas pequenas comunidades, que desenharam ou quando nada serviram de linha para o atingimento da condição de cidade.

Está registrado no volume 2 da Coleção documentos históricos municipais, edição 1994, trabalho de grande alcance realizado pela Fiam, a seguinte evolução histórica e normativa de Garanhuns: "Criação do termo - 20 de maio de 1833; criação da Comarca - 7 de junho de 1836; retorno da freguesia de Altinho ao termo de Garanhuns - 8 de maio de 1845; elevação a cidade - 4 de fevereiro de 1879; constituição do município (com base no Art. 2º das disposições gerais da Lei Nº 52 de 3/8/1892 - 7 de janeiro de 1893".

Esse é o fato. Nenhum comentário, nem procedimento, particular ou mesmo emanado de órgãos públicos, é capaz de alterá-lo, substituí-lo. Quem conhece um pouco de história sabe que, do estágio primitivo, nômade, o homem foi evoluindo até chegar à grande e definitiva criação - a cidade. Conquista irreversível e proclamadora do grau civilizatório e urbanístico dos povos de todos os continentes.

*Manoel Neto Teixeira é membro da Academia Pernambucana de Letras Jurídicas

Transcrito do Jornal do Commercio de 13 de abril de 2014