sábado, 22 de agosto de 2020

MEMÓRIAS DE ELPÍDIO BRANCO 'REVOLUÇÃO DE 1930' - PARTE VI

Governador Estácio Coimbra deixa o Palácio

Já não era mais segredo para ninguém que a revolução de 1930 rebentaria, ou mais hoje, ou mais amanhã. Pareceu-me, depois, e a  todos, enfim, sem dúvida, que só os responsáveis pela manutenção da ordem, no Estado, não se apercebiam da gravidade da situação. Já não mais se cochichava, apenas, sobre a intentona. Ao contrário falava-se, abertamente, acrescentando-se, até, quais os seus chefes, quais os planos a serem adotados pelo falado movimento que, partindo, principalmente, dos quartéis, se espalhara pelos cafés, pelos bares, por toda parte, enfim.

Em minha casa, à rua da Estância, bate à porta, amanhecendo o dia 4 de outubro, chamando-me, com urgência e sofreguidão, o meu amigo Beroaldo de Melo que morava defronte de mim, em companhia do seu saudoso pai Júlio de Melo.

- Revolução na rua, Elpídio!

Mesmo esperada, não deixei de me surpreender. Incontinenti, troquei de roupa, tomei o meu automóvel, e parti para a Chefatura de Polícia onde devia estar a postos, poie era homem de polícia, embora, a essa época, burocrata. Ficar em casa, mesmo assim, seria covardia. Muito embora nunca tenha sido um homem de bravatas, um valente, enfim, não me amedrontava, porém, ante o perigo. Enfrentava-se sempre, sem pruridos, mas destemidamente. Foi o que  fiz, mesmo na certeza, como estava, de que a revolução, há tanto tempo anunciada, abertamente, teria a sua vitória naquele momento. Na direção, eu mesmo, do veículo, ao procurar alcançar o centro da cidade, via avenida Manuel Borba, fui interceptado por elementos da  polícia militar (não sabia, até então, se obedeciam a ordens de Governo, ou dos chefes da revolução). Fiz a volta no oitão do palacete de  José Pessoa de Queiroz (o qual não havia, ainda, sido incendiado pelos bravos revolucionários) e resolvi ir ao quartel do Derby, primeiramente. Quando procurava me inteirar do que, na verdade, ocorria, chega, também, ali, Manoel Gouveia de Barros, diretor do Departamento de Saúde, o homem da campanha do quebra-potes, que lhe valera, por parte da população, dores-de-cabeça dos diabos.

Elpídio Branco
As informações que conseguimos no Dérbi foram insatisfatórias. Eram incompletas. Ali de nada se sabia. Gouveia de Barros tomou um destino qualquer e eu rumei à Chefatura de Polícia.

Ao desembocar na rua do Príncipe, para alcançar as imediações da Faculdade de Direito, a fim de poder atingir a rua da Aurora, eis que, contra o meu automóvel, é disparado um tiro que, por um triz, não me vitimou. Mas, atingiu a capota do veículo. Cheguei, afinal, com todas as dificuldades, à Chafatura, onde me apresentei ao Sr. Lito de Azevedo Filho, o chefe de polícia. Ao dar entrada no seu gabinete, isto por volta das cinco horas da manhã, mais ou menos, fui acompanhado pelo tenente Optato Gueiros, ajudante de ordens de sua excelência.

O tenente me chama a um canto, diz da gravidade da situação e me adianta que se o chefe permitisse, ele iria desalojar os amotinados do quartel da Soledade.

- Dr. Lito, o Optato tem uma proposta a lhe fazer - falei para o chefe.

- Se o senhor permitir eu irei desalojar os aquartelados da  Soledade, assim falou Optato Gueiros.

Mas, obteve em resposta:

- É uma inutilidade, a esta altura.

Optato Gueiros
E, por isto, nada se fez. E foi dali da Soledade, como se sabe, que partiu a arrancada para a vitória da revolução. Os revolucionários, àquela hora, estavam de posse de vários setores, na cidade, inclusive já haviam conseguido tomar, de assalto, o quartel da Soledade, apoderando-se de todo o material bélico, pois ali era, exatamente, o depósito do Exército, aqui sediado. O bairro de Santo Antônio, parte do da Boa Vista, onde ficava o palácio do Governo, e o de São José, onde estava a Casa de Detenção, continuavam em poder das forças legais. No resto, ninguém se entendia. Os fuzis e munições distribuídos, no quartel da Soledade, serviram para armar uma  grande parte da população, principalmente os passageiros de bondes, que iam passando por aquele quartel, inclusive motoristas e condutores que se organizaram em milícia a que deram o nome de "Linha Azul". Milícia essa que, logo depois, no Governo revolucionário, passou a ser uma espécie de polícia auxiliar do Estado. Coisas desse jeito foram férteis, na nova fase que se iniciou com a vitória da quartelada, como bem classificava a revolução de 1930, o saudoso jornalista Aníbal Fernandes. Tiroteios, daqui e dali, se sucediam sem cessar. A Casa de Detenção, sob a direção de Joaquim Cavalcanti, o bravo homem que foi o último a ensarilhar as armas contra a revolução, resistiu, estoicamente, durante todo o tempo, até o último dia, em que as forças revolucionárias tomaram conta da cidade e,  consequentemente, do Palácio do Governo.

No dia seguinte, um sábado, já à tarde, sobe as escadas do  palácio governamental, um cidadão que eu não conhecia. Anunciou-se e foi, imediatamente, introduzido no gabinete do governador. Soube, logo após, que se tratava de um coronel do Exército, se não me engano de nome Figueiredo que, em face do assassinato de Lavenére, na Paraíba, assumira o comando da região militar, aqui sediada.

Trancaram-se, ambos, o governador e o coronel. Demoraram-se. Ao sair, como entrou, sobraçando uns jornais, espalhou-se, nos corredores, a notícia de que o coronel fora aconselhar o governador a retirar-se do Palácio, sob o pretexto (veja-se bem!) de que os "bravos" revolucionários paraibanos, onde estava o grosso do movimento, haviam atingido Paulista, já estavam em direção a Olinda e, consequentemente, às portas do Palácio onde, de certo, iria se travar a luta decisiva pela posse do Governo. E, nessa conjuntura, o governador deveria estar longe, pois sua pessoa era a principal figura dos acontecimentos. Morto ele, por exemplo, uma crise muito grave se criaria para a situação dominante até àquela hora. Foram esses os argumentos com que o coronel procurou convencer o governador de que sua vida, ali, correria perigo, segundo os comentários já correntes no próprio palácio.


