sábado, 23 de janeiro de 2021

Igreja Presbiteriana de Garanhuns completa 121 anos

Igreja Presbiteriana de Garanhuns na década de 1920
Por Neide Tavares*

As primeiras tentativas de pregação do Evangelho em Garanhuns, foram feitas pelo Reverendo McCall e pelo engenheiro David Low. Era o ano de 1884. O Reverendo necessitava do clima da Cidade Serra, para melhorar a saúde, e o engenheiro, sendo colportor de Bíblias e livros evangélicos, aproveitava a ocasião para divulgar a Palavra de Deus. Realizaram reuniões evangelísticas em rua do Centro da Cidade, mais precisamente, à Rua Santos Dumont.

Avenida Santo Antônio - Ano 1928
Foto: Revista Cidade - ano III - nº 86

Voltando para a Capital do Estado entraram em contato com o Reverendo Dr. George Butler, que logo conheceu  as terras nordestinas e o seu povo carente e pobre. Movido pelo amor aos brasileiros, recebeu a permissão para fixar-se no Nordeste. Entre Canhotinho e Garanhuns, Dr. Butler (Dr. Bute como depois ficou sendo chamado) fixou os seus trabalhos de médico e pastor.

No dia 6 de março de 1894, chega o Missionário acompanhado da sua jovem esposa, Dona Rena, que também deixara o seu país, para divulgar o Evangelho no Brasil. Com eles vem o Presbítero Antônio de Vera Cruz, da Primeira Igreja do Recife.

Logo os trabalhos de preparação foram iniciados no centro da cidade, à Rua Dom José. Depois transferidos para a Rua Dr. Jardim, residência do Dr. Butler. O primeiro batismo foi realizado no dia 6 de janeiro de 1895. Estava organizada a 1ª Congregação Presbiteriana de Garanhuns.

Muitas pessoas se interessam pelo Evangelho, outras desejam o fim dos trabalhos missionários. Perseguições acontecem. Debates são travados com líderes de Igrejas Católicas, que não aceitavam a chegada dos protestantes com a divulgação da Bíblia. São chamados por nomes pejorativos. Chegam os perseguidores, após certo debate, irem até a casa de Dr. Butler. Atiram pedras e as crianças se protegem , escondendo-se embaixo das mesas. Depois, organizam Ligas contra os Evangélicos, porém o trabalho destes continua a crescer, sob as bênçãos do Senhor. Era necessário que viessem mais obreiros, e chega de Alagoas o Reverendo Martinho Oliveira. Sua missão seria preparar jovens para o Sagrado Ministério. Foram seus primeiros alunos, Antônio Almeida e Jerônimo Gueiros, duas vidas preciosas na  presbiterianismo Nacional.

Igreja Presbiteriana de Garanhuns - Década de 1960

Viveu o Reverendo Martinho, pouco tempo em Garanhuns, porém deixou marcas da sua passagem por aqui, como grande educador: O Seminário Presbiteriano do Norte e o Colégio Quinze de Novembro que mesmo após a sua morte não paralisaram as suas atividades, e até hoje continua formando os jovens que ali ingressam.

Finalmente, no dia 22 de janeiro de 1900, foi organizada a Igreja Presbiteriana de Garanhuns, cuja primeira Ata transcrevemos para conhecimento de todos, obedecendo à grafia da época.

ATA DA ORGANIZAÇÃO DA EGREJA DE GARANHUNS

"A Commisão nomeada pelo Presidente de Pernambuco para organizar a egreja de Garanhuns, composta do  reverendo Juventino Marinho da Silva, presidente, do Rev. W. C. Porter e do Presbytero regente Miguel dos Anjos Pereira, da egreja de Artias, reuniu-se na cidade de Garanhuns, na respectiva egreja no dia 22 de Janeiro de 1900, as sete horas da noite.

Servio de secretario ad hoc o Rev. W. C. Porter. Leo-se parte das Escripturas e cantou-se um hymno. Depois o presidente anunciou que a commissão verificou que havia no  rol dos membros, em plena comunhão, 68 adultos e 27 menores baptisados. Sendo os adultos os seguintes: Joaquim Arcelino de Mello. d. Francisca de Mello, d. Josefa de Mello, d. Leopoldina de Melo, d. Jacintha de Mello, d. Lucia Cardial, Francisco Gueiros, Jeronymo da Silva Gueiros, Antonio da Silva Gueiros, d. Amélia da Silva Gueiros, Francisco Gueiros Junior, Maria Gueiros, Amelina Gueiros, Manoel de Carvalho, Clarindo Gueiros, d. Thereza Gueiros, João Fragozo, Maria Fragozo, João Candido da Mota, d. Laudelina Motta, d. Joana de Godoy, Juvencio de Godoy, Manoel Ramiro, Francisco C. Furtado, Soriano Furtado, Crescencio Furtado, d. Maria Furtado, d. Maria C. Furtado. d. Fausta Furtado, d. Quiteria Furtado, d. Ernestina Gueiros, d. Emilia Gueiros, d. Maria Oliveira, Ernesto Gueiros, Snr. Barnardino Epifanio, José Cardoso, d. Maria Cardoso, Izidoro de Mello, d. Maria de Mello, d. Theodora da Silva, João da Silva Gueiros, d. Ritta de Rezende, Aguina Benevides, Benjamim de Oliveira, d. Josepha Maria de Conceição, Macario Rodrigues de Lima, d. Maria Pinto Gueiros, Pedro Paz Cavalcante, Rosa Cândida da Motta, Margarida Guilhermina d'Azevedo Mello, Miguel Correia Vilela, Marcelina Maria dos Santos, Maria Rosa de Barros, Manoel Francisco da Silva, Vicente Alves de Barros, Thereza Maria de Jesus, Rita Francisca da Silva Gueiros, Maria Conceição da Silva Gueiros, Maria Conceição da Silva, Luiza de Mello e Silva, Lourenço de Mello Cavalcante, Luiza Paz de Lyra, José de Melo Cavalcante, João José dos Santos, Joaquim de Barros e Silva; em seguida procedeu-se  a organização da egreja, tendo os membros todos pactoado solemnemente em constituir-se em egreja, tudo  conforme estatue a nossa constituição.

Logo após foram eleitos presbyteros regentes so Snrs. Antonio de Carvalho Silva Gueiros e Jeronymo da Silva Gueiros.

Tambem foram eleitos diaconos os Snrs. João Fragozo e Soriano de Carvalho Furtado.

Estando a hora já adiantada,  o presidente, depois de exercícios religiosos declarou suspensos os trabalhos para o dia seguinte as sete horas da noite.

A Commissão reuniu-se no dia seguinte, 23, as 7 horas da noite, depois do culto, foram solemnemente ordenados e instalados os supra-ditos officiais. Em seguida foi encerrada a sessão com a benção apóstolica".

