sábado, 23 de maio de 2020

É DURO


Estava, aqui, recolhido, a pensar. De repente, Raquel de Queiroz à minha mente, com uma de suas crônicas: "Fica, pois, dito que democracia quer dizer governo do povo, por si mesmo, mediante eleições livres e honestas, e o ideal de todo povo que merece esse nome."

Vou conferir, e, lá, meu grifo: mediante eleições HONESTAS. Abro pausa. Volto a pensar, e me pergunto: honestas?

Ah! Raquel! Eu daria tudo por tua volta, e, nela, por minha cidade e pra minha cidade para podermos, juntos, com teu sorriso discreto e teu pulsar sereno, podermos analisar o perigo que querem submeter minha cidade.

Sei que sonho de teus sonhos, Raquel, ainda sonho de gerações em tua sucessão, ainda à espera de eleições livres e honestas.

Mas eu te pergunto, Raquel, da clausura de minha alcova; do exílio a que estamos submetidos, que podemos fazer para podermos (re)escrever tuas lapidares palavras que em uma das tuas "100 Crônicas Escolhidas", no final dos 10 dos anos mil e novecentos, ainda na Primeira República, longe ainda da revolucionária Segunda?

Sério, sincero, até meio depressivo, respondo aos meus botões: Sei não! Sei não! Mas como Raquel, não deixarei correr, às léguas, as ameaças que nos assacam, sob mantos, claramente, demoníacos.

Respiro fundo, e digo a mim mesmo: Ah, não! Ah, não, mesmo! De repente, alguém... em meu ouvido: riqueza sem trabalho, política sem princípio, prazer sem compromisso...

GIVALDO
Calado de Freitas

PRAÇA MONSENHOR TARCÍSIO FALCÃO - GARANHUNS, PE


CHICA, CHICA DA SILVA - CARTA DE JUSCELINO KUBITSCHEK PARA CARMOSINA MONTEIRO

Garanhuns, PE - Teatro do Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti, década de 1980

Sob a égide de variados aspectos, sentimos a força da capacidade de Carmosina Monteiro. Nos tempos do Centro de Cultura Intelectual "Severiano Peixoto", realidade de espírito sonhador de Luis Maia, pioneiro do teatro moderno entre nós, a nossa imprensa era e mais festejada da Região. O "Bibliófilo", jornal dirigido pelo talento do poeta moderno: José Maria Mendes, contava com a colaboração de muitos vultos do nosso jornalismo: Eurico Costa, João Domingos, Morse Lira, Arthur Maia, Gumercindo de Abreu, Angelo Cibela, Luiz Dourado e outros, inclusive Carmosina Monteiro. A peça de sua autoria "CHICA, CHICA DA SILVA" conquistou distinção e louvor da Academia Brasileira de Letras.

Complementando esse destaque da  personalidade intelectual  de Carmosina Monteiro (Carmosina de Araújo) transcrevemos a carta que lhe escreveu, o maior homem público de sua geração: JUSCELINO KUBITSCHTK.

"Rio de Janeiro, 15 de outubro de 1975

Prezada amiga Carmosina de Araújo

Não Recebi em 1965 os originais da peça "Chica, Chica da Silva" que teve a gentileza de enviar. Àquela época, como você sabe, eu me encontrava no exterior, exilado, e parte de minha correspondência se extraviou. Mas agora tive a grata satisfação de ler integralmente o seu trabalho e não me admiro da distinção e louvor que lhe concedeu a Academia Brasileira de Letras.

A reconstituição histórica da figura de Chica da Silva coincide com o lendário que ainda persiste a seu respeito, e como esse episódio se passou na minha Diamantina, desnecessário dizer-lhe que profundamente tocou o meu  coração.

Foi o presente mais belo que recebi pelo meu aniversário que lhe agradeço sinceramente.

Cordial abraço

Juscelino Kubitschek"

Esta carta é um documento valioso e deve ter sido objeto de comentários dos jornais do sul. O nome da autora da peça "Chica, Chica da Silva" certamente foi muito elogiado. Entre nós, pouco se sabe das atividades atuais de Carmosina Monteiro, ou de sua nova dimensão intelectual que é pesquisar o comportamento de certos vultos da humanidade, consagrados pelas tradições de um povo rico de lendas.

Carmosina Monteiro estudou e foi aluna do tradicional Colégio 15 de Novembro. Em Garanhuns viveu os anos decisivos de sua formação até quando passou a residir no Rio de Janeiro. Ele representa uma época feliz para a literatura aquela em que grandes vultos da terra do Magano assumem uma vida nova, reformando a ordem do dia, porque então produziram efeito completamente novo. Como Nelson Rodrigues sempre afirmou, as primeiras sensações da infância pernambucana: "o gosto da pitanga e do caju". A escritora Carmosina Monteiro sente com intensidade o perfume dos cravos e dos lírios da terra do saudoso poeta de Maio, Arhur Brasiliense Maia.

José Francisco de Souza
Advogado, jornalista e historiador
Garanhuns, 3 de Janeiro de 1981

PREFEITO DE GARANHUNS ANTECIPA FERIADOS NA CIDADE

O prefeito Izaías Régis sancionou lei que altera a data dos feriados civis de Corpus Christi (11 de junho), Santo Antônio (13 de junho) e São João (24 de junho). Projeto foi encaminhado pelo chefe do Executivo para votação da Câmara Municipal de Vereadores, tendo sido aprovado pelos representantes do Legislativo.

Desta forma, os feriados ficam antecipados para os dias 28, 29 e 30 de maio, excepcionalmente no ano de 2020. A medida leva em consideração a situação emergencial vivenciada no município, e busca elevar o grau de isolamento social da população, durante a pandemia de Covid-19. A Lei nº 4656/2020 será publicada no Diário Oficial Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), desta segunda-feira (25).

Com a antecipação dos feriados, durante a quinta (28) e sexta-feira (29), ficam mantidas as atividades de órgãos da administração pública, que prestam serviços considerados essenciais, e também os setores que não podem sofrer descontinuidade.

As Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) Bela Vista I, Cohab II (unidade dupla), Heliópolis I, Indiano II e Magano 1 e 3 (unidade dupla), que estão funcionando em horário ampliado, vão manter o atendimento, durante o feriado, das 08h às 12h.

Durante a segunda, terça e quarta-feira, a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH) vai estender, até às 17h, o funcionamento dos Centros de Referência em Assistência Social (Cras’s), Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas), Núcleo de Enfrentamento à Violência Contra a Pessoa Idosa (Neviga) e Casa dos Conselhos; com o objetivo de garantir o atendimento presencial ao público, que estará suspenso na quinta e sexta-feira.