Isto, logo após, se confirmou. Sebastião Lins, secretário do Governo, subiu ao segundo andar e, logo depois, desceu, tendo à mão uma valise com os documentos de que o governador iria precisar e, igualmente, papéis para cartas e telegramas. Era quase noite. O governador convocou os seus secretários, que já ali se encontravam, para uma reunião na qual comunicou a deliberação de abandonar o Palácio, diante da aproximação das forças revolucionárias, conforme lhe informara o comandante interino da região.

- Abandonar o Palácio, para onde e por que? - argumentou um dos presentes, senão me engano, o secretário Samuel Hardman, há poucos anos falecido.

- Também não concordo com a nossa saída daqui, mas, se as coisas isto impuserem, o que considero o começo de nossa derrota, então só teremos um caminho: às Docas do Porto. De lá o Governo poderá dirigir a reação contra anarquia que aí está - falou o Tonico Ferreira que não ocultava a sua grande inquietação face ao estado das coisas, à vista.

Homem temperamental, o diretor das Docas não escondia o seu nervosismo. Tudo, no entanto, ia se consumando, de acordo com os planos delineados... pelos revolucionários.

Deixou-se o Palácio. Eram mais  ou menos sete horas. O "séquito" tomou lugar nos automóveis e saiu pelo portão do lado da guarda militar.

O povo, na sua eterna sabedoria, como sempre aconteceu, nesses momentos, glosou, a nossa retirada:

Chora Estácio
Freitas não vem cá
Se vier
Pau há de levar

O Dario na cadeia
Chora que nem um ? 
Aquele cabra de peia
Só dá mesmo pra chorão

Tonico banco ?
Sem poder levar vintém.
Elpídio perdeu o gado
Perdendo o couro também.

Lembro-me bem: parecia um cortejo fúnebre dirigindo-se para o cemitério de Santo Amaro...

Já nas Docas, exatamente, no momento em que chegávamos, ocorreu um fato digno de especial registro. No instante em que o elevador descia para buscar o segundo grupo de refugiados,  (este é bem o termo...), pois na primeira vez subiram o governador, Sebastião Lins e o Tonico, chega ali, espavorido, um tenente do Exército, chamado Nogueira, se não estou equivocado, todo desalinhado, blusa aberta, fuzil a mão, sem quépi, suado, com ares de pavor, e pergunta:

- Onde está o governador?

- Que é que há - pergunta Afonso Batista.

Fleugmaticamente, como que, tão cedo, antegozando o resultado de sua proeza, ou melhor, de sua deslealdade, e traição, responde o tenentinho, emissário de uma mensagem tartufa:

- Vim avisar ao doutor Estácio que não demore mais um instante, aqui, pois as forças revolucionárias da Paraíba, já tomaram o Palácio e já se movimentam para cá. E acrescentou - já estão aqui bem pertinho, atravessando a Ponte Buarque de Macêdo.. (Recordemos que isto acontecera ao anoitecer do dia 4!).

Governador Estácio de Albuquerque Coimbra
Foto: http://basilio.fundaj.gov.br/
Alvoroço incrível. Foi um verdadeiro Deus nos acuda. Não sei se, por coincidência ou não, o rebocador Estácio Coimbra se encontrava ancorado em frente às Docas. Só havia um meio de evitar o massacre, pois a imprevidência do momento foi tal que, ao se transferir para as Docas. O Governo não levou consigo um soldado sequer. Nem mesmo o seu ajudante de ordens, o tenente Manuel Neto, havia acompanhado o "cortejo fúnebre".

Face a isto, só havia um caminho a seguir: tomar o rebocador e zarpar... Fuga, deserção? Muitas dessas afirmativas e não perguntas foram-me feitas durante muitos anos. A esses "levianos" respondi sempre: nada disto. O que fizemos foi, nada mais, nada menos, do que uma "retirada estratégica..." E porventura não agimos certos, naquele momento agudo, quando estávamos indefesos, e ao alcance de uma turba - que dali se aproximava sedenta de sangue, e certamente, de posição e dinheiro... - conforme, mais tarde, se verificou através dos inúmeros saques ao comércio e às indústrias, em toda parte por onde passavam os salteadores, que era a grande maioria dos que se atiravam aquela aventura trasvestidos em salvadores do regime e da pátria?

Meia hora mais e o rebocador singrava as águas marginais das praias pernambucanas, destino ao sul, quando ocorre um fato interessante a bordo. Vale, aqui, enumerar algumas das pessoas que acompanharam o governador, algumas digo eu, porque, dado o tempo decorrido (33 anos), não posso de memória, me lembrar de todas. Mas, recordo-me de que acompanharam a "retirada", umas por lealdade e dedicação e outras por força das circunstâncias, as seguintes, além de Antônio Gonçalves Ferreira, o Tonico a que já me referi: Costa Maia, prefeito do Recife; Gilberto Freyre, oficial de gabinete; Afonso Batista, secretário da fazenda; Samuel Hardman, secretário da agricultura; Lauro Montenegro, diretor do Patronato de Tamandaré; Sebastião Lins, secretário do Governo; João Peretti, diretor do tesouro; José Ramos de Freitas, inspetor geral da polícia; Julio de Melo, deputado estadual; jornalista Aníbal Fernandes, e o agricultor Lourenço Maranhão.

Lá para as tantas, em pleno mar, eis que se ouviu um estouro dos diabos. Era o Tonico:

- Comandante, você é um miserável, você é um bandido, um revolucionário, pois é que não se preveniu de carvão, para a viagem?... Como se compreende que isto aconteça?... Você é um irresponsável...

Tonico, eu já frisei, era assim mesmo, um homem temperamental, mas, passada a raiva, tornava-se no melhor dos amigos.

- Acalme-se, coronel (ele tinha o apelido de "coronel", talvez, até, fosse coronel da antiga guarda nacional, não o sabia); - acalme-se, coronel  - repetia, insistentemente, o comandante do "Estácio Coimbra".

