sábado, 24 de abril de 2021

Coletivo de artistas lança o álbum “Ontem é muito longe daqui: disco de poemas”

Cinco artistas, nove fonogramas, um disco. “Ontem é muito longe daqui: disco de poemas” é resultado do encontro entre José Juva (poemas e voz), Camillo José (guitarra), Juliano Muta (baixo e voz), Rimas Inc. (beats e programações eletrônicas) e D Mingus (produção e edição musical). O disco será lançado na próxima terça-feira (27), no Youtube, Spotify, Soundcloud e Bandcamp. A proposta artística oriunda desse combo criativo é uma deambulação pelos territórios da poesia de invenção em voz alta e das experimentações sonoras num jogo com as possibilidades de expansão da palavra poética. Além de liberada para audição nas plataformas digitais, a obra também estará disponível para download gratuito: linktr.ee/josejuva.

A viagem sonora abre com a faixa “Sítio ensolarado”, poema envolto num rock rural minimalista, futurista. “Apenas vasta memória”, na sequência, é uma guitarrada cheia de suingue junto ao registro discursivo do texto. “O oceano continua barulhento”, logo após, é quase uma oração, um mantra de entrega telúrica atravessado por paisagens sonoras que anunciam amplidão.

A quarta faixa do álbum é “Os pés descalços indo bem longe”, um delirante diário combinado com ambiência pós-rock. “As ruminações de uma vaca sideral”, quinta faixa, apresenta um passeio madrugada adentro com ares de synthpop tropical. A sexta faixa é o baião freak e psicodélico de “Todos temos fantasmas suficientes”, longo poema como uma espécie de reflexão política planetária.

“Embalado pelas chuvas que só começam” recupera memórias eletrônicas num lirismo encharcado pelo suor das pistas de dança e embebido nas gargalhadas das manhãs e tardes de videogame. A oitava faixa da obra é um pequeno e sensível estudo confessional sobre o amor batizado de “Caranguejo feito de estrelas e lixo”. “Êxtase ininterrupto” finaliza o disco com o desenho do ambiente apocalíptico do antropoceno, poema carregado do nosso caos contemporâneo.

As gravações, edições, mixagens e masterizações da obra aconteceram entre janeiro e abril deste ano. “Ontem é muito longe daqui: disco de poemas” é uma obra autoral coletiva, que foi contemplada pelos recursos da Lei Aldir Blanc em Pernambuco.

"Não poderia ser mestre quem nunca foi aluno."

Autor Desconhecido.

Os Espíritos agem sobre a matéria

"O Espiritismo nos  informa que o fluido universal  é suscetível, pelas suas inúmeras combinações com a matéria e sob a ação do Espírito, de produzir a imensa variedade de coisas, que apenas conhecemos uma mínima parte delas". (Cel. Gothardo Miranda, "In Ação do Espírito sobre a matéria", Apud Anais do Instituto de Cultura Espírita do Brasil, vol. III).

Muitas perguntas nos foram endereçadas nestes últimos dias, buscando explicações para certos fenômenos ocorridos recentemente nesta cidade. Numa casa de família, objetos  foram queimados, deixando paredes chamuscadas. Outras coisas eram lançadas à distância e até mesmo quebradas sem qualquer intervenção humana. Na companhia de outras pessoas, registramos a fidelidade dos fatos e, para tanto, depois de vermos as marcas sensíveis deixadas nos objetos ouvimos o pronunciamento dos donos da casa. 

Embora pareça inusitado o modo como uma coisa se queime ou se projete à distância, sem a ação do homem, tais fenômenos sempre aconteceram no tempo e no espaço. De quando em vez, a imprensa falada e escrita notícia estes fatos. A Bíblia registra incontáveis casos de fogo espontâneo, de transportes e de tantos outros. No "Livro dos Livros", como se convencionou chamar as Sagradas Escrituras, acham-se arrolados incontáveis casos surpreendentes, hoje catalogados na fenomenologia paranormal ou espírita. Quem for mais curioso, procure o Velho Testamento. Lá, fenômenos de parapirogenia (fogo espontâneo), encontramos as  pampas. O Espírito falou a  Moisés, numa chama de fogo de uma sarsa que ardia sem se consumir. Quando se retiravam do Egito em  busca da terra prometida, os israelitas eram guiados por uma coluna de fogo, durante as noites. Ao receber as tábuas da lei, fumegava o Sinal. Sodoma e Gomorra foram consumidas sob a violência de fogo espontâneo. E assim, continuam os relatos sagrados.

A Parapsicologia, com a denominação de fenômeno psikapa, ou simplesmente PK, arrolou os casos já estudados e comprovados pelo Espiritismo, sob a  designação de fenômenos de efeitos físicos. Allan Kardec no "O Livro dos Médiuns", além de outros, desenvolve completo estudo sobre a ilimitada ação dos espíritos sobre a matéria. Quem desejar maiores respostas a sua natural curiosidade, procure ler o Capítulo IX (Intervenção dos Espíritos no Mundo Corpóreo), no Livro dos Espíritos.

Literatura imensa apresenta o Espiritismo sobre todos estes fatos. Os livros de André Luiz explicam a fisiologia, o mecanismo dos fenômenos de  efeitos físicos. Convém enfatizar que todos os fenômenos paranormais ou espíritas estão Bíblia. Quem tem olhos de ver, procure enxergar. A intervenção dos espíritos na vida do homem e sua influência psicomotora sobre seres o objetos, tem  sido uma constante em todas as épocas da humanidade. "Nada de novo debaixo dos  céus". A criação do mundo é um ato espírita (ação de espíritos), do mesmo modo, como o foi a do universo. A missão do Consolador prometido por Jesus à humanidade, não é outra senão a que vem empreendendo o Espiritismo. "Tenho ainda muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora; quando vier, porém, o Espírito da  verdade, ele nos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas que hão de vir. Ele me glorificará porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar." Estas palavras eram proferidas pelo Cristo, conforme nos relata o Evangelho de João.

Dr. Aurélio Muniz Freire / Jurista e escritor / Garanhuns, 21 de abril de 1979.

Convênio entre Prefeitura de Garanhuns e AESGA oferece Pós-Graduação em Gestão de Negócios e Pessoas


Na manhã desta sexta (23), aconteceu no Auditório da Aesga a Aula Inaugural do curso de Pós-Graduação em Gestão de Negócios e Pessoas, promovido por meio de convênio entre a Prefeitura de Garanhuns e a Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns - AESGA. O curso, que é oferecido de forma gratuita, contempla gestores, supervisores, coordenadores e secretários escolares da Rede Pública Municipal de Ensino. 

A secretária de Educação, Wilza Vitorino, destacou em sua fala a importância e a preocupação do prefeito Sivaldo Albino em valorizar e oferecer, cada vez mais, mecanismos para elevar a educação de Garanhuns. “Parcerias como esta são imprescindíveis para oportunizar aos nossos profissionais da rede meios de formação e especialização, valorizando e investindo na nossa equipe”. 