No feriado, estão mantidos os atendimentos da Central de Atendimento para informações sobre o Cadastro Único, o Auxílio Emergencial e Cartão Alimentação, por meio do WhatsApp, das 08h às 14h, pelo número (87) 9 8100-5199; e também dos abrigos ‘Abraçar I e II’.

Parques Municipais e outros espaços públicos de Garanhuns permanecem fechados durante o período, como medida preventiva no combate à pandemia do novo coronavírus.

*Assessoria de Comunicação Social e Imprensa

O POLÍTICO E O DINHEIRO

Luiz Souto Dourado
De um modo geral, o político brasileiro é malvisto, mal falado e, muitas vezes, injuriado, caluniado e até processado - para não dizer cassado, preso, torturado, exilado e até desaparecido. Este é o preço que ele vem pagando pela sua atuação, em todas as épocas e em quase todas as épocas e em quase todos os regimes, notadamente depois das revoluções.

Depois da Revolução de 1930, chamavam os decaídos de carcomidos. E inquéritos neles para apurar fortunas ilícitas e tomem exílio para onde foram, entre outros. Washington Luís, Otávio Mangabeira, Estácio Coimbra e J. J. Seabra. Sabe-se que  Mangabeira sobreviveu com extremas dificuldades escrevendo para a revista "Seleções" e Seabra foi levando graças a um cheque em branco entregue pelo magnata Carlos Guinle - fato que deverá constar das memórias do senador Nelson Carneiro, que assistiu ao pagamento desse empréstimo por parte de Seabra, quando este já eleito para a Constituinte de 1934.

Depois da Revolução de 1964, chamavam os vencidos de subversivos e corruptos. E novamente inquéritos neles para apurar a subversão e corrupção que diziam existir no País. E tomem cassação de mandatos, prisão, exílio, etc.

De forma mais violenta e cruel, 1964 repetia 1930. Mas em vez de 4, agora 20 anos:  em vez de Washington, agora Jango - que morreu no exílio - em vez de Estácio, agora Arraes; em vez de Seabra, o outro baiano Waldyr Pires.

Da subversão, nem é bom falar dos subversivos da época. ficaríamos  mesmo no General Castelo Branco, chefe do Estado Maior do presidente João Goulart e que, por estranha fidelidade, o substituiu na Chefia do Governo... Aquele que não admitia a reeleição... até que foi reeleito.

E da corrupção, tando dos carcomidos de 1930 como dos corruptos de 1964, qual deles foi condenado por corrupção? Nenhum. Os escândalos apareceram depois, e estão ai nos jornais, nos tribunais, esperando julgamento.

Oque é sabido e deve ser louvado é que Pernambuco, até os dias de hoje, nenhum governante enriqueceu no Poder. Ao contrário, alguns, como Estácio Coimbra e Carlos de Lima Cavalcanti, antes proprietários de usinas, tiveram de vendê-las, depois. Deste último, no prefácio do livro de Luís Delgado sobre "Um Grande de Pernambuco" o também governador Eraldo Gueiros escreveu: "Poucas vezes voltou a Pernambuco: faltavam-lhe recursos. A última viagem fizera-a, ele, o rico senhor da  usina Pedrosa, a de 30 de ônibus, poeira e sol, cortando estradas que não eram estradas, mas apenas caminhos. Depois só voltaria morto para habitar por algumas horas, apenas, o mesmo palácio, as mesmas salas, o mesmo sítio, mas, inerte, indiferente às duras contingências desse mesmo mundo e dessa vida."

Outros governantes, como Manoel Borba e Sérgio Loreto, ao deixarem o Palácio do Governo, receberam, como presente de correligionários, residências condignas, uma na Benfica e a outra em Casa Forte. Carlos Lima, surpreendido pelo golpe de 1937, foi para casa de dona Dulce Von Shosten, sua irmã e Miguel Arraes, no golpe de 1964, foi levado preso para a Vila Militar de Socorro, O prefeito Lima Castro, que fora grande  comerciante de tecidos, esse empobreceu no exercício do cargo e terminou os seus dias na pobreza, ajudado por Assis Chateaubriand, que lhe encomendava traduções de livros de inglês e do alemão, idiomas que aprendera nas suas viagens de rapaz rico, antes de ser político.

Essas histórias vem a propósito de uma reportagem da revista "Isto é" (junho de 1985), sobre as contas de Tancredo Neves, pela qual se comprova que a herança deixada por ele não pagaria os gastos hospitalares da sua doença.

O próprio Presidente, sabendo-se um homem que vivia de subsídios (deixou de ser Primeiro Ministro para candidatar-se a deputado) e de "papagaios nos bancos amigos", perguntou, apreensivo, ainda no Hospital de Base de Brasília: "Onde vou arranjar dinheiro para pagar todos estes médicos"? A doença estava apenas no começo, mas Tancredo já se sabia sem cobertura constitucional ou patrimonial para  enfrentá-la. E como dizia o seu irmão, Jorge Neves, ao tomar conhecimento do inventário, poderemos vender todo o município de Cláudio e a metade da cidade de São João del-Rey, que não conseguiremos pagar".

Na verdade, este é o perfil político brasileiro, malvisto, malfalado e, muitas vezes, injuriado, caluniado e até processado. Depois de 50 anos de vida pública, o que Tancredo deixa ao morrer, não chega para pagar a conta do hospital, isto depois de chegar a Presidente - não um sonho transformado em realidade, mas a realidade transformada num sonho ou sono eterno.

Luiz Souto Dourado
Advogado, jornalista, escritor, ex-prefeito de Garanhuns e deputado estadual.
Recife, 24 de agosto de 1985

O ARTIGO 100 E O COLÉGIO MONSENHOR FABRÍCIO

Desfile de ex-alunos do Colégio Diocesano - No primeiro plano os advogados Alfredo Vieira, e o Desembargador José Ferraz do Vale, do Tribunal de Justiça de Pernambuco

GARANHUNS - Logo após a revolução de 1930, várias foram as modificações nos programas de ensino, notadamente, na parte referente aos cursos parcelados e seriado. Houve uma enxurrada de decretos. Os parcelados, já em faze de extinção, tiveram um alento no mês de dezembro de 1930. Decreto do Governo Revolucionário, permitiu que todos os portadores de certificados de aprovação dos cursos parcelados, pudessem mediante atestado de professores idôneos, requerer nos estabelecimentos de ensino oficiais e fiscalizados, o restante dos preparatórios. Foi uma corrida em massa à cata dos certificados e se dizia que havia gente com preparatórios obtidos  na "Espanhola" (gripe que matou muita gente no Brasil, logo após a Grande Guerra de 1914 e 1918).