O administrador das Docas, porém, não se conformava com a negligência do seu subordinado, até que Lauro Montenegro, acudindo, em tempo, para ver se salvava a situação, perguntou, providencialmente, ao comandante:

- O rebocador, porventura, não queima lenha, também?

Salva a pátria! o "Estácio Coimbra" queimava ambos os combustíveis. O Tonico desenfureceu-se, e a viagem prosseguiu até Tamandaré. Ali ancoramos. E enquanto o Lauro Montenegro dava as providências para o novo combustível do rebocador, os aflitos passageiros pensavam nas aventuras da viagem. Para onde iriamos, não se sabia. Qual o destino que nos aguardava: Era a grande incógnita do momento. Eis quando sou chamado pelo governador.

- Elpídio, você tome o carro do Lauro e vá a Barreiros (a sua usina de açúcar ficava a poucos quilômetros) e lá conte ao Jaime (era o seu filho, e gerente da fábrica) o que aconteceu e lhe peça , em meu nome, que me mande o dinheiro de que possa dispor. E adiante: que vou por aqui sem recursos... (e nesse momento verifica que, na carteira que conduzia, só existiam pouco mais de quatro contos...).

Em tamandaré ficaram, porque não quiseram prosseguir na "retirada", João Peretti Costa Maia, Afonso Batista, Aníbal Fernandes, Julio de Melo e outros cujos nomes não recordo.

Fonte: Memória Brancas / Elpídio Branco / Recife 1963

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

GOVERNADOR AUTORIZA COMERCIALIZAÇÃO DE DERIVADOS DE LEITE PERNAMBUCANO PARA TODO O PAÍS

O governador Paulo Câmara entregou, nesta sexta-feira (21.08), o “Selo Arte” aos primeiros quatro produtores artesanais pernambucanos de queijo coalho, queijo manteiga, manteiga de garrafa e doce de leite. Pernambuco é o primeiro Estado do Nordeste a conceder o certificado, que atesta a conformidade dos produtos com as boas práticas agropecuárias e de fabricação, possibilitando o comércio nacional, a agregação de valor e o aumento de renda dos produtores. A solenidade, realizada por videoconferência, contou com a participação do presidente da Adagro, Paulo Roberto Lima.

“Em um momento de restrição financeira como este, temos que priorizar aquilo que pode fazer a diferença em Pernambuco. O selo é um reconhecimento do trabalho desse setor e da sua relevância para a nossa economia. Através dele, nossa meta é continuar dando oportunidades para que esses produtores possam avançar e ter melhores condições de trabalho”, afirmou Paulo Câmara.

Os primeiros estabelecimentos a receber a certificação são o laticínio Polilac, de Garanhuns; laticínio São José, do município da Pedra; laticínio Mulungu, de Jupi; e a Rancho Alegre produtos lácteos, de Pesqueira. Os quatro estabelecimentos, juntos, conseguem processar mais de 20 mil litros de leite por dia.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Agrário, Dilson Peixoto, anteriormente, para conseguir vender um produto de um Estado para outro era necessário um selo federal, e as exigências eram muito grandes. “A partir de agora, quando a Adagro analisa as condições, se tudo estiver de acordo com os parâmetros definidos eles certificam e, ao receber o Selo Arte, aquele produto pode ser vendido sem nenhuma burocracia em qualquer unidade da Federação, fator que contribui para o desenvolvimento do setor”, explicou.

A regulamentação da emissão do selo ocorreu por meio de uma portaria da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, que delegou à Adagro, em julho passado, a competência para concessão do Selo Arte aos produtos artesanais derivados de leite. Apesar da possibilidade de o mesmo certificado ser concedido também a embutidos, mel e pescados, inicialmente serão contemplados apenas os derivados lácteos, que já tiveram a instrução normativa publicada pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

HOJE TEM LIVE COM O REPENTISTA OLIVEIRA DE PANELAS


Seu nome de batismo é Oliveira Francisco de Melo, mas seu nome artístico é Oliveira de Panelas. Pernambucano nascido no município de Panelas (PE), o repentista foi adotado pela Paraíba, onde reside há mais de 30 anos e conquistou o título de cidadão pessoense e de cidadão campinense, além da medalha Augusto dos Anjos.

Com 52 anos de carreira, Oliveira de Panelas coleciona uma série de premiações e títulos que conferem ao artista a posição de um dos mais renomados e importantes representantes dos poetas repentistas no Brasil. A temática voltada para os problemas sociais do Nordeste, o romantismo com um tom lírico e o humor e entretenimento está registrado em 15 livros, 22 CDs e 11 LPs gravados individualmente e em dupla, resultado da parceria com artistas consagrados como Otacílio Batista, com quem cantou por 23 anos.

Participante de 298 festivais musicais, o repentista conquistou a primeira colocação por 185 vezes. Dono de uma voz forte e afinada e considerado um renovador da cantoria pelos temas modernos abordados e pela técnica usada na arte de fazer versos, o compositor encantou um público ilustre, formado por autoridades internacionais como o presidente de Cuba, Fidel Castro, além de várias personalidades do mundo artístico e social. Cantou para o papa João Paulo II, enquanto ele fez a sua segunda visita à Argentina. Também compartilhou os palcos com o cantor Roberto Carlos por nada menos que quatro vezes.

Oliveira Francisco de Melo 
Agência: 1617-9
Conta corrente: 33517-7
Banco do Brasil 
********************************
Valter Francisco de Melo
Agência: 1033
OP-001
Conta Corrente: 4562-5
Caixa Econômica

UniFavip promove 1º Simpósio de Psicologia online com inscrições gratuitas

O Centro Universitário UniFavip promove, de 24 a 26 de agosto, o 1º Simpósio de Psicologia online com o tema “2020: Sertões e o florescer das possibilidades”. O evento contará com a presença de profissionais renomados com larga trajetória na prática profissional da psicologia e na docência, e proporcionará diversas atividades como conferências, mesa-redonda, oficinas, minicursos e vivências imersivas.

O simpósio é de caráter acadêmico-científico e visa proporcionar reflexões sensíveis e agudas, acerca da crise que se abateu sobre a humanidade com a pandemia da Covid-19 e sobre o lugar da Psicologia diante deste cenário. Esta primeira edição propõe um enfoque esperançoso, pautado nas possibilidades de emergências de sonhos e projetos individuais e coletivos.