Na oportunidade, a presidente da Aesga, Adriana Carvalho, reforçou o apoio da Autarquia junto à Prefeitura na construção da educação que Garanhuns merece e precisa. Participaram do momento ainda, a secretária de Cultura, Sandra Albino; o diretor de monitoramento, Rodolfo Alves; a diretora de ensino, Michelle Espinhara, entre outros membros da Secretaria de Educação e da AESGA. 

Foto: Thomas Ravelly

Texto: Mayara Carrilho.

sexta-feira, 23 de abril de 2021

O bom amigo de todos

Ivo Amaral*

Garanhuns sempre teve muita sorte com a grande maioria dos seus médicos e políticos. Othoniel Furtado Gueiros foi, durante décadas, um excelente médico, bom político, mas acima de tudo um perfeito  chefe de família, amigo de todas as horas e vocacionado para o evangelho cristão. Em nenhuma de suas atividades ele foi um radical. Pelo contrário: sempre conviveu bem com os pobres e ricos, com os adversários na política, nunca teve desafetos na sua vida profissional e pessoal, e, finalmente respeitava todas as  religiões.

Comecei a admirá-lo quando eu ainda era jovem e o conhecido médico garanhuense era amigo do meu pai, Ismael Tinô e Silva, ambos membros da antiga União Democrática Nacional. A tradicional e respeitável UDN, de saudosa memória. Era ainda, o doutor Othoniel, primo de um meu tio, por afinidade, de nome Manoel de Carvalho e Silva, casado com a minha tia Tereza.

Othoniel, era  amigo do meu tio, o bispo da igreja católica apostólica romana, Dom João da Mata Amaral, que foi bispo de Cajazeiras, na Paraíba, diocese do Amazonas com sede na cidade de Manaus, vindo a falecer em 1955 como arcebispo de Niterói, então capital do Rio de Janeiro. Othoniel Furtado Gueiros, era, além amigo, médico de Dom João da Mata Amaral, como parte da grande família de clientes garanhuenses. Também tenho lembranças tristes, pois foi o querido médico Othoniel quem atestou a morte de meu pai, Ismael Tinô e Silva, falecido a 12 de agosto de 1953. O médico atendeu o chamado de  minha mãe, Francisca, pois eu me encontrava em Recife, preparando-me para o vestibular. Ainda hoje tenho referido documento, emitido pelo cartório Antônio Miranda, dando conta de que meu pai falecera em consequência de "Angina Pectoris", segundo a causa mortis do atestado médico. Conheci a sua saudosa esposa, dona Francisquinha, bem como duas filhas, Cleide e Ilze, e seu único filho varão, o estimado  Everardo, de quem sou amigo até os dias atuais, inclusive, tendo militado politicamente no mesmo grupo.

O rotariano Othoniel Furtado Gueiros foi vereador constituinte municipal de 1947/1951, enquanto o advogado Everardo Ribeiro Gueiros exerceu mandato legislativo municipal de 1959 a 1963. Na inesquecível eleição de 1963, para prefeito de Garanhuns, ocasião em que foi formada a chapa Amílcar da Mota Valença e Everardo Ribeiros Gueiros para prefeito e vice-prefeito, respectivamente o povo sabiamente denominou de "o irmão do padre e o filho do pastor", levando em consideração que o doutor Othoniel era também pastor  evangélico.

Nessa mesma eleição, ocorrido em 1963, fui eleito vereador, iniciando assim, a minha carreira política e estreitando ainda mais nossa amizade com Everardo que, ao término do seu mandato de vice-prefeito preferiu seguir  a sua profissão de advogado .

Membro do Rotary Club de Garanhuns, como disse anteriormente, a minha convivência pessoal com Dr. Othoniel foi iniciada mesmo através do meu pai e tios, sendo consolidada já pelo seu filho Everardo. O saudoso médico garanhuense faleceu em 1983.  Quando assumi pela segunda vez a chefia da administração municipal, como prefeito eleito pelo povo de Garanhuns, construí um posto de saúde, entre os  bairros do Magano e da Várzea e, quando de sua inauguração denominei-o de "Dr. Othoniel Furtado Gueiros".

*Ivo Tinô do Amaral foi vereador, vice-prefeito, prefeito por dois mandatos (1977/1982), (1989/1992) de Garanhuns e deputado estadual em duas legislaturas (1983/1986) e (1987/1990). Implantou o Relógio de Flores e criou o Festival de Inverno.

Imagens: (1) - Dr. Othoniel Furtado Gueiros. (2) - Posto de Saúde Dr. Othoniel Furtado Gueiros.

Processo seletivo AGU 2021 com 110 vagas


Saíram os editais n° 06/2021 e 07/2021 do processo seletivo AGU. Serão oferecidas 110 vagas de início imediato para profissionais de níveis médio e superior.

As vagas são para unidades da Advocacia Geral da União (AGU) nas cidades de Brasília, Recife, São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Processo seletivo AGU: vagas do edital n° 06/2021

O cargo de Atividades Técnicas de Formação Específica (profissional de apoio) terá 50 vagas e ganhos de R$ 1.700,00.

É preciso ter nível médio completo e experiência de um ano na área como determina o edital.

O cargo de Atividades Técnicas de Suporte (profissional de apoio) possui 50 vagas com remuneração de R$ 3.800,00.

Conforme o edital, é preciso ter nível superior completo e experiência de um ano na área.

Dentro do total de vagas existem oportunidades exclusivas para negros e para PcD.

Processo seletivo AGU: vagas do edital n° 07/2021

O cargo de Atividades Técnicas de Complexidade Gerencial (gerente) possui cinco vagas, sendo uma exclusiva para PcD e outra para negros.

Por fim, o cargo de Atividades Técnicas de Tecnologia da Informação (técnico) tem cinco vagas, sendo uma exclusiva para PcD e outra para negros.

Ambos os cargos terão ganhos de R$ 8.300,00 e jornada de 40 horas semanais. É exigido nível superior na área do cargo e experiência profissional, conforme edital.

Processo seletivo AGU: inscrições

As inscrições estarão disponíveis a partir do dia 20 de abril. O encerramento está programado 28 de abril de 2021 (segundo cronograma).

O registro será online, no site da AGU.

Fonte: Concursos no Brasil

Garanhuns - Nova prorrogação do prazo de inclusão de beneficiários do BPC no Cadastro Único


O Ministério da Cidadania publicou a Portaria n° 623, de 31 de março de 2021, prorrogando novamente o prazo para que idosos e pessoas com deficiência que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC), se inscrevam no Cadastro Único. A iniciativa visa garantir a segurança e saúde tanto dos beneficiários quanto dos gestores da Assistência Social evitando, assim, a exposição de grupos de risco ao novo coronavírus.

De acordo com o gestor do CadÚnico em Garanhuns Samuel Vitorino, por enquanto, foram adiados os procedimentos que envolvam bloqueio ou suspensão do BPC pela falta de inscrição no cadastro. “No momento, as pessoas não precisam ter pressa para se inscrever no CadÚnico e garantir o recebimento do benefício. Assim que a situação normalizar iremos levar a informação para a população”, esclarece o servidor.

Maiores informações devem ser obtidas no setor do Cadastro Único, localizado na Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos, pelo telefone (87) 3763.6567.

quinta-feira, 22 de abril de 2021

Sesc divulga atividades do projeto Arte da Palavra para o mês de maio em Pernambuco

O Sesc Pernambuco apresenta a programação de atividades do projeto Arte da Palavra – Rede Sesc de Leituras para o mês de maio. Ao todo, serão sete ações, sendo duas do Circuito de Oralidades, duas do Circuito de Autores e três oficinas do Circuito de Criação Literária. Para acompanhar as atividades, é só acessar a página do Arte da Palavra no Facebook (https://www.facebook.com/artedapalavrasesc); já para participar das oficinas, as inscrições são feitas pelo site https://cursos.sescpe.com.br/ e custam R$ 40; os trabalhadores do comércio e seus dependentes com o cartão do Sesc atualizado têm desconto e pagam R$ 20.

O Circuito de Criação Literária inicia a programação na segunda (03), seguindo até a sexta (07), com a oficina “Desprincesando o Conto de Fadas”, ministrada pela professora doutora Rosângela Hilário (RO). De 10 a 14, acontece a oficina “Poéticas do Conto – Escrita Criativa”, com o professor Wilson Coelho (ES). A última oficina será de 24 a 28, com o artista, professor e contador de histórias Keydson Costa (PA), facilitador da oficina “O Universo das Histórias Africanas”. As atividades serão transmitidas pelo Google Meet, sempre das 19h às 21h.

Na quarta (05) começa o Circuito de Autores. Os dois bate-papos virtuais serão conduzidos pelos escritores José Rezende (DF) e Bruno Azevedo (MA), que vão abordar o tema “Território e Literatura”, em duas datas: no dia 05, sob a mediação do poeta David Henrique, o Biriguy; e no dia 26, tendo o professor Anderson Lucas como mediador. Ambas serão realizadas das 19h30 às 20h30.

Encerrando a programação de maio, o mediador de leitura e debates literários Gelson Bini (SC), que também é narrador de histórias da oralidade, é o convidado do Circuito de Oralidades. Ele vai apresentar as palestras-espetáculos “Contos de Assombro”, no dia 12, das 20h às 21h; e “Era Outra Vez: O Livro e a Leitura em Tempos de Pandemia”, no dia 19, também das 20h às 21h.

“O Arte da Palavra tem ajudado a formar pessoas mais engajadas na transformação de suas realidades, pois ele empodera a partir dessa promoção da leitura que consideramos uma ferramenta necessária para compartilhar saberes”, afirma Marcilene Pereira, professora de Artes do Sesc.

Arte da Palavra – Rede Sesc de Leituras: criado em 2017, o projeto busca oferecer ações que atuem em toda a cadeia da literatura, desde a formação e divulgação de novos escritores, a valorização das obras e escritores brasileiros até as novas formas de produção e fruição literária, possibilitadas pela emergência de discursos periféricos e a utilização de novas tecnologias. Assim, as diferentes frentes contempladas pelo projeto podem contribuir para a democratização do acesso às leituras, um dos pilares para o desenvolvimento social e cultural do país. Nesta quinta edição do projeto, fazem parte 40 artistas de 24 estados.

O projeto consiste num circuito nacional de manifestações literárias composto por três eixos: o Circuito de Autores, voltado para a valorização e divulgação de autores nas diferentes comunidades literárias; o Circuito de Oralidades, voltado para contadores de histórias, performers, poetas e apresentações/saraus que mesclam poesia com outras manifestações artísticas; e o Circuito de Criação Literária, composto por oficinas literárias de diferentes temáticas, que objetiva exercitar a prática da escrita literária nas suas diferentes manifestações, e também criar leitores com maior bagagem.

Embarque na história de D'Angelo - O Viajante de Conca

A Leitura Coletiva deste romance de época vai te transportar no tempo e pelas belas paisagens da Costa Amalfitana em uma Itália no pós-guerra.

Conheça Matteo, um homem comum – na casa dos 40 anos –, mas que carrega consigo uma triste trajetória: perdeu a esposa e a filha durante a 2ª Guerra Mundial e passou a criar o filho sozinho, em Milão. Anos depois do acontecido, conhece Valentine, proprietária de um hotel na Costa Amalfitana, que faz sua vida tomar rumos que jamais havia imaginado.

Esta trama inspiradora norteia o livro D'Angelo - O Viajante de Conca, do escritor e engenheiro Sérgio Giacomelli, e será tema da próxima Leitura Coletiva da LC – Agência de Comunicação!

Mas prepare-se, pois a obra vai além de uma simples história de amor, trata também de assuntos como parentalidade, pioneirismo empresarial e empoderamento feminino. Na figura da protagonista Valentine, por exemplo, os leitores vão encontrar uma mulher independente e de personalidade marcante, que nunca se prendeu por amor.

Pronto para esta viagem? Saiba como participar:

Os trinta blogs e IG's literários selecionados para esta Leitura Coletiva vão receber o livro físico e brindes preparados especialmente pelo autor. Serão três encontros em um grupo exclusivo no WhatsApp, para discutir sobre os personagens, enredo... todos os detalhes de D'Angelo - O Viajante de Conca.

As inscrições já começaram e seguem até o próximo dia 3 de maio, neste link: https://forms.gle/vjeuqpFZxZHBXTGWA

Colégio de Aplicação realiza sorteio hoje (22) para seleção de estudantes

O Colégio de Aplicação (CAp) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) realizará, nesta quinta-feira (22), às 15h, o sorteio público para seleção dos novos estudantes que ingressam no colégio no ano letivo 2021. A transmissão será realizada, ao vivo, pelo canal da UFPE no Youtube. A lista dos sorteados com o quantitativo que corresponde ao número de vagas vai ser apresentada e lida durante o sorteio e depois disponibilizada na página da seleção.

A UFPE recebeu um total de 2.944 inscrições, sendo, para o 6º ano, 1.767 inscritos; para o 7º ano, 325 inscritos; para o 8º ano, 324 inscritos; para a 1ª série do Ensino Médio, 448 inscritos; e, para a 2ª série do Ensino Médio, 80 inscritos.

Além do sorteio para preencher o número de vagas oferecidas, serão sorteados os candidatos que ficarão na lista de espera em cada um dos setes sorteios realizados. Na página da seleção, vão constar os sorteados para as vagas de matrícula imediata, bem como os que ficarão na lista de espera. O vídeo do sorteio ficará disponível para quem não puder acompanhar a transmissão ao vivo.

O processo de sorteio, auditado por autoridades e convidados, será realizado pela Superintendência de Tecnologia da Informação da UFPE (STI), por meio do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa), já consolidado em sorteios realizados na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para estudantes de educação infantil do Núcleo de Educação da Infância (NEI). A STI também foi a responsável pela instalação e adequação do sistema ao edital do CAp.

O sorteio será acompanhado presencialmente pela comissão de seleção, formada por cinco docentes e dois técnicos do colégio, um representante do Gabinete do Reitor, um representante dos servidores, um representante dos estudantes do colégio, um representante dos pais de estudantes do colégio, um representante da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), representantes da STI, profissionais da Superintendência de Comunicação (Supercom) e ainda três pais de candidatos devidamente inscritos no processo de sorteio. Todos os presentes deverão seguir os protocolos de segurança, como o uso de máscaras e respeito ao distanciamento.

Mais informações

Página do processo seletivo: https://selecaocap.com.br/selecao2021/

Link da transmissão do sorteio: https://www.youtube.com/watch?v=Dn-BR9_B7sU

"Podemos fazer muito com ódio, porém mais ainda com o amor."

William Shakespeare (1564-1616) - Poeta e dramaturgo inglês.

Boletim Covid-19 – 21/04/2021 | Prefeitura de Garanhuns


A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância Epidemiológica, informa que foram notificados 24 casos positivos da Covid-19. 

 Mais 64 casos que se encontravam em investigação pela Vigilância Epidemiológica, junto às unidades notificantes, foram inseridos no sistema de informação. Mais 28 pessoas estão recuperadas, após cumprir o período de isolamento, e não apresentar mais sintomas da doença.

 Outros 14 óbitos estão em investigação. Ao final do processo, os casos podem ser acrescentados ao boletim, se forem de pacientes que residiam em Garanhuns e confirmados para Covid-19; ou encaminhados para registro pelos seus municípios de origem, e/ou descartados.

 Até hoje, 18328 pessoas foram vacinadas com a primeira dose e 7192 pessoas foram vacinadas com a segunda dose contra a Covid-19. Além dos grupos que aguardam a segunda dose, a vacinação segue para população com 60 anos ou mais, povos tradicionais quilombolas, trabalhadores da saúde e profissionais das forças de segurança e salvamento.

 Ao todo, já foram confirmados 8585 casos da Covid-19 em Garanhuns. Deste total, 156 pessoas vieram a óbito, 7686 estão recuperadas após cumprir o período de isolamento domiciliar e não apresentar mais sintomas; e 159 pessoas que foram confirmadas com a Covid-19 estão em monitoramento. Já foram realizados 13292 testes pela rede municipal.

 Atualmente, o município dispõe de 40 leitos clínicos, sendo 22 destes na Unidade de Tratamento Covid-19 e outros 18 na Unidade Covid-19 Palmira Sales. A taxa de ocupação dos leitos clínicos de enfermaria municipais encontra-se em 65%. O percentual não inclui o número de pacientes graves, internados em leitos de UTI. A taxa de ocupação dos leitos de UTI da Unidade de Tratamento Covid-19 encontra-se em 70%.

 Arte: Lucas Monteiro

Maior fabricante de cimento do mundo planeja deixar o Brasil, diz agência

A fabricante de cimento franco-suíça LafargeHolcim contratou o Banco Itaú BBA para assessorar a venda de sua operação no mercado brasileiro, segundo a agência de notícias Bloomberg.

A transação poderia chegar a US$ 1,5 bilhão (R$8,5 bilhões) , de acordo com executivos ouvidos pela agência.

Maior empresa de seu setor, a LafargeHolcim tem 1.400 funcionários no Brasil e 90 mil no mundo.

Segundo seu site oficial, conta com indústrias nas regiões Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil, onde é uma das maiores em atividade.

De acordo com a Bloomberg, o movimento faz parte de ação da LafargeHolcim de vender ativos para diminuir sua dívida. A empresa tem se concentrado em cortar atividades fora da Europa e vendeu unidades em países como Indonésia, Malásia e Filipinas.

A decisão da empresa vem em um momento em que o mercado da construção mantém resultados positivos no Brasil, apesar da pandemia e da crise.

Segundo o Snic (Sindicato Nacional da Indústria do Cimento), o setor cresceu 19% no primeiro trimestre de 2021, na comparação com igual período do ano passado. A entidade afirma que foram vendidas 15,3 milhões de toneladas no trimestre, 5,5 milhões em março, mês que registrou alta de 34,6%.

O sindicato considera que a alta reflete boas condições climáticas, manutenção das obras programadas e construções feitas pelos próprios donos ou moradores. Mesmo assim, fala que o cenário é de incertezas, por causa do fechamento das lojas provocado pela pandemia e a queda na renda.

A LafargeHolcim já havia vendido ativos no Brasil, junto a mais unidades em outros países, para o grupo irlandês CRH, para cumprir com obrigações concorrenciais.

O anúncio se soma ao da da Sony, que anunciou o fechamento de sua unidade em Manaus (AM), e da Ford, que decidiu encerrar todas as atividades fabris no Brasil ainda neste ano.

A LG, após anunciar o encerramento de sua divisão de smartphones globalmente, colocou sua planta em Taubaté (SP) à venda.

Fonte: Folha de PE

Curta-metragem aborda cultura das rezadeiras nas cidades de Petrolândia e Tacaratu

Está disponível no YouTube o curta-metragem “Fé na Reza”. Contemplado pelos recursos da Lei Aldir Blanc em Pernambuco, o filme, dirigido por Duda Cordeiro, é um projeto de valorização à cultura do rezado em dois pequenos municípios vizinhos do sertão de Itaparica em Pernambuco, Tacaratu e Petrolândia. Os municípios escolhidos, carregam na naturalidade local, a cultura do rezado. A intensão em unir essas cidades vem da busca pelo conhecimento e valorização desta prática, tanto pela população local de cada município, quanto pela valorização e conhecimento de cada uma dessas mulheres que terão suas histórias contadas, em suas relações nas comunidades ondem residem, seus conhecimentos adquiridos pela experiência da prática, como um intercâmbio de valorização cultural que une essas cidades.

A diretora ressalta a importância do projeto em sua vida e para sua cultura, por ser uma tradição de sua família a busca pela rezado, como uma herança familiar, transmitida entre gerações. “O projeto está para além de mostrar e contar histórias de vida, buscando enfatizar a importância do rezado na cultura nordestina dos povoados e municípios do sertão nordestino. Mostrar a prática dessa cultura que carrega consigo tantas heranças espirituais e ancestralidade de tantas culturas é também falar sobre resiliência feminina. É a cura através da fé e da espiritualidade, abençoadas pelas mãos de mulheres resistentes que não podem cair no esquecimento”, explica a diretora.

O título “Fé na Reza” surgiu pelo questionamento de infância da cineasta, que levada pela mãe desde pequena em benzedeiras, sempre fazia o mesmo questionamento: “Mãe, isso cura mesmo?” E a mãe sempre respondia: “O que cura é a fé, se você tiver fé é claro que a reza cura”, conta ela.

Quando a oportunidade de produzir o documentário finalmente foi contemplada, através do Edital Aldir Blanc do município de Petrolândia-PE, a ideia antiga produzir um documentário sobre essas rezadeiras finalmente pôde sair do papel e concretizar esse registro como forma de demonstrar um sentimento de pertencimento pela prática e a importância do rezado na vida dos sertanejos, como uma forma de registro e valorização das tradições populares. Aperte o play e confira:

quarta-feira, 21 de abril de 2021

Garanhuns - Cultura promove Formação de Agentes Culturais

O Programa de Formação de Agentes Culturais é uma iniciativa da Prefeitura de Garanhuns, por meio da Secretaria de Cultura, e contempla artistas de todos os segmentos culturais de Garanhuns. A finalidade é propor atividades formativas que abrangem a diversidade das metodologias da produção, empreendedorismo e autogestão cultural, subsidiando uma melhor organização das suas carreiras e, consequentemente, impulsionando os seus trabalhos, na construção de conhecimento, desenvolvimento de ferramentas e estratégias para o campo da cultura. 

A secretária da pasta, Sandra Albino, explica que, diante das complicações da pandemia de COVID–19, o primeiro momento do programa acontecerá de 04 de Maio a 20 de Julho de 2021, de forma online. Serão oferecidos três módulos, composto por quatro workshops de duas horas de duração cada. Os encontros serão transmitidos todas as terças-feiras, a partir das 19h, através da plataforma Google Meet e contará com a mediação dos técnicos da Secretaria de Cultura: Elias Mouret, Joesile Cordeiro, Paulo Ferreira e Stephany Metódio.

As inscrições serão realizadas através de formulário online disponível no site www.garanhuns.pe.gov.br, onde as informações detalhadas sobre as formações serão enviadas para todos que fizeram o Cadastro Cultural do município. É importante ressaltar que, além da oportunidade de aprendizado e de preparação para os próximos editais, o programa também oferecerá certificado para os participantes que frequentarem 75% dos encontros de cada módulo.

Arte: Lucas Monteiro / Texto: Mayara Carrilho

terça-feira, 20 de abril de 2021

Filmes da Mostra de Cinema Poesia na Tela estão disponíveis amanhã (21)

Começa amanhã (21) a 6ª edição da Mostra de Cinema Poesia na Tela que, pela primeira vez, será realizada de forma virtual por causa da pandemia da covid-19. Até o dia 23 de abril será possível conferir, gratuitamente, os títulos que estão no site poesianatela.com.br. Além da exibição de filmes via streaming, o evento conta com oficinas e com uma mesa de glosa.

Os filmes estão divididos em quatro mostras. Tem a de Longas Metragens com dois trabalhos, um deles é o Bem Virá, de Wilma Queiroz, primeiro longa dirigido por uma mulher no Sertão. Na Mostra Homenageada Odília Nunes estão títulos com a participação da atriz. Em Poesia para Todas as Telas, estão os filmes que têm ligação com a poesia feita na região ou documentam a vida de poetisas e poetas. Do Pajeú para Todas as Telas é a quarta mostra e é a que reúne obras produzidas no Sertão do Pajeú.

Neste ano, o Poesia na Tela presta homenagem Odília Nunes, atriz de teatro e cinema, diretora teatral, dramaturga, cordelista e produtora cultural. Ela nasceu em São José do Egito, começou a carreira artística em Tuparetama e hoje mora em Ingazeira. Ela será homenageada no encerramento da mostra com uma Mesa de Glosas Feminina. “É uma das atrações mais esperadas quando tem ela dentro da programação de um determinado festival. Os poetas e poetisas, que fazem parte da mesa, fazem a poesia através de um mote que é dado na hora. E eles não têm auxílio de nenhum instrumento”, explicou a poetisa Dayane Rocha que participará da mesa de glosas juntamente com Elenilda Amaral, Francisca Araújo, Erivoneide Amaral e Isabelly Moreira. A atração será na sexta (23), às 19h, com transmissão pelo canal do Youtube do evento.

Oficinas – Em 2021 o Poesia na Tela está com três formações virtuais. Uma começou no início do mês, a Documentando com Marlom Meirelles, e termina hoje (20). Durante a Mostra, outras duas serão realizadas. Poema em Movimento: os caminhos da Videopoesia, com Eva Jofilson, que une literatura e imagem audiovisual. Eram 25 vagas, mas tiveram 66 inscritos de 11 estados do Brasil. Ao final, 35 pessoas vão conseguir participar.

A terceira oficina é Um Passeio pela Poesia Pajeuzeira, com Dulce Lima e Dedé Monteiro, que abordará diversos estilos poéticos praticados no Sertão do Pajeú. A grande maioria de inscritos é da região do Pajeú e o número de vagas também foi ampliado, contemplando quem fez inscrição, passando de 20 para 33. “Muito feliz com a receptividade que as oficinas tiveram pelo público que se inscreveu. A gente viu um pessoal muito bacana de experiências e de expectativa com essas formações” disse Amanda Ramos coordenadora pedagógica do evento.

Garanhuns e Aguinaldo Timóteo

Clovis de Barros Filho*

São Paulo (SP) - A Casa do Sol Nascente (House of the rising sun) música que estourou na praça em 1965 cantada pela banda inglesa The Animals cujo líder Erick Burdon tornou imortal, não fez menos sucesso no Brasil na versão em português cantada por Agnaldo Timóteo. Você ligava o rádio em Garanhuns, no Rio, em São Paulo ou em qualquer outro lugar do país e só dava Quero que vá Tudo pro Inferno com Roberto Carlos ou A Casa do Sol Nascente com Agnaldo Timóteo. Era o ano de ouro da Jovem Guarda. Dois anos depois se não me falha a memória em 1967, Timóteo veio pela primeira vez à Garanhuns fazer um show no Cine Teatro Jardim com seus incríveis 1200 lugares. A cidade ficou em polvorosa. Timóteo era um dos ídolos da época fazendo tremendo sucesso,  mesmo carregando consigo a pecha de cantor brega. Naquela noite de sábado ou domingo não me lembro bem, a frente do cinema Jardim estava lotada de gente a espera do cantor. Agnaldo Timóteo sempre foi e é até hoje um cantor abusado cheio de exigências como manda a cartilha de qualquer ídolo pop. Mesmo com esse jeitão meio orgulhoso, Timóteo é um grande cara esse seu jeito faz parte e sempre fez do seu merchandising particular para se promover, é natural. 

Cine Teatro Jardim nas décadas de 1950/1960



Bem, só sei que como acontece nas cerimônias de casamento em que a noiva sempre chega atrasada, não deu outra Timóteo atrasou. Porém o atraso foi demais. Começaram os boatos que ele desistira de fazer o show e ai o pessoal começou a protestar e a xingar o cantor. No meio da confusão que se formou chegou de repente do Recife um Galaxy preto trazendo Timóteo. O ambiente já estava tão tumultuado que xingamentos misturavam-se a aplausos e para piorar a situação, alguém na multidão próximo ao carro chamou Agnaldo de viado. Agnaldo nunca foi de levar desaforos para casa e quando ouviu aquilo partiu para briga sendo contido pelos seguranças que o acompanhavam. Depois da confusão e já com os ânimos mais serenados Timóteo adentrou ao Cine Teatro Jardim com o seu acompanhante um guitarrista dos bons e mesmo antes de chegar ao palco já começou a deixar todo mundo embasbacado com a versão da música em português: Siga em Paz. O resto da história não precisa nem contar. Mais um show incrível de Timóteo e sua voz inimitável. Quem me contou essa história? Ninguém. Eu estava lá. Do lado de fora como sempre, mais vi tudinho pelas brechas das portas do cinema na faixa.

Alguns anos atrás depois de 40 anos reencontrei Timóteo numa agência da CEF no bairro de Santana em São Paulo. Fiz questão de cumprimentá-lo ele retribuiu o cumprimento com educação, não toquei na história claro, mais tive vontade.

*Clovis de Barros filho nasceu na Serra da Prata (Iatecá), - PE. Estudou no Colégio Diocesano de Garanhuns do Admissão ao Científico onde concluiu em 1968. Reside em São Paulo desde 1970. É Licenciado e Bacharel em Química Industrial pela Universidade de Guarulhos e Químico Industrial Superior pelas faculdades Osvaldo Cruz - SP.

Meu tipo inesquecível


Da esquerda para direita: Carlos Calvino Brasil, Clovis Barros, Jorge Nascimento, Cláudio Roberto todos peladeiros na Boa Vista - Praça São Sebastião - Garanhuns - 1966

Clovis de Barros Filho*

São Paulo (SP) - Quem  não gravou na memória e não  lembra de alguns dos personagens que marcaram sua vida, seja lá onde você tenha vivido? Falo, não daquelas figuras proeminentes da sociedade que sempre se destacaram, mais daquelas mais simplórias que estavam mais próximas, no nosso dia a dia. No meu tempo morando em Garanhuns durante  os anos sessenta, muita figuras emblemáticas e inesquecíveis fizeram parte de algum modo da minha vida. Vou nessa crônica revelar alguns desses nomes, que certamente se tornaram muito marcantes. 

Primeiro, quem não se lembra do vendedor de gibis Washington o simpático gordo que aterrorizava os garotos que não lhe pagavam a conta dos aluguéis das revistas? Washington e sua banca, ficavam embaixo da marquise da praça em frente ao antigo Fórum. Li muitos gibis lá sentado ao lado da sua banca, a maioria dos frequentadores eram de alunos que gazeavam as aulas e ficavam ali lendo passando o tempo, até chegar a hora de voltar para casa. Os gibis mais famosos da sua coleção eram entre outros O Fantasma, Chalie Chan, Billy The Kid, Dom Chicote, Tarzan entre outros. Quem não lembra? 

Outra figura figura folclórica e colega de peladas era o Garrincha e sua vasta cabeleira, engraxate dos bons  que fazia ponto também embaixo da marquise, só que em frente a S. Moraes. Garrincha como o seu xará e ídolo do Botafogo tinha uma deficiência física porém bem mais acentuada  tinha um problema em uma das pernas, mais mesmo assim incrivelmente jogava futebol,  e bem, mostrando uma força de vontade enorme. Garrincha tinha uma paixão grande pelo Santa Cruz seu time do coração. Não sei se ainda é vivo, me encontrei com ele pela última vez em 2002 depois de mais de 25 anos sem reencontrá-lo. Como não deixar de falar da dupla Romildo Pareia e Inaldo Bico Doce. Ambos, trabalhavam  no bilhar vizinho à velha Padaria Royal.  Eu e muitos outros, tivemos sérios problemas com os dois, pois vez ou outra, deixávamos o  famoso "pindura" sem pagar as horas jogadas no bilhar. Romildo era mais durão e não deixava barato. Inaldo era mais amigável e às vezes "esquecia" das dívidas. Romildo  costumava escrever o nome dos maus pagadores na pedra que marcava o jogo. O meu ficou várias vezes exposto. Só se podia voltar a jogar quando a dívida era quitada. Além de trabalhar no bilhar, tanto Romildo quanto Inaldo eram dois excelentes jogadores de futebol. Romildo jogava pela AGA de ponta direita, suas armas eram a extrema velocidade e o drible curto. Romildo também era um dos líderes e treinadores da banda do Colégio Diocesano sendo um excelente corneteiro. Inaldo era goleiro. Jogava no Sete de Setembro como eu. Só que quando comecei,  ele parou de jogar. Inaldo era relativamente baixo para a posição mais por outro lado compensava a baixa estatura com uma colocação e uma calma incríveis. Inaldo era um cara muito brincalhão. Uma das poucas coisas que o tiravam do sério era quando alguém falava de  Nelson do União filho de Mestre Amaro seu pai. Ai Inaldo Bico Doce perdia a doçura. O motivo era simples. Nelson um dos maiores jogadores que Garanhuns já teve, era o carrasco número um de Inaldo no qual marcou muitos gols.

Na rua Dom José vizinha da extinta Fábrica de Colorau havia uma senhora cujo nome não me recordo e em cuja padaria era produzido o melhor Bolo de Rolo da cidade, nunca vou esquecer pois quase todas as tardes lá estava eu comprando o delicioso bolo, como assíduo freguês. Quem frequentava diariamente essa padaria já que morava próximo era o Michelzinho, o filho do seu  Michel Zaidan. Eu e Michel que hoje é um grande jornalista e sociólogo travamos  grandes batalhas  no sinuca ao lado da sua casa. Michel era meio briguento não aceitava derrotas por nada. Não sei se continua assim até hoje.

Não poderia deixar de citar claro a minha turma que marcou de forma indelével a minha vida. Convivi com eles dez anos seguidos, diariamente, fizesse chuva ou sol, durante o dia ou à noite, sempre juntos nos divertindo pra valer. Falo dos meus caríssimos amigos Roberto Caveira, Jorginho de seu Dudu, Calvino e o grande Gilberto o Correntina. Como todo jovem da época na cidade,  não tínhamos muitas opções além claro dos filmes do  Cinema Jardim dos bailinhos, das visitas às docerias e padarias da cidade. Mais, realmente o que mais nos uniu foram as peladas de futebol na rua, nas calçadas à noite, nos campinhos de terra batida da Boa Vista, nos campinhos do Parque de Eucaliptos e sem  falar  nos jogos de times de botões. Infelizmente o tempo e a distância nos afastaram. Perdi contato com a maioria deles, mais jamais  os esquecerei. Amigos a gente nunca  esquece. Esses foram alguns tipos inesquecíveis que lembro da minha juventude em Garanhuns e que de alguma forma  contribuíram positivamente para moldar a pessoa que sou hoje. 

*Clovis de Barros filho nasceu na Serra da Prata (Iatecá). Estudou no Colégio Diocesano de Garanhuns do Admissão ao Científico onde concluiu em 1968. Reside em São Paulo desde 1970. É Licenciado e Bacharel em Química Industrial pela Universidade de Guarulhos e Químico Industrial Superior pelas faculdades Oswaldo Cruz/SP.

Qualquer semelhança


Igreja Matriz de Santo Antônio e o Colégio Santa Sofia  década de 40 

José Gomes Sobrinho*

Certas atitudes tomadas por algumas pessoas às vésperas e depois das eleições, lembram muito (mas muito mesmo!), uns "casos" acontecidos nessa Barbosóplis tão amada por todos nós,  presentes ou distantes. Os chiliques de políticos caprichosos, - do tipo conhecido como, "fulano de tal" -,  vingativos e apopléticos, que agem como se  fossem donos do mundo, ou melhor, donos da bola, tal qual o caso do garoto da "Baixinha", antiga Travessa da Boa Vista hoje, se não me engano, Rua Dr. Dourado.

A Baixinha, sem calçamento, era um pedaço da rua coberta por uma generosa camada de areia, trazida pelas chuvas à época, abundantes e regulares - usada pela meninada para jogar futebol. A bola, nada mais era do que  as bexigas de porco, resgatadas dos matadouros de porcos de seu João Machado e de seu Antônio Leite. O jogo acontecia todos os sábados, à tardinha e era um momento de congraçamento dos "moleques" que, ali moravam, que "tiravam o time", escolhendo os  jogadores de cada lado.

Um belo dia, mudou-se para aquela rua uma família de Brejão (ou de Bom Conselho, não sei ao certo). Dela fazia parte um menino cuja idade estava na média da dos residentes. O recém chegado ficava olhando, com os olhos compridíssimos, a turma jogando, aplicando belos chutes às bexigas de porco que, frequentemente, estouravam, interrompendo a  "peleja", frustrando os ânimos dos jogadores. Um dia - lembro-me como se fosse hoje -, o novato apareceu com uma bola de futebol, tipo oficial, novinha em folha, vermelha, e ofereceu-a aos chefes dos times, desde que pudesse jogar também. Aceito por um dos lados, mostrou-se absolutamente inútil no trato com a bola; experimentado no time adversário, teve o  mesmo resultado desastroso, com o que as  "esquadras", frustadas com a decepcionante consenso, retirá-lo de campo. Aí, sem  mais  delongas, o novato fez beicinho, pegou a pelota, limpou-a e, de cabeça empinada, retirou-se do  campo, deixando a turma perplexa e  desiludida... Pouco tempo depois, a família se mudou da rua, mas o moleque ficou conhecido como "o dono da bola".

Qualquer semelhança com alguns acontecimentos recentes, devidamente noticiados em jornais de grandes cidades, não será mera coincidência. Acontece que o campo, agora, não é mais a antiga travessa da Boa Vista e os meninos que estão em jogo não são mais meninos de classe média ou baixa; são cidadãos conscientes, bem informados, embora um tanto apáticos e resistentes ao necessário exercício da cidadania, visto deixarem-se levar por alguns portadores de  "novas bolas de futebol" que, mal atendidos, não hesitam em deixar o campo. Aliás, não "pegam a pelota" e saem; infelizmente, fazem pior do que o menino da Baixinha; expulsam o(s) jogador(es) local(is), e saem sem maiores  considerações.

Para tristeza dos demais jogadores e da assistência, não há muito de ficção nesta fábula, mas não é difícil tirar algumas ilações dolorosas. Em verdade, Garanhuns precisava se amar um pouco mais. Ou melhor, MUITO mais: lembrar-se de suas belas tradições de civismo e de um tempo em que seus valores eram respeitados, pelos locais e pelos forasteiros. Tem-se a impressão de que quem que venha, de onde vier, sinta-se "dono da bola" e possa tripudiar sobre aqueles pessoas cujas raízes familiares brotaram deste solo há algumas centenas de anos. E, pela pertinácia de seus antepassados, pensam uma cidade mais justa e mais humana.

Pelo simples fato de me recusar a romper os liames com esta terra, exerço o direito de me sentir indignado com algumas notícias vindas daí. E como não quero desacreditar no  que dizem as notícias dos jornais, lavro aqui, como diria minha santa avozinha, um veemente apelo para que a terra de Mário Matos, Álvaro Rocha, Jaime Luna, Raimundo de Morais, Minervino Apolinário, Fausto Souto Maior e milhares de cidadãos conscientes de seus lugares na sociedade, mire-se no passado, para redimir-se de sua omissão nos tempos presente.

Como diria o saudoso mestre Francisco dos Guimarães Fernandes, de saudosa memória, "o barrete vai para a cabeça de quem dele sentir necessidade", ou algo assim... (Ano 2002).

*José Gomes Sobrinho (Garanhuns, 1935 — 2004) também conhecido como Zé Gomes, foi um poeta, músico e escritor brasileiro, membro das Academias Palmense e Tocantinense de Letras. Foi também presidente do Fórum Nacional de Conselheiros Estaduais de Cultura.

Em julho de 2010, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou uma lei que leva o seu nome, e possibilita o ensino da arte e cultura regional na educação básica.

segunda-feira, 19 de abril de 2021

Johny Albino reivindica cobertura da Academia do parque

Atento a chegada do período chuvoso, que inviabiliza a realização de atividades físicas na Academia do Parque Euclides Dourado, o vereador Johny Albino (PSB), que também preside a Câmara de Garanhuns, reivindicou a cobertura daquele Equipamento Público. 

“A realização dos serviços de cobertura da Academia beneficiará várias pessoas que utilizam àquele espaço, que coberto, vai proporcionar a ampliação das atividades para outros horários no período de estiagem e também será usado durante o inverno. Com a coberta da Academia também estaremos evitando a depreciação dos equipamentos que atualmente ficam a céu aberto”, registra Johny Albino, que apresentou requerimento na Câmara solicitando a ação ao Prefeito Sivaldo Albino (PSB). 

VOTO DE PESAR – Durante a última reunião ordinária da Câmara de Garanhuns, o vereador Johny Albino apresentou um Voto de Pesar pelo falecimento do Tenente-coronel Márcio Bandeira Tenório de Melo, ocorrido em Petrolina-PE, no último dia 11. Ele integrava o Corpo de Bombeiros de Pernambuco e era irmão da Delegada Débora Bandeira, titular da Delegacia da Mulher de Garanhuns.  

"O objetivo da sua vida na Terra não constitui a autoridade, a beleza ou o conforto efêmero. É o aperfeiçoamento espiritual."

Chico Xavier

A imensidão de uma obra

Asnar da Mota Valença, Ivo Amaral e Mons. Adelmar - O prefeito Ivo Amaral assumia a presidência da Associação dos ex-alunos do Colégio Diocesano de Garanhuns em 1978.
Por Ivo Amaral*

Muitos contribuíram para a cultura, religiosidade e progresso de uma coletividade, porém nenhum contribuiu tanto como o Monsenhor Adelmar da Mota Valença, ou simplesmente padre Adelmar, como o chamávamos com muito respeito e carinho. Garanhuns e o seu povo muito devem a essa figura conhecida nacionalmente, e até internacionalmente, pelo trabalho desenvolvido como educador, religioso e patriota autêntico. As suas aulas de civilidade eram verdadeiras mostras do seu patriotismo inconfundível e autêntico, sempre defendendo um nacionalismo puro, os limites sagrados das nossas fronteiras e os deveres indeléveis do homem para com uma sociedade justa, humana e cristã.

Com menos de 10 anos de idade, eu morava ainda na vizinha cidade de Lajedo, onde nasci, e através do meu tio bispo, Dom João da Mata Amaral, que resolveu junto aos  meus pais que eu deveria vir para Garanhuns, estudar interno no Colégio Diocesano,  dirigido pelo então padre Adelmar da Mota Valença. Ingressei muito pequeno ainda no respeitado templo de luz e saber, mas com a esperança voltada para os   ensinamentos que iria receber, com a convivência amiga dos meus colegas de internato e, principalmente, com a educação rígida, máscula e viril de um mestre já com excelente conceito pelo Brasil afora. Estava eu enfrentando não só o frio de Garanhuns, mas também um método de vida muito diferente do conforto de nossas casas.

Padre Adelmar dirigia o gigante da então Praça da Bandeira, que atualmente tem o seu nome, com muito entusiasmo, competência e principalmente amor e carinho. Nunca tive a menor dificuldade de me identificar com os seus ensinamentos e pensamentos, daí ter nascido um sentimento muito forte de respeito, amizade e entusiasmo pela sua obra à frente do Colégio Diocesano de Garanhuns. Tudo ou quase tudo que sei e que tenho devo ao Diocesano, através dos  ensinamentos ministrados pelo seu diretor, professores e até mesmo dos alunos.

Mesmo deixando a convivência diária do Colégio Diocesano, após formado e pronto para enfrentar outros desafios como servidor público, chefe de família e político militante, nunca deixei de frequentar as suas dependências,  como por exemplo a querida capela, as tradicionais competições esportivas, o salão nobre de tantas festividades marcantes e a nossa Associação dos Ex-alunos. Nesta ocupei vários cargos em sua diretoria, notadamente de presidente.

Durante todos esses anos ocorreu uma profunda identificação entre a minha pessoa, não só com o padre Adelmar, mas também com toda a sua família, incluindo irmãos e irmãs, primos, sobrinhos e demais parentes. Hoje faço questão de apregoar essa relação de amizade e estima. Mesmo sem querer ressaltar nomes dessa honrada família garanhuense, faço menção apenas as minhas ligações pessoais e políticas como o agropecuarista Amílcar da Mota Valença, que praticamente me lançou na política, daí ser sido eleito vereador pela primeira vez e depois eleito como vice-prefeito em sua chapa. 

*Ivo Tinô do Amaral é ex-vereador, vice-prefeito, prefeito por dois mandatos e deputado estadual em duas legislaturas.

Boletim Covid-19 – 18/04/2021 | Prefeitura de Garanhuns


A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância Epidemiológica, informa que foram notificados oito casos positivos da Covid-19. Mais nove pessoas estão recuperadas, após cumprir o período de isolamento, e não apresentar mais sintomas da doença.

 Outros cinco óbitos estão em investigação. Ao final do processo, os casos podem ser acrescentados ao boletim, se forem de pacientes que residiam em Garanhuns e confirmados para Covid-19; ou encaminhados para registro pelos seus municípios de origem, e/ou descartados.

 Até hoje, 17702 pessoas foram vacinadas com a primeira dose e 7022 pessoas foram vacinadas com a segunda dose contra a Covid-19. Além dos grupos que aguardam a segunda dose, a vacinação segue para população com 60 anos ou mais, povos tradicionais quilombolas, trabalhadores da saúde e profissionais das forças de segurança e salvamento.

 Ao todo, já foram confirmados 8379 casos da Covid-19 em Garanhuns. Deste total, 156 pessoas vieram a óbito, 7568 estão recuperadas após cumprir o período de isolamento domiciliar e não apresentar mais sintomas; e 143 pessoas que foram confirmadas com a Covid-19 estão em monitoramento. Já foram realizados 13077 testes pela rede municipal.

 Atualmente, o município dispõe de 40 leitos clínicos, sendo 22 destes na Unidade de Tratamento Covid-19 e outros 18 na Unidade Covid-19 Palmira Sales. A taxa de ocupação dos leitos clínicos de enfermaria municipais encontra-se em 75%. O percentual não inclui o número de pacientes graves, internados em leitos de UTI. A taxa de ocupação dos leitos de UTI da Unidade de Tratamento Covid-19 encontra-se em 100%.

 Arte: Lucas Monteiro

"Não sobrecarregue os seus dias com preocupações desnecessárias, a fim de não perder a oportunidade de viver com alegria."

André Luiz

domingo, 18 de abril de 2021

Maurício Acioly e Silva


Maurício Acioly e o primeiro controlista técnico Gastão Barreto

Em 1951, o cidadão Maurício Acioly foi abordado pelo Sr. Amarílio Niceas na porta do Cine Jardim. Amarílio estava em Garanhuns, preparando o funcionamento da Rádio Difusora  que seria  inaugurada em 26 de maio. À abordagem o jovem Maurício foi informado que fora aprovado no teste para locutor, juntamente com Baia Filho e Erasmo Soares.

A PRIMEIRA VOZ NO RÁDIO DO INTERIOR DE PERNAMBUCO 

Maurício  empalidecido pela emoção, foi levado pelo Niceas para Difusora. Lá ainda envolvido pela notícia, teve outro susto: em caráter experimental a Difusora entraria no ar com a voz de Maurício. Uma hora depois, Acioly, de voz embargada, tendo como fundo musical O GUARANY de Carlos Gomes, anunciava: "RÁDIO DIFUSORA DE GARANHUNS - ZYK-25  emissora de propriedade da Empresa Jornal do Commercio S/A entra no ar em caráter experimental. Os senhores que nos escutam mandem correspondência dizendo como estão recebendo o sinal da emissora pioneira de Pernambuco".


Rádio Difusora de Garanhuns - Inaugurada em 26 de maio de 1951

Foi assim que começou a carreira artística de Maurício Acioly, dono de poderosa voz de barítono, bonita, de leitura fácil e inflexão modular.

Incursionou nas azas de locutor animador, tendo programa próprio, todos os domingos a tarde voltado para as criancinhas que enchiam o auditório da Difusora. Enveredou no mercado publicitário, redigindo textos inteligentes e vendendo espaços da emissora ao comércio. Foi mais longe ainda: no campo da produção criou tipos engraçados, como: Dona Emília e um time de futebol, eivado de satíricas críticas políticas. E por ter-se revelado um grande profissional da comunicação, chegou ao cargo de Gerente da Difusora, onde desempenhou com brilho e altivez a difícil tarefa da administrar uma emissora de rádio, ao tempo, complexa, porque ainda não assimilada de todo pela sociedade.

Mesmo sendo radialista, nunca abandonou seu emprego no IBGE, onde chegou a função de chefe da Agência Garanhuns.

Estamos falando de Maurício Acioly, porque entendemos que Garanhuns, jamais poderá olvidar aqueles que muito fizeram pela terra, sem cobrar elogios nem homenagens. Maurício foi um desses homens. 

Maurício Acioly e Silva, nasceu em Garanhuns, filho de João Genésio da Silva e Osminda Cavalcante Acioly, foi aluno do Colégio Diocesano de Garanhuns, onde formou-se em Contabilidade. Trabalhou na firma exportadora de café, firma Schenker Barbosa. Foi presidente da Associação dos ex-alunos do Colégio Diocesano de Garanhuns e membro da Loja Maçônica Mensageiros do Bem. 

Fonte: Jornal O Monitor.