Dias pós a esse precioso decreto, outro de imediato revoga parcialmente o primeiro, para permitir apenas o máximo de (4) certificados a serem requeridos, e o restante, os seus titulares podiam fazer exames (prova escrita e oral), nos estabelecimentos oficiais e fiscalizados. Na mesma ocasião, foi permitido também, que estudantes jubilados ou não, desde que maiores de dezoito (18) anos, podiam fazer exames das matérias equivalentes ao 4º ano seriado, em bancas especiais. Foi o "famoso artigo 100". Nova corrida, junto aos colégios, porém desta vez, com certa moderação. Assim, se permitiu que muita gente, concluísse o Curso Ginasial em dois (2) anos.

O nosso Diocesano, recebeu várias turmas para o seu artigo 100, não somente das cidades vizinhas, mas também das próprias capitais de Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Pernambuco.

Coordenou uma das turmas mais numerosas, entre os quais figuravam Miguel Longman, Homero Freire Barbosa, João Buarque, José Chapoval, e tantos outros que a memória não ajuda a relembrar, o estudante José Gilbert Macedo Júnior, aluno destacado do Colégio Marista.

Dada a sua condição de coordenador do grupo e a minha de auxiliar direto do Diocesano, fizemos uma sólida camaradagem, tando que, em 1933, precisamente no dia 18 de janeiro, vim com o grupo que regressava para o Recife, após os exames do artigo 100, para trabalhar no Colégio Mons. Fabrício, na Ribeira, em Olinda, na condição de professor do Curso de Admissão, lugar arranjado pelo meu colega Gilbert Macedo Júnior. O Colégio era dirigido pelo prof. Carlos Moreno. Foi o começo de uma nova fase de minha vida.

Deixava assim Garanhuns, para tomar a "capital de assalto", empregando-me para estudar e continuar em busca de melhores dias.

Daí por diante, costumava voltar a Garanhuns, nas férias e quando havia dias de folga, visitando a família e revendo os amigos.

De janeiro de 1933, até hoje, longos foram os caminhos percorridos, porém, isto é outra história, a ser contada em as "Notas de um repórter de província!..."

Garanhuns do Meu Tempo - Alfredo Vieira - 1981

MEMÓRIAS DE ELPÍDIO BRANCO - V

Elpídio Branco
Fiz mal deixando White Martins? Acredito que cometi o maior erro de minha vida. Devia ter continuado no cargo. Outros que, quando ali ingressei em posto elevado, exerciam funções subalternas, melhoradas e depois fizeram-se na vida, inclusive um que chegou a ser o próprio gerente da firma. Eu acredito que teria sido aproveitado,  posteriormente, em lugar de destaque. Hoje, poderia estar bem e estar bem sim, porque, talvez me tivesse livrado da pecha de ser político. E de aguentar, consequentemente, os dissabores, as decepções, por que o político passa, principalmente aquele que nunca mercadejou o exercício de tão alta missão, mesmo que ela não estivesse sendo tão abastardada, tão vilipendiada. Poderia, inclusive, não ter sido vítima, tantas vezes, como fui, da enorme e malfadada casta dos desmemoriados, dos ingratos, enfim.

Eleito o novo governador, eis que fui aproveitado na função de auxiliar de delegado de polícia, cargo criado pela primeira e única vez, no Estado. Comigo foram nomeados, igualmente, Asdrubal Vilarim, Samuel Campelo e Armando Vulcherer.

Transformados esses cargos, posteriormente, em delegados de polícia, no mesmo Governo, passei, como os demais, a ocupar uma delas.

Começa o segundo governo Estácio Coimbra, continuei nele como delegado. O chefe de polícia, Eurico de Souza leão, vindo do Rio para ocupar o posto, anunciou uma profunda reforma nos moldes policiais do Estado. Providências as mais drásticas, indo até a violência, se preciso, seriam tomadas, como realmente, foram, logo ao assumir o cargo, inclusive contra o banditismo que campeava, desenfreadamente, no interior, levando o desassossego e a morte às populações. E mais: desesperadamente, seria contra o jogo de azar. Contra o meretrício. Contra a falsa mendicância. Contra o crime, através da reprimenda ao porte de arma, da maneira mais rigorosa. E protetor do menor e da velhice abandonados. Estas foram as principais metas do novo chefe de polícia.

Nelas se empenhou, a fundo, trabalhando dia e noite. Procurou, de logo, reformar a polícia, nas suas bases, para melhor poder produzir. Achava que a organização obedecia a processos obsoletos. Não compreendia um Estado, como o nosso, que não dispusesse de órgãos especializados, comandados por uma delegacia geral que controlasse os trabalhos, sob a orientação suprema do chefe.

Fonte: Memórias Brancas de Elpídio Branco - Recife, Pernambuco, - 1963

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA O VESTIBULAR 2020.2 DA AESGA


As Faculdades Integradas de Garanhuns – FACIGA, que tem como Instituição mantenedora a Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns – AESGA iniciou na última segunda-feira, 12 de maio, as inscrições para mais um Processo Seletivo.

Estão disponíveis vagas para os cursos de Administração, Direito, Engenharia Civil, Secretariado Executivo Bilíngue, Gestão Hospitalar, Gestão em Recursos Humanos, Arquitetura e Urbanismo e bacharelado em Educação Física.

Esse ano o Vestibular da AESGA apresenta uma novidade, sendo realizado com a nota do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. De acordo com a presidente da Autarquia, Neide Brandão, as vagas remanescentes serão disponibilizadas para realização de Vestibular Agendado.

As inscrições para o Processo Seletivo, ao valor de R$ 45,00 (quarenta e cinco reais), serão realizadas até o dia 28 de junho e a data limite para Entrega dos Boletins é de 2 de julho.

Para esta Edição, também estarão abertas vagas para Portador de Diploma, Transferidos e Reintegrados. As inscrições deverão ser feitas por meio do site http://cespa.aesga.edu.br/ ou através do link http://acadweb.ddns.us:8080/aesga/acadweb.modulo.vestibular.php

Para os inscritos no Processo Seletivo ENEM, o envio das documentações é obrigatório, devendo os referidos candidatos enviar através do link a seguir: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfKZKCTRz74mGvrBnJyUfCF1voI2cG_BTbdHHceBSFwjwwfEw/viewform.