Realizado em três dias, o evento contará com palestras com temas como A potência do corpo em situações de vulnerabilidade; Os desafios e as possibilidades da Psicologia Online; Integração entre a TCC e a Psicologia Positiva; Estresse e formas de enfrentamento; entre outros. Os interessados em participar do simpósio, deverão fazer suas inscrições de forma gratuita pelo link https://bit.ly/3l4p7AD.

SENAC LANÇA 1.113 NOVAS VAGAS EM CURSOS GRATUITOS DE QUALIFICAÇÃO

Considerando o cenário de crise atual e a necessidade de preparar a população, em especial a de baixa renda, para uma possível inserção no mercado de trabalho na retomada das atividades dos setores econômicos, o Senac Pernambuco lançou edital com 1.113 vagas para mais de 30 cursos de qualificação e aperfeiçoamento profissional, dentro do Programa Senac de Gratuidade (PSG). As formações são nas áreas de Artes, Beleza, Gastronomia, Gestão, Idiomas, Tecnologia e Vendas e poderão ter aulas presenciais, híbridas ou totalmente remotas, a depender do curso escolhido. As cargas-horárias variam de 15h a 300h, e as inscrições podem ser realizadas até a próxima segunda (24), pelo site www.pe.senac.br.

Para ter acesso a cada curso, os interessados deverão atender aos requisitos do PSG. Entre eles, estão possuir renda familiar de até dois salários mínimos por pessoa e satisfazer os pré-requisitos do curso escolhido. As formações são direcionadas a candidatos de todo o estado, com opções nas cidades de Recife, Paulista, Ipojuca, Tamandaré, Gravatá, Caruaru, Garanhuns, Arcoverde, Serra Talhada e Petrolina. O resultado dos alunos contemplados pelo edital será divulgado no dia 25, e as matrículas podem ser realizadas de 25 a 31 de agosto. As aulas acontecem a partir de setembro.

Serviço:

Senac Pernambuco – Cursos gratuitos de qualificação
Edital e Inscrições: www.pe.senac.br
Mais informações: 0800.081.1688

Calendário:
- Inscrições: até 24 de agosto;
- Resultado dos aprovados: 25 de agosto;
- Matrículas: 25 a 31 de agosto;
- Início das aulas: a partir de 1º de setembro (variam de acordo com o curso);

Lista de cursos disponíveis:

Gastronomia

Gastronomia para Pessoas com Restrições Alimentares
Preparo e Serviço de Coquetéis
Aperfeiçoamento para Garçom
Cozinha: Gestão de Processos e Pessoas
Elaboração de Cardápio: Planejamento e Precificação
Boas Práticas para Serviços de Alimentação
Atendente de Lanchonete
Garçom
Auxiliar de Cozinha
Preparo de Salgados
Preparo de Massas Frescas e Recheadas
Confeiteiro

Gestão

Assistente Administrativo
Assistente de Logística
Assistente de Recursos Humanos

Saúde

Excelência no Atendimento ao Cliente em Farmácias e Drogarias
Recepcionista em Serviços de Saúde
Atendente de Farmácia
Cuidador de Idoso
Cuidador Infantil
Agente de Combate a Endemias
Flebotomia

Artes

Ilustrador
Pintor Artístico
Tecnologia da Informação e Design
Lógica de Programação
Programador Web
Web Design

Idiomas

Español Básico
Libras Básico

Moda

Modelista

Comércio

Assistente de Marketing e Vendas
Análise do Comportamento do Consumo
Vendedor
Planejamento de Marketing para Gestores

Beleza

Barbeiro
Penteados
Gestão do Trabalho e Biossegurança

Turismo e Hospedagem

Condutor Ambiental Local
Recepcionista em Meios de Hospedagem

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

EVOCAÇÕES

Garanhuns, PE - Colégio Santa Sofia / Década de 1930

José Inácio Rodrigues / Garanhuns

Meu querido, bonito e garboso bairro da Boa Vista,
Evocas o grande Calheiros "A Patativa do Norte!"
Alfredo Leite, seresteiro e historiador forte,
Tua Igreja, bela obra de inesquecíveis artistas.

És testemunha de fatos históricos e conquistas,
Protagonizados por vultos íntegros de grande porte,
Que no exercício do dever encontraram seu norte,
E, realizaram belos eventos cívicos e altruístas!

Evocas, também, meus passos trôpegos, de falena,
Mestres: Letácio e Miguel, semeadores de bonança!
Zé Maria sapateiro, as namoradas cheirando a açucena!

Tua festa, meus amigos, Granja, os locutores, a Antena,
São Sebastião, padre Matias, exemplos de esperança!
Aquelas escadarias, meu Deus! Quantas lembranças.

Programa #CulturaEmRedeSescPE traz cursos e apresentações artísticas em agosto

A programação do #CulturaEmRedeSescPE continua com uma série de debates, cursos e apresentações artísticas. Entre os dias 19 e 31 de agosto, os projetos selecionados na chamada pública nas áreas das artes cênicas, artes visuais, audiovisual, literatura e música serão transmitidos nos canais do Sesc Pernambuco. Para os cursos pagos, os valores variam entre R$ 15 para funcionários do comércio de bens, serviços e turismo e seus dependentes e R$ 30 para o público geral.

Confira a programação da até o fim de agosto:

Artes Cênicas

De 24/08 a 29/08. Curso “Meu Pequeno Mundo”. Conteúdo: ministrada pelo ator, contador e produtor Joesile Cordeiro, tem como objetivo fomentar, difundir e multiplicar o Teatro Lambe-Lambe para mostrar uma forma alternativa de fazer teatro principalmente em tempos de isolamento social, de forma simples e econômica. São 15 vagas. Inscrição: https://cutt.ly/pd9oDQA.  Valor R$ 15 (comerciário e dependente) e R$ 30 (público geral).

 20/08, às 15h.  Episódio 3 do Podcast do Bote de Teatro: Solo sim, sozinha nunca: As necessidades de agrupamento de uma artista não associada a grupo, com Flávia Pinheiro. Transmissão no Spotify.