Garanhuns, 23 de Janeiro de 1900

W. C. Porter - Secretario

Pastores que estiveram a frente da Igreja Presbiteriana de Garanhuns até o ano de 1992: Rev. George Butler, o pioneiro da região; Rev. Martinho de Oliveira, fundador do Colégio Quinze e do Seminário do Norte; Rev. Handerlite, teólogo, substituto do Rev. Martinho; Rev. Antonio Almeida, Rev. W. M. Thompson, também Diretor do Colégio Quinze; Rev. Antonio Gueiros, pastoreou durante 35 anos; Rev. João Campos de Oliveira; Rev. Aureliano Guerra; Rev. Henrique de Lima Guedes; Rev. Eneas Lins dos Anjos; Rev. Cephas Reinaux de Barros; Rev. Nisan Baia da Rocha; Rev. Irineu Ferreira da Silva; Rev. Agenor Paiva de Araújo; Rev. Nivaldo Felipe; Rev. Luiz Carlos Porto e o Rev. Lindberg Clemente de Morais.

Funcionando o templo na Avenida Santo Antônio, foi reformado pelo Reverendo João Campos em 1952.

*Professora e escritora.

Texto transcrito do Jornal O Monitor de 25 de Janeiro de 1992.

Caju protagoniza menu completo elaborado por estudantes da Faculdade Senac PE

Estudantes de Gastronomia da Faculdade Senac, em Caruaru, vão apresentar um menu sustentável, com entrada, prato principal e sobremesa, com o caju como ingrediente principal. O pseudofruto foi escolhido após  uma pesquisa realizada sobre as bases da Sustentabilidade aplicada à Gastronomia. A apresentação será realizada no dia 26 de janeiro, de forma virtual e é aberta ao público. Para conferir, basta acessar o link: https://meet.google.com/dsq-ujhk-kvd?hs=122&authuser=1  gratuitamente a partir das 19h.

Além da apresentação dos alunos, a programação conta com uma mesa redonda com o tema “Do Campo à Mesa: Construindo Práticas Sustentáveis em Gastronomia”. Nela, estarão a coordenadora do curso de Gastronomia da unidade, Lorena Bezerra de Sousa; a professora Suellen Tarcyla da Silva Lima e as convidadas Ana Paula G. Silva, membro do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - Consea PE, e Giovana Nacarato, chef de cozinha e curadora do Festival Comida de Feira da Feira de Caruaru.

Raul Leão Veloso

História de Garanhuns - Raul Veloso era fiscal federal de consumo, mora vizinho a Pitota na Rua do Recife (Rua Dr. José Mariano) pertencente a Quintão. Casado tinha uma filha bastante simpática. Zuleide. A turma que se dizia  grã-fina, vivia a paquerá-la. Aluna do Colégio Santa Sofia, onde tinha um grande círculo de amizade. Integrante do "grand mond" não deixava de participar das "Soirées dançantes" da AGA e do Sport e era uma das primeiras a dar a sua  valiosa contribuição às "Festas da Primavera", que sempre eram realizadas no Parque Euclides Dourado, participando ativamente das comissões organizadoras.

Raul Veloso, cumpridor dos seus deveres, na função de descobrir os sonegadores de tributos, na área federal, sofria tremenda campanha por parte de alguns comerciantes que tiveram seus estabelecimentos multados. 

Fonte: Os Aldeões de Garanhuns / Alberto da Silva Rêgo / 1987.

"Amo a vida, porque tenho estima por mim mesmo e compreendo a honra que recebi ao vir ao mundo para conhecer dele toda a luz e todo o engenho humano." - Santo Agostinho (354-430), um dos mais importantes teólogos e filósofos dos primeiros séculos do cristianismo.

Foto: Anchieta Gueiros

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Escritores reconduzem José Renato Siqueira à presidência da UBE


No último domingo, dia 17 de janeiro de2021, em pleito nacional realizado, pela primeira vez, pelo sistema misto envolvendo o voto presencial e o voto por e-mail, o escritor José Renato Siqueira foi reconduzido à presidência da UBE. A eleição da UBE mereceu edições especiais do programa Arte Agora, que acompanhou o processo eleitoral. Clique aqui para assistir as inserções.

DIRETORIA DA UBE (BIÊNIO - 2021/2022)

A UNIÃO PELAS LETRAS SE RENOVA

PRESIDENTE: José Renato da Silva Siqueira

VICE-PRESIDENTE: Edvaldo Arruda

1ª VICE-PRESIDENTE: Lúcia Sousa

2º VICE-PRESIDENTE: Paulo Sales

SECRETÁRIA GERAL: Riverdes Coelho Falcão

1ª SECRETÁRIA: Zélia Prímola

2º SECRETÁRIO: Agildo Galdino Ferreira

TESOUREIRO GERAL: Fernando Antônio da Silva Matos

1ª TESOUREIRA: Giselda da Silva Vieira

2º TESOUREIRO: Jean Rafael Santos Rodrigues

ADMINISTRADOR GERAL: Bernadete Bruto

1º ADMINISTRADOR: Elias Azulay

2ª ADMINISTRADORA: Colly Holanda

ARTES CÊNICAS: Vera Nóbrega

ARTES VISUAIS: Wagner Marques Cordeiro

COMUNICAÇÃO SOCIAL: Jose Severino do Carmo

CULTURA: Ney Fernando Perracini

DIREITO AUTORAL: Cilene Maria dos Santos

EVENTOS: Madalena Castro

EXTENSÃO ESCOLAR: Alberico Fernandes

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO: Jose Eugenio Sobrinho

INTERCÂMBIO ESTADUAL: Taciana Valença

INTERCÂMBIO INTERNACIONAL: Helena Maria Almeida

INTERCÂMBIO NACIONAL: Carla Emanuele Messias de Farias

ASSUNTOS JURÍDICOS: Magna Cristina de Oliveira

LÍNGUAS FALADAS NO BRASIL: Ulisses Pereira da Silva

MÚSICA: Elias da Silva Barbosa

PATRIMÔNIO, MEMÓRIA E ACERVO: Ismael Gaião

PESQUISA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: Fabrício Santos Nascimento

RELAÇÕES INSTITUCIONAIS: Fernando Tavares

ATIVIDADES SOCIAIS: Patrick Rafael Barbosa

CONSELHO FISCAL

Jose Nelson de Almeida Lima

Maria de Fátima Almeida

Maria Rosalva dos Santos Teixeira

SUPLENTES

Ana Lucia Granja de Souza

Tereza Cristina de Moraes

Jose Emerson Alves da Silva

Fonte: Câmara Cultural

Concluintes do Curso de Contabilidade do Colégio Diocesano nas décadas de 1940 e 1950

Mons. Adelmar ladeado pelos ex-alunos; Agrário de Aguiar Ramos, José Barreto, Dival de Souza Luna e Edelzito Branco de Melo (em pé), Luiz Souto Dourado, Ivanildo Souto da Cunha e Cleodon Siqueira Granja (sentados). Década de 1950.
Foto: Manoel Neto Teixeira

Concluir o curso técnico de Contabilidade não era apenas um passo com vistas ao ingresso na Universidade. Representava, já, a definição de  uma profissão, a inserção no mercado de trabalho, de forma qualificada. Foi assim que o Diocesano procedeu ao longo de várias décadas preparando os primeiros contadorandos da região, hoje espalhados Brasil afora, exercendo a profissão e, muitos, abraçando outras atividades, de acordo com suas circunstâncias e pendores pessoais. Vários deles se dedicam à  Medicina, à Magistratura, ao Jornalismo, à Advocacia, à Odontologia, às engenharias, à vida pública e empresarial, ao Magistério etc.

De 1940 até 1960, diplomou as seguintes turmas:

1940 - Abgar da Mota Valença, Agrário de Aguiar Ramos, Antônio Alves Filho, Eraldo de Amorim Damaso, Lindolfo Alves de Lira, Luiz de Paiva Torres, Sálvio Tenório de Almeida.

1941 - Arnaldo Ferreira de Carvalho, Idelfonso Holanda Cavalcanti, José Cândido de Santana, José Maria Peixoto Lins.

1942 - Polion Gomes da Silva, Vanildo Ferreira de Carvalho, Alfredo Pais de Melo, Edgar Brito de Almeida, Evaldo Dourado de Souza e Silva, Jaire Caldas Correia, José Cordeiro Catão, José Vieira Barros, Luiz Tavares de Lira, Manoel Teles Furtado, Noé Simplício do Nascimento, Vanildo Rodrigues Branco, Vandeni Gomes dos Santos, Valdir Gomes dos Santos e Wilson Ferreira Liberal.

1943 - Alfredo Pais de Melo, Edgar Brito de Almeida, Evaldo Dourado de Souza e Silva, Jaime Caldas Correia, José Cordeiro Catão, José Vieira Barros, Luiz Tavares de Lira, Manuel Teles Furtado, Noé Simplício do Nascimento, Vanildo Rodrigues Branco, Vandenir Gomes dos Santos, Valdir Gomes dos Santos, Wilson Ferreira Liberal.

1944 - Hibernon Moroni, Ibraim Carlos Zobi, Ivanildo Souto da Cunha, Josafá Leão Soares, Paulo Santana, Rubens Vaz da Costa, Salomão Ataíde Gueiros, Waldemir Maia Leite.

1946 - João da Costa Simões, Jonas Dantas de Barros, José de Simo Castanha, Marçal Tavares Pedrosa, Mário Ribeiro de Araújo, Raimundo Clemente Rocha, Severino Freire Costa, Deusdete Gomes Catão.

1947 - Gualberto Tavares Lobo, Israel Pacheco Duque e José Vilar Avila.

1948 - Alberto Teixeira de Melo, Celso de Andrade Lima, João Lourenço da Silva, Matias Lins Filho, Melchisedeck Alves Pedrosa Filho, Moacir dos Santos Paz, Paulo de Lima Castanha, Bianor Baía, Ivanildo Peixoto Lins, Natanael Campos Oliveira e Tiago Gama de Lima.

1950 - Antônio Vaz da Costa Neto, Arlindo Mariano da Silva, Erasmo Bernardino Vilela, Francisco Ribeiro Filho, José Alberto de Lima, José Lucena de Freitas, Maurício Acioly Silva, Natalício Gomes Silva, Sílvio Apolinário Araújo.

1951 - Arão Pereira Braga, Carlos Afonso Zaidan, Edmilson Chaves de Souza, Hersa Santos, Luiz Vitalino de Souza, José Lopes da Rocha Melo, José Maria dos Santos, Ruy de Oliveira Cavalcanti e Ulisses Ferreira Lins.

1952 - Anísio Brasileiro Dourado, Hélio de Barros Lucena, José Alves Quirino Filho, José de Souza Santos.

1953 - Agamenon Tenório de Almeida, Aluísio Crasto de Arruda, Antônio Fernandes da Silva, Artur de Freitas Guerra, Clóvis Henrique de Carvalho, Dorivaldo da Mota Gondim, Erasmo Osmaro de Medeiros, Francisco de Holanda Filho, José Valentim de Souza, Luiz Gonzaga de Oliveira Lima, Luiz Gonzaga Pereira de Aguiar, Manoel Pereira da Silva, Manoel Queiroz da  Silva, Nivaldo Nunes d'Arce, Severino Nunes d'Arce, Cleômenes Loiola Caminha, Luiz Gonzaga Pereira e Pedro Ribeiro e Silva.

1954 - Antônio de Araújo Veras, Asnar da Mota Valença, Bartolomeu Paulo de Miranda, Jadir de Araújo, José Hildo Rocha e Roberto Machado Pinto de Campos.

1955 - Aarão Cavalcanti Lima, Aderval Clementino de Almeida, Antônio Carlos Souto, Arlindo Francisco da Silva, Ebenezer Marques Fernandes, Elmano Figueiredo, Genildo Jatobá de Souza, Geraldo Gueiros de Barros, Hilton Freire Silva, Humberto Alves de Moraes, Ivan Buarque de Gusmão, João Álvaro Fernandes, João Ferreira da Costa Neto, José de Abreu Cavalcanti, José Francisco Pereira Filho, José Sant'Anna Capitol, Lauro Leite Rodrigues de Melo, Levino Epaminondas de França, Mauro Souza Lima, Onias Cavalcanti Lima, Paulo Celso Moura Lima, Paulo Pinto Souto de Souza, Waldemir Agápito da Rocha, Edson de Araújo, Filadelfo Correia de Melo, José de Anchieta Martins, Manuel Vicente Gouveia Filho, Mário Alberto Guimarães de Oliveira, Sílvio Monteiro Cavalcanti e Vicente de Paula Ribeiro.

1956 - Enock Rodrigues da Rocha, Fernando Ferreira de Medeiros, Flávio Tavares de Lyra, Geraldo Gonçalves Leite, João de Abreu Cavalcanti, José Alberto de Albuquerque, Lecy Cesário de Araújo, Leopoldo Albuquerque Filho, Moacy Telles de Oliveira, Rômulo Lins Santos, José Alain de Almeida, José Geraldo Pessoa de Vasconcelos e Josemyr Tenório.

1957 - Aurides Alves Vilela, Edgar de Souza Carvalho, Ernando Lira Ferreira, Francisco de Assis Rodrigues Silva, Jerson Rodrigues de Barros, Getúlio Pacífico Zoby, Gilson Pessoa Vasconcelos, Jair Tenório Lima, José Bonifácio Xavier de Andrade, José Ferreira Paes, José Mário Vieira, José Ribeiro da Silva, José Sales de Santana, Lindival Ferreira Costa, Lourinaldo Pereira de Melo, Mário Bezerra de Almeida, Romildo de Almeida Pimentel, Ruy de Deus e Mello, Sóstenis Monteiro Cavalcanti e Amaury Tavares de Lyra.

1958 - Aflandísio Alves da Costa, Edval de Melo Teixeira Gueiros, Fernando Cordeiro de Melo, João Pessoa Alves, João Rodrigues da Rocha, José Campos Matos, José Cícero de Almeida Silva, José Soares Beltrão, José Torres Calazans. Larte Amorim Lins, Manuel Barros de Miranda, Manuel Ferreira de Souza, Paulo Pires Guimarães e Romeu Tavares de Melo, Antônio Vasco da Silva Neto e José Ângelo Vieira.

1959 - Abionam Acioly Cavalcanti de Albuquerque, Adelmar Tavares de Lyra, Antônio Herculano Neto, Ayrton Diógenes Ivo Ubirajara, Cláudio Ferreira Branco, Djalma Paulo de Miranda, Expedito Leal de Vasconcelos, Gilmar Almeida da Rocha, Jair Ávila de Oliveira, João Correia Filho, José Alves de Oliveira, José Barreto Cansanção, José Edilson Noronha Galvão, José Francisco da Silva, Lázaro Claudino da Silva, Leopoldino Cardoso Filho, Manoel Elpídio Melo, Manoel Marques de Lima, Osvaldo Matos de Melo, Paulo Faustino de Albuquerque, Pedro de Alcântara Martins, Pedro Souza Calado, Pedro Veloso Wanderley, Raimundo José Faria Melo, Sidney Nunes da Silva, Waldomiro Gomes.

1960 - Abimael de Oliveira Santos, Abrahão Pereira Braga, Albene Correia da Rocha, Antônio Andrade Wanderley, Delecarlindo Gilvan dos Santos Vasconcelos, Eliseu José dos Santos, Elpídio de Arruda Feitoza, Everaldo Nunes da Costa, Evônio de Barros Campelo, Gerson Jorge Lasano, Givaldo Barbosa Calado, Hélder Romeu de Oliveira, Ivonaldo de Albuquerque Leão, Jairo Correia Viana, Jayme Carlos Dantas, João de Carvalho Florêncio, José Alberto Galindo, José Claudino da Silva, José Geraldo Ribeiro e Silva, José Judici da Silva, José Matias Filho, José de Oliveira Jatobá, José Ubirajara Campelo, José Vicente de Almeida, Júlio Alexandrino da Silva, Luiz Clário Duarte, Manoel Pedro Gonçalves de Medeiros, Raimundo de Souza Medeiros, Sebastião Leite Cavalcanti, Sizenando de Oliveira Muniz, Tarcísio de Carvalho Florêncio, Valfrido Rodrigues Lins.

Fonte: O Diocesano de Garanhuns e Monsenhor Adelmar (de corpo e alma) / Manoel Neto Teixeira / Garanhuns 1994. Acervo: Memorial Ulisses Viana de Barros Neto.

Byron Dale McCartney

Byron McCartney (foto) foi o primeiro missionário norte-americano enviado ao Brasil  pela Baptist Bible Fellowship International.

Byron filho de Edna Danser e Byron McCartney. Nasceu em Akron, Ohio, em 2 de outubro de 1931. Os pais se separaram quando Byron tinha dois anos. Byron foi criado pela mãe e pelos tios.

Ele aceitou a Jesus como Salvador aos 16 anos, na igreja Akron Baptist Temple.

Quando ele sentiu o chamado de Deus para sair do seu próprio país e levar o evangelho para outro país, ele foi encaminhado para a Baptist Seminary em Ft. Worth, Texas. A Akron Baptist Temple tinha uma afiliação com este seminário. Foi lá onde ele se preparou para ser missionário.

Antes dele se formar, houve uma divisão no seminário, e foi formado a Baptist Bible Fellowship.  Byron  aderiu a esta nova organização. Quando ele se formou o seminário já se chamava Baptist Bible College, que está localizado em Springfield, Missouri.

Ele chegou ao Brasil em 1953, juntamente com sua esposa  Ruth McCartney (foto), e seus filhos Pamela  (com 2 anos) Byron ( com 9 meses de idade). 

Quando chegaram  ao Brasil foram  morar em Campinas, São Paulo durante um ano,  onde o casal aprendeu a falar português numa escola montada especialmente para isto.

Depois moraram em outras cidades onde fizeram o trabalho pioneiro de iniciação de igrejas Batistas Bíblicas no Brasil. Residiram  em  São Paulo,  Recife,  Belo Horizonte, Niterói, Rio de Janeiro, Brasília e voltaram para Campinas,  a última cidade onde Byron morou.

Durante os 30 anos no Brasil ele fundou igrejas, cuidou de igrejas, fundou um acampamento, fundou seminários, ajudou a fundar um orfanato, e viajou por grande parte do Brasil fazendo evangelismo.

Pr Byron faleceu nos EUA, em Houston, Texas, quando se tratava de hipertensão pulmonar, em 1983. Dona Ruth  retornou ao Brasil para continuar o trabalho missionário. 

Fonte: Blog Terra do Magano

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Setur e Empetur oferecem nova edição da oficina de redes sociais para o turismo


A Secretaria de Turismo e Lazer do Estado e a Empetur realizam, na próxima terça-feira (26), mais uma edição de um dos projetos mais bem-sucedidos dentre as ações de capacitação online promovidas no último ano. A oficina virtual “A Importância das Redes Sociais para o Turismo” retoma as atividades em versão especial para profissionais do trade turístico e servidores municipais de todo o Estado.

As inscrições para a oficina são gratuitas e os interessados em participar devem acessar o link forms.gle/SCqeAvQhVtec4Ev39. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail: empetur.borapernambucar@gmail.com.

A iniciativa é parte do programa Bora Pernambucar e contemplou cada região separadamente em oficinas realizadas em dezembro do ano passado com grande procura de gestores e profissionais pernambucanos.

A capacitação busca incentivar o uso das redes sociais como ferramenta para o desenvolvimento do turismo dos destinos e conscientizar sobre a importância das mídias para gestores públicos e o trade turístico de cada localidade. A aula, que será das 16h às 17h30, será ministrada pela equipe que administra o Descubra Pernambuco (@descubrapernambuco), perfil oficial do Turismo do Estado no Instagram, Facebook e Spotify.

Curta Taquary 2021 começa com laboratório de realização de documentários


Já estão acontecendo as atividades do 14º Curta Taquary – Festival de Curta-Metragem de Taquaritinga do Norte. Por enquanto, a programação está voltada para a formação com o DocLab - Laboratório de Realização de Documentários. Os encontros estão sendo virtuais, gravados e ao vivo, mas haverá a produção de documentários com momentos presenciais com um grupo restrito. Devido à procura, uma segunda turma foi criada e as aulas começam em fevereiro. Os trabalhos produzidos pelos dois grupos serão apresentados durante a exibição de filmes no festival, de 16 a 22 de março de 2021, no site www.curtataquary.com.br.

O Laboratório está reunindo 41 pessoas apaixonadas por documentários só na primeira turma. Boa parte já produziu algum trabalho e quer se aprimorar. Paula Matos é uma delas: “Trabalho com edição e documentário. Por isso, quero me aperfeiçoar na área”, disse. Raissa Dourado, também. Ela é realizadora de documentários em Porto Velho, Rondônia, e “como aqui temos essa carência de formação/capacitação, busco formação para me aperfeiçoar e poder repassar também conhecimento”, explicou.

Mas o grupo também tem gente que quer dar os primeiros passos na produção de documentários. Jadson Barreto está fazendo pós graduação em Educação Ambiental e Cultural no IFPE e terá como trabalho de conclusão de curso um vídeo sobre a comunidade Quilombola Ilha de Mercês, em Ipojuca/PE: “essa formação irá auxiliar e muito no meu desempenho, além de acrescentar conhecimento sobre a área que sou curioso”, justificou.

Os cineastas-educadores Marlom Meirelles e Kennel Rógis estão conduzindo essa primeira turma do laboratório e cada um vai orientar um grupo na execução do documentário. A segunda turma terá Marlom Meirelles e Antonio Fargoni, com programação começando a partir de 1° de fevereiro. “Estou muito surpresa com o bom andamento da turma, a gente nota comprometimento, uma responsabilidade com o curso e interesse mesmo em participar”, confessou a coordenadora pedagógica do evento, Amanda Ramos.

Curadoria – Outra equipe que também já está trabalhando no Curta Taquary 2021 é responsável pela curadoria dos filmes. Ao todo, 521 filmes foram inscritos para o festival, de 23 estados brasileiros, além do Distrito Federal. Caroline Pavez é produtora e distribuidora de filmes, mora no Chile e participa da seleção dos curtas da Mostra Internacional do festival desde 2015. “No que se refere à curadoria desta edição do Festival de Cinema Curta Taquary, serão apresentadas propostas narrativas experimentais, vídeo-dança, documentário, etc. que ofereçam a possibilidade de hibridismo virtual”, adiantou.

A programação completa do 14º Festival Curta Taquary será divulgada no dia 1º de março. O evento tem o aporte financeiro do Edital de Festivais LAB PE da Lei Aldir Blanc e é uma realização das produtoras Taquary Filmes e Tá Bonito Pra Chover Produções.

Serviço

14º Curta Taquary – Festival de Curta-Metragem de Taquaritinga do Norte

Exibição de filmes acontece de 16 a 22 de março no site www.curtataquary.com.br

Antônio Hilário

História de Garanhuns - Era um exímio jogador de bilhar. Suas tacadas, seguidamente,  ultrapassavam sempre um milhar. Tinha outra habilidade - ganhava em todo tempo, na roleta, pois, com raciocínio rápido, calculava as voltas de tal instrumento de jogo de azar  e, em seguida, colocava o dinheiro, abrangendo quatro números consecutivos. Não falhava. Nas épocas natalinas, quando o jogo de azar campeava livre na Rua Santo Antônio, ele era impedido, pelos donos de banca de fazer jogadas. Morava com umas tias que exerciam a profissão de engomadeiras, numa meiágua vizinha a Antônio Paulo, na Rua do Recife (Rua Dr. José Mariano).

"Lute! Reacenda a luz que se apagou!" - Dylan Thomas (1914-1953), poeta e escritor galês.

Hóspede de Ideias

A mente hospeda  muitas ideias e a memória projeta suas variadas formas. Sentir a beleza de sua essência é condição intransferível do apercebimento.  Para tanto, necessário se faz algo de aperfeiçoamento, e também depende de vigilância em todos os momentos da ação. Teremos de estar limpos e psicologicamente receptivos às entidades espirituais. A nossa personalidade deve assimilar as reservas de bondade e não representar ideias de ódio ou maldição. É preciso reconhecer a prosperidade desses argumentos. A ética espiritual é pontilhada de muitas formas e seguimento, para que se possa penetrar na gênese de seus atributos.

A paz restauradora é temática fundamental desses argumentos. A maneira da providência divina revelar o seu poder infinito, é o objetivo indeclinável. Só um estado de tranquilidade perfila a evolução dos costumes no comportamento do ser humano. Nossos olhos não devem nevoarem-se de pranto - porque o instante de transição é prenúncio dos albores de mais um período de vida e prosperidade. Não é de estranhar que nesse estado recolhemos grandes colheitas de energia e de paz - como benesse da serra de confraternização.

Basta a conscientização de que todos os atos emocionais são passageiros. Só o bem é eterno. Tudo isso deve ser percebido com discrição para evitar margem ao sensacionalismo forte de incompatibilização entre os elementos que se concentram no seio das comunidades. A crença nas coisas superiores, parece ser um alimento mental, tão necessário à vida do Espírito quanto os alimentos materiais à nutrição. O bom estado do somático tem influência no equilíbrio mental.

O civilizado não poderia dispensar esse estado de observação. É inútil recriminar. A crença de acordo com a sua lógica mística é uma dominadora irresistível. A sua atração se exerce desde que o homem se aproxima de sua esfera de ação. Os seus movimentos são objetivados de modo eficaz.

É um empreendimento de renovação constante em termos necessariamente aplicados. Muitas vezes novos ordenados modificam o padrão vibratório das forças psíquicas do ser humano. Esses novos atributos muitas vezes escapam ao raciocínio vulgar. Certo é que ninguém permanece ao abandono. Vivemos cercados de testemunhas que observam as nossas reações. Deus permite que a alvorada siga à noite escura e uma nova luz brilha com intensidade.

Esse princípio exige o homem despojar-se de todas as infantilidades dessa vida. Deve ser guiado pela luz crística existente no mundo de cada um de nós. É a revelação do seu paraíso doméstico. Da união dos universos que se entendem e se identificam pela consciência da bondade natural.

No ponto de vista filosófico o raciocínio tem seus motivos específicos. Especialmente no que tange as premissas estabelecidas para o desenvolvimento do pensamento positivo. É aconselhável jamais aceitar qualquer coisa como verdadeira em que ela seja evidentemente conhecida como tal. E rejeitar como falsas todas aquelas em que podemos imaginar a menor dúvida. A mente hospeda todas as ideias. O Discurso do Método é a fonte originária da lógica racional. "Penso logo existo" - Segundo Descarte.

José Francisco de Souza / Advogado, jornalista e historiador / Garanhuns, 28 de Maio de 1983.

Revelação I

Luzinette Laporte de Carvalho (foto)*

Tento organizar minhas ideias, tornar-me clara  e simples. Mas não é fácil, porque me sinto confusa, preocupada em dizer-te o que sinto.

Medito: eu te introduzi na minha casa como a Esposa do Cântico dos Cânticos. Tu, como o Esposo, te  introduziste.

Para outros, esta linguagem seria insólita. Porque não estão sabendo que ao te introduzires na minha casa, tu te fizeste o dono, o que recebe. Reduziste à  situação de hóspede.

Como hóspede, quis oferecer-te algo. Não material e nem espiritual. Algo que fosse ao mesmo tempo matéria e espírito. O que de mais precioso eu tivesse: o pão e vinho. E a foto da minha primeira jamais  tocada/revelada juventude, onde se podem ver o pensamento, a reflexão e as lágrimas.

Tu me havias ofendido,  e por isso eu teria que entrar em casa de alma despida. Totalmente despida. E acolher-me em ti.

Só assim eu poderia saber se aquilo que eu carregava em mim, estava em ti, também: meu desnudamento, meu despojamento, o desarmar de minha alma.

Teria que saber se estavas pronto para me receberes. E isto eu só o saberia se te visse pronto a tomares nas tuas mãos, na tua alma, no teu amor, o meu jovem ser e me compreender, me descobrir.

Teria que dizer tudo. Tudo que estava em mim: as coisas que era e as que não eram mais. E porque te julguei apto, dei-te a conhecer todas elas. Deixei que  tocasses as chagas com teus dedos.

O toque foi demasiado forte. Ficaste atônito. Então aguardei. Não pus penso nas chagas. Para que pudesses conhecê-las na sua crueza. E, sozinho, dar-lhes o bálsamo.

"É muito forte", disseste. "São verdadeiras". Aguardei ainda. "Eu serei o bálsamo", acrescentaste. Enfim, havias compreendido. Porque, afinal, tu mesmo me havias chagado.

Tuas mãos, com infinita firmeza, ternura, me conduziram para o rito do amor. Foi nesse momento que  me senti na minha casa. Ali, nada havia que não fosse m(eu). Senti-me livre. Livre presa. Pude então acolher-te, ao invés de me acolheres como até então.

Tudo, naquele momento, se passou diante dos meus olhos cerrados. Até que teu chamado me chegou a mim: pela tua quietude, pelo teu silêncio.

Obrigaste-me, por eles, a abrir os olhos. Então eu vi o que não sei dizer que vi. Pela segunda vez eu vi: teu rosto de homem teu olhar de homem, tua face de desejo e de posse. Vi e permaneci presa ao que vi, sem condições de me libertar.

E porque senti quanto estavas ferido pelas chagas que abriras, esperei que tudo - formas, cores, sons, movimentos - se movesse em tua direção. Meus dedos se fizeram mais suaves e meu silêncio mais denso. Perdia-me, como sempre, na rosa-dos-ventos, e todos os horizontes implodiram em mim.

A ternura difusa condensou-se no meu olhar e nos meus lábios. Tomei-te nos braços como um filho: "Vem!" E ao tomar-te nos braços, estava eu nos teus braços, como nos braços de um pai.

Fiz-me criança, brinquei contigo.

Soube que não me seria, jamais, possível renegar-te.

Eu te sofro, eu te assumo, embora doam-me todas as tuas inseguranças: porque de doem tanto, repercutem em mim.

Mas o que conta és tu. Conta tua dolorosa forma de gritar tua chaga que me abre chagas. Conta a tua alma desnudada como a minha, chagada, lacerada, iluminada.

*Escritora e professora / Livro Revelações / Garanhuns / 2010.

Augusto Duque: "O Diocesano é como uma tatuagem, quem passa por lá fica com uma marca eterna"

No começo de setembro (1979) fui ao Colégio Diocesano rever o Padre Adelmar e lembrar dos anos em que lá estudei. Tudo continua no mesmo e ao ver, num domingo ensolarado, o padre lendo os seus antigos livros religiosos, me emocionou e pensei: "Esta profundidade e dedicação às boas causas são admiráveis".

Quem assim falou foi o desembargador Augusto Duque (foto), ex-aluno do Diocesano de Garanhuns, que elogiou o nível do educandário. "Nosso colégio era simples, dentro de uma realidade fora do comum. Escola de interior feita para pessoas do interior. Nada de sofisticação, no entanto tudo era organizado e lá se aprendia mesmo e com alegria".

O magistrado enfatizou que foi à sombra do exemplo dos diretores do educandário, a princípio Padre Anchieta Callou e depois Padre Adelmar Valença que se fez completa sua formação. O que eu aprendi em casa, as noções de honradez e moralidade, foram complementados pelos ensinamentos recebidos naquele colégio.

Finalizando, Augusto Duque disse que o Diocesano é "como uma tatuagem. Quem passa por lá fica com uma marca eterna". E explicou: De todas as partes do Brasil vem constantemente ex-alunos do colégio visitá-lo. Isso aconteceria se o Diocesano fosse uma escola igual às outras? Não. Mas a nossa escola sempre foi muito especial".

Aqui deves entrar como um templo.

Com a alma pura e o coração sem susto.

Aqui recebes da virtude o exemplo.

Aqui aprendes a ser meigo e justo.

Ama esta casa! Pede a Deus que a guarde.

Pede a Deus que a proteja eternamente.

Porque. Talvez, em lágrimas, mais tarde

Te vejas, triste, desta casa ausente.

Fonte: Caderno Especial do Jornal do Comercio / Domingo, 28 de Outubro de 1979

"O meio de a gente sair de uma dificuldade é sempre esse - lutar, lutar..." - Monteiro Lobato (1882-1948), editor de livros e escritor paulista.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Um recado

Eu digo, assim... ouvi, atento, há pouco, o discurso de posse do novo presidente dos Estados Unidos. Até aqui, tudo normal. Uma cigarra chegou aqui perto, em um poste certamente, e se largou a cantar alto, mas tão alto, que me chamou atenção. E enquanto durou o pronunciamento, a cigarra intensificou o canto. Saiu, depois, e fiquei pensando que o mundo ganhava na cabeça um grande Presidente. A cigarra, eu digo, anunciava um novo tratamento que será oferecido à natureza e ao mundo, pela paz do planeta, de flora, fauna e de céus.

João Marques

Oficina virtual de fotografia “O que eu vejo” está com inscrições abertas

Fotógrafo, videomaker e estudante de pedagogia, Vinicius Rodrigues comandará a oficina virtual de fotografia “O que eu vejo”, nos próximos dias 23, 25 e 27 de janeiro. As inscrições para atividade, que conta com os recursos da Lei Aldir Blanc em Pernambuco, são gratuitas e podem ser feitas até a próxima sexta-feira (22), pelo link: forms.gle/re6QJTafHSjQmk117.

“O objetivo do curso é estimular o desenvolvimento do olhar fotográfico, em conjunto com um olhar crítico sob a sociedade e suas relações. Com as noções e os conhecimentos desenvolvidos nas aulas virtuais, será possível a prática fotográfica independente do equipamento utilizado, além de levantar reflexões sobre aquilo que estamos fotografando”, conta Rodrigues sobre a proposta da atividade. A confirmação da participação será via e-mail.

Serviço

Oficina virtual de fotografia “O que eu vejo”, com Vinicius Rodrigues

Inscrições gratuitas até o dia 22 de janeiro (sexta-feira), pelo link: forms.gle/re6QJTafHSjQmk117.

Mais informações: @viniciusrodrigues.arte

"Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar nas grandes escolhas da vida." - Steve Jobs (1955-2011), empresário norte-americano, fundador da Apple Ins.

Projeto recebe inscrições de fotógrafos para exposição sobre Pernambuco

Festival de Inverno de Garanhuns - O Sorveteiro Antônio por muitos anos animou os turistas na Avenida Santo, "Largo do Colunata", sempre feliz demonstrava seu amor pela cultura popular.
Foto: Anchieta Gueiros

O projeto “Meu Olhar Sobre Pernambuco” abriu inscrições, nesta terça-feira (19), para que fotógrafos amadores e profissionais enviem material para compor uma exposição que reunirá imagens de personalidades e manifestações culturais pernambucanas. Aprovada no Edital de Criação, Fruição e Difusão LAB-PE, a iniciativa vai realizar uma mostra virtual e presencial em março deste ano, com todas as imagens selecionadas. A organização irá premiar os finalistas e divulgar a biografia de todos os participantes no canal digital.

Os interessados deverão se inscrever até o dia 29 de janeiro, no site do projeto: www.meuolharsobrepe.com.br. No endereço eletrônico, estão disponíveis o formulário de inscrição, edital, documentação exigida e orientação para o envio das fotos. É necessário que as obras tenham abordagem na área da cultura, turismo, gastronomia ou relacionadas com alguma personalidade cultural do Estado, por exemplo.

“Esperamos receber participantes dos quatros cantos de Pernambuco. A proposta do projeto é apresentar recortes fotográficos da Região Metropolitana, Mata Norte, Mata Sul, Agreste e Sertão”, detalha o idealizador do projeto, Jonnathan Silva. Ainda segundo ele, a ideia é potencializar o trabalho de fotógrafos do Estado, que se dedicam na produção de fotografias espontâneas sobre a região. “Será uma oportunidade de reunir talentos desconhecidos com nomes já consagrados”, destaca Jonnathan.

Serviço

Exposição Meu Olhar Sobre Pernambuco

Inscrições gratuitas de 19 a 29 de janeiro de 2021, pelo site: www.meuolharsobrepe.com.br

Evento: previsto para acontecer em março de 2021 (formato presencial e virtual)

"Meus fracassos são minhas vitórias. Detestaria estar no lugar de quem me venceu." - Darcy Ribeiro (1922-1997), antropólogo, escritor e político mineiro.

Chico Prêto

Garanhuns - Beco do Engole Homem (Atual Rua Dom Luís de Brito - Beco do Bispo)
Dumuriê Vasconcelos*

História de Garanhuns - Chico Prêto era um senhor alto e forte, já na casa dos trinta anos, que vivia de remendar sapatos num quartinho apertado no Beco do Engole-Homem.

Era um ignorantaço de  primeira. Lia gaguejando e apenas garatujava o nome, coisas que aprendera já maduro, depois que o professor Pantaleão lhe dera uns esbregues e o metera à força no curso noturno do Centro Proletário. Era rude de inteligência. Por isso, aprendeu com alguma dificuldade; mas tão logo se sentiu letrado, deu para gazear aulas e nunca mais frequentou a escola. Inquirido um dia, em plena rua, pelo velho professor, por que não mais queria estudar, respondeu sorrindo, mostrando duas fileiras de dentes sadios, impecavelmente brancos e tão certos como se fossem aparados à gume de faca: Ora "seu" Panta, já leio folheto de feira. Tou "satisfeito". Nada serviu, então que o convencesse a voltar às aulas.

Chico Prêto era tido como gabola. Vivia se gomando de ser o melhor sapateiro da cidade. Dizia que "ninguém ia ouvir o seu ponto", que era o maior, o insubstituível, a própria perfeição em pessoa. Os outros, os seus companheiros de ofício, no seu conceito não passavam de menos "lambedores de sola". E à guisa de reforço, ele falava da excelência do material que empregava, do esmero contido em sua mão-de-obra, da consideração que dispensava à freguesia. E rematava para fim de conversa: "só trabalho pra gente decente. Sabe recompensar o "selviço". E como aqueles que ouviam tais preleções quisessem se incluir no rol das pessoas decentes, numa atitude bem característica de fraqueza humana, nunca ficava o manganão sem trabalho, e, em consequência, ia ganhando os seus bons cobres.

Era estimado, contudo, até mesmo pelos humildes companheiros de profissão que diziam, numa largueza de coração, que, tirando "aquilo", o Chico Prêto era na verdade uma "boa praça."

*Jornalista e historiador / Garanhuns, 13 de Março de 1976.

"Não é a inteligência nem a ciência que salvam o homem: é o amor." - Charmot.

Ano 2021 - Garanhuns - Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti
Foto: Anchieta Gueiros


Viver nas alturas

Lembre-se, os "ratos" não resistem às alturas...
Foto: Anchieta Gueiros
Nisan Baía*

Quando era ainda bem pequeno, olhava para as pessoas adultas e parecia ver suas cabeças tão distante da terra e perto do céu que pensava" "... puxa...! como é bom a gente estar lá em cima... como podemos enxergar as coisas que estão distantes de nós... e, nem é preciso subir no muro para olhar o que se encontra do outro lado... Por que minhas pernas não crescem logo, e minha cabeça fique lá bem alto e eu possa avistar melhor as coisas belas da natureza...?"

As alturas nos fascinam a todos, não só às crianças. Desejamos subir porque não somos só da terra. Somos seres que o céu com todos os seus segredos, e a terra com todas as suas descobertas, não o são. No Livrinho "Imitação de Cristo", podemos ler: "O homem possui duas assas por meio das quais plana acima das coisas da terra, que são: a pureza e a simplicidade."

É bom, aprender a gostar  de subir. Porque há muita coisa que não gosta, ou não suporta as alturas... - Aqui vai um exemplo: - Logo após a Primeira Grande Guerra Mundial, De Haviland, jovem piloto inglês, experimentava seu frágil avião monomotor numa arrojada aventura ao redor do mundo. Pouco depois de levantar voo de um dos pequenos e improvisados aeródromos na Índia, ouviu um estranho ruído que vinha de trás do seu assento. Percebeu logo que havia um rato a bordo e que poderia, roendo a cobertura de lona, destruir seu frágil avião. Poderia voltar ao aeroporto para livrar-se de seu incômodo, perigoso e inesperado companheiro de viagem. Lembrou-se, contudo, de que os ratos não resistem a grandes alturas. Voando cada vez mais alto, percebeu pouco a pouco, cessarem os ruídos que quase punham em perigo sua viagem.

Assim é avida... Quando "ratos" ameaçam destruir-lhe por inveja, calúnia ou maledicência, voe mais alto!... Se o agridem, voe mais alto!... Se o acusam, voe mais alto!... Se o criticam, voe mais alto!... Se lhe fazem injustiças, voe mais alto!...

Lembre-se, os "ratos" não resistem às alturas...

Garanhuns, 13 de Março de 1976.

"A vida é um hospital, onde quase tudo falta. Por isso ninguém te cura. E morrer é que é ter alta." - Fernando Pessoa (1888-1935), poeta português.

Rua Valdemar Gomes dos Santos - Garanhuns, PE

Dona Maroca

História de Garanhuns - Dona Maria do Carmo Macêdo de Moraes (dona Maroca), grande exemplo em nossa cidade de muita espiritualidade e amor aos mais pobres, não só de Garanhuns como de outras cidades. Confeccionava diariamente roupinhas para recém-nascidos e crianças de até doze anos. As roupas eram confeccionadas de retalhos doados por algumas pessoas e recolhidas por sua neta.

Além de Garanhuns, dona Maroca (foto) entregava peças em Bom Conselho, Capoeiras, Poço Comprido, e sítios adjacentes. "Estou realizando um sonho de criança que era ser costureira e professora, mas naquela época, década de 1920, uma mulher solteira não tinha a liberdade de sair de casa para fazer um curso devido a educação Patriarcal", falava dona Maroca.

Apesar da idade de dona Maria Macêdo ela continuava costurando para não deixar os retalhos ir para o lixo.

*Texto transcrito do Jornal Folha de Garanhuns de dezembro de 1994.

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Saiba quantas doses da CoronaVac cada município de Pernambuco receberá nesta primeira fase


Pernambuco recebeu, nessa segunda-feira (18), um lote com 270 mil doses da vacina CoronaVac para iniciar o processo de imunização contra a Covid-19 no Estado. Nesta terça (19), os 184 municípios, além do arquipélago de Fernando de Noronha, começaram a receber os seus quantitativos. 

Neste primeiro momento, apenas profissionais da saúde que atuam na linha de frente de combate à Covid-19, indígenas aldeados e idosos e deficientes institucionalizados receberão o imunizante acordo com a recomendação feita pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE).

A distribuição das doses por município, portanto, não é equivalente à porcentagem total de habitantes em relação ao Estado, mas à quantidade de residentes que integram esses grupos prioritários. 

Por isso, é possível ver municípios menores, a exemplo de Jatobá e Tacaratu, que concentram grande quantidade de aldeias indígenas, recebendo lotes maiores do que outros com maior população, como Caruaru e Garanhuns. 

Das 270 mil doses enviadas para Pernambuco, 229.326 foram encaminhadas para os municípios, que deverão administrar a aplicação seguindo o critério de prioridade pré-estabelecido pela SES-PE.  

As demais doses, mais de 40 mil, ficaram sob responsabilidade do Governo do Estado para a vacinação nas suas unidades hospitalares. Por isso, municípios que têm unidades de saúde do Estado poderão receber lotes maiores, destinados a atender esse público específico. 

I Geres - sede Recife

Abreu e Lima: 1.386

Araçoiaba: 312

Cabo de Santo Agostinho: 3.480

Camaragibe: 4.358

Chã Grande: 252

Chã de Alegria: 210

Glória do Goitá: 384

Fernando de Noronha: 380

Igarassu: 2.514

Ipojuca: 1.538

Ilha de Itamaracá: 852

Itapissuma: 466

Jaboatão dos Guararapes: 13.356

Moreno: 822

Olinda: 6.184

Paulista: 3.586

Pombos: 240

Recife: 64.792

São Lourenço da Mata: 1.660

Vitória de Santo Antão: 2.170

Total: 108.942

II Geres - sede Limoeiro

Bom Jardim: 304

Buenos Aires: 116

Carpina: 704

Casinhas: 122

Cumaru: 168

Feira Nova: 184

João Alfredo: 276

Lagoa de Itaenga: 238

Lagoa do Carro: 202

Limoeiro: 946

Machados: 244

Nazaré da Mata: 730

Orobó: 172

Passira: 456

Paudalho: 646

Salgadinho: 70

Surubim: 756

Tracunhaém: 172

Vertente do Lério: 158

Vicência: 388

Total: 7.052 

III Geres - sede Palmares

Água Preta: 318

Amaraji: 192

Barreiros: 536

Belém de Maria: 120

Catende: 504

Cortês: 152

Escada: 626

Gameleira: 324

Jaqueira: 156

Joaquim Nabuco: 160

Lagoa dos Gatos: 170

Maraial: 142

Palmares: 1.314

Primavera: 120

Quipapá: 388

Ribeirão: 466

Rio Formoso: 256

São Benedito do Sul: 94

São José da Coroa Grande: 232

Sirinhaém: 654

Tamandaré: 276

Xexéu: 196

Total: 7.396 

IV Geres - sede Caruaru

Agrestina: 302

Alagoinha: 202 

Altinho: 256

Barra de Guabiraba: 140

Belo Jardim: 768

Bezerros: 1.038

Bonito: 588

Brejo da Madre de Deus: 410

Cachoeirinha: 220

Camocim de São Félix: 208

Caruaru: 5.928

Cupira: 246

Frei Miguelinho: 158

Gravatá: 1.088

Ibirajuba: 120

Jataúba: 192

Jurema: 138

Panelas: 270

Pesqueira: 13.126

Poção: 98

Riacho das Almas: 262

Sairé: 166

Sanharó: 194

Santa Cruz do Capibaribe: 856

Santa Maria do Cumbucá: 76

São Bento do Una: 518

São Caitano: 450

São Joaquim do Monte: 228

Tacaimbó: 202

Taquaritinga do Norte: 182

Toritama: 264

Vertentes: 236

Total: 29.130 

V Geres - sede Garanhuns

Águas Belas: 5.588

Angelim: 92

Bom Conselho: 452

Brejão: 120

Caetés: 186

Calçado: 118

Canhotinho: 144

Capoeiras: 224

Correntes: 192

Garanhuns: 2.880

Iati: 242

Itaíba: 196

Jucati: 136

Jupi: 136

Lagoa do Ouro: 136

Lajedo: 322

Palmerina: 102

Paranatama: 144

Saloá: 170

São João: 222

Terezinha: 64

Total: 11.866

VI Geres - sede Arcoverde 

Arcoverde: 1.298

Buíque: 2.648

Custódia: 326

Ibimirim: 3.114

Inajá: 1.888

Jatobá: 4.316

Manari: 128

Pedra: 180

Petrolândia: 1.092

Sertânia: 322

Tacaratu: 5.344

Tupanatanga: 420

Venturosa: 222

Total: 21.298

VII Geres - sede Salgueiro

Belém do São Francisco: 784

Cedro: 191

Mirandiba: 360

Salgueiro: 2.844

Serrita: 205

Terra Nova: 106

Verdejante: 105

Total: 4.596

VIII Geres - sede Petrolina

Afrânio: 210

Cabrobó: 4.769

Dormentes: 230

Lagoa Grande: 294

Orocó: 443

Petrolina: 7.799

Santa Maria da Boa Vista: 393

Total: 14.138

IX Geres - sede Ouricuri

Araripina: 648

Bodocó: 469 

Exu: 384

Granito: 96

Ipubi: 365

Ouricuri: 1.499

Parnamirim: 253

Santa Cruz: 206

Santa Filomena: 146

Trindade: 327

Total: 4.393

X Geres - sede Afogados da Ingazeira

Afogados da Ingazeira: 686

Brejinho: 107

Carnaíba: 203

Iguaracy: 119

Ingazeira: 70

Itapetim: 158

Quixaba: 44

Santa Terezinha: 136

São José do Egito: 541

Solidão: 94

Tabira: 342

Tuparetama: 178

Total: 2.678

XI Geres - sede Serra Talhada

Betânia: 213

Calumbi: 73

Carnaubeira da Penha: 9.158

Flores: 238

Floresta: 1.569

Itacuruba: 328

Santa Cruz da Baixa Verde: 153

São José do Belmonte: 419

Serra Talhada: 1.721

Triunfo: 188

Total: 14.061

XII Geres - sede Goiana

Goiana: 972

Aliança: 374

Camutanga: 99

Condado: 180

Ferreiros: 95

Itambé: 358

Itaquitinga: 153

Macaparana: 264

São Vicente Ferrer: 171

Timbaúba: 631

Total: 3.297 

Fonte: Folha de Pernambuco