Assim como o Manual do Aluno, o Calendário e todas as normas para participação no Processo Seletivo da Autarquia, bem como os editais também estão disponíveis no site do CESPA.
VESTIBULAR 2020.2

* PROCESSO SELETIVO – NOTA ENEM 2020.2 

Inscrições: até 28 de junho
Entrega dos Boletins: até 2 de julho

* PORTADOR DE DIPLOMA E TRANSFERÊNCIA EXTERNA 

Inscrições: até 16 de junho

* REINTEGRADOS e ALUNOS ESPECIAIS

Inscrições: até 30 de julho

* MUDANÇA DE TURNO e TRANSFERÊNCIA INTERNA

Inscrições: até 28 de junho

Serviços: Mais informações poderão ser obtidas através dos sites www.aesga.edu.br ou www.cespa.aesga.edu.br ou ainda através dos telefones: (87) 3763-8250 / (87) 3763-8266 / (87) 98832-7538.
Assessoria de Comunicação AESGA
Avenida Caruaru, 508 – Heliópolis. CEP: 55.295-380 / (87) 3763-8250

sexta-feira, 22 de maio de 2020

O QUE SERÁ NO FUTURO... SEM A PRESENÇA DO PASSADO?

O encanto do céu Pernambucano
Foto: Anchieta Gueiros

Paulo Dácio de Melo

No lugar onde nasci
Tinha belas cachoeiras
Pra todo lado tinha rio
Jorrava a vida inteira
Muitos banhados, baixio.

Quando o sol,
Deixava no escuro
A lua com seu brilho
Clareava o chão duro,
E o banhado...
O que será do futuro...
Sem a presença do passado?

COVID-19: AGRESTE MERIDIONAL RECEBE AÇÕES DO GOVERNO DE PERNAMBUCO

Seguindo o compromisso de expandir a assistência aos pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19, o Governo de Pernambuco tem atuado fortemente no Agreste Meridional do Estado, destinando recursos para as ações nas unidades estaduais e serviços contratualizados, abrindo leitos exclusivos na região para tratamento contra o novo coronavírus, além de reforçar as escalas de plantão dos serviços de saúde estaduais. Somente em Garanhuns, nos próximos três meses, serão investidos cerca de R$ 10 milhões pelo Governo de Pernambuco na assistência aos moradores da Região. 

O Hospital Regional Dom Moura (HRDM), referência para todos os municípios da Região, abriu 18 leitos de enfermaria para Covid-19 (10 adultos e 8 pediátricos). A unidade também conta com 10 leitos de suporte para pacientes adultos em estado mais grave. Além disso, ainda está prevista, para os próximos dias, a chegada de 10 respiradores para estruturação desses leitos, que passarão a contar com suporte total para UTI. 

Já na Unidade Pernambucana de Atendimento Especializado (UPAE) de Garanhuns já estão em funcionamento 10 leitos de enfermaria e 8 leitos de UTI exclusivos para pacientes diagnosticados com o novo coronavírus. A unidade ainda foi reforçada com uma ambulância avançada, equipada com suporte de terapia intensiva e até este sábado (23.05) o serviço deve abrir mais 2 vagas, totalizando 10 leitos de UTI na unidade voltados exclusivamente para casos da doença. A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) também está em negociação com a Casa de Saúde Perpétuo Socorro, estabelecimento privado em Garanhuns, para a contratualização de 20 leitos de enfermaria e 10 leitos de UTI exclusivos para a Covid-19. 

Para reforçar a assistência nas unidades estaduais mais de 200 profissionais também foram contratados e convocados, entre médicos especialistas em clínica geral, fisioterapeutas em terapia intensiva, enfermeiros (assistenciais e uteístas), técnicos de enfermagem e outros profissionais de saúde. 

“Nós já estamos observando a chegada da doença em várias cidades do interior, em algumas, inclusive, com números expressivos de casos. Por determinação do governador Paulo Câmara, estamos atentos e vigilantes, junto às Geres e as secretarias municipais de Saúde, trabalhando incansavelmente para garantir a estrutura necessária na rede de saúde no interior do Estado. Já conseguimos abrir mais de 220 leitos no interior, distribuídos em dez cidades pólos das três macrorregiões. É preciso ressaltar, no entanto, que de nada adiantará os esforços do Governo de Pernambuco, se não tivermos uma luta conjunta de toda a sociedade, com participação das prefeituras e conscientização da população”, pontua o secretário estadual de Saúde, André Longo.

RUA PROFESSOR ERASMO BERNARDINO VILELA - GARANHUNS, PE


CANHOTINHO ACATA RECOMENDAÇÃO DO MPPE DE ANULAR PROIBIÇÃO DE ENTRADA DE NÃO RESIDENTES AO MUNICÍPIO

Canhotinho acatou a recomendação expedida pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e retirou a proibição de entrada de não residentes ao território da cidade. A alteração foi realizada por meio do Decreto nº 37/2020, que modificou o Decreto nº32/2020.

Com a publicação do novo decreto, Canhotinho estabeleceu uma barreira sanitária até o dia 30 de junho, a fim de monitorar as pessoas que entram no município. Segue proibido o acesso de pessoas que venham de outros municípios com o único objetivo de comercializar produtos. E todas as pessoas que venham a fixar residência na cidade até o fim do estado de calamidade pública devem respeitar um período de 14 dias de quarentena.

“O documento municipal impedia, até o dia 30 de junho, o acesso terrestre de não residentes a Canhotinho, sem qualquer fundamento efetivo de natureza sanitária para justificar o impedimento do acesso. É inconstitucional a restrição genérica e abstrata de livre circulação de pessoas e de acesso ao território brasileiro quando dissociada de dados de evolução do quadro epidemiológico, cujo recebimento e sistematização se dá no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde. Essa proibição pode até, por outro lado, dificultar o atendimento de saúde”, ressaltou a promotora de Justiça Larissa Albuquerque.

PERNAMBUCO SUPERA 2 MIL MORTES APÓS BATER RECORDE DE 132 ÓBITOS POR COVID-19 NAS ÚLTIMAS 24H

Pernambuco atingiu, após dados divulgados nesta sexta-feira (22), pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), o maior patamar no número de mortes por Covid-19, em 24 horas. Ao todo, foram confirmados laboratorialmente 132 óbitos. Além disso, 1.849 novos casos também foram registrados.

Entre os casos confirmados nesta sexta, 432 se enquadram como Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e 1.417 como leves. Agora, Pernambuco totaliza 25.760 casos já confirmados, sendo 11.845 graves e 13.915 leves. Com as 132 mortes, o Estado totaliza 2.057 óbitos pela Covid- 19.

DOIS DEDOS DE PROSA COM JOÃO MARQUES, AUTOR DO HINO DE GARANHUNS

João Marques dos Santos

PROFESSOR CLÁUDIO GONÇALVES ENTREVISTA O ESCRITOR E POETA JOÃO MARQUES DOS SANTOS

Escritor, poeta, memorialista, músico, compositor e autor do Hino de Garanhuns, João Marques dos Santos é um dos expoentes do nosso cenário cultural. São traços da sua literatura a linguagem culta, estética, originalidade e habilidade singular, produzindo ao longo de sua trajetória uma vasta obra literária, que inclui contos, romances, crônicas, poesias e músicas, que o projetou como um dos principais nomes do nosso universo das letras. Nesta entrevista, conheceremos um pouco de sua trajetória literária, suas obras, seu processo criativo e seus projetos para o futuro.

1) Voltando no tempo, como foi a infância e adolescência do escritor e poeta João Marques?

R – Minha vida começou no sítio, participando mais diretamente da natureza. A cultura ou costumes do povo teve grande influência. Devo a esse começo o que sou hoje. A vinda para cidade, aos 9 anos, foi decisiva na minha estrutura intelectual. O Colégio Diocesano, o Banco do Brasil, e outras passagens, como o escotismo e a participação em grêmios contribuíram muito com minha personalidade.

2) Como começou a descoberta da literatura em sua vida?

R – Na adolescência, comecei a frequentar o Clube Juvenil de Cultura, grêmio que funcionava no final da década de 50, na casa do estudante, hoje, abandonada. Aí, comecei a escrever as primeiras poesias e os primeiros textos em prosa. Inclusive, conto. Nesse tempo, comecei a escrever também para o jornal O Monitor, contos e poesias. O jornalista Humberto de Moraes foi meu mestre no jornalismo.

3) Quais escritores influenciaram seu estilo literário?

R – Machado Assis, José de Alencar, Castro Alves e Victor Hugo.

4) Fale um pouco da sua trajetória literária.

R – Inicialmente, a participação no Clube Juvenil de Cultura e, depois, no Grêmio Cultural Ruber van der Linden. Fiquei mais conhecido através das publicações no jornal O Monitor. Vieram ao longo do tempo meus livros de poesia: Temas de Garanhuns, Partições do Silêncio, Messes do Azul, o jornal O Século, por mim editado. Atualmente, tenho livros para ser publicados. E continuo em copiosa produção.

5) Sabemos que João Marques é um escritor eclético, que escreve romances, contos, crônicas, memórias e poesias. Como desenvolveu essa habilidade e técnica dos gêneros literários?

R – Primeiro, considero que são habilidades natas. Com o exercício e a busca do aperfeiçoamento, dá-se o desenvolvimento. A busca, inclusive, do aperfeiçoamento a cada trabalho feito. Ler é decisivo para quem quer escrever. Cheguei a pintar 4 telas, em 1999, mas desisti porque não quis ser também artista plástico.

6) A Poesia de João Marques. Uma definição?

R – Uma poesia voltada para a alma, e conduzida por transcendência em tempo e espaço. Expressa o belo, numa dimensão do domínio da estética, da fantasia e da filosofia da razão.

7) Onde você busca inspiração, dentro de si mesmo?

R – Não. Toda a inspiração vem de fora, digamos, porque é espiritual. E ela a inspiração não está dentro da barriga. É uma atividade exclusivamente da mente, que é feita de tudo que é exterior.

8) De que forma ocorreu a sua aproximação com a música?

R – Escutando e assistindo às apresentações nesta cidade de Luiz Gonzaga. Foi um despertamento. Considero, também, que o dom da música veio também com meu nascimento.

9) Uma das suas maiores obras é a criação do Hino de Garanhuns. Como surgiu a ideia do hino e a inspiração? O que essa obra representa em sua vida?

R – Representa uma grande contribuição ao espírito de cidadania de Garanhuns. Luiz Gonzaga teria, também, despertado-me a ideia de compor uma grande canção a Garanhuns. E parece que, providencialmente, coube a mim no futuro fazer essa canção. Em 1967, ele fez apelo na Rádio Difusora de Garanhuns, em uma apresentação, que se fizesse uma bonita canção a Garanhuns. À altura de sua beleza.

Nota do entrevistador: No dia 02 de fevereiro de 1996, o Prefeito de Garanhuns, Bartolomeu Quidute, sanciona a Lei nº 2793 aprovada pela Câmara de Vereadores de Garanhuns, tornando oficial o Hino do Município de Garanhuns.

O Hino de Garanhuns foi executado pela primeira vez no dia 03 de fevereiro de 1996, em solenidade acontecida á noite no Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti, sendo o hino interpretado por Dalva Diniz e Jurandir Tenório com acompanhamento do 71º Batalhão de Infantaria Motorizado de Garanhuns.

10) O Festival de Literatura de Garanhuns foi um marco na história literária da nossa cidade, o qual o senhor idealizou. Conte-nos um pouco dessa prodigiosa experiência.

R – Realmente, o FLIG foi um marco na história cultural de Garanhuns. Ajudado por escritores de Recife, da Academia Pernambucana de Letras e da União Brasileira de Escritores, foi possível fazer 4 festivais, nos anos de 2007, 2008, 2009 e 2013. Todos eles foram custeados pela Prefeitura Municipal de Garanhuns. E deixou de existir à falta dessa ajuda financeira. O FLIG contribuiu com a aproximação de intelectuais de Pernambuco, Alagoas e Garanhuns. Apesar do sucesso, houve muitas interferências destruidoras de pessoas de Garanhuns.

11) O Jornal O Século continua mantendo a tradição cultural, oferecendo aos leitores páginas de história e literatura, com colaboradores ilustres. Em agosto, o Jornal O Século estará completando 25 anos. Fale um pouco do seu surgimento e contribuição para a nossa cultura.

R – O século surgiu em agosto de 1995. Contou sempre com patrocinadores de Garanhuns, destacando-se Ferreira Costa. As matérias, crônicas, contos e poesias, foram, no começo, de escritores que se iniciavam em Garanhuns. Depois, por estranho que pareça, esses escritores daqui deixaram o jornal por se tornarem importantes. O Século é atualmente enriquecido com trabalhos literários de diversos escritores bons espalhados pelo Brasil. Não se enganem, há muita perseguição aqui aos que fazem alguma coisa. Até o Hino já quiseram destruir.

12) Sendo contemporâneo de grandes nomes da nossa literatura. Quais autores devem ser sempre referenciados e relidas as suas obras?

R – Contemporâneos meus, posso lembrar, na prosa, Guimaraes Rosa, e na poesia Manuel Bandeira, Mauro Mota, Nilo de Almeida, entre outros de Pernambuco.

13) Em seus diversos trabalhos, existe uma obra predileta, uma que você vê com mais carinho até hoje?

R – Não, todas elas são pedaços de mim. Sinto dignidade de tê-las feito. Não sou como certos escritores, de Garanhuns até, que rejeitam as suas primeiras obras, dizendo que ficaram muito aquém de suas reais capacidades. Não destaco qualquer trabalho meu, todos são meus, de minha inteira responsabilidade de escrever.

14) O que precede a sua criação, é a nostalgia ou o estado de graça?

R – A nostalgia, que é própria sempre dos poetas. Não posso, na prosa também, olvidar a nostalgia, a poesia, a filosofia, que me são próprias. O estado de graça fica pela condição do envolvimento com a arte, que é divina.

15) Quais seriam os elementos fundamentais do seu estilo literário?

R – A unidade, que é condição da arte e da estética em seguida; a criação como um todo que propõe alguma renovação. E são de predominância as dimensões imagináveis e imagéticas, presentes sempre na expansão das formas e do convencional. É o meu trabalho.

16) Como é a sua rotina para escrever? O senhor tem alguma disciplina, horário determinado ou escreve quando surge a inspiração?

R – Não há tempo de escolha, o que manda é a inspiração. A qualquer momento, posso estar escrevendo. Acontece de chegar a esquecer de outros compromissos, enquanto me entrego totalmente à inspiração de escrever.

17) João Marques tem algum outro gênero literário que ainda gostaria de escrever?

R – Não.

18) Já está trabalhando em uma nova obra? Pode revelar aos seus leitores?

R – Tenho dois livros que serão publicados brevemente. Livro de poesia, Poemas da Antessala; romance, eu Herói – As aventuras de uma Avenida. E vem mais. Estou escrevendo sempre.

19) Que dicas o senhor daria para os futuros escritores?

R – Primeiro, nem todo mundo nasceu para ser ferreiro, e ter a paciência de ficar malhando ferro. Se houver realmente vocação, o candidato a escritor deve ser persistente e ler, ler muito, tudo que vai encontrando pela frente. Aprender logo Português é decisivo. Não se admite um escritor, mesmo iniciante, escrever errado. Não incorrer no erro de querer publicar livro logo. Esperar o tempo certo, como se espera o fruto amadurecer.

20) Agradeço por conceder a entrevista e peço-lhe que nos brinde com uma de suas poesias.

R – Minha gratidão pela oportunidade. Está aí o poema que fiz ontem.

Que ser

João Marques

É a vida porque sou poeta
o sonho de estar feliz
como foi o sonho da infância
e por maravilhosa toda vida

porque sou poeta eu canto
o que o tempo traz
a riqueza de não ser rei
a riqueza de ser pobre
e de sofrer a dor
comum a todos nós

porque sou poeta eu canto
o passado e a esperança
de nivelamento às manhãs
e ao futuro do que faço
e do fazer eterno sempre
do eterno ser de mim.

José Cláudio Gonçalves de Lima, Garanhuense, professor, Pós-graduado em História, Pesquisador, escritor e Sócio fundador do Instituto Histórico, Geográfico e Cultural de Garanhuns.

GARANHUNS ANTIGA - MELQUISEDECK PEDROSA

Garanhuns, PE - Mansão que pertenceu a família Pedrosa, no antigo Porto da Folha

Natural do Vale do Siriji, ao tempo em que os atuais municípios de São Vicente Ferrer e Macaparana ainda eram distritos administrativos do Curato de Bom Jardim, meu perfilado de hoje chegou às terras pródigas de Garanhuns lá  por volta dos anos 20, a chamado do  seu tio major Antonio Alves da Cunha Pedrosa um dos barões do café de antigamente.

Veio para administrar uma das inúmeras fazendas de cultivo cafeeiro pertencente rico e abastado tanto em dinheiro sonante como em propriedades urbanas e rurais. Ficou morando com a família defronte da mansão senhorial do antigo Porto da Folha que, salve engano da minha parte, hoje integra o bairro Aloísio Pinto na confluência com a Várzea, onde ficava o açude do capitão Tomaz Maia, senhor da Vila Maria de águas puras e cristalinas.

Parece-me que justamente numa das casas em que hoje se situa a sorveteria do Capucho, uma das melhores que a cidade tem no fabrico de sorvetes de frutas naturais, conforme tive oportunidade de saborear com meu amigo José Neto de Lima, ex-secretário da Agricultura e Abastecimento, velho companheiro de trabalho na Estação Experimental e Aprendizado Agrícola de Santa Rosa.

Deck como chamava-lhe meu pai e os amigos mais íntimos, foi casado com dona Mercês, uma Tavares ainda aparentada com Maria Irenita, minha mãe. Da enorme prole lembro Leonam, Maria Dalva, Osires, Ivan, Marçal, Waldir, Jacques, Deckinho, Toinho, Zuleica e Mercêsinha, talvez não nessa ordem cronológica, talvez incompleta na menção de todos os seus filhos. Todos bem sucedidos na vida e no mister de trabalho que escolheram alguns deles com títulos universitários e orgulhosos do legado moral deixado pelo pai.

Se outra qualificação não tivesse tido meu perfilado, eu diria que a de amigos de José Câmara Guimarães, também ex-administrador rural do major Pedrosa, seria suficiente para credenciá-lo ao respeito e admiração de todos garanhuenses. Porque subitamente, João Câmara, paraibano dos cariris velhos, se não me engano de Cabaceiras, credencia-se pela  honorabilidade de homem de bem e que  em Garanhuns somente foi amigo e continua sendo amigo de homens de bem e do trabalho, dentre eles os saudosos José Dourado e Aloísio Souto Pinto. Para não citar meu pai que foi seu confidente de todas horas boas e más, durante o decorrer de muitos anos.

Depois de trabalhar intensamente na administração de uma das fazendas do tão rico, Deck conseguiu relativa independência econômico-financeira, comprou boa residência na rua Dr. Jardim, uma chalé onde ao lado construiu uma casa para Ivan, Fabiano e funcionário da Coletoria Estadual, quando ele contraiu matrimônio com Iracilda Maia Leite. Comprou também um sítio na Várzea, vizinho à  propriedade do Sr. Firmino, pai de Rosalvo e Sandoval Soares de Almeida, e de lá implantou considerável plantação de cafés finos com a qual acabou de criar a enorme prole, educando os filhos nos melhores colégios de Garanhuns como nas Faculdades do Recife.

Foi compadre do meu pai pelo batismo de Rildo na Catedral de Santo Antônio, celebrado pelo querido e saudoso vigário-capitular da Diocese, Monsenhor José de Anchieta Callou, que tanto incentivou-me no início da carreira jornalística aqui mesmo nessas páginas do jornal "O Monitor", quando dirigido por Tarcísio Falcão, então Padre e agora Monsenhor de Sua Santidade o papa João Paulo II e seus antecessores no Vaticano, que  visitei ano passado, no mês de setembro. Onde rezei em minha fé eclética do Espiritualismo, e não apenas católica, pelos padres de Garanhuns antigo, pelos meus pais e irmãos falecidos, e também por esse bom homem que foi Melquisedeck Pedrosa.

Foi-se cedo o amigo e compadre do velho Fausto, desencarnou por um enfarto do miocárdio, que antigamente dizia-se ser crise de angina, e essa rememoração que eu faço de algumas passagens da sua vida terrena é em respeito aos seus  descendentes garanhuenses, os mais jovens por nascimento e os mais velhos por opção própria, como ocorre comigo mesmo.

Nessa série que hoje concluo - Garanhuns antigo - não poderia faltar modesta crônica sobre Deck que, ao lado de José Inácio, no governo municipal, tem um neto como Secretário do Planejamento, engenheiro civil Alberto Lobo Pedrosa, filho de Marçal e sobrinho de Gualberto (Caruaru) meus diletos amigos e  companheiros da mocidade.

Rinaldo Souto Maior
Jornalista e historiador
São Paulo, 28 de Fevereiro de 1987

COVID-19: PERNAMBUCO TEM NOVO RECORDE DIÁRIO DE CURAS

Pernambuco registrou, nesta quinta-feira (21), um novo recorde diário de pacientes curados após contraírem a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Segundo boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), foram 1.018 curas clínicas comprovadas nas últimas 24 horas.

Antes, o maior número diário de recuperados havia sido 928, registrado no dia 12 de maio. Agora, o Estado passa a ter 4.176 recuperados oficialmente notificados. Houve ainda uma mudança no protocolo de divulgação de dados da SES-PE, que antes fazia o controle de curas somente dentro dos casos mais graves da doença.

Nesta quinta, a pasta divulgou que dos 4.176 recuperados, 3.230 foram pacientes que desenvolveram casos graves e 946, leves. Em Pernambuco, já foram diagnosticados 23.911 casos da Covid-19 através de exame laboratorial, sendo 11.413 graves e 12.498 leves. O Estado contabiliza 1.925 mortes.

CPRH PROMOVE VIDEOCONFERÊNCIA PARA COMEMORAR O DIA DA BIODIVERSIDADE

No Dia Internacional da Biodiversidade, comemorado nesta sexta-feira (22), a Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) promove uma live com especialista para debater o assunto. Com o tema "A importância da Biodiversidade". O debate, realizado por meio de vídeoconferencia, será mediado pela gestora da unidade de conservação ambiental administrada pela CPRH, Área de Proteção Ambiental (APA) Aldeia/Beberibe, Cinthia Lima.

As diferentes abordagens sobre o assunto serão apresentadas pela professora e doutora em Psicologia, Ednilza Maranhão, pelo professor e doutor em Zoologia, Gilberto Gonçalves Rodrigues e pelo professor e doutor em Ciências Biológicas, Filipe Aléssio. A live faz parte do Programa Pauta Ambiental, da CPRH, e será  realizada às 14h30, pelo instagram @cprh.pe.

quinta-feira, 21 de maio de 2020

PRAÇA JOÃO DA SILVA SOUTO - GARANHUNS, PERNAMBUCO


MUNICÍPIOS TERÃO DIAS PARA INFORMAR AÇÕES DE COMBATE AO COVID-19

Os prefeitos dos 184 municípios pernambucanos terão um prazo de 10 dias para informar ao Tribunal de Contas, todas as ações que estão sendo implementadas pela administração nas áreas de saúde e assistência social, durante o período de combate ao novo Coronavírus.

A resposta será dada por meio de um questionário enviado às prefeituras pela Coordenadoria de Controle Externo do TCE, encaminhado na última segunda-feira (18).

O formulário aborda questões relacionadas a normativos publicados, plano de contingência, protocolos na atenção básica, treinamento das equipes de saúde, canais de teleatendimento, contratações/aquisições, ações de assistência social e aos alunos da rede municipal, e infraestrutura hospitalar de suas localidades.

As respostas deverão ser encaminhadas no prazo de até 10 dias corridos após o recebimento, juntamente a um ofício com assinatura física ou digital do prefeito, informando o responsável pelo envio das informações.

A iniciativa do TCE leva em conta o atendimento à Lei Federal nº 13.979/2020, que trata das medidas para enfrentamento à pandemia do Coronavírus no país, bem como às portarias nº 188/2020 e nº 356/2020, do Ministério da Saúde e ao Protocolo de Manejo Clínico do Coronavírus (COVID-19) na Atenção Primária à Saúde, dentre outros.

A omissão no envio dos dados no prazo estabelecido, assim como a remessa de declaração falsa, pode resultar na lavratura de Auto de Infração, assegurada pela lei orgânica do TCE e por ato normativo específico.

SESC ABRE CHAMADA PÚBLICA PARA AÇÕES DE CULTURA E CONTRATAÇÃO PARA ACESSIBILIDADE COM INVESTIMENTO TOTAL DE R$ 461 MIL

A pandemia do novo coronavírus impactou vários setores da economia de Pernambuco, entre eles, o da Cultura. Na próxima sexta-feira (22/05), o Sesc lançará uma chamada pública inédita, no valor de R$ 297 mil, para incentivar a produção artística local nas plataformas digitais. O projeto #CulturaEmRedeSescPE selecionará 160 produções virtuais. Podem ser propostos projetos nas áreas de artes cênicas (dança, teatro e circo), música, literatura, artes visuais e audiovisual. As inscrições seguem até o dia 29 de maio, exclusivamente pelo site sescpe.org.br. Os trabalhos selecionados receberão de R$ 500 a R$ 3 mil a depender da ação.

As ações propostas podem ser aulas, podcasts, apresentações, curtas-metragens, entrevistas, debates que valorizam a cultura e artistas de Pernambuco e outros formatos, tudo de acordo com as diretrizes estabelecidas na chamada. Criações realizadas durante o isolamento precisam obedecer às orientações dos órgãos de saúde que pedem que aglomerações sejam evitadas. Os projetos selecionados serão veiculados a partir de 6 de julho, nas redes sociais do Sesc PE e também dos artistas.

Além da chamada pública, também haverá a contratação de serviços culturais acessíveis. Uma equipe irá gerar uma grade de ações com Acessibilidade Comunicacional para pessoas cegas, com baixa visão, surdas e ensurdecidas. A contratação tem o investimento de R$ 164 mil.

Inscrição - Podem participar profissionais de cultura residentes em Pernambuco há, pelo menos, seis meses. Até duas ações podem ser inscritas por cada proponente, mas apenas uma delas será contemplada. “O objetivo desta chamada é continuar o trabalho da instituição na cultura e contribuir com o processo de desenvolvimento do setor da cultura e da economia criativa, a promoção do direito de acesso ao bem cultural em sua diversidade. Um objetivo, também singular é a ampliação da oferta de programação por parte do Sesc Pernambuco no ambiente virtual”, afirma o gerente de cultura do Sesc PE, José Manoel Sobrinho.

Algumas ações inscritas poderão ter desdobramento futuro no período pós-isolamento, quando os encontros presenciais não oferecerem mais riscos de contaminação por Covid-19, a depender da análise do Sesc PE. As propostas selecionadas na chamada pública serão alocadas nas programações de projetos que o Sesc já desenvolve. “Nossa intenção é manter as apresentações, ações formativas e encontros não mais somente de forma presencial, mas também pelas plataformas digitais. Queremos diversificar a maneira de trabalhar a arte e a cultura do estado”, conta José Manoel.

Detalhes sobre as linhas de ação, as criações que podem ser propostas, os requisitos e os links para inscrição estão no texto da chamada, que pode ser acessado no site do Sesc PE, www.sescpe.org.br.

QUARENTENA ELEVA ISOLAMENTO SOCIAL EM 12% NAS CINCO CIDADES ABRANGIDAS PELO DECRETO DO GOVERNO DE PERNAMBUCO


Os dados divulgados na manhã desta quinta-feira, pela empresa de tecnologia In Loco, em parceria com o Ministério Público de Pernambuco, mostram que Pernambuco tem mantido a elevação dos índices de isolamento social, em ascensão desde o último sábado. O incremento do número de pessoas em casa no Recife, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe, São Lourenço da Mata e Olinda chegou a um crescimento médio de 12,8% nos últimos sete dias de vigência do decreto que tornou mais rígidas as medidas restritivas nesses cinco municípios.

Os cinco municípios da Região Metropolitana do Recife estão incluídos no decreto estadual que determina uma quarentena mais rigorosa, com a restrição de circulação de pessoas, rodízio de veículos e fiscalização em estabelecimentos comerciais que estejam funcionando fora das normas do decreto.

No dia 20, nas cinco cidades da RMR a taxa média de isolamento social chegou aos 56,3%, contra 49,9% (13), ou seja, uma semana antes da implantação da Operação Quarentena. Nos outros dias, os números seguem a tendência: 60,1% (dia 16), 63,8% (dia 17), 53,5% (18) e 52,1% (19). Números que superam os dias anteriores, quando foram registrados, respectivamente, 48,1% (09), 52,4% (10), 49,4% (11) e 50,1% (12).

Na quarta-feira, na Região Metropolitana a média foi de 56,3%, contra 49,1% da semana anterior. O levantamento apontou, no Recife, uma adesão média de isolamento social de 58,4% da população às medidas no dia 20. Uma semana antes (13.05) a média era de 51,8%. Em Olinda, no mesmo dia, as taxas subiram de 51,8% (13.05) para 58% (20.05) dos moradores colaborando com as regras da quarentena.

Ainda no dia 20 de maio, Jaboatão dos Guararapes apareceu com 55,2% de isolamento social. No dia 13, o índice de isolamento estava bem abaixo, com apenas 48,4% das pessoas se ajustando às medidas do decreto. Camaragibe passou de 49,2% para 55,3% no comparativo. A população de São Lourenço da Mata colaborou com as medidas, aumentando o percentual de 48,1% para 54,6%, na comparação do dia 13 com o dia 20 de maio.

COMPARATIVO – No dia 20, de acordo com levantamentos da InLoco, o Estado de Pernambuco atingiu uma taxa de isolamento social foi de 52%. Uma semana antes (Dia 13), esse índice era de 47,6% de moradores aderindo às regras vigentes na quarentena.

PERNAMBUCO TEM MAIS DE 4 MIL PROFISSIONAIS DA SAÚDE INFECTADOS

Da Folha de Pernambuco

Até esta quarta-feira (20), Pernambuco havia registrado um total de 4.371 infecções pelo novo coronavírus em profissionais que atuam nos serviços relacionados à Saúde, seja nos setores público estadual e municipais ou no setor privado. Outros 3.162 exames tiveram resultado negativo e 163 foram inconclusivos, devendo essas pessoas passarem por novas coletas. Há ainda 287 amostras biológicas de profissionais da Saúde aguardando processamento laboratorial.  No total, 7.983 já foram notificados e passaram por exames após apresentarem sintomas de síndromes gripais.  

Desde o dia 18 de abril, quando foram iniciados os trabalhos nos centros de testagens para profissionais da Saúde, até esta quarta-feira (20), foram coletados 3.804 exames. Desses, 1.440 foram do tipo RT-PCR, com coleta de material via swab nasal e orofaríngeo, que identifica a presença do vírus nos primeiros dias de sintomas da Covid-19, e outros 2.364 do tipo rápido, que investiga a presença de anticorpos após o desaparecimento dos sintomas.

Os centros de testagem atendem não só os profissionais de Saúde como também os familiares que convivem com eles. Há três unidades: no Centro de Formação dos Servidores e Empregados Públicos de Pernambuco (Cefospe), na Boa Vista; na sede da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), no Bongi, e no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda.

SES-PE

A maioria dos profissionais que contraíram a Covid-19, doença provocada pelo Sars-CoV-2, no entanto, está na rede do Estado. Segundo a SES-PE, são 2.710 servidores com exame positivo, o que equivale a 61.99% da categoria atingida. Esses profissionais atuam em Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Unidades Pernambucanas de Atenção Especializada (UPAE) e hospitais.

Desses 2.710 servidores atingidos, 69,9% são mulheres e 30,1%, homens. A grande maioria, mais 80%, tem idades entre 30 e 59 anos - 30 a 39 (29,7%), 40 a 49 (28,7%) e 50 a 59 (23,2%). Os servidores na faixa de 20 a 29 anos correspondem a 10,4%, enquanto os que têm entre 60 e 69 anos representam 6,7%. Aqueles com mais de 70 anos são 1,4%.

A maior parte dos infectados atua como técnico e auxiliar de enfermagem e no atendimento. Esse grupo reúne 1.131 pessoas doentes (41,7%). Os profissionais dos departamentos administrativos da SES-PE acometidos pela Covid-19 são 479 (17,7%). Em seguida aparecem os médicos, com 420 infectados (15,5%). Os enfermeiros representam 10,3% (279). Há casos registros também em profissionais da fisioterapia (45), assistência social (24), nutrição (15), além de farmacêuticos (15), entre outros.

Os óbitos entre servidores da SES-PE são 27, o que corresponde a um percentual de 0,9% de mortalidade. Os atendestes, técnicos e auxiliares de enfermagem são, novamente, o grupo mais afetado, com oito óbitos. Faleceram ainda três auxiliares de serviços gerais, dois enfermeiros, um auxiliar de câmara clara e escura, um auxiliar sanitário, um radiologista, um biomédico, um médico e um psicólogo.