22/08, às 17h. Live Diálogos #Dançacomigo com vida", de Jhanaina Gomes Convidada: Lucélia Albuquerque / PE). Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

24/08, às 20h. Live-Apresentação CRIAÇÃO 1 "Livro Acontecido", com Kennyo Freitas. Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

25/08, às 15h. Episódio 4 do Podcast Like Bac Life – Anarcos: Bactéria x Virus, Transmissão no Spotify.

26/08. Live - Formação- Divulgação - 'Teatro Laboratório Cênico - Raphael Bernardo. Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

26/08, às 16h. Live Diálogos - Produção Cultural Fora do Eixo: Gestão de recursos e pessoas. Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

26/08, às 16hs. Live Diálogos - Produção Cultural Fora do Eixo: Formação de redes. Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

27/08, às 20h. Live Diálogos - Circo Tradicional e Contemporâneo Pós Pandemia. Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

27/08. Episódio 4 do Podcast do Bote de Teatro - Capital viral: o lugar da internet como ferramenta de comunicação e o teatro pós-pandêmico com Aslan Cabral (Saquinho de Lixo). Transmissão no Spotify.

28/08, às 19h. Live Fruição - Microclima, de Iara Campos. Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

31/08, às 20h. Live-Apresentação "O Evangelho Segundo Vera Cruz", de Marcone Bispo. Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

Artes Visuais

De 17/8 a 20/08. Curso “Lab.Foto: Produção e Gestão de Projetos Culturais em Fotografia Contemporânea”. Com Rennan Peixe. Conteúdo aborda a gestão e planejamento de projetos culturais em Artes Visuais, com recorte em fotografia potencializando a cadeia produtiva de Pernambuco na formação de agentes culturais e na difusão do conhecimento de forma virtual.  Inscrição: https://cutt.ly/xd9oHJc.  Valor R$ 15 (comerciário e dependente) e R$ 30 (público geral).  

Dia 18/8, às 20h. “As letras e as ruas”, a arte urbana é o destaque da live com Nomes bate um papo sobre as experimentações de letras, a técnica do Bomb e Throw-up, a construção criativa de formas, personagens e a formação de palavras. Exibição no canal do Sesc PE no Youtube.

Audiovisual

De 24 a 29/8. Curso “Cinema de Arquivo: o uso de imagens pré-existentes no documentário e no cinema experimental”. Ministrado pela produtora, curadora e mestre em Comunicação Sabrina Luna, o curso tem como objetivo oferecer um panorama sobre a produção de documentários e filmes experimentais feitos a partir de arquivos e imagens pré-existentes. Entre essas práticas se encontram o found footage, o filme ensaio, o documentário de compilação e o remix. São 40 vagas. Inscrição: https://cutt.ly/hd9oBoL. Valor R$ 15 (comerciário e dependente) e R$ 30 (público geral).

De 24 a 29/8. Curso “Cinema e Identidade em Pernambuco”. A produtora e especialista em Cultura Pernambucana Alba Azevedo vai trazer as características fundamentais da produção do cinema em Pernambuco e analisar a possibilidade da construção de uma identidade que une os realizadores locais. O curso também aborda questões práticas sobre a produção audiovisual no estado para quem quer se aperfeiçoar nessa área. São 40 vagas. Inscrição: https://cutt.ly/1d9o0iD. Valor R$ 15 (comerciário e dependente) e R$ 30 (público geral).

19/08, às 20h. Cinema Presente. Debate sobre a realização de eventos de exibição cinematográfica em Pernambuco. Trazendo para a conversa o realizador e produtor Caio Dornelas, da Mostra Canavial de Cinema, que acontece na Zona da Mata Norte e como mediadora a produtora Bruna Tavares, organizadora da Mostra Pajeú de Cinema, no Sertão. No Instagram @mostracanavial e @bru.tavvares

21/08, às 17h. Curta “Um aniversário para Nida”. De Bruna Monteiro Em meio a pandemia, mãe, Cristina, e filha, Bruna se isolam do resto da família e acabam descobrindo sentimentos isolados e esquecidos que surgem ao pensar no falecimento da avó, Vanilda. Uma conversa íntima sobre a relação delicada da presença e ausência materna, medo de viver a pandemia e a importância dos afetos na formação de quem somos. No canal do Youtube do Sesc.

22/08, às 16h. Live/Manifesto do Cinema do Futuro. Nesta “LIVE COM CELSO MARCONI”, o jornalista e documentarista Helder Lopes – que há mais de um ano vem produzindo material para um documentário sobre Celso Marconi – mediará a conversa que deve relembrar a trajetória e a obra deste importante personagem da história cinematográfica brasileira e pernambucana. Além disso, e principalmente, o diálogo deverá se concentrar nas expectativas e projeções que Celso faz para o cinema do futuro. No Instagram do Sesc

28/08, 17h. Curta “Assintomática”. De Cleiton Carbonel. Quando esta pandemia vai acabar? Até onde o medo e a necessidade do isolamento nos pode levar? O curta "Assintomática" conta a história de EVA, uma mulher que vive a pandemia na sua cabeça até que descobre que ela já tinha acabado há três meses atrás. Ela acaba sendo resgatada pela própria rádio comunitária que escutava e cujo ruído se cruzava com sons impertinentes que ecoavam na cabeça dela, principalmente vindos da pressão informativa das notícias da tv. Aliada à forte presença sonora, o curta traz a presença do surrealismo, próprio do momento que atravessamos, em cenas que parecem de um filme de Luís Buñuel, como a formiga que passeia na máscara branca ou a cena do beijo entre os dois mascarados. No canal do Youtube do Sesc.

29/08. Debate Circuito Periférico Audiovisual. De Erick Sousa. Debate sobre as dimensões para a cadeia produtiva do audiovisual, a resposta comunitária dos grupos locais de comunicação e audiovisual que assumem protagonismo com ações de divulgação e fruição cultural, que informam e tranquilizam as experiências do período de isolamento. A live debate acontece mediada por Erick Sousa, realizador periférico, estudante de mestrado em Antropologia/UFPE, onde os debatedores PHILIBE BANDEIRA, pesquisador de grupos urbanos de produção audiovisual e curador do Festival do Filme Etnográfico – FIFER (Recife) e Karoline Kalor, cocriadora da Série Bia-Desenha, realizadora oriunda de Camaragibe, produtora da Mostra do Filme Periférico de Camaragibe – PE, irão compor comentários através de eixos de debate. No canal do Youtube do Sesc.

Literatura

De 24 a 28/08. Curso “Oficina de Cordel, Embolada, Glosa e Rap”. Com Clécio Rimas. Conteúdo: A ideia é possibilitar o conhecimento e a elaboração de estrofes nos diversos tipos de métrica e rima (quadras, sextilhas, septilhas, oitavas e décimas), técnicas para criação de glosas, declamação e elaboração de poemas individuais e coletivos, assim como interpretação poética, conhecimento, relações, elaboração e aprimoramento de letras de rap. São 30 vagas. Inscrição: https://cutt.ly/rd9o3cT. Valor R$ 15 (comerciário e dependente) e R$ 30 (público geral).

Música

26/08, às 20h. Live–debate da gestora cultural Taciana Enes com mediação de Fernanda Pinheiro. Exibição no canal de YouTube do Sesc PE. 

Foto: Anderson Freitas / Maker Mídia

ÂNGELUS

João Marques

Uma folha cai ao sol poente
e vem rolando estonteada
pousa no chão levemente
sem fazer ruído, sem nada

sem fazer ruído, sem nada
com movimento da graça
que a natureza pressente.

Garanhuns - PE / 2005

RUA MANOEL PEREIRA - GARANHUNS, PE

IDOS DO PASSADO

Primeiro avião que pousou no 1º Campo de Aviação de Garanhuns, PE - 19 de Abril de 1942

Alberto da Silva Rêgo / A Vida Através da Poesia

Escola Pública Severino Pinheiro,
Professora Primária, amiga Dolores
Colégio Quinze de Novembro, Ruth Gueiros,
Ginásio Diocesano - Almira Valença

Ginasial, Senyr, Tenório, Mário Matos,
Hiberno, Franklyn, Heitor, Virgílio Aragão.
Na Agronomia, Vasconcelos, Mário Coelho,
Holmes, Fagundes, Ernesto, Otávio Gomes.

Amigos Diocesano, Figueira, Wamberto,
Arcoverde, Antônio Alves, Vilela,
Jornalista, Josemyr, Luna, Luís Maia
Joca, Ivo Júnior, José Coelho, Schettini.

Médicos, Guerra, Tavares, Lessa, Flávio,
Peladas, Luís Guerra, Dourado, Pedro,
Família, Bi Clara, avós Cecília e Otávio.
Pais, Dário e Zózima, tia Hermínia, Cazuza.

Os manos, Alda, Dindo, Arnaldo, Aécia.
Adilma, não esquecendo os falecidos,
Aldérico, Amilton, Anunciada, Sílvia e Ailda.
Os filhos, Otávio, Luci, Eduardo, Aloísio,

Eurico, Beto Filho e Maria Cristina.
Os netos, são vinte e três, vários pirralhos.
Uns colegas, Fernando Melo, Ildefonso.
Primas, Jará, Cora, Sílvia, Luís Burgos,

Fernando, João Burgos, Adelmar, Waldemar,
Terezinha. Madrinha Maria do Carmo.
E, na política, Lula, o líder das massas.
E, mundo espiritual Padre Callou e Adelmar.
E a esposa Lígia, bem amada. Mui querida,
Cunhadas Jarina e Eunice; Roberto,
Antônio/ Mariza, Carlos/Carmelita;
Santana, além, sobrinhas Fátima e Sônia.

Fortaleza, 07 de Fevereiro de 2000

JOHNY ALBINO CONFIRMA PRÉ-CANDIDATURA A VEREADOR DE GARANHUNS

Prezados amigos e amigas,

É com determinação e responsabilidade que me coloco na condição de pré-candidato a vereador pelo município de Garanhuns.

Pretendo colocar minha vocação de servir à disposição da população do meu município, certo de que já possuo maturidade, experiência e vontade para bem representá-la na Câmara Municipal. Até porque já são mais de duas décadas que sirvo ao nosso povo, mesmo sem exercer qualquer mandato.

Mais uma vez conto com a confiança daqueles que acreditam em nosso trabalho, e que inclusive já nos honraram com um mandato em 2016 – mas que infelizmente nos foi suprimido por um erro de julgamento.

Acredito, entretanto, que tudo neste mundo acontece no tempo e da forma estabelecida por Deus. E é confiando sobretudo Nele, mas também confiando no bom senso e na força do nosso eleitorado que haveremos de conquistar uma Cadeira no Legislativo Municipal.

Portanto, convoco todos os amigos e amigas para que possamos construir juntos um mandato popular e progressista que possa fazer a diferença na vida das pessoas e contribuir para o desenvolvimento da nossa cidade.

E que o Divino Criador seja o nosso grande guia na condução dessa nossa nova caminhada.

Johny Albino
Pré-candidato a Vereador

MUNICÍPIOS TERÃO RECOMPOSIÇÃO DO FPM ATÉ NOVEMBRO

As perdas no Fundo de Participação dos Municípios (FPM) serão repostas até o mês de novembro. A Lei 14.041/2020 foi publicada nesta quarta-feira, 19 de agosto, no Diário Oficial da União (DOU), e garante o repasse de até R$ 2,050 bilhões mensais, nos casos em que houver perda em relação aos valores de 2019. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) que, com apoio das entidades estaduais, articulou pela aprovação na Câmara e no Senado, comemora a conquista que foi pleito do movimento municipalista desde o início da pandemia, em março.

Os Estados também serão contemplados com a medida pelo Fundo de Participação dos Estados (FPE). A recomposição dos Fundos vai garantir o mínimo de segurança orçamentária aos gestores diante da queda na arrecadação com a pandemia da Covid-19. 

Click no link abaixo e saiba mais:

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECEBE LISTA DE GESTORES COM CONTAS IRREGULARES

O presidente do TCE, Dirceu Rodolfo de Melo Júnior, esteve com o procurador regional eleitoral de Pernambuco, Wellington Cabral Saraiva, para fazer a entrega da lista de prefeitos e gestores públicos que tiveram contas julgadas irregulares nos últimos oito anos.

A entrega foi feita nesta terça-feira (18), na sede da Procuradoria Regional Eleitoral em Pernambuco (PRE/PE). Também participaram do encontro o vice-presidente do TCE, conselheiro Ranilson Ramos, e a procuradora-geral do Ministério Público de Contas de Pernambuco, Germana Laureano.

A lista, que contém 1.145 nomes de prefeitos e gestores públicos, segundo o procurador da PRE, é valiosa para a atuação do Ministério Público Eleitoral, “porque rejeição de contas pelo TCE é um dos critérios de inelegibilidade previstos na Lei Complementar 64/1990. Os dados enviados por outras fontes – serão inseridos no banco de dados Sisconta Eleitoral, sistema que ajuda o Ministério Público Eleitoral a identificar, por cruzamento de informações, candidatos inelegíveis.

“Esses casos serão compartilhados com os promotores eleitorais, que vão examiná-los durante o processo de registro de candidaturas, para verificar se os candidatos e candidatas atendem aos requisitos legais”, explicou Wellington Saraiva. Sendo identificadas situações de inelegibilidade, os membros do MP eleitoral vão propor ações de impugnação de registro de candidatura perante a Justiça Eleitoral.

Para o presidente Dirceu Rodolfo, essa parceria entre o Tribunal de Contas e outras instituições significa a rede de órgãos de controle funcionando na prática. “Com iniciativas como essa, o cidadão será poupado de ter na lista de elegíveis pessoas que, em momento anterior como gestores, não agiram corretamente como cumpridores de seus deveres”, declarou.

Com informações da Ascom/PRE-PE

MPPE AJUÍZA AÇÃO CIVIL POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA CONTRA PREFEITO DE IATI POR PROMOVER AGLOMERAÇÃO DE PESSOAS EM EVENTOS POLÍTICOS

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) ajuizou uma ação civil pública na Comarca de Iati contra o prefeito do município, Antônio José de Souza, por improbidade administrativa. A ação foi protocolada em virtude de o prefeito ter promovido eventos públicos com aglomeração de pessoas, em contrariedade a decretos do Estado de Pernambuco e do próprio município, que visam proteger a população do contágio do coronavírus (Covid-19).

Segundo apurou o MPPE, em 6 de agosto último, um conjunto de pessoas teria promovido algazarra e perturbação do sossego no povoado do Distrito de Santa Rosa. O tumulto teria sido causado por som alto e ajuntamento de pessoas sem uso de máscara. As músicas tocadas seriam ligadas à política local, entoadas em homenagem e promoção da atual gestão municipal.

Diante da notícia, o MPPE requisitou operação preventiva da Polícia Militar e averiguação preliminar da Polícia Civil. Em resposta, a Polícia Militar realizou rondas em alguns locais de Iati e coletou elementos que apontaram para diversas irregularidades no município.

Nos dias 7 e 8 de agosto, a Prefeitura organizou uma manifestação pública (carreata) saindo do Povoado Bela Vista até o centro da cidade, a título de inauguração de uma máquina Patrol (motoniveladora modelo XCMG/GR180BR, amarela).

Em 12 de agosto, a Prefeitura fez um convite oficial a todos os munícipes para que comparecessem a inaugurações de praças, ruas, até de sinal de celular, que ocorreram na noite daquele dia, tanto na sede do município quanto no povoado do Quati.

“A própria Prefeitura expediu normas que limitam ou proíbem certas atividades, em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Tais normas sacrificam o lazer e a economia dos munícipes, em nome de um bem maior. Inclusive, uma delas proíbe eventos públicos em que haja aglomeração de pessoas. Não obstante, a própria autoridade executiva máxima da cidade desrespeitou, reiteradamente, tais normas”, revelou o promotor de Justiça Eduardo Aquino.

Os convites da Prefeitura geraram aglomerações em alguns locais da cidade, inclusive no povoado do Quati, onde aconteceu uma festa com paredão eletrônico de som. Houve registro fotográfico, videográfico e depoimentos que demonstraram aglomerações com aproximadamente 100 pessoas, a maioria sem máscara.

“O que se destaca desses episódios é a quebra da legalidade, da moralidade e da impessoalidade. Ao tempo em que edita decreto para limitar atividades esportivas, educacionais, festivas e econômicas da população, a própria Administração Pública desrespeita a norma”, salientou o promotor de Justiça.

"A autoridade executiva expediu um decreto obrigando a todos os munícipes que se sacrifiquem, sacrifiquem suas famílias, seu lazer e suas economias. Depois, a autoridade, em razão de sua qualidade de autoridade, praticou conduta contrária ao decreto, benéfica apenas a si mesma e maléfica aos demais. É a definição, por si, de improbidade por quebra de princípios de administração”, completou Eduardo Aquino.

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

TCE SUSTA LICITAÇÃO DE MAIS DE R$ 4 MI DA PREFEITURA DE BOM CONSELHO

O conselheiro Valdecir Pascoal, por meio de uma Medida Cautelar expedida monocraticamente na última sexta-feira (14), determinou à prefeitura de Bom Conselho suspender uma licitação (Concorrência nº 001/2020-CPL) para obras de pavimentação no município. Valdecir Pascoal é o relator dos processos daquela localidade em 2020.

A decisão monocrática se deu a partir de uma denúncia apresentada pela empresa PJF Almeida Construções e Serviços Eireli-EPP que alegou possíveis irregularidades no edital que restringiram o caráter competitivo do certame e levaram, indevidamente, a sua inabilitação. O edital estipulou em R$ 4.242.352,59 o preço máximo admissível para o contrato.

Segundo a recorrente, ela e a empresa AM3 Engenharia Ltda. foram inabilitadas pela Comissão de Licitações do município com base no suposto descumprimento da cláusula de habilitação técnica, prevista na publicação. A condição exigia que as concorrentes apresentassem o registro ou a inscrição no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA) do local de suas sedes, atualizado e devidamente autenticado.

A PJF Almeida Construções informou que o CREA, por meio da Resolução nº 1.121/2019, não mais emite visto para participação em licitações, concedendo-o apenas à empresa vencedora para a fase de contratação, e que, portanto, o requisito seria ilegal.

ANÁLISE - A equipe técnica da Gerência de Auditorias de Obras Municipais Sul (GAOS) do TCE, por meio de Nota Técnica, confirmou os indícios de prejuízo à competitividade com base na decisão que inabilitou as empresas. Os auditores afirmaram que a Lei de Licitações estabelece em seus artigos 27 a 31 os documentos necessários à participação em processos licitatórios, não estando incluso o prévio visto do CREA como condição para habilitação.

A Súmula 272 do Tribunal de Contas da União - afirmou a equipe da GAOS - trata como irregular a exigência do visto junto ao CREA e determina a concessão de prazo razoável, após a homologação do certame, para que a empresa vencedora apresente o documento no ato da celebração do contrato.

Embora notificado no dia 6 de agosto pelo TCE, o prefeito Dannilo Cavalcante Vieira não apresentou defesa sobre os fatos apontados pela denunciante e pela equipe na Nota Técnciada.

DECISÃO - O relator levou em conta os argumentos da denunciante e da auditoria do Tribunal, destacando a presença de fortes indícios de que a prática restritiva contraria os artigos 3º, §1º, e 30 da Lei de Licitações, além de desrespeitar o artigo 37, inciso XXI da Constituição Federal.

Além de sustar a Concorrência, o conselheiro Valdecir Pascoal determinou ao prefeito Dannilo Cavalcante Vieira que se abstenha de assinar o contrato ou de emitir Ordem de Serviço autorizando o início das obras, caso a assinatura tenha se confirmado, até que a Primeira Câmara do Tribunal examine o mérito.

O relator determinou ainda à Coordenadoria de Controle Externo do TCE a abertura de uma Auditoria Especial para acompanhar o cumprimento da decisão.

HISTÓRIA DE BREJÃO, PE - PARTE II

Mons. Afonso Pequeno
AS DESOBRIGAS NA VILA DE BREJÃO DE SANTA CRUZ (ANOS 10 DO SÉCULO XX) - Um costume de grande alcance social e religioso foi adotado pelo Monsenhor Afonso Pequeno: - a visita paroquial aos distritos municipais, mensalmente; e as visitas, anuais às fazendas que tivessem capela de culto público. Elas seriam sempre feitas pelo Vigário, e somente na impossibilidade deste poder ir, seria o visitante um Coadjutor. Serapião (sacristão) porém com doze anos já acompanhava os padres nessas viagens, feitas à noite ou pela madrugada. Essa prática passou a ser adotada em todas as paróquias do nordeste e a chamavam desobriga. Era como livrar o matuto das obrigações para com a igreja. O padre nessas visitas ia ao seu encontro, livrando-o das caminhadas e das despesas forçadas, com a sua estadia na sede. As caminhadas de Serapião eram quase sempre em cavalo chotão, na biroba de Zé Queiroz, ou em burra passeira alugada.

Nessas desobrigas o padre, auxiliado por Serapião, acusava todos os que viviam maritalmente, sem terem recebido a bênção da igreja; batizava as crianças pagãs e celebrava missa nas capelas. Só havia gente pobre e boa. Serapião serviu de padrinho para algumas dezenas de crianças, talvez centenas, nas rodas de desobrigas, porque os pais não apresentavam os compadres. Os matutos não convidavam os vizinhos ou parentes porque tinham vergonha, dado o seu estado de pobreza. Algumas vezes por pura timidez. O bom sacristão e muitas ocasiões serviu de jirau, porque só aparecia o pai da criança. Seria padrinho e jirau ao mesmo tempo. Os noivos ou os padrinhos só quando podiam davam uma espórtula, espontâneo sim, embora na matriz existisse uma tabela, aliás baixíssima: dois mil réis para o batizado e para o casamento doze mil réis. Nas rodas de casamento chegavam a duas e três dezenas, e os batizados normalmente mais de uma centena, principalmente em Brejão.

Noivos trocados na Capela, casamentos suspensos por serem primos-irmãos e não terem licença do Bispo; menores sem autorização dos pais, que só apareciam na hora "H", acompanhados do Inspetor de Quarteirão. Muitas crianças eram afastadas da roda para discutirem um novo nome, porque o "Seu Vigário" não aceitava o nome que a mãe achou bonito e escolheu: Tricoline, Infausta, Meteoro, Deletério, Infanticida e muitos outros nomes mais bonitos... Como o Padre Luna se divertia. As desobrigas na Vila de Brejão de Santa Cruz valiam por uma festa de arraial. Havia feira, barraquinhas, leilões, etc. Os moradores ofereciam almoços e lanches aos matutos seus conhecidos. A viagem da sede para a vila seria muito longa quando era o Padre Benigno Lira, porque obrigatoriamente, na ida e na volta, passaria pela fazenda dos franceses: Fernand Jouteux e dona Magdaleine, para ouvir um pouco da ópera, uma grande ópera em preparo, jamais terminada: "Canudos". Os matutos diziam que eles eram esbilotados. Nas estradas de chão batido, que sé davam para um carro de bois, em grande parte por dentro das matas, contavam-se muitas cruzes indicando "morte matada".

Em uma noite, após a saída do Padre, a vila foi cercada por um magote de cangaceiros. E logo visada a casa do "Capitão Américo Ferreira de Melo",  subdelegado, onde os padres e as pessoas de destaque social se hospedavam. Ele acabara de fazer uma limpeza numa fazenda do Distrito. Quase o Padre e o Sacristão  seriam surpreendidos com a brincadeira. O "Capitão" em companhia do filho menor Idalino, com doze anos, resistiu horas ao fogo dos cangaceiros. A sua casa era cheia de rosas, pequenos furos nas paredes para entrincheiramento, cobertos apenas pelo rebôco caiado. Ao clarear do dia, restava o estrago feito pelos bandidos: a casa quase destelhada, animais mortos, móveis quebrados e Dona Nuta ferida, debaixo de uma cama de couro, coberta por sacos de milho,  feijão e farinha. E dia claro ainda gotejava coisa do telhado. No quintal dois estavam deixados. Feridos mesmo, não foram encontrados.

Mas viu-se depois que um rastro de coisa ia da casa até o oitão da Capela, e soube-se que era do Chefe Garapão, levado para Poço Comprido, gravemente ferido, falecendo no caminho. Os seus companheiros trouxeram o corpo e sepultaram à entrada da vila, num vale onde possuíra uma roça. Seria mais uma cruz na estrada.

Fonte: "Um Nordestino"  de José Pantaleão Santos / 